Sacro egoísmo que urge

Uma notícia acerca da impossibilidade de colocação no mercado de milho produzido em Portugal, demonstra facilmente a completa desorganização que impera na nossa economia. No preciso momento em que os produtores nacionais entregam o resultado do seu labor e investimento, atraca um enorme navio carregado de milho importado do leste europeu. Os circuitos de distribuição encontram-se não se sabe bem em que mãos e assim se desperdiça uma oportunidade de poupança de divisas, prejudicando-se a solvência de mais uns tantos agricultores. O costume. Uns breves momentos de reflexão, fazem-nos facilmente concluir acerca da inevitabilidade do seguinte panorama num futuro bem próximo: [Ler mais ...]

Que Bem Prega Frei Tomás!…

A jovem democracia portuguesa é uma moça porreira (pá) e o povo lá vai tolerando que um governante, tendo habitação própria em Lisboa (o local de trabalho), receba do Estado um subsídio de habitação de 1400 euros por mês.  É legal, claro, está na lei.

Miguel Macedo tem casa própria declarada em Lisboa. Por isso, e como compete a gente com algum pudor, vai abdicar do subsídio de alojamento. O bracarense subiu 10 pontos na minha consideração.

ps: terá concluído Miguel Macedo que é pouco ético pagar a alguém 1400 euros do dinheiro do povo para habitar a sua própria casa?…

O rigor e o medo

Muita gente embirra com Vasco Lourenço. Eu não. Aprecio a autenticidade. E não há dúvida que o “capitão de Abril” que se antecipou para Março, quando saiu inopinadamente das Caldas a caminho de Lisboa, é aquilo que parece ser.

Li isto, e ainda pensei ser anedota. Vasco Lourenço naquela coisa das Caldas a 16 de Março? Um dos dirigentes militares do MFA envolvido na trapalhada que ia deitando tudo a perder? O homem foi preso a 9 de Março e despachado para os Açores a 15. Estamos conversados sobre amnésias, e rigor.

Tudo porque Vasco Lourenço se referiu ontem a um vídeo publicado no Aventar (aqui simpaticamente reproduzido no Público, sem creditar a fonte) para o qual a direita não tem poder de resposta, já que é a sua própria hipocrisia que está em causa. E pelos vistos anda aflita com a manifestação de militares no próximo dia 12. Devo dizer que não comungo de alguma euforia à esquerda (Novembro não é grande mês para a tropa andar nas ruas) mas está-me a dar gozo o pânico de quem pensa que agora sim, a vingança chegou, aquele 25 de Novembro de 75, em que Vasco Lourenço participou e muito bem, foi frouxo, não se executaram uns comunas nem nada, agora é que vai ser.

Já agora, à atenção do rigoroso jornalista José Manuel Fernandes, Vasco Lourenço pode ter a mesma idade dos generais da Brigada do Reumático mas não demonstra a mesma senilidade, com ainda ontem se verificou. Já de José Manuel Fernandes, sendo mais novo, não se pode dizer o mesmo

Aventar no Eixo do Mal

Manuela Ferreira Leite vive acima das nossas possibilidades

188000 euros de rendimento num ano, acumulação de reformas? esse tempo acabou dona Manuela, está a contribuir para o endividamento do estado (que na sua cabecinha é a causa de todos os nossos males, o BPN não conta, são amigos, prontos). Então depois da reforma do Banco de Portugal ainda foi trabalhar para um banco privado e não prescindiu da reformazinha acumulada com a subvençãozita de ex-titular de um cargo público, sacrificando-se para ajudar a economia portuguesa?

Não? então está a viver acima das nossas possibilidades, dona Manuela. A engordar o monstro, sua marota. Assim terei de lhe chamar hipócrita. Também lhe podia chamar assassina, nome que se dá às pessoas que querem que outras pessoas morram sem assistência na doença para que possam gozar tranquilamente das suas reformas, mas não chamo dona Manuela, tal como não lhe chamo mentirosa por ter sido a campeã da treta do endividamento do estado como causa da crise (negócios como o da Lusoponte não contam, são amigos, prontos), porque hoje acordei com o meu lado machista muito acentuado e a uma senhora não se bate nem com uma flor, era ires viver com um salário mínimo durante três meses e depois conversávamos, dona Manuela, mas só depois, depois de experimentares a fome, a doença sem seguro de saúde, depois disso.

“O Alentejo é Natural”

Porque hoje é domingo e ‘tou cansado de ver coisas fabricadas na tv.