Quando Aqui Morrer Alguém

A culpa é de ninguém, talvez da chuva ou da escuridão ou do excesso de zelo no sangue, não será nunca dos projectistas nem dos responsáveis (?) autárquicos de Guimarães que, há já anos vários, autorizaram (?) a existência deste alçapão com dois metros de desnível. Não deixa de ser curioso que a 200 metros deste local exista a Escola de Arquitectura da Universidade do Minho onde, acredito, os jovens alunos são exemplarmente formados para que, num futuro risonho, não sejam eles criminosos autores de projectos urbanísticos com vista para a morte. Naturalmente, a própria Associação de Estudantes da UM terá coisas muito mais vitais com que se preocupar como a organização atempada das festas que se seguem e das seguintes, pese embora este fosso esteja encostado à residência universitária de Azurém. Estou certo: quando ali morrer o primeiro incauto, mete-se a grade no dia seguinte. E, tudo bem, é dezembro e faz um sol espectacular…

Hoje no PORTORiO

 

O concerto parece que começa pela meia noite. Participam:

Contos Proibidos – Memórias de um PS Desconhecido. As Eleições Legislativas de 1976

continuação daqui

Apesar do difícil relacionamento, Felipe González demonstraria grandes qualidades de estadista ao compreender quer a amizade pessoal de Soares com os dirigentes do Partido Socialista Popular, quer a diferença de pontos de vista derivada da diferença de idades entre ambos. Também sabia que dentro do PS português tinha inúmeros amigos e que as bases simpatizavam com ele, como a própria cimeira do Porto demonstrara.
Estas delicadas questões tinham já sido abordadas numa reunião que tivera lugar em Lisboa, em Junho de 1975, entre o PS e uma delegação do PSOE chefiada por Nicolas Redondo. Quando então nos pediram para clarificar a situação, derivada do entusiástico apoio a Santiago Carrilho e da nossa tão ambígua posição, Mário Soares pediu a Nicolas Redondo que informasse o seu partido de que o PS «reconhecia o PSOE enquanto parceiro na Internacional Socialista, não obstante laços de amizade pessoal entre alguns socialistas portugueses e espanhóis não pertencentes ao PSOE».

O resultado eleitoral das primeiras eleições legislativas não corresponderia, contudo às expectativas. Nem às expectativas políticas dos dirigentes do PS, nem às dos amigos estrangeiros que tinham investido no PS. [Read more...]

Chora, chora, Encarnação, chora

O Presidente do Município de Coimbra, Carlos Encarnação, formalizou o que já se sabia: retira-se um ano depois de eleito e vai dedicar-se à nobre profissão de avô.

É um direito que lhe assiste. Já fazer o choradinho sobre o Metro Mondego ora falecido (e que teve dois mandatos para empurrar para a frente), é patético.

Carlos Encarnação foi parar a autarca por azar: concorreu à falta de alguém que se chegasse à frente (o PSD dava a Câmara como perdida) e ganhou. Toda a gente sabe que tinha outras ambições na política.

Dados os estragos que o PS andava a fazer em Coimbra é difícil avaliar os seus mandatos. Não foi pior nem melhor: foi igualmente mau. É certo que bateu um recorde nacional: deixar o seu director municipal para a construção civil chegar a presidente da Académica deu um julgamento de que se aguarda a sentença. Mas Manuel Machado tinha Luís Vilar como vereador, o que equilibra bastante.

Entretanto Encarnação conseguiu meter um filho a deputado e deixa o Município de Coimbra entregue a um filho de Barbosa de Melo. Este toque monárquico já não espante ninguém: o regime reproduz-se com uma demografia bastante avariada.

Quanto ao choradinho Sócrates não gosta de Coimbra, já aventei sobre o assunto: é natural não se gostar de uma cidade por onde passámos e onde os amores correram mal. Dores de cotovelo acontecem a toda a gente. Convenhamos é que Coimbra não tem culpa nenhuma nisso, e já pagamos as favas desde que o artista chegou a secretário de estado. Numa boa e velha relação sado-maso os meus concidadãos continuaram a votar nele. Não me admira que dentro de 3 anos votem no moço que recebeu uma presidência da câmara como prenda de natal: só precisa de usar o chicote. O povo gosta.

Os Alunos da Minha Escola

Estes são alunos da minha escola que, como outras de igual natureza, anda a ser atacada. O que têm a dizer os autarcas e os pais destas centenas de alunos? O Governo deste país conhece a Constituição ou está já dispensado de a observar?

Um Google Earth para o corpo humano

google body browser

O Google Body Browser é um modelo explorável do corpo humano em 3D. Precisa de um browser que suporte WebGL, como por exemplo o Chrome beta ou o Firefox 4.0b1.

Quem quiser dar só uma espreita, para não ter que actualizar o browser, por exemplo, tem no vídeo seguinte uma demonstração do produto.

[Read more...]

Mais Pisa, torres e torres erguendo em plano inclinado

arquitectura oral

Quase 73% dos alunos testados declararam que em casa existem dois ou mais computadores.
(…) Em matéria de computadores em casa passámos de 30,9% com dois ou mais para 72,9%, enquanto na OCDE a média cresceu apenas de 53,6% para 59,7%. Sendo alunos com 15 anos, será que todos tiveram irmãos com Magalhães? (…)
Em quase 59% dos casos são referidos dois automóveis no agregado familiar.
Em todos estes parâmetros, a amostra portuguesa parece mais rica do que a média da OCDE. Interessante.

Mais dados sobre os jovens portugueses que fizeram os testes Pisa, publicados pelo Paulo Guinote. Muito interessante.

Direito de arrependimento ou desistência nos contratos de crédito ao consumidor

Nos contratos de crédito ao consumidor é agora de 14 dias corridos (anteriormente era de 7 dias úteis) o período dentro do qual o consumidor pode exercer o seu direito de arrependimento ou desistência…

E é bom que se tenha decretado o número de dias seguidos porque já houve uma peregrina decisão dos tribunais segundo a qual o sábado era dia útil para este efeito, quando os bancos têm as portas fechadas e se o consumidor quiser lá ir entregar a carta de renúncia ou arrependimento não pode fazê-lo… se bem que a lei aponte para o registo com aviso de recepção, mas não exclua qualquer outra modalidade que de modo inequívoco e comprovado se mostre que o consumidor exerceu o seu direito…

E como se conta o prazo? [Read more...]

O Ramadão do Natal

o natal dos muçulmanos é o mes do arrepentimento e do perdão

Dois conceitos diferentes dentro de uma aparente contradição. Ramadão, luto islâmico para comemorar a festa da vida que salvaria o mundo ou concepção do Alcorão a Mamede pela sua divindade; Natal, festa cristã a seguir ao Anuncio ou Advento, a melancolia prévia à comemoração de um Nascimento que salvaria a vida humana. Como acontece no quotidiano da vida. Como acontece a esse puto que pergunta à sua avó: é verdade que vais morrer e ela responde: Gostaria que fosse possível salvar a minha vida e te acompanhar sempre!?. Ramadão e Advento do pequeno ao entender, com surpresa, que uma mulher nova e querida o vai abandonar e nada mais lhe vai contar, dizer, acarinhar, beijar. Contar essas histórias que entretêm o mais novo, acarinhar ao passar as mãos pelo cabelo, ao dizer que lindo que está meu menino, tão bem penteado por mim, e o puto orgulha-se dessa vida tão activa que trata da sua. Começa o Ramadão, talvez cumprido, talvez distante, mas de certeza triste. Jejum e abstinência, como no Advento. Porque é-lhe dito que a avó estará sempre com ele, em [Read more...]