There’s no business like show business

Peter Lorre (1904-1964) foi um grande actor, embora nunca tenha conseguido dar o salto para os papéis principais.

Depois de uma longa carreira em Hollywood, que era, já por essa altura, o centro da indústria cinematográfica, ressentiu-se do facto de não lhe concederem mais protagonismo, e decidiu voltar à sua Alemanha natal, onde esperava que a indústria de cinema local, consideravelmente mais pequena mas também mais criteriosa, reconhecesse o seu valor.

Mas o filme que co-escreveu e realizou na Alemanha, e que pretendia fosse o trampolim para uma nova fase da sua carreira, foi considerado demasiado depressivo e ultrapassado pelo público alemão. E a Lorre não restou outra alternativa senão regressar ao star system de Hollywood, devorador e ingrato, do qual se queixara e quisera abandonar, mas o único que lhe permitia ganhar a vida. Isto é, cumprir a sua arte.

Hollywood castigou-o com papéis ainda menores, deixando claro que não lhe perdoava.

Os mecanismos da memória têm coisas do arco-da-velha, não é preciso ser neurocientista para saber isso. A que propósito me haveria eu de lembrar do Peter Lorre quando lia o anúncio da candidatura de Manuel Alegre, não me dirão?

Porto Canal

O Porto Canal já pode ser visto em directo na net em www.portocanal.pt

Luciano Cordeiro (3): Lisboa Arruinada

Pequena, mas bonita casa de família, situada na união da Duque de Loulé, com a Luciano Cordeiro. Parece ser construção da viragem do século, e já possui autorização para “construção nova”, sórdido eufemismo inventado pela corrupção generalizada que nos vai roubando a cidade. Esta casa foi sede da Editora D. Quixote, de Snu Abecassis. Neste preciso momento, já está a ser demolida, dando o acesso a uma “futura garagem”.

Ainda vou penhorar o Partenon

foto-partenon

Não há como uns dias fora do país para, no regresso, me sentir privilegiado por viver num país rico. Não que tenha ido à Somália ou Etiópia, apenas porque no regresso descobri que Portugal é o 19º melhor país para se ser mãe. E descobri que, sem que alguém me perguntasse algo, vou emprestar 200 euros à Grécia.

Melhor, descobri que todos os portugueses, desde o António Mexia até ao mais simples receptor do rendimento de inserção, vão emprestar dinheiro, também 200 euros, à Grécia.

Dizem-me que, dentro de três anos, se correr bem, posso receber o dinheiro de volta e com juros. Aviso, pois, que quero mesmo receber esse rendimento do empréstimo. E aí da Grécia que não devolva a massa. Vou lá e penhoro o Partenon.

A figura carismática

não é preciso perguntar por quem os sinos dobram, porque quando dobram, dobram por ti.

Para os meus discentes de Antropologia da Educação do ISCTE-IUL

Ernest Hemingway baseou o seu livro de 1940, Por quem os sinos dobram, numa ideia do seu amigo e companheiro de luta, John Dos Passos, que tinha escrito em 1930 a frase ninguém é uma ilha, todo o ser humano é um Continente, pelo que não é preciso perguntar por quem os sinos dobram, porque quando dobram, dobram por ti.

Somos seres sociais, não existimos sós, formamos parte de um lar, mais tarde reparamos na existência de outros parentes, para continuarmos pelos amigos com os amigos de rua, mais tarde os íntimos, até ficarmos com a pessoa mais perto da nossa afectividade e, na base da mesma, somos capazes de reproduzir. Parece ser que o destino do ser humano é não ser indivíduo: é ser um ser social. Já Daniel Defoe em 1719 tinha experimentado, com base na vida de Alexander Selkirk, o náufrago que viveu só e isolado numa ilha do Pacífico, criar a figura do indivíduo, capaz de ser autónomo e de se servir e sustentar a si próprio inserido na natureza. No entanto, a realidade foi mais forte e, após várias páginas de aventuras e descobertas heroicamente isoladas, Defoe teve que criar outro ser humano, Sexta-Feira, nativo da ilha sem o qual Robinson não subsistia. [Read more…]

Prioridade para o mar: Áreas Protegidas Marinhas

Nos «posts» anteriores: O Hipercluster do mar, Os portos, Centros Náuticos e Exploração Energética


Outras propostas são a criação de uma rede de áreas protegidas marinhas e a identificação do valor económico associado; gestão integrada do mar e das zonas costeiras; programas lúdicos de educação ambiental; aplicação da inovação tecnológica à protecção do ambiente; e criação de competências em Engenharia Ecológica.
Monitorização do Litoral: é necessário um programa de monitorização do litoral e dinamizar a produção de levantamentos topo-hidrográficos, assim como promover a defesa costeira e a valorização das praias. Desenvolver a extracção de inertes em offshore e divulgar cursos especializados em projectos e planeamento de portos de recreio.
Identidade Marítima: plano sistemático de cariz educativo e formativo para recuperar a identidade marítima da sociedade, que revitalize a cultura marítima como parte integrante do Património nacional. Planos sistemáticos de comunicação, conferências, congressos ou temas académicos que identifiquem Portugal com o mar, lançando marcas associadas a esta área.

O paradigma da Grande Mesquita de Cordoba

Este artigo foi alterado e redireccionado para aqui

Concursos de Professores e avaliação

Admito e por isso evito.
Admito que está tudo farto de ouvir falar de professores.
Evito falar para não tornar ainda mais presente o ódio latente em algumas almas.

Há umas semanas, por alturas da abertura do concurso de Professores vim aqui procurar explicar o erro que o ME tinha cometido – afirmei, por querer ser rigoroso, que a questão era técnica.
Essa, tarde e a más horas, mas está resolvida.

A FENPROF, organização a cuja Direcção não pertenço desde o último Congresso, procurou desde o primeiro dia usar o argumento acima referido, mas tendo em mente um objectivo maior: impedir que a avaliação tivesse efeitos na graduação para concurso.

E se a táctica se percebe, o resultado é mais uma vez um desastre: a avaliação vai mesmo contar.
Memorando, luta pela não candidatura ao conselho geral, luta para não entregar objectivos, acordo e agora isto…
Sou dos poucos, pelos vistos, que pensa ter havido uma sucessão de erros na condução destas estratégias. Não sei se havia alternativas – mas, por aqui não iria certamente…
Uma classe que luta com 150 mil trabalhadores tem o dever de conseguir mais e melhor.

Impunidade e justiça

Ele não morreu nem matou ninguém. Do mal o menos. Atrás de mim, ele esbracejava como um possesso. Mesmo sem nada ouvir, eu não tenho dificuldade em traduzir as palavras que esses gestos significavam: anda p’ra frente , lesma, mexe-te filha da puta, ó velho do caralho! O carro vinha mesmo em cima do meu, ameaçando, já não digo abalroar-me, mas tocar-me. Seguia pela marginal do Douro, do Freixo a Entre-os-Rios, estrada com muitas curvas e quase sempre com traço contínuo.
Sessenta, setenta era a velocidade do meu carro, velocidade legal e perfeitamente adequada ao trajecto. Acima desse valor tornava-se não só ilegal como perigosa. O gajo queria passar sem mal nem morte, e só não o fazia, mesmo nas curvas e no risco contínuo, porque a fila de carros em sentido contrário tornava a manobra impossível. Então, o bode expiatório do seu desespero era eu. Atirava-me com gestos obscenos, e gritos que eu não ouvia, perfeitamente condizentes com o fácies de atrasado mental que eu conseguia enxergar pelo retrovisor. [Read more…]

UE – efeito dominó

A diferença :

Os políticos que nos levaram ao atoleiro querem seguir a seguinte estratégia:

Pedir créditos para evitar a bancarrota, poupar, cortar despesas, etc. Resultado: poupa-se alguma coisa nas despesas de estado mas a falta de qualquer mensagem de nova fé, esperança e motivação junto do povo fazem encolher tanto as receitas externas (exportação) como internas (impostos). É como uma empresa que entra em dificuldades e recebe um emprestimo bancário sem contudo mudar a a sua estratégia de negócios. Com a falta de mudança de estratégia o efeito dominó é despoletado e a bancarrota é quase uma certeza.

A estratégia proposta por mim.

Implementar desde já as medidas acima referidas absolutamete necessárias para evitar a ruptura de tesouraria. Ao mesmo tempo iniciar e publicar uma mudança de estratégia (New Deal) capaz de criar novas expectativas, nova fé, esperança e motivação para o povo saber que os sacrifícios são apenas passageiras e que o sacrifício vale a pena e é um bom investimento. Assim se geram novas receitas a nível interno e externo. Essa nova estratégia deverá incluir entre outras medidas uma radical reforma fiscal – dica: flat tax.

Rolf Damher

A vinda do Papa não vai ter protestos

Como seria de esperar o bom senso voltou à terra e Bento XVl vai ter uma tranquila peregrinação a Portugal. As manifestações que se anunciavam de protesto renunciaram todas,  por uma simples razão. Trata-se de um Chefe de Estado soberano com quem Portugal tem relações diplomáticas ao nível de embaixadas e, não menos importante, é um símbolo religioso reconhecido por milhões de Portugueses.

E os ex-manifestantes vêm dizer que não querem ofender os milhões de católicos e que se vão ficar pelos debates.

Quem segue para a frente com a iniciativa são a gente jovem do Facebook que vão distribuir 25 000 preservativos, mas fora das vistas do Papa e da comitiva, em Lisboa e no Porto, nos acessos aos locais das cerimónias religiosas.

Mas isto é muito curioso, enquanto a vinda do Papa, representante da religião no seio da qual todos crescemos levanta uma celeuma de todo o tamanho, os véus e as burkas e os minaretes na Suiça, símbolos de uma religião que pouco nos diz, até por ignorância, são acolhidos de braços abertos.

Um dia vou perceber!