Amigo Saramago

Amigo Saramago

 Recebi, desde há umas horas atrás, alguns telefonemas e mensagens de amigos meus espanhóis que te adoram. Uma amiga minha dizia que a qualidade ou virtude que mais admirou em ti, e que mais a marcou, foi a lucidez. Concordo absolutamente com ela. E disse-lhe que tu morreste, segundo me informaram, em plena lucidez e consciência, sem qualquer medo ou surpresa em relação à morte. Foi assim e não podia ser de outra maneira, porque tu tinhas da vida e da morte o conceito antropológico, filosófico e de liberdade com que vivem e morrem os homens que não são homens vulgares.

E tu não foste um homem vulgar. Por isso me afligem as pessoas que te ignoram e odeiam, como ignoram tudo o que está para além da fronteira onde a sua mente não consegue chegar ou não quer chegar. Do ponto de vista literário, tu fizeste o que, até aí, ninguém fez, talvez depois do Padre António Vieira. Revolucionaste a literatura, quebraste a cristalização da literatura clássica como se tivesses feito explodir um fogo de artifício ao fim da página trinta ou quarenta do teu “Levantado do chão”. Criaste uma profunda influência na maior parte dos escritores portugueses actuais. E não só portugueses. Eu não sou nenhum especialista em literatura nem pretendo arvorar-me em tal, mas como tu pensavas, e bem, a literatura é uma espécie de “Casa de Deus” onde todos cabem e têm o seu lugar. Claro que “Casa de Deus”, aqui, a terás entendido como casa da arte. Deus nada tem a ver contigo nem comigo. [Read more…]

In memoriam a José Saramago: O Serralheiro/Escritor

Insubmisso.
Interventivo…
Jamais Omisso,
Genuflectido!

Homem de Crenças
Homem Sofrido
Nas Desavenças
Sempre Temido…

Homem do Povo
Sua Condição
Sempre e de novo
Homem do Não…

De Proletário
A prémio Nobel
Tão Solidário
Quão admirável

Génio das Letras
Obra que medra
Sem meias Tretas
“Jangada de Pedra”

Palavra em riste
Sempre em peleja
Fácies Triste
Postura castreja

Com Portugal
Palavra ao vento
“Memorial
“De” um “Convento”

“Pequenas Memórias”
De tão ruim
Velhas histórias
Desse “Caim”

Adeus, José
Lá nesse assento
Retoma o pé
Para novo alento!

Que contributo
Ante o fastio
Preenche o luto
Deste vazio?

(Mário Frota)

Luto Nacional na morte de José Saramago

A maior homenagem a José Saramago não é o luto nacional que vai, e bem, ser decretado. São os do costume que infestam as caixas de comentários vaporizando ódio, horrorizados por um comunista fazer descer a bandeira nacional a meia-haste.

Calculo o gozo que deu a Saramago imaginar a polémica costumeira como tantas outras que provocou. Se houvesse vida após a morte estava a rir-se, e eles, que acreditam nas almas, imaginando-se a chatear a memória do homem que sempre detestaram.

aramago (sa-ra-ma-go) sm (ár sarmaq) Planta crucífera (Raphanus raphanistrum).

Saramago (sa-ra-ma-go) sm (ár sarmaq) Planta crucífera (Raphanus raphanistrum).

Prolongar a morte (A propósito deste: O valor da vida)

Apesar de 30 anos de debate, das leis e dos esforços de uma série de grupos para melhorarem o tratamento daqueles que estão perto da morte, demasiados americanos ainda recebem maus tratamentos no final da vida e estão a sofrer “mortes más”, sem cuidados paliativos adequados e dignidade, diz o Hasting Center em Nova Yorque.

Joanne Lynn, geriatra do Ministério da Saúde em Washinton, D.C. notou no relatório que o sistema de saúde nos USA tornara possível “viver durante anos no vale de sombras da morte.”

Enquanto médico hospitalar, Jeff Gordon teve muitas oportunidades para observar as agonias de uma morte má – quando o paciente não deixa instruções adequadas acerca de como quer ser tratado no momento em que a terapia para a sua doença deixar de funcionar.

Deve tentar-se a ressuscitação cardiopulmonar se o coração parar de bater? Deve alimentar-se o paciente com tubo se não conseguir fazê-lo pela boca? Um ventilador quando se tornar dificil respirar independentemente?

Ou o paciente deve receber apenas os tratamentos de conforto – para a dor, as náuseas, a ansiedade, a depressão, e outros sintomas debilitantes – e ser-lhe permitida a morte natural?

Mas anos e anos numa cama de hospital “a prolongar a morte” representa muito dinheiro para as Seguradoras e para os prestadores de cuidados de saúde! Centenas de milhões de dólares e imenso sofrimento poderiam ser poupados se as pessoas em conjunto com a sua família e o seu médico, explicitassem o limite dos tratamentos a que aceitavam estar sujeitos e que prolongam a morte.

Atrás do Mundial de Futebol

“O projecto “Jornalismo e Cidadania” vai andar, por estes dias, atrás dos programas de informação que falem do Campeonato do Mundo de Futebol da África do Sul. Queremos, acima de tudo, saber quem são os convidados dessas emissões e que estratégias aí são desenvolvidas para integrar o telespectador nos alinhamentos construídos.”

A Televisão em Discurso Directo pode ser lida aqui.

Os Mega-Mega-Mega-Mega-Mega-Agrupamentos

É a nova aposta do Ministério da Educação para reduzir as despesas no sector: vários Agrupamentos sob a liderança da mesma Direcção.
Será, por exemplo, o caso da escola onde lecciono, que se irá juntar a uma outra da mesma freguesia. Paulo Guinote já o disse, os Directores vão ter de aceitar.
Dizem-me que irá aumentar o número de alunos por turma, o que significa menos professores. Tudo o que é contratado ou destacado, está-se mesmo a ver, vai borda fora. Que é o meu caso, que sou efectivo na Escola Secundária de Cinfães e estava perto de casa por falta de vaga em Cinfães. Se para o ano houver vaga, lá vou eu de novo com as malas, 17 anos depois de ter começado a carreira. Com uma filha que ainda não tem dois anos e outra recém-nascida, vai ser bonito… É a patranha da estabilidade que o Governo andou a vender nos últimos anos.
Ou seja, o que interessa é poupar a todo o custo: ou se fecha as escolas com poucos alunos, ou se une as que têm muitos.
Para já, são conservadores. Lá chegará o tempo em que juntarão vários Mega-Agrupamentos num só, denominado Mega-Mega Agrupamento. Todos os Agrupamentos de um concelho, por exemplo.
E depois, vários Mega-Mega Agrupamentos poderão ficar unidos num só, o novo Mega-Mega-Mega Agrupamento. Todos os Mega-Mega Agrupamentos de um distrito, por exemplo.
E mais tarde, poderão juntar vários Mega-Mega-Mega Agrupamentos num só, os Mega-Mega-Mega-Mega Agrupamentos. Todos os Mega-Mega-Mega Agrupamentos de uma Região, por exemplo.
E por fim, a cereja no topo do bolo, unirão os 5 Mega-Mega-Mega-Mega Agrupamentos num só, os Mega-Mega-Mega-Mega-Mega Agrupamentos.
Ah, pois, isso já existe. O seu nome é Ministério da Educação e a burocrata de serviço chama-se Isabel Alçada.

«Onde dez mil páginas não bastariam, uma é demais»

http://files.photosnack.net/app/swf/EmbedCanvas.swf?hash_id=10ff82f9d02bcf44e01c699d2a187305&watermark=true

«A viagem não é longa, o viajante pode ir devagar. E, para seu maior descanso, deixa a estrada principal e segue por esta, modestíssima, que faz companhia ao rio Lis. É um modo de preparar-se em paz para enfrentar o Mosteiro de Santa Maria da Vitória. O viajante escreve estas palavras muito seguro de si, mas em seu íntimo sabe que não tem salvação possível. Onde dez mil páginas não bastariam, uma é demais. Tem muita pena de não estar viajando de avião, assim poderia dizer: ‘Mal pude olhar, ia muito alto’. Mas é pelo chãozinho natural que vai, e está quase a chegar, não há aqui fugir um homem ao seu dever. Mais fácil tarefa foi a de Nuno Álvares, que só teve de vencer os castelhanos.» (José Saramago, Viagem a Portugal)

To view this photo slideshow you need to have Flash Player 9 or newer installed and JavaScript enabled. PhotoSnack, the free slideshow creator allows you to create stunning photo slideshows in minutes!

Homens – entulho

 

(adao cruz)

Homens – entulho

 Para além de nós há o mundo, e durante muito tempo ignorei o mundo.

 Esqueci as valas comuns que toquei ao de leve, muito ao de leve, não fosse os mortos magoar.

 Nas margens verdes do Dniepre, regadas de lágrimas, onde cresceram flores sobre o chão de Babi-yar.

 Umas de sal e água no mar quente de Bissau bordando a lodo o cais de Pidjiguiti, outras de sangue esguichado das cabeças à tona de água em último respiro, outras de terra ensopada em rios de morte.

 No ventre de um Wiriyamu fuzilado, na penugem de Chinteya, nas balas de Vaina, no esventrar de Zostina.

 Nos gestos de um vulcão de raiva, em cada taça de vingança que nem a morte amansa nos túmulos da Palestina.

 Sangue de Cristo – In Nomine Patris – mártires sem martirológio, corpos fecundos erguei bem alto os ossos descarnados que a morte é de acordar e semear flores na aposta de outros mundos. Erguei os rostos mirrados dos famintos da Terra, dos homens-entulho da grande vala comum, cavada no peito dos Humilhados e Ofendidos pelos homens sem rosto, rasgada no ventre dos Condenados da Terra pelos homens sem alma.

José Saramago…..esgotaram-se as palavras

silêncio, Saramago está a dormir...

As palavras  leva-as o vento.  As lembranças ficam com nós.

Não faz muito tempo, tive a honra de jantar com ele na casa de Belém. Partilhámos a mesma mesa.

José Saramago era um Abel

Silêncio! Está a dormir até o seu próximo romance….

Inglês Técnico Para Tótós (3)

Plunder - saquear, roubar, tomar posse.

José Saramago, 1922-2010

Não sou exactamente um  apreciador entusiasmado da obra de José Saramago: ideias geniais, uma escrita que nem por isso. Mas foi sem dúvida um dos grandes escritores da nossa língua, detentor de amores e ódios.

É aos que dele disseram o que maomé não pensou do toucinho que deixo uma pequena informação: não, não vai arder no inferno. Pelo simples facto de que tal não existe, e extinta a vida ficará a obra. E os seus primeiros romances, muito em particular o Memorial do Convento e a História do Cerco de Lisboa, bem o merecem. Adeus José Saramago.

José Saramago 1922/2010

Silêncio. Esgotaram-se as palavras.

Semanário Grande Porto

Hoje o tema é o blogue Corporações.

O Valor da Vida:

Um caso verídico que nos deve fazer pensar.

a ingratidão da tristeza

o seu filho morre, o pai apoia a mãe, esquecendo a sua tristeza

1. Não procuro um inimaginável mundo novo, como Aldous Huxley pretendeu em 1932. Quero lembrar uma espécie de código para a criança. E reconhecer a existência da tristeza no mundo em que vivemos para o que basta ouvir as notícias que nos atingem e nos deixam…tristes. Tristeza que a infância não compreende. A criança usa outra epistemologia para classificar o mundo. Não há os de cima e os de baixo, os da direita e da esquerda. A criança está a aprender. Os conceitos não são um peso para elas. A criança é um conjunto de sentimentos. Se compararmos a sua atitude com a do adulto, entendemos a diferença: o adulto raciocina, escolhe, opta, respeita as hierarquias ditadas pela lei ou pelo costume. Ordem cultural para ser obedecida se quer interagir e ser aceite na sua interacção social. Como Adam Smith formulou em 1759 na sua teoria dos sentimentos morais: para sermos aceites, é preciso sermos simpáticos. Foi nesta base que organizou em 1777 a sua teoria da riqueza das nações. Teoria formulada para proveito pessoal, individual. Teoria que ainda hoje nos governa,

[Read more…]

Parabenizar quem o merece

É tempo de reconhecer que o jogo com a Costa de Marfim tinha uma dificuldade acrescida: do outro lado estava um treinador que conhece bem Portugal e soube contratar o melhor que havia para tramar Carlos Queiroz.

Empatar, nestas condições, foi mesmo o resultado possível.

Só espero que a Vossa Senhora de Scolari não esteja a aconselhar os coreanos.