Os bancos que paguem a crise

1, 2 , 3, uma elegia à arte do carteirista, um hino às subtilezas do gamanço.

Infografia do Expresso

religião, confissão do medo – III parte

3.1- Algumas ideias finais. IIIª Parte

Como é natural, há mais confissões espalhadas pelo mundo inteiro. Todo o ser humano tem necessidade de ajuda quando a vida é dura e não há outra alternativa na vida material, excepto acudir a essas outras formas materiais, criadas pelo ser humano, a religião. É esse o motivo da minha grande dúvida no início do texto: confissão de medo ou do medo. Decidi-me pela derradeira para discorrer ideias com a minha análise, que devia ser um livro. Um exemplo específico para mim foi o de uma tese de doutoramento que orientei sobre os Ismaelitas. Enquanto lia os papéis para escrever este texto, encontrei esse nome, a Índia toda caiu sobre mim. O candidato nunca acabou a tese, por preguiça, pelo que lhe solicitei ir embora – e embora foi, até com o seu nome, que entretanto esqueci. Mas, aprendi imenso sobre os Ismaelitas e agradeço: visitei os seus sítios de trabalho, comi nos seus restaurantes, ensinaram-me as suas crenças. Em honra aos seus membros, embora breve, direi apenas esta ideia: Os ismaelitas, por vezes grafado erroneamente Ismailismo, é uma doutrina religiosa considerada como um ramo dos xiistas. Os adeptos dos ismaelitas são também designados como septimámicos em

[Read more…]

A sensualidade plena de Mário Soares em pijama sedutor (exclusivo Aventar)


No novo programa da TSF, «Gente que Conta», o entrevistado de hoje foi Mário Soares. Entre outras coisas interessantes, o antigo Presidente da República disse que anda de pijama pela casa fora até à uma da tarde. Não vai comprar o pão de pijama, como o João Manzarra dos Idolos, mas trabalha de pijama. Não esclareceu se também almoça assim.
Pois bem. O Aventar porfiou e conseguiu em exclusivo fotos de dois dos pijamas preferidos de Mário Soares. Ao que parece, foi com estes dois modelos que o antigo Presidente promulgou muitos decretos e que recebeu Carlos Melancia aquando do regresso de Macau e o procurador Cunha Rodrigues quando este fazia de Pinto Monteiro.
Como nota final, se o programa da TSF se chama «Gente que Conta», teria sido bom que ele tivesse contado melhor os célebres negócios da Emaudio, a forma como despachou Rui Mateus para a Suécia e como conseguiu que os «Contos Proibidos» nunca mais fossem publicados. Ou ninguém lhe perguntou?
Já em relação aos elogios a Cavaco se percebe bem por que não perguntaram. Soares faz de tudo para ajudar à derrota de Alegre. Até elogios a Cavaco.

Notícias frescas da Suazilândia

Nothando Dube

Conta-nos hoje o Ionline:

rei da Suazilândia, Mswati III, despediu o seu ministro da Justiça, depois de descobrir que o político mantinha um relacionamento com uma de suas 14 mulheres. Ndumiso Mamba deixa o cargo, após as imagens terem sido reveladas na internet.
Segundo o Daily Mail, o ex-ministro da Justiça mantinha um caso com a 12ª mulher do rei, uma jovem de 22 anos chamada Nothando Dube, ex-miss da Suazilândia. Ainda de acordo com o jornal britânico, a imprensa local está proibida de publicar o escândalo sobre a traição no ceio (sic) da monarquia.

Agradeço a notícia. Fiquei a saber que o rei escolhe as esposas (vai em 13) num festival anual que ocorre no dia do seu aniversário, tendo reparado em Nothando Dube quando esta tinha 16 anos. Não deve ser fácil satisfazer um harém tão numeroso, e compreende-se a intervenção do ministro da Justiça.

Também fiquei a saber que no Ionline pagam a um analfabeto que escreve “ceio” por seio, e que divulga notícias do início de Agosto com a tranquilidade de quem precisa de encher chouriços em finais de Setembro. O que se compreende: o Correio da Manha fê-lo vai para 2 dias, a Visão e o Diário Económico foram atrás, tudo porque alguém precisou dos mesmos enchidos num tablóide inglês qualquer. A parte das “imagens divulgadas na internet” é treta: o casal foi apanhado em flagrante pelos serviços secretos reais, acontecimento que deu origem a fotos como esta:

A única notícia, por assim dizer mais fresca, é que o cargo já foi ocupado, pelo reverendo David Matse, presidente da Comissão de Direitos Humanos, ou seja, especialista numa coisa que a Suazilândia não tem. Este rei ainda acredita nos homens da igreja. E na altura das portas, antes que se aleije.

Musique française à la carte

O companheiro Pedro lançou o repto. Vá lá saber-se por que razão, foi acometido por súbito impulso de um revivalismo da música francesa do século passado.

Pelo meu lado, admirador dos intemporais Piaff, Gainsbourg, George Brassens, Gilbert Bécaud, Aznavour e outros (o belga Jacques Brel também está associado a esta vaga), retribuo com a inolvidável ‘La Mer’ de Charles Trénet:  

Que tal?

Fim de Semana Musical

Depois de ter passado os dois últimos dias a dar-vos música (com clássicos da música popular do séc XX) encerro hoje com filet-mignon.

Em tempos de revivalismos e remisturas várias, também por cá – Deolinda, Oquestrada, Diabo na Cruz, etc.- veja-se esta pérola francesa de Zaz

e o original da inesquecível Piaf [Read more…]

Por mim, o campeonato acabava já hoje

Evitava-se a pressão sobre os árbitros para beneficiarem o do costume, e a Académica voltava aos lugares que lhe pertencem historicamente, com uma equipa que dá espectáculo, no ano da afirmação de Jorge Costa como grande treinador que vai ser.

Até obras de arte sob a forma de golo não têm faltado, este com o gostinho especial de ser marcado ao adversário de estimação, o Derrota de Guimarães:
http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/BQEqAAKWCFfDlFLpH33p/mov/1

Golo de Sougou, Académica 3-Guimarães 1

religião, confissão do medo-II parte

La Pietá, Michelangelo Buonorroti, 1494

2.- Confissão do medo. IIª parte

Duvidei. Duvidei e volto a duvidar. Não da divindade[1], mas sobre se uma qualquer Confissão é de medo ou do medo. Caso escolha a primeira opção, não tenho outra alternativa que desorientar o leitor de que os seus sentimentos de fé ou Confissões foram organizados para assustar os seres humanos da sua divindade. Se escolher a segunda alternativa, é-me possível explicar o que tenho observado em trabalho de campo. Um dia, um rapaz sem trabalho, deslocou-se ao centro de emprego para se inscrever na lista dos sem trabalho. Acendeu uma vela. Como faria um antropólogo qualquer, perguntei porquê. Respondeu de imediato: para pedir pelas almas dos meus defuntos Bem sabia eu que não era assim, era pelo medo que tinha de não obter uma resposta positiva. A anima rogada era ele próprio e seu medo do insucesso. Foi e voltou sem nada, endereçou-se à vela e disse com raiva: vela maldita que nada fizeste por mim, e apagou-a. Lá foram os seus defuntos e as suas almas rogadas! Queria cobrar ânimo, valor. [Read more…]

Onde cortar na despesa?

Portugal precisa de quem puxe pelo país Na passada sexta-feira ouvi o primeiro-ministro dizer em Nova Iorque que preferia uma redistribuição fiscal (leia-se aumento de impostos) a cortes na saúde, na educação e no estado social.

Esta declaração é fantástica. Em primeiro lugar diz-nos que os impostos irão aumentar e em segundo que só na citadas três áreas é que há espaço para cortes na despesa. Ficamos a saber que os governos civis não vão fechar, que a imensidão de institutos, fundações e empresas municipais que duplicam a administração pública continuarão como até aqui e que o patrocínio estatal de actividades comerciais como computadores, construção de estradas e demais obras públicas não será contido.

Recorre-se ao medo e fica tudo na mesma. Excepto para os tais 15% que contribuem para 85% da receita fiscal, que sentirão, uma vez mais, os impostos mais pesados e a carteira mais leve.

A Situação Política Nacional

Estes gajos do 31 da Sarrafada são geniais. Duvidam? Então vejam:

Fábio de Coentrada

http://rd3.videos.sapo.pt/play?file=http://rd3.videos.sapo.pt/b1pMTfFTYWEMy7gzMZPu/mov/1
A raça e o talento estão lá todos. É das Caxinas, o Fábio Coentrão, o que explica uma grande parte do seu êxito.
Onde é que estavam os olheiros do Porto que nunca o descobriram?

Gainsbourg, Serge

A publicidade, por vezes, roça o genial. É o caso desta imagem dedicada a Serge Gainsbourg, possivelmente o mais fantástico compositor de música popular francesa do séc. XX. Isto, para além do provocador, boémio, polémico, bon-vivant, alcoólico, dissoluto & etc. cidadão público. Se esta ou esta canções excitaram o mundo no seu tempo e se adequam mais à imagem publicitária que o homenageia,

eu escolho outra canção, cuja letra só por si é música, para relembrar Gainsbourg, o poeta. Os menos fluentes em francês que me perdoem, mas só por isto valeria a pena terem-se esforçado um pouco mais.

Quem fala assim…

…não é gago e também não gosta do Mariano.

religião, a confissão do medo-I parte

La Pietá, Michelagelo Buonarroti, 1499

Por ser um texto longo, o publico em três partes, em datas diferentes

Para o meu neto mais velho, Tomas Mauro van Emden

1.- Definições

Parece-me necessário definir certas palavras do título, para torná-las conceitos. É a regra mínima de hermenêutica ou de interpretação do sentido das palavras. No meu ver, este título precisa de vários esclarecimentos.

Talvez, o primeiro, seja essa minha obsessão de escrever sobre a temática É bem conhecido que não sou um homem de fé e, no entanto, ando sempre a perguntar-me o porquê dos seres humanos procurarem a religião. Especialmente em Antropologia, essa ciência que estuda o pensamento humano em sociedade, no meio do social ou da interacção social. É um facto tão evidente, o objectivo da nossa ciência aparece em todo e qualquer livro de Antropologia, em dezenas de páginas ou num capítulo especial, que torna a redefinir esta ciência sempre em crescimento. Ciência que, normalmente, tem dentro da análise do social, a palavra religião como pano de fundo. Eu próprio tenho escrito livros, ensaios, textos atrevidos, que juntam a religião com a economia, especialmente nos livros de 2002[1], de 1991[2]a e 1991b[3] e na obra colectiva de 2004[4]. [Read more…]

Lá diz o Medina: “Esta garotada…”

O repisado discurso do caos e da catástrofe de Medina Carreira cansou-me. Há muito, acrescente-se. Para cúmulo, na maioria das vezes, transmitido diante daquele olhar meio gazeado e esbugalhado do Mário Crespo, uma espécie de esfinge elegíaca da desarmonia nacional.

Todavia, do discurso, remanescem fragmentos e frases inesquecíveis. Uma das tiradas de Medina é a referência depreciativa à nova geração de políticos, em especial aos líderes José Sócrates e Passos Coelho. Descrente nas capacidades de ambos, lá vai dizendo: “Esta garotada…”.

Com efeito, até por culpa dos criticados, o homem parece estar com a razão. Estamos perante uma garotada. Um, em Nova Iorque e ao arrepio do sentido de Estado, ameaça fazer demitir o seu governo, se o OGE não for aprovado, e invectiva o rival ‘laranja’ por sua vez, este último, nos Açores, afirma que não voltará a reunir-se a sós com o líder ‘rosa’.  

Vivi conjunturas e contextos muito conturbados na vida política portuguesa – PREC, por exemplo – mas nunca sob o alto patrocínio de líderes políticos, moldados por leviandades infantis do género. No momento de crise económica e social com que o País se debate, impunha-se a Sócrates e Passos de Coelho ter comportamentos responsáveis. Mas o que pode esperar-se de gente deste tipo? Muito pouco, para não dizer…nada!

Aventador Expõe na Maia

Assim reza o press:

José Magalhães nasceu no Porto em 1952. Escreve e fotografa desde a adolescência.
Fez diversas exposições de fotografia, colectivas e individuais, em inúmeras cidades portuguesas (Porto, Braga, Coimbra, entre outras) e chega agora à Maia onde vai apresentar um conjunto de dezasseis trabalhos fotográficos intitulados “Imagens e Bocados”.
A exposição estará patente no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Vermoim, a partir de hoje 25 de Setembro, data da sua inauguração (pelas 21h30). A entrada é livre.

Pois, mas agora vamos falar de um amigo. O José Magalhães é meu companheiro de blogosfera aqui no Aventar e um tipo cinco estrelas. Como se tal não fosse pouco, ainda consegue ser um fotógrafo e peras! Ele diz que é amador. Pois. Amador? Não! Quem consegue fotografar o Porto como ele o faz não é amador. É um Poeta.

Eu vou lá estar. Orgulhoso por o contar entre os meus amigos.

Logo eu, que sempre gostei de partilhar o poder

“Espero que todos os portugueses compreendam: eu aceito governar, apesar de todos os partidos, nenhum deles querer partilhar a responsabilidade de governar. O Partido Socialista, que ganhou as eleições, convidou todos os outros para acordos e para coligações. nenhum deles quer partilhar a responsabilidade da governação” disse Sócrates em Nova Iorque.

Sócrates aprendeu a partilhar? Ao que parece, em NY tudo é possível, if you can make it there, you’ll make it anywhere

Alberto João Jardim acha que o melhor é não partilhar. Coitado, afinal só estava em Vila Baleira – cidade de que muito gosto (a contradição não é minha, nem da Wikipédia) – onde a música é outra:

O Pesadelo de Fim-de-semana

Eu gostava de ser mosca para ouvir o Prof. Cavaco Silva a falar com a sua Maria este fim-de-semana. O Primeiro-ministro ameaça com eleições antecipadas e o Presidente do PSD, Pedro Passos Coelho acaba de afirmar nas televisões que e passo a citar: “Nunca mais falo com o Sr. Primeiro-ministro sem a presença de testemunhas”.

O Primeiro-ministro estica a corda acenando com antecipadas sabendo que isso enerva o Presidente da República que nem quer ouvir falar em semelhante – seria o verdadeiro eclipse das eleições presidenciais – e Pedro Passos Coelho bate com a porta farto das aldrabices de Sócrates. Afinal a corda esticou em demasia e partiu.

Só falta saber, ironia do destino, se será Portas a salvar o Governo e por tabela Cavaco Silva. Já viram o cenário? Portas a salvar Cavaco? Nos melhores dias do Independente nem Zandinga se atreveria a prever semelhante!!!

to my grand children: a letter from Opa Daddy or Grand-Pa

Opa Daddy remembering his chilhood to his first grand child, Tomas, 10 years of age

 

My Dearest Tomas, Maira Rose, Ben and May Malen.

You are so many, and every year another one turns up. Your parents are like rabbits! I don’t know if you understand what I mean by rabbits. Your parents will tell you more. But, this I can say: when I was a boy like Tomas, our parents bought a male and females rabbit, for us. We were so happy! We even baptized them naming the female rabbit Panchita and the male, Lautaro. The ceremony was performed in a family reunion. Ours parents wanted to laugh; however, when they realized that it was a very formal ritual, they respected us and behaved properly, being serious and proper. As I was the eldest son, I performed the role of being a priest, with a disguise made with carpets and veils taken away from my sisters. Two months later, they disappeared and, as we were very little children, looked around in all the yards that we had in our house of Santiago and even in the kitchen-garden that our Nanny used to cultivate for us to eat and, as she used to say: we have to save cash for Don Raúl, -our Father´s name an engineer- does not have to work that much. In fact, our father was always away, we were so many people in the house; our Mother did not work, despite having a degree in Mathematics and another one in Literature, that she had acquired at the Vatican Catholic University of Valparaíso, where she met our father, they fell for each other and, after graduation, they married, and had children: all of us…At the time, Ladies did not work; despite your great grandmother wanted to work to contribute with the expenses of our

[Read more…]

Oktoberfest

image

Esta foto e mais 40 em Oktoberfest 2010 (Munique), galeria disponibilizada pelo site "The Big Picture" (que tem uma iPad App referenciada entre as 12 de topo, segundo a ZDNet). Por Lisboa, também há uma similar festa da cerveja a decorrer no Goethe-Institut).

Duarte Lima e a morte de Rosalina Ribeiro

Continuo contrariado a abordar o tema da morte de Rosalina Ribeiro. Não é um caso para mim agradável. Todavia, a surpresa e a ‘suspense’ transcendem a contrariedade, de que já havia dado conta aqui no Aventar.

Com efeito, a proliferação de notícias com referência a Duarte Lima transformou-se em torrente imparável e geradora de dúvidas. Há dias, em rodapé de programa da SIC Notícias, lia-se que a polícia brasileira suspeita de um homem contratado em Belo Horizonte – logo em Belo Horizonte! – para executar o crime. Hoje, jornal “i” anuncia que Rosalina, antes da morte, transferira cerca de 28 milhões para as contas de Duarte Lima. Também há dias, o “i” e outros jornais informavam que a citada polícia brasileira teria enviado ao DIAP uma lista de 193 perguntas dirigidas a Duarte Lima. A PJ, ao que se sabe, recebeu o encargo de o ouvir.

Repito que, por força de relações profissionais, conheci Lúcio Tomé Feteira, a sua filha Olímpia e a falecida Rosalina Ribeiro e, por maioria de razão, estou empenhado em conhecer a verdade. O que se passa, afinal, com Duarte Lima em relação a este caso? A entrevista proporcionada por Judite de Sousa, na RTP1, nada me esclareceu e as notícias em catadupa confundem-me. Julgo, pois, justificado o interesse em saber o que se passou e o que está a passar-se.

Teresa Lewis é a 5ª executada nos últimos 14 dias nos Estados Unidos

Calendário das execuções nos EUA até ao fim do ano

Teresa Lewis foi executada ontem na Virginia. Com um QI baixíssimo, muito próximo do retardamento intelectual, dependente de drogas, viu os dois homens que a seu mando mataram o marido serem punidos com prisão perpétua, apesar de ter sido ela a conduzir a Polícia aos autores materiais do crime. Ficou provado que estava drogada na altura do crime e que não foi ela que o planeou.
Para Teresa Lewis, a primeira mulher a ser condenada naquele Estado desde 1912 e a quinta vítima da pena de morte nos Estados Unidos nos últimos 14 dias, não houve manifestações nem hipócritas vozes de protesto, que deviam corar de vergonha de cada vez que abrissem a boca para falar de Sakineh (cale-se de vez, pode ser?)
Entretanto, nos Estados Unidos, estão marcadas mais 10 execuções até ao dia 7 de Dezembro. A partir daí as execuções são interrompidas. Para as férias de Natal.

menos despesa, menos estado, nada de obras públicas

Berram desalmadamente tantos ex-ministros contra a despesa pública, pregando o FMIcalipse, do Carreira ao Salgueiro passando por tanto outro,  mas não ouço a avisada voz de Joaquim Ferreira do Amaral:

IX Governo Constitucional, Ministro do Comércio e Turismo; XI Governo Constitucional: Ministro do Comércio e Turismo, Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações; XII Governo Constitucional, Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações donde seguiu para a Lusoponte (concessionária eterna de todas as travessias da foz do Tejo), ou as ideias combativas de Jorge Coelho:

jorge coelhoXIII Governo Constitucional, Ministro Adjunto, Ministro da Administração Interna,  Ministro do Equipamento Social e que ainda ganha a vida na Mota Engil.

Há mais, mas estes dois já valia a pena.

Mira Amaral – um homem sem vergonha

Mira Amaral, engenheiro de base e economista por pós-graduação, resolveu sair também a terreiro e proclamar: “a economia portuguesa não aguenta mais impostos”. Ao estilo de sábio membro do ‘Conselho de Anciãos’, a ilustre figura avisa: “é urgente, é imperioso fazer cortes do lado da despesa…”. O aviso, claramente dirigido ao seu partido, é redundante, se tivermos em conta as posições da direcção do PSD, a quem, Mira Amaral, se pretende colar.

De há muito, a falta de vergonha dos homens públicos é fenómeno comum, mas Mira Amaral é um destro praticante da ignomínia. Integrou os quadros do BPI, transitando do adquirido Banco de Fomento, privatizado nos anos 90. No início da década actual, reformou-se do BPI com indemnização e pensão substanciais. Algum tempo depois, ingressou na CGD, por influência do PSD; porém, ao final de 18 meses, viria a deixar a instituição do Estado, com uma obscena pensão de reforma de mais de 18.000 euros mensais; e não foi o único, porquanto também o seu ajudante de campo e ex-secretário de estado, Eng.º Alves Monteiro, teve percurso semelhante, embora a valores mais baixos. Até Bagão Félix, então Ministro das Finanças, benfiquista de alma e coração, ficou verde.

Hoje, Mira Amaral, administra o Banco BIC, ao serviço de Amorim e de Isabel dos Santos, a princesa do reino corrupto de Angola. Um homem que, além de retribuições de privados que não discuto, em função da desfaçatez de arrecadar cerca de 250.000 euros anuais de uma instituição pública, perdeu a moral – e igualmente a vergonha – para falar em desperdícios de dinheiros públicos, mormente em cortes de despesas. Sr. Mira Amaral: ajude o País, prescindindo da abjecta situação de reformado da CGD!

[Read more…]

O Facebook está em baixo: acesso lento e difícil quando se consegue aceder

Por uma avaria qualquer o Facebook hoje está leeeeeeento, quando funciona, e quando não funciona não se pode dizer que esteja rápido. Possíveis e previsíveis consequências:

- aumento da taxa de natalidade em Junho

- dificuldades na contratação de carteiros

- estranho picos de audiência nas televisões

- a fantástica descoberta de que havia vida antes do Facebook. Não era a mesma vida, mas havia.

Cavaco, PS, PSD e a embrulhada orçamental

O Presidente Cavaco Silva cumpriu mais um itinerário de campanha eleitoral negada, a despeito de ser um intencional programa de visitas a diversas zonas do País. Hoje, foi a vez dos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra e Figueiró. Os problemas locais, certamente existem, ficaram ofuscados. Nas preocupações e palavras aos jornalistas, o PR insistiu na necessidade do acordo entre PS e PSD para aprovação do OGE para 2011.

Por sua vez, noutras bandas, o ministro Silva Pereira anunciou em Lisboa a recusa do PSD em negociar previamente a viabilização do referido Orçamento de Estado; e em Arouca Passos Coelho afiirmou: “não aceito presentes envenenados do governo”.

Há quem afirme, nas hostes do PSD e mesmo entre economistas mediáticos, Vítor Bento por exemplo, que é possível a governação, em 2011, sob um regime de duodécimos equivalentes ao orçamento de 2010. Ser possível é, mas, como diz o anúncio, não é a mesma coisa.

A política económica e financeira de Portugal, em termos de opções e alternativas, está naturalmente condicionada por compromissos com a União Europeia e, em particular, com a Zona do Euro; esta última, diga-se, sob a prepotente tutela da Alemanha da Sra. Merkel. E, para adensar o imbróglio em que nos enfiaram ao longo de três décadas ‘rosa e laranja’, as nossas fragilidades constituem o pasto ideal para os insaciáveis investidores internacionais. Estes, lembre-se, estão muito atentos ao correr do filme cuja realização é assumida pelo PS e PSD. Tudo isto é, justamente, o que assusta Cavaco.

[Read more…]

A memória é lixada

2010-02-02
Impostos não vão subir, garante José Sócrates

"Vamos fazer uma consolidação orçamental baseada na redução da despesa e não através de aumento de impostos, porque isso seria negativo para a economia portuguesa", declarou José Sócrates aos jornalistas, depois de confrontado com uma posição pública hoje assumida pelo governador do Banco de Portugal, Vítor Constâncio.

2010-05-10
Como tudo mudou em poucos meses

"Não há aumento de impostos, concentraremos os nossos esforços na contenção e na redução da despesa, seguindo uma política financeira de rigor".
- 27 de Janeiro

23.09.2010
Ministro das Finanças diz que tomará as "medidas necessárias" para cumprir défice
"Tomaremos as medidas indispensáveis para neutralizar estes factores de risco. Não podemos falhar esse objectivo, faremos o necessário para que o défice não ultrapasse os 7,3 por cento", disse hoje Teixeira dos Santos no Parlamento.
O ministro das Finanças defendeu mesmo que não será possível atingir o objectivo orçamental "sem receita adicional". E prometeu cortes significativos na despesa pública em todas as rubricas no próximo Orçamento do Estado.


Ministro diz que sem aumentar a receita "não vamos cumprir o défice"
No debate na Assembleia da República, o ministro das Finanças explicou que "não é possível atingirmos o nosso objectivo sem melhoria na receita. Sem ela não vamos alcançar o nosso objectivo".

A memória é lixada. Com a volatilidade das propostas políticas, faz todo o sentido perguntar para que queremos campanha eleitoral. Se é para fixar cartazes e lançar promessas vãs, mais vale apenas ir à urna de voto.

Mesquita Machado e a ACF: Os amigos são para as ocasiões

3 meses antes das últimas eleições autárquicas, um concurso público relacionado com o rio Este foi entregue pela Câmara Municipal de Braga a uma determinada empresa de construção civil.
Logo após as eleições, esse concurso público foi anulado. Foi então lançado um novo concurso público.
Hoje, a empreitada foi entregue a uma outra empresa, a ACF – Arlindo Correia & Filhos. A mesma que partilha com o município bracarense o capital social da Sociedade Gestora de Equipamentos de Braga. Coincidência, claro, refere o afortunado Mesquita Machado.
Já falei abundantemente das ligações desta empresa no post «Braga: O autarca, o empreiteiro e o arquitecto» e por isso desta vez não me alongarei.
Registo apenas a conveniência de anular um concurso público para, em seguida, fazer outro com um resultado diferente. Vai fazendo escola, a política socialista de anular concursos sempre que os seus resultados não agradam.

educar

para educar uma criança, é necessária a tribo inteira

Actividade que parece simples de pensar e usar e, no entanto, é a mais complexa das actividades que existem na interacção humana. Parece-me ser a transferência de saberes de uma a outra geração, gerações que não partilham a mesma cronologia pelo que em qualquer grupo social há os que ficam em casa, os que vão à escola ou universidade e os que vão trabalhar. Outra complexidade da acção educar, é que varia conforme as sociedades, as suas formas de comportamento ou culturas, conceito que defini, em 1974, como a orientação do comportamento conforme a lógica dessa cultura, ou seja, a religião. Não a prática da fé, mas sim a ética usada na relação entre as pessoas. [Read more…]

Foi por causa dos vírus

A escola de Lamego que, no ano passado, foi escolhida pela Microsoft para integrar a rede mundial de escolas inovadoras, fechou as portas. Os 32 alunos da EB1 de Várzea de Abrunhais – que dispunham de wireless e em cujas aulas os Magalhães trabalhavam conectados com o quadro interactivo – foram transferidos para um centro escolar onde não há telefone nem Internet.

O Ministério da Educação aderiu ao software livre. Se quer manter a sua escola aberta use Linux. A Secundária de Lagoa, nos Açores, e a EB 2,3 de Nevogilde, em Lousada, fecham já a seguir.