É apenas incompetência

E tratando-se de Assunção Cristas, tende sempre para ser asneira grossa.

Bochechas de Abril

Sim, sim, muito obrigado, capitães de Abril, boa viagem, mas os vossos disparates e afastamento da realidade já cansam. Evidentemente que os ideais de Abril foram para o caixote do lixo, mas não é propriamente o Governo Passos o derradeiro agente de essa degradação e rasura aprilina. Coveiros há muitos. Desde logo a incompetência e sofreguidão em quinze anos de socialismo bancarrotista, passando pela fantástica tradução comunista-esclavagista da República Popular da China com o seu capitalismo extremo, a ditar cartas neste século XXI, algo a que não se pode fugir num País repleto de automóveis de luxo e quase nenhuma produtividade. Para além de engordarem como chinos, de se transformarem em admiráveis bígamos, onde estavam os capitães de Abril enquanto ainda há pouco o supremo reles político desgovernava, roubando Portugal?! A coçar a puta da micose e, mais recentemente, a ladrar revoluções, depois de casa arrombada, where else! Não há dinheiro, não há cabrões.

Inventaram a palavra democracia, só a palavra

As últimas sondagens na Grécia ameaçam vir aí um resultado fantástico, em que a minoria pode governar a maioria. É que o partido mais votado tem um bónus de 50 deputados. Assim também eu.

O Breivik de Pyongyang

O Querido Sucessor, pela voz de uma bastante iracunda leitora de telejornais, anunciou que a Coreia do Norte vai desenvolver “acções especiais” contra o Chefe de Estado da Coreia do Sul. Mais acrescenta o pormenor da duração das ditas acções que não deverão ultrapassar os “três ou quatro minutos, obedecendo a métodos peculiares ao estilo zuche“. Ficamos na incógnita. O que quererá dizer o camarada Kim? Talvez fosse melhor questionarmos o admirador Bernardino Soares, perito na matéria.

Calcula-se…

25 Poemas de Abril (XIX)

Abril de Sim Abril de Não

Eu vi Abril por fora e Abril por dentro
vi o Abril que foi e Abril de agora
eu vi Abril em festa e Abril lamento
Abril como quem ri como quem chora.

Eu vi chorar Abril e Abril partir
vi o Abril de sim e Abril de não
Abril que já não é Abril por vir
e como tudo o mais contradição.

Vi o Abril que ganha e Abril que perde
Abril que foi Abril e o que não foi
eu vi Abril de ser e de não ser.

Abril de Abril vestido (Abril tão verde)
Abril de Abril despido (Abril que dói)
Abril já feito. E ainda por fazer.

Manuel Alegre

Que não seja o dia dos livros mortos

Há sítios onde os livros ressuscitam, sem abate de árvores. Na Universidade de Coimbra, por exemplo.

Crespo na RTP Washington!, manda o Relvas

Só mudam as moscas, a merda continua a mesma

Frase de Brito Camacho

Manuel de Brito Camacho, alentejano de Aljustrel, médico, militar e político célebre da 1.ª República, deixou um legado de declarações intemporais, à semelhança de Eça de Queiroz em ‘Os Maias’ com a sentença: “Isto não é um país, é um local sujo e mal frequentado”.

Crespo, um impoluto e acérrimo defensor da justiça e da liberdade, em Portugal

Tem cumprido aos políticos, a maioria gente de ralé oportunista e tecnocrática, promovida nas últimas décadas a personagens influentes e com poderes de decisão, a formatação e o conteúdo do modelo de organização política, económica e social da Nação – conceito em crescente consolidação na Europa, como demonstraram os votantes em Marine Le Pen.

Na hora actual, e em resultado da miopia de centrarem em Sócrates todas as responsabilidades dos nossos males, a técnica de escolher um inimigo comum – e fui sempre crítico duro de José Sócrates – não passa de um discurso retórico doentio, estafado, redutor e sectário, porque se é verdade que endividou o país em quase 50% do PIB, também é inegável que, antes dele, já havia outra fatia de 50% de endividamento público da responsabilidade de terceiros.

[Ler mais ...]

Livro, leitura e liberdade

No Dia do Livro, é difícil fugir de escrever algo sobre o assunto…

Tiro da prateleira O Silêncio dos Livros de George Steiner, um pequeno ensaio escrito em 2005. Transcrevo algumas ideias para recordar e me fazer pensar:

“A maior parte das pessoas não lê livros. Porém, canta e dança.

O acto de ler livros, (…) pressupõe um determinado conjunto de circunstâncias.

Um dos requisitos fundamentais é, também, o silêncio. 

E, acima de tudo, é preciso ter tempo para ler. (…)

(…) quase meio século de vida consagrado à contínua leitura e releitura (…) e continuo assombrado (…)

(…) do milagre sempre renovado de segurar nas mãos um novo livro.” [Ler mais ...]

Abril não desarma

Associação 25 de Abril, 23 de Abril de 2012

Há 38 anos, os Militares de Abril pegaram em armas para libertar o Povo da ditadura e da opressão e criar condições para a superação da crise que então se vivia.
Fizeram-no na convicta certeza de que assumiam o papel que os Portugueses esperavam de si.
Cumpridos os compromissos assumidos e finda a sua intervenção directa nos assuntos políticos da nação, a esmagadora maioria integrou-se na Associação 25 de Abril, dela fazendo depositária primeira do seu espírito libertador.
Hoje, não abdicando da nossa condição de cidadãos livres, conscientes das obrigações patrióticas que a nossa condição de Militares de Abril nos impõe, sentimos o dever de tomar uma posição cívica e política no quadro da Constituição da República Portuguesa, face à actual crise nacional. [Ler mais ...]

“Pocinho, Tua ou Rua”

Linha do Douro, 2012.

A PGR não abre inquérito?

Um oficial da PSP, Magina da Silva de seu nome, declara estado de sítio, ou mesmo de guerra, para todos os efeitos um golpe de estado. O Otelo não está no activo, tudo o que diga é irrelevante, mas neste caso estão à espera de quê?

A noite da Música

  (adão cruz)

Passei o dia a ouvir música sempre a mesma alternando Madredeus e Erik Satie.

Como foi possível parecerem-me tão semelhantes?

Que percebe de sons este monocórdico espírito?

Mas foi o mesmo o que produziram em mim a sensação amarga de ter atirado fora uma paveia de sentimentos.

Como vou misturar é quase certo que nada existe nada está perto nem eu estou triste com Embryons desséchés e Peccadilles importunes?

Eu próprio me sinto mistura de contradições e acasos harmonia de contrastes santidade e pecado.

Nada percebo de música mas quero que a música seja ar chuva ou vento olhos boca sustento febre delírio amor e tormento.

Não sei onde fica a música nem a terra onde ela conduz sei apenas que é de sol e de luz ar puro e perfume o caminho da música para o alto dos montes.

O ZX Spectrum faz 30 anos

O ZX Spectrum, o primeiro computador de muito boa gente, faz 30 anos (inglês). Se quiser revisitar ou conhecer pela primeira vez esta máquina, descarregue o emulador nesta página. Pode obter o software necessário aqui.

[Ler mais ...]

25 Poemas de Abril (XVIII)

A Valsa da Burguesia

É a valsa da burguesia
Tocada bem a compasso
Pela social-democracia
Para nos travar o passo

Umas vistas muito plurais
Sobre a questão sindical
Nós somos todos iguais
Mas quem manda é o capital

Um ar santinho e beato
De vitima inocente
É o bem triste retrato
Dos que querem dar cabo da gente

Socialismo, sim mas pouco
Para não levantar suspeitas
Barafustar como um louco
E alinhar sempre com as direitas

José Barata Moura

Pimenta no anal dos outros para ele é vaselina

Rajoy: “Entregar el petróleo a extranjeros es de un país de quinta“.

Ficha Limpa – Carta resposta a Pero Vaz de Caminha

Acho que escrevi esse poema no ano 2.000, à raiz de uma denúncia, publicada na Revista Veja (São Paulo /Brasil) sobre três jovens turistas brasileiros (de Pernambuco), que chegaram a Lisboa para visitar Portugal.  Foram barrados no aeroporto, detidos, interrogados e devolvidos ao Brasil, sem justificativas, a não ser a tentativa de entrar ilegalmente no País, o que era falso. A reportagem da VEJA dizia: COMEÇOU DE NOVO:  …funcionários portugueses maltratam brasileiros no aeroporto de Lisboa e os mandam de volta…
a partir desse fato, foi feito o poema Ficha Limpa

Ficha Limpa – Carta resposta a Pero Vaz de Caminha

de José Carlos A. Brito (poeta e dramaturgo, SP Brasil)

1
Há dois caminhos
Para entrar em Lisboa
O da intolerância, da estultice
- Que a Fernando Pessoa
Provocaria uma poética vertigem -
E nega ao ser humano
Direito de conhecer
E amar a sua origem

Há outro caminho
Onde se encontra o amor
Que ama a inteligência
A negra flor
De uma síntese rara
Da raça enriquecida
Pela ideia clara
Da única paz
Futura e possível
Que ainda jaz
Na Europa sepultada. [Ler mais ...]

Hoje dá na net: Os segredos da Goldman Sachs

A Goldman Sachs manda, nos EUA e na Europa. Veja como.

 Legendado em português.