Postal já não sei de onde

Please proceed to departure gates

Este postal não tem fotografias. Porque apenas tirei duas hoje, uma delas selfie, enquanto fumava no aeroporto de Heathrow. Afinal este postal tem duas fotografias. Acordei um bocadinho depois das oito em Edimburgo. São quatro da manhã e estou praticamente a dormir, no sofá de minha casa, sentindo uma espécie de vazio, que o sono, de certeza, apagará. O voo de Edimburgo para Londres atrasou-se uma hora. O aeroporto de Edinburgo é muito organizado e moderno. Pela primeira vez entrei numa máquina que me fez um ‘body scan’. Não sei o que encontrou, se pode radiografar o princípio do vazio que sinto agora dentro. Seja como for, deixaram-me seguir para as portas de embarque. Estamos sempre a partir de qualquer lado, a atravessar portas, pessoas, dimensões e a derrubar barreiras, quando viajamos.
[Read more…]

Chamam-lhes migrantes

menino_naufragado_costa_da_libia_agosto28_2015
Na noite passada. Náufragos na costa da Líbia
Daqui

Ao Cuidado dos ” Aventarias ” desta vida.

 

” Porque ”

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

in Mar Novo (1958) de Sophia de Mello Breyner Andresen

Cancro da Mama, um dos grandes flagelos do século XXI.

luta_cancro_mama

Uma excelente notícia, sobretudo para as mulheres, mas também para as famílias que têm no papel da ” Mãe ” o seu grande pilar e equilíbrio. As famílias que passaram por isto percebem e sabem bem do que falo.

Despesismo e regabofe: a lição de Pedro Passos Coelho

Tecnoforma

Seguindo as melhores práticas eleitoralistas da coligação PSD/CDS-PP, que não se inibe, e bem, de recordar a herança socrática, recordemos uma das mais famosas e mal explicadas heranças do nosso primeiro-ministro, homem de peculiar rigor e responsabilidade, que na década passada abria portas para uma empresa que ficou com a fatia de leão dos fundos geridos pelo amigo Relvas através do programa Foral para, entre outras prioridades, ministrar formações para funções que não existiam em aeroportos desactivados. Chama-se a isto acautelar o futuro. Pelo menos o dele e o dos amigos tecnofórmicos. Já a conta ficou a seu cargo caro contribuinte. Parabéns pelo investimento e não se esqueça de votar neste indivíduo. Há mais dinheiro para gastar mal gasto de onde veio este. E se em algum momento se sentir revoltado, pode sempre consumir alguma propaganda com números manipulados sobre a economia e o emprego que deverão ser suficientes para o acalmar até 5 de Outubro. Votos de um óptimo fim-de-semana e não se esqueça de empobrecer que as isenções fiscais do PSI-20 não se pagam sozinhas.

Postcards from Scotland #12 (Edinburgh)

‘Wanna be lonely with me?’* or ‘There will be no miracles here’**

Este slideshow necessita de JavaScript.

Edimburgo é agora a cidade mais bonita do mundo. Agora que mal a conheci e me despeço já dela. Edimburgo tem recantos que me comovem e se acontecer que me perguntem a razão, na verdade não saberei dizer porquê. Mas Edimburgo só é a cidade mais bonita do mundo quando consigo abstrair-me das multidões que de manhã à noite percorrem, por estes dias do Fringe, as suas ruas. É um exercício difícil, mas aprende-se também a abstração como, na realidade, se aprende tudo. Até a gostar da cor cinzenta e fria que tinge os prédios, do sol intermitente, dos pingos de chuva que nos atingem, grossos e pesados, quando menos esperamos. Das quatro estações numa hora.

Acordei tarde porque ontem fiquei até às tantas na conversa com o Estevan (e não Estebán, como havia escrito no último postal) e com o Manu. Hoje de manhã ainda não eram 9 horas toca a campainha insistentemente e ouço vozes a falar muito alto. As vozes calam-se e eu volto a dormir por mais duas horas. Saio de casa antes do meio dia e tomo um pequeno almoço de fruta e café no Costa aqui na esquina. A seguir vou tentar perceber onde é a paragem do autocarro (41 ou 13) para a Galeria de Arte Moderna. Caminho por isso pela South Bridge, depois pela North Bridge e por quase toda a Princes Street até encontrar a paragem dos autocarros que me interessa. Acordei com as grossas pingas de chuva a cair na janela por cima da minha cabeça. Passado um bocado já brilhava o sol e o céu estava azul. Quando saio de casa chove novamente, mas pouco depois está calor até. Em menos de uma hora as quatro estações, como já disse. Nas ruas que referi a multidão é imensa. As pessoas caminham como se não vissem as outras, como se fossem cegas e andassem sempre em frente, aos encontrões se necessário. Na realidade é mesmo assim. Como se fossem cegas, aos encontrões. Faz-me muita impressão esta gente toda e tento abstrair-me tanto quanto possível, respirando fundo e olhando para cima, para os prédios altos e tão bonitos, para as nuvens, para as copas das árvores.

[Read more…]

Uma boa notícia contra a devassa da vida privada

Spy-Phone-Tracking

TC chumba possibilidade de secretas acederem a metadados das comunicações.

7 votos contra e 1 a favor não deixam dúvidas quanto ao teor da ilegalidade. Era um vergonhoso diploma que contou com a aprovação do bloco central (PSD, CDS e PS).

O novo regime aprovado há cerca de um mês alargava o poder dos diferentes serviços de informações, através do acesso aos chamados metadados, nomeadamente, informação bancária, fiscal, tráfego e localização de mensagens e chamadas. O acesso previsto na alteração focava-se em situações de suspeita de actos terroristas e criminalidade organizada transnacional.

As intenções são sempre boas. Delas está cheio o inferno.

O PS havia aceite votar a favor da proposta do Governo depois da maioria ter limitado o acesso das secretas aos metadados a situações suspeitas de terrorismo, tráficos transnacionais e de ameaça à segurança do Estado.

Ou seja, os supostos liberais queriam que o estado tivesse ainda mais poder. Ai Frei Tomás, Frei Tomás, tantos seguidores reuniste. Se tivesses Facebook na altura, eras um sucesso de partilhas.

Um dia igual a tantos outros

Nelson Évora ganha uma medalha

e há fatos no sítio do costume.

dre2782015

Como os trolls da coligação distorcem a realidade

Costa debate troll

Os trolls evoluíram e a vida de troll já não é o que em tempos foi. Nos dias que correm, a trollice surge incorporada nas estratégias eleitorais dos partidos sendo que, por cá, o insuspeito PSD é pioneiro na arte de distorcer e perverter a discussão dos temas essenciais com requintes de terrorismo virtual. Algo que de resto ficou provado durante as guerras online que marcaram as Internas de 2010 e as Legislativas de 2011, que incluíram a criação em massa perfis anónimos e incendiários nas redes sociais ou a manipulação do fórum da TSF, tácticas que surgem hoje renovadas e com um impacto incomensuravelmente maior. [Read more…]

Estupidificação social-democrata

MAC

Costuma dizer-se que a estupidez tem limites, mas a sabedoria popular, tal como a honestidade e a ética, parece ter perdido o seu espaço na actual cadeia de comando do PSD.

Marco António Costa, destacado líder do PSD, homem forte de Pedro Passos Coelho, suposto líder de uma rede tentacular de tráfico de influências e péssimo gestor publico que contribuiu de forma decisiva para o afundamento das contas da autarquia de Gaia, uma das mais endividadas do país, foi à Universidade de Verão falar com os seus jotas. Terá sido workshop sobre alpinismo político? Não sabemos nem interessa muito para o caso.
[Read more…]

Privatizações: a perspectiva de Mariana Mortágua

Paulo Pereira

“O Poder de fazer um apagão no País é a Razão porque a EDP nunca pode ser privada”

O Tribunal de Contas arrasa o processo de privatização da EDP e da REN. Os juízes sublinham que os elevados dividendos anuais das empresas podiam render, no longo prazo, mais dinheiro ao Estado do que a operação de venda. Apontam ainda um conflito de interesses, com consultores a trabalharem para ambos os lados.

[Read more…]

PPP fiscais

As PPP são uma forma de fazer obra, colhendo os dividendos eleitorais, mas deixando a factura para outros pagarem. Já aquilo a que a malta da coligação chama de PPP sociais é um spin para dar a ideia de que se está a fazer algo que tem antecedentes, quando na verdade é “apenas” a privatização da Segurança Social, algo novel, portanto.

Mas este governo está a fazer uma coisa tipo PPP e que, de facto, é uma reedição do passado. Falo deste suposto reembolso fiscal, a realizar no ano que vem, caso este ano corra bem. Tirando o facto de não termos tido um único governo que não tenha recorrido a orçamentos rectificativos e, portanto, as “coisas” nunca correram bem, estamos perante uma situação em que um governo faz usufruto de dinheiro no presente,  deixando a responsabilidade de pagar para quem vier a seguir (se etc. e tal).

Tal e qual as PPP. Basta, aliás, ver toda a propaganda feita à volta desta suposta futura devolução (que promessa mais frouxa!) para se comprovar que há dividendos eleitorais em causa. Mas há outros, nomeadamente os de tapar buracos nas contas, graças ao excesso de impostos, camuflando os problemas.

Um governo que estivesse de facto preocupado com a economia e confiante no sucesso das suas políticas teria de imediato baixado os impostos, capitalizando um verdadeiro ganho eleitoral. Não o fazendo, temos que concluir que não está preocupado com a economia ou, alternativamente, não tem confiança nos seus resultados. E, não o fazendo, está, como referido acima, a aplicar o princípio das PPP: quem vier a seguir que se amanhe.

Agora, gente da oposição, é só pegar nestes parágrafos escritos em cima do joelho e construir um discurso. Não têm de quê.

Postcards from Scotland #11 (Edinburgh)

‘Todo está al revés’ ou ‘the life I could have lived, if only…’

Este slideshow necessita de JavaScript.

Janto num sítio bestial, Stac Polly, um restaurantezinho simpático e bonito, com comida fabulosa (e eu tenho andado há semanas a comer comida de pub), na St. Mary Street. Bebo uma pint de Raven Ale a acompanhar a maravilhosa refeição, uma cerveja que, tenho quase a certeza, o Diogo haveria de gostar. Percorro, depois do café bastante aceitável, o resto da rua até à Royal Mile, no cruzamento com a High Street, onde caminho até à esquina com a South Bridge. Aí encontro a Cowgate e viro logo à direita para a Guthrie Street, não sem antes hesitar se entro no Jazz Bar aqui mesmo ao lado. Hesito mas não entro, portanto, porque quero perguntar primeiro ao Manu que tal é o bar. Entro em casa devem ser pouco mais de 22h e o Manu está acompanhado do Estebán, metade equatoriano, metade espanhol, que é homem-estátua e pintor e cuja fotografia apareceu há uns dias no Times. Uma fotografia belíssima, diga-se, quando a encontrar online logo a mostrarei. O Estebán está a pintar uma parede no quarto do Manu. Duas figuras bem bonitas, já vos digo. Mas quando meto a chave à porta estão os dois a beber cubas-livre. Oferecem-me mas rejeito porque não gosto de rum, mas ali fico a conversar com os dois.

Falamos principalmente de política e a certa altura o Estebán exclama a propósito das diferenças entre os ricos e os pobres e entre os países do norte e do sul que tudo está ao contrário. ‘Todo está al revés’. Concordamos todos na maior parte das coisas, embora eu me sinta obrigada a ser mais otimista que eles e nem sei bem porquê. Mas nos últimos anos, tenho para mim que se não somos ou tentamos ser otimistas – ainda outro dia o disse noutro postal, a respeito de uma conversa sobre a Grécia havida em Aberdeen – acabaremos por nos suicidar todos. Sim, o Gonçalo M. Tavares já o escreveu muito melhor do que alguma vez eu o farei… qualquer coisa como ‘o que é surpreendente é que não existam mais pessoas que todos os dias se atirem de prédios altos’. Não era assim, era apenas parecido, mas é esta a ideia. E por isso, a necessidade de otimismo. A certa altura o Estebán vai pintar a parede e eu continuo a fumar com o Manu. Ele fala muito alto sobre as razões pelas quais se atirou de Espanha para fora. Espanha, diz, não é um país decente. Um país que deixa que aconteça às pessoas o que está a acontecer não pode ser, diz ele, um país decente. Digo-lhe que o meu país também não é decente, que a Grécia também não o é, mas que as coisas começam a mudar aos poucos, ou, pelo menos, eu tenho essa esperança.

[Read more…]

Privatização dos transportes no Porto:

O Governo fez um estudo. Mas também fez um caderno de encargos que descura as necessidades de serviço público. Rui Moreira não alinha. Mais info aqui.

Paulo Azevedo: um exemplo de simplicidade e sucesso.

 

O Paulo Azevedo é um gestor fora do comum, apenas veste fato e gravata só quando é mesmo estritamente necessário, conduz um pequeno mini, no dia a dia, e os seus colaboradores tratam-no simplesmente por Paulo.

É um homem simples que gosta das coisas simples da vida, muito à imagem do seu Pai, com quem aprendeu quase tudo e com quem também aprendeu a ser um líder. Não aceita o impossível, nem limites. Um dos seus princípios de vida é que é sempre possível fazer mais e melhor, por isso, é um eterno insatisfeito.

Esta é a grande diferença entre a simplicidade de um CEO de um dos mais importantes e fortes grupos económicos portugueses, com investimentos nos mais variados quadrantes do mundo, e as mordomias da maioria dos nossos políticos, desde o simples presidente de câmara de um município com 5.000 eleitores, passando pelos gestores das empresas públicas, ministros, até ao Primeiro-Ministro  E sabem porquê? É que ao Paulo Azevedo sabe o que custa a vida, sabe o que custa pagar salários ao final do mês, sabe o quanto custa arriscar todos os dias o seu dinheiro e o seu património.

Talvez muitos não saibam mas Paulo Azevedo, o homem que lidera o Grupo Sonae, tem as suas raízes familiares no Marco de Canaveses. Esta é a minha terra que é também a terra natal do seu Pai, o Engenheiro Belmiro de Azevedo. É com um enorme orgulho que vejo o Paulo Azevedo como um dos gestores de um dos maiores grupos económicos portugueses. E estou convicto que com a sua liderança vamos ter uma Sonae, no futuro, ainda mais forte e mais pujante.

Sobre como numa economia de casino

os nossos recursos são fichas de jogo.
Mais um golo de Mariana Mortágua. Fonte: esquerda.net
mortagua_BE_crash_china_agosto2015

Para os pais que não são professores, isto pode ser difícil de entender

Santana Castilho*

É real e de conhecimento pessoal. Tem 53 anos, 26 de profissão a que se entregou com amor, hoje cansado. Estava efectivo a 160 quilómetros diários (80 para lá e 80 para cá) da casa onde vive com duas filhas. Concorreu para mudança de quadro de escola, para se aproximar da residência. Conseguiu colocação numa escola 40 quilómetros mais perto (20 para lá e 20 para cá). Dois dias depois, o absurdo caiu-lhe em cima: a escola onde o colocaram não tem horário para ele. Alma angustiada, empurraram-no para a dança macabra da “mobilidade por ausência de componente lectiva”, que pode terminar em “requalificação” e despedimento.

Está apresentado. É um dos muitos, com vidas adiadas. Algumas, para sempre! É professor.

Daqui a dias vai falar-se, muito, do costume: das crianças que voltam às aulas, do que os pais gastaram para lá as pôr e das escolas que ainda não abriram. Não se falará, certamente, da situação profissional dos professores. [Read more…]

Depois da tempestade, a bolsa que mais valorizou foi… a grega!

market

Depois da tempestade chinesa, com o mais que óbvio dedo de António Costa no desastre, os mercados acordaram ontem mais optimistas e foi vê-los regressar à abundância que tão bem os caracteriza. Bastou o Banco Popular da China anunciar taxas de juro mais baixas para que uma onda de euforia tomasse conta das praças europeias. Por todo o lado, índices bolsistas dispararam como foguetes no S. João e até por cá o tão nosso – ainda que parcialmente holandês – PSI-20 terminou a sessão com ganhos na ordem dos 4,71%. Contudo, não deixa de ser curioso que o índice grego tenha sido aquele que maior crescimento registou, fechando o dia com uma valorização de 9,38%. Aposto que foi obra e graça da acção do governo português. Sai um cartaz de propaganda troglodita para mesa 10 se faz favor. Portugal à Frente, até na Grécia!

P.S. Os nossos patrões da Fosun e da Haitong perderam mais de 4 mil milhões de euros com a brincadeira. Quando chega a factura?

Postcards from Scotland # 10 (between Inverness and Edinburgh)

«It’s the fucking great outdoors»*
(and it is the fucking great city of Edinburgh)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em Inverness acordo cedo, mas assim mesmo não a horas de tomar o pequeno almoço. Há décadas que não ficava num Bed & Breakfast e, aqui entre nós, tenho intenção de passar mais algumas décadas sem repetir a experiência. Apesar de muito central, a rigidez do homem quanto ao horário do pequeno almoço, mesmo diante da minha insistência de que eram umas horas absurdas… das 8h às 9h… quer dizer… não cedeu um segundo que fosse. Quando hoje acordei e desci com as malas para pagar e me por a andar dali, tive outra surpresa desagradável. Não podia pagar com cartão e não tinha comigo dinheiro suficiente. Desagradou-me que o homem insistisse que estava escrito no Booking.com que não aceitava cartões. Quando, na verdade, eu tinha comigo o email da reserva e nada constava nesse sentido. Chateada desci os Market Steps até ao centro e levantei dinheiro. Voltei a subir os muitos degraus, ainda aborrecida e quando cheguei ao nº 15 da Ardconnel Street paguei e pedi ao homem que me chamasse um taxi. Estava quase na hora de me encontrar com a Txus no Mercado em frente à estação. O homem antes perguntou-me ‘para onde vai agora?’ e eu, ainda esquinada com ele e com falta de cafeína, respondi-lhe se tinha alguma coisa a ver com isso.

No Mercado, de mau humor, tomo o pequeno almoço e logo chega a Txus com as suas próprias malas. Alegro-me um pouco ao ver girassois na florista. Mas ao tirar uma fotografia, a dona da loja vem lá de dentro, com cara de cão de fila e exclama que não posso tirar fotografias. Eu e a Txus entreolhamo-nos pasmadas… não se podem tirar fotografias a flores, porque? De qualquer modo, já tinha tirado a fotografia. Adiante. Despeço-me da Txus com um abraço certa que nos voltaremos a ver daqui a pouco mais de um mês, em Aveiro. E logo depois, certamente, em Madrid em Dezembro. É uma ideia agradável, revê-la daqui a uns tempos. Os reencontros com os amigos são sempre bons e lembram-nos que não vale a pena aborrecermos-nos por coisas parvas como o facto de o homem do B&B nem sequer me ter dado um recibo. E é esta gente, depois, que acusa os do sul da Europa de fugir aos impostos! Enfim, já tinha dito adiante, adiante seja.

[Read more…]

Uma lagosta para para me ver

para jogo

Efectivamente, Aguero para jogo para adepto do Everton ser assistido.

Aguero para jogo para?

Exactamente, Aguero para jogo para.

Aguero para jogo?

Correcto: Aguero para jogo.

Partamos do princípio de que, “passando  diante  de  um  apelativo  lago,  Narciso  para  para  beber” (p. 101) — ou então imaginemos que “a manifestação (…) para para fazer um minuto de silêncio pelo Chile”  (p. 248), “a rádio para para dar uma notícia sensacional” (p. 196), “Londres para para funeral de Margaret Thatcher” (Público), “Universidade para para agraciar Mourinho” (JN), “Papa para para abençoar doente acamado” (CMTV) “Cervantes para para ser operado” (MR), “Ascensor para para obras de manutenção” (CMN), “Escola Secundária para para ler!” (RBO), “o Sol para para os prodígios” (p. 32)  ou, melhor ainda, “uma lagosta / para / para me ver / trincar / um cato em chamas” (*).

Para para me ver? Para para os prodígios? Para para ler? Para para obras? Para para ser operado? Para para abençoar? Para para agraciar? Para para funeral? Para para fazer? Para para beber?

Para para beber?

Agora, compare-se com “de bicicleta para para o trabalho” (Carris), “Maria Teresa Lago eleita para para comité executivo da IAU” (SPA) ou “sem ter feito para para o merecer” (TVI).

Quanto ao sítio do costume, não há novidades.

dre 25082015

Portanto, Aguero para jogo para adepto do Everton ser assistido.

***

(*) Isto é, «uma lagosta / pára / para me ver / trincar / um cacto em chamas», M. S. Lourenço, Pássaro Paradípsico, Lisboa, Perspectivas & Realidades, 1979, p. 13 (p. 292 ), com intervenção de um conversor.

Quando as elites nos tratam como canalha

Cristas

Não se trata de um caso isolado. É comum ouvir responsáveis políticos dirigirem-se aos portugueses com um discurso “infantilizador”, onde abundam expressões como “ter juízo”, a dicotomia do bom e do mau aluno ou o apelo à obediência autoritária sem direito a questões, não vá o corrupto de serviço mandar-nos de castigo para o quarto sem semanada durante 4 anos. As declarações de Assunção Cristas, a propósito da polémica da interdição da pesca da sardinha, este ano mais cedo do que em anos anteriores para desespero dos pescadores, é o mais recente caso em que um governante envereda por um discurso que nos remete para uma conversa entre uma mãe e o seu filho mal comportado. Para além do registo autoritário e grosseiro que o José Gabriel já aqui referiu, dizer que “se nós não nos portamos bem, se não cumprirmos aquilo que definimos por nós próprios e com o sector, corremos o risco de vermos de hoje para amanhã Bruxelas a determinar uma cota para a sardinha que certamente será mais penalizadora do que aquela que nós temos” surge em linha com o acima citado. Até porque, e façamos aqui um simples exercício, se retirarmos da frase a parte “se nós não nos portarmos bem“, a mensagem que a ministra pretende passar não perde sentido ou conteúdo. É exactamente igual. Mas existem hábitos que as elites não perdem, e o tom de superioridade face à plebe, esse, continuará a ser imagem de marca da casta. Até ao dia em que alguém a ponha de castigo também ou que a canalha passe de bicicleta, parta uns vidros e fure uns pneus.

“A grande invasão”

– eis como chamam os partidos políticos alemães à entrada maciça de refugiados, sírios e outros (estima-se que sejam mais de 800 000, os que entraram na Alemanha apenas em 2015), que procuram uma oportunidade de vida na Europa. É um jornalista alemão que o escreve, explicando o consenso que há entre os partidos alemães relativamente à tragédia humanitária que tem aportado nos territórios europeus.

migrantes_macedonia_agosto2015
(c) REUTERS | Ognen Teofilovski | Migrantes na fronteira da Grécia com a Macedónia

«Raramente os responsáveis políticos estiveram assim de acordo. Seja a extrema-direita, a direita, os social-democratas, os verdes ou o Die Linke, toda a gente usa a mesma palavra para designar o afluxo de refugiados – «grande invasão», «Völkerwanderung», em Alemão. (…) A expressão estimulará uma vez mais o ódio e a violência dos que não compreendem que os fluxos migratórios não emanam de Deus, antes são o resultado de más políticas, levadas a cabo durante séculos.»

Segundo a mesma fonte, «a única que ainda não usou a expressão é Angela Merkel. (…) Fiel aos seus hábitos, prefere esperar para ver como se comporta a «vox populi» antes de tomar uma decisão. Uma estratégia de uma ineficácia política absoluta, mas que a faz ganhar eleições. (…)» [Read more…]

Que se lixe o país.

stcp

Em 2011, o PSD criticava os ajustes directos feitos pelo governo Sócrates. Hoje anuncia um mega ajuste directo daquilo que era para ser uma privatização. Coerência? Que se lixem as eleições (desde que se fechem os negócios antes).

Todo este esquema terá suporte legal num recente diploma do governo, feito à medida destas privatizações instantâneas e que desvirtua por completo o já demasiado permissivo filtro dos limites aos ajustes directos – aos quais o próprio legislador sentiu necessidade de deliberar «sobre a necessidade de prevenção acrescida do risco de corrupção e infracções conexas decorrente das medidas excepcionais estabelecidas pelo Decreto-Lei n.º 34/2009, de 6 de Fevereiro, designadamente do alargamento da possibilidade de adopção do procedimento de ajuste directo.» [Read more…]

A Sociologia e o País ficaram mais pobres.

herminio_martins_sociologo
A Sociologia e o País ficaram mais pobres. Tive hoje conhecimento que faleceu, na semana passada, o Professor Doutor Hermínio Martins um importante sociólogo que leccionou vários anos na Universidade de Oxford sendo autor de vários textos de referência sobre o Portugal contemporâneo. É da sua autoria um extenso e inédito livro em que compara as três grandes mudanças de regime que marcaram o país no século XX: a República, o Estado Novo e a Democracia. Paz à sua Alma.

Paulo Morais, “Janela do Futuro-Portugal 2016”

Paulo Pereira

No lançamento do livro “Janela do Futuro-Portugal 2016”, de Paulo de Morais.

“Vivemos num país em que políticos corruptos nos impedem a nós, Portugueses, de usufruir de tudo aquilo que por direito nos pertence.”

“Porque razão temos todas as condições para viver bem em Portugal e muitos de nós vivem no Inferno.”

(actualizado)
[Read more…]

Passos não passa sem ele

mordomo

Dizem que Passos não vai ao debate final na TV devido à exclusão de Portas. Batota e falta de coragem para prestar contas é isto.

E agora Passos, Portugal também pode mais?

Xi

Nos últimos meses, a julgar por aquilo que a máquina de propaganda da coligação foi transformando em verdade absoluta, todos os indicadores positivos que vão sendo notícia são fruto da acção do governo. E se em alguns casos, como a evolução dos números do desemprego ou o mito dos cofres cheios, o embuste é relativamente fácil de desmontar, outros existem que, apesar de dependerem directamente de variáveis externas, são absorvidos pelo spin da coligação e transformados em conseguimentos governamentais. [Read more…]

Marco António Costa, o novo ” Professor Doutor em Finanças Públicas “.

foto: jornal Público

foto: jornal Público

Marco António Costa esteve, hoje, na Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide. O porta-voz e vice-presidente do PSD afirmou perante uma plateia de cerca de 100 jovens que ” os contos de crianças dão por norma lugar a mais resgates “ referindo-se implicitamente ao Partido Socialista.

Efectivamente concordo que a governação do PS e de José Sócrates levou o País praticamente à bancarrota, tendo sido obrigado mesmo a pedir ajuda externa para fazer face aos compromissos imediatos do estado e ao funcionamento da economia.

E quais foram os resultados dos ” contos de criança ” de Marco António em Gaia? Como é possível Marco António Costa “dar ” aulas a jovens falando sobre dívida pública e gestão de dinheiros públicos? Será que já se esqueceu quando exerceu, entre 2005 e 2011, as funções de vice-presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, tendo a seu cargo o Pelouro Financeiro, foi o principal responsável pela gestão ruinosa da autarquia?

Aliás, Marco António Costa recebeu dez juízos de censura ao longo do relatório final da auditoria do Tribunal de Contas às contas do município de Vila Nova de Gaia entre 2008 e 2012. Segundo este relatório da auditoria o então vice-presidente da Câmara de Gaia é responsabilizado pela “gestão orçamental desequilibrada, caracterizada pela completa ausência de sinceridade e fiabilidade na previsão de receitas, de racionalidade e prudência na efetivação dos gastos”.

[Read more…]

Postcards from Scotland #9 (Inverness)

‘quando viajas com alguém, tudo te é estranho’*

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tenho a companhia da Txus, já o disse ontem, nesta breve estadia em Inverness. Cito muitas vezes, nestes postais que vou escrevendo daqui e dali, uma frase de Enrique Vila-Matas: ‘quando viajas com alguém, tudo te é estranho. Quando viajas só, o estranho és sempre tu’. Esta frase dá sentido a este postal e também às viagens que habituamente faço sozinha. Não é que não goste de companhia, e gosto particularmente da companhia da Txus, porque gosto dela, mas gosto – talvez sobretudo – de ser eu a estranha nos lugares e não de sentir que estes são estranhos. De qualquer maneira ontem, hoje e uma pequena parte de amanhã, são dedicados a tudo me ser estranho e não a ser eu a estranha em tudo.

Acordo no Bed&Breakfast da Ardconnel Street às 10h, passada já a hora do pequeno almoço que neste sítio se faz apenas até às 9h. Tomo banho, visto-me e saio. Desço os Market Brae Steps até à High Street onde tomo um café e um croissant numa esplanada. Combinei encontrar-me com a Txus às 11 menos 5 na estação dos autocarros. Pouco depois da hora combinada aí estou. Apanhamos o autocarro que pára em Drumnadrochit e a seguir em Urquhart Castle, nas margens do Loch Ness. Vamos falando em castelhano (a Txus é basca e eu não falo, lamentavelmente, basco) e admirando a paisagem tão tipicamente escocesa. Mais verde, colinas, montanhas, ovelhas, vacas, cavalos, cercas, bosques e o rio Ness que, dali a um instante se há-de converter no espantoso e gigantesco Loch Ness.

[Read more…]

Um mapa do abandono

rede_ferroviaria_1974_2015
Daqui.