O outro candidato da direita portuguesa

Seguro e Assis

Francisco Assis, o homem que catapultou o Renault Clio para o estrelato da showbiz político nacional, aproveitou a Quadra Pascal para nos relembrar, uma vez mais, que o PS de socialista só tem o nome e alguma propaganda, já muito gasta e cada vez menos convincente. Em declarações à Radio Renascença, e imbuído do espirito católico, apostólico e romano que por ali se respira, reforçado pela data simbólica e pelo seu nome abençoado, Assis pregou ao seu eleitorado natural, situado no centro mas inclinado para a direita do espectro, para o informar que está alinhado com Durão Barroso na luta pela ascensão do bloco central.

[Ler mais ...]

Cavaco contra intrigas, agressividades, crispações e insultos na política

Diz o homem da presidência que inventou a intriga das escutas em Belém.

O 25 de Abril e a escola de Durão Barroso e Nuno Crato

Santana Castilho *

Tornou-se um lugar-comum dizer que a história da Educação da democracia é a história de sucessivas reformas avulsas, quase sempre descontextualizadas e elaboradas sem o concurso dos docentes. Mas a esta característica consensual veio acrescentar-se a desolação dos anos de Crato. Os constrangimentos impostos pela crise sofreram a interpretação de um fanático dos resultados quantitativos que, incapaz de ponderar os efeitos das suas políticas, está a produzir sérias disfunções no sistema de ensino, que nos reconduzem à escola de 24 de Abril, aquela que Durão Barroso evocou e celebrou há pouco, no antigo Liceu Camões. Porque ambos nos querem fazer acreditar que o sonho de modernizar o país foi um erro, que estava acima das nossas possibilidades, que devíamos ter continuado pobres e sem ambições, a eles e a todos os que olham a Educação como mercadoria, aos que ainda não tinham nascido em Abril de 74 e hoje destroem Abril com a liberdade que Abril lhes trouxe, importa recordar, serenamente, o que Abril fez: [Ler mais ...]

A memória ainda não é assim tão curta

Depois de terem escolhido ir além da troika, optando por metas mais agressivas do que o acordado, e de terem por estratégia equilibrar as contas públicas através a redução de rendimento dos portugueses, vem o PSD/governo/CDS dizer que discorda da troika.

“Nós respeitamos sempre as
opiniões de todas as instituições. É
sabido que eu tenho há muito
tempo uma divergência latente com
muitas das posições do FMI.
Discordo frontalmente dessa
opinião do FMI sobre o salário
mínimo”, declarou Marco António
Costa à Lusa.

O chefe de missão do FMI Subir Lall
afirmou na segunda-feira ser
“prematuro especular sobre o
aumento do salário mínimo”. Uma
declaração que mereceu resposta
por parte do vice-primeiro-
ministro, Paulo Portas, ao reiterar
a disponibilidade do Governo para
discutir o aumento do salário
mínimo no momento em que o
programa de assistência financeira
está a terminar. [P]

Acredita quem quer que isto não é conversa eleitoral por parte do partido liderado por aquele que declarou estar-se nas tintas para as eleições.

Saída limpa seria assim

Originally posted on No Vazio da Onda:

pp

Mário Soares diz que não vivemos em democracia e que o país precisa de uma ruptura porque está a ser liquidado pelo Governo

Sempre que a escumalha fala em “saída limpa” lembro-me desta imagem. E também ouvi dizer muitas vezes que o 25 de Abril ficou incompleto. Pois, não mandaram para o lixo as maçãs podres e estas contaminaram as saudáveis.

[imagem gamada a Pedro Piedade Marques no facebook]

View original

O 25 de Abril em Barcelos

jornal-de-barcelosO 25 de Abril na capa do Jornal de Barcelos na sua edição de amanhã, inteiramente ilustrada por alunos do Mestrado em Ilustração e Animação do Instituto Politécnico do Cávado e Ave (Barcelos).

Falta de hábito

marques pombal vandalismo

O facto de um 29 de Fevereiro só ocorrer de 4 em 4 anos explica porque quem calhou nascer nesse dia não saiba muito bem como comemorar o seu aniversários nos intervalos. Os bem-humorados sempre se gabam por envelhecerem menos.

Clubes bissextos têm adeptos sem hábitos de vitória, e as consequências estão à vista. Nem sequer reparam no ridículo de acharem que ganharam um campeonato, quando o que sucedeu é que houve quem o tenha, por sua exclusiva culpa, perdido. Tristezas de um clube do anterior regime, que Abril relegou para o plano secundário que bem lhe fica e bem merece.

Miguel Sousa Tavares acha um exagero as comemorações do 25 de Abril

Adalberto Faria

Eu «compreendo»! O Miguel Sousa Tavares dizia ontem na SIC não compreender tanta comemoração, e em profundidade, sobre os 40 anos do 25 de Abril, e que para quê tanto ruído, se este nada dizia às duas últimas gerações?!! Obviamente que, a comer e a beber como anda, deve andar com pouca inspiração para as suas participações televisivas e não trazia a lição ou o tema preparado. Além disso, já percebeu muito bem que sem se «tornar» polémico, vende pouco, e sem a TV, provavelmente não venderia o número de livros que vai vendendo.
Mas é muito simples «desarmá-lo» e já: OBVIAMENTE QUE NÃO PERCEBO ENTÃO PARA QUE TEREMOS NÓS QUE RECORDAR A MORTE DA SUA MÃE, OU OS FEITOS DO PAI TAMBÉM, A QUEM OBVIAMENTE DEVE A SUA NOTORIEDADE E «ENTRADA» PARA OS ‘MEDIA’, indirectamente. Mais, diz ele que sim senhor, que no 25 de Abril os aplaudiu, aos capitães na rua, mas que foi somente porque nos livraram do jugo fascista «NO MOMENTO»!
Muito bem: então para quê agradecer a Mandela, e a Gandhi se estes livraram o povo do jugo dos seus opressores há tanto tempo ou mais ainda que os nossos? E para quê então lembrar todos os outros que passaram, e aos quais nenhuma geração tem grande interesse como a Luís de Camões, D.Afonso Henriques, Catarina Eufémia, José Afonso, ou aos poemas da mãe dele? Para quê enviá-la para o Panteão se às duas últimas gerações isso pouco interessa, mas sim um novo Ipad, ou uma viagem ao Bali para surfar? [Ler mais ...]

Uma lição de civismo

Recentemente, teve lugar o funeral do ministro das Finanças do governo do Canadá, Jim Flaherty. O funeral saíu da Catedral (anglicana) de St James, a mesma onde a Raínha Isabel participa da missa quando vem a Toronto. Há pouco mais de um mês Flaherty pediu a demissão do cargo, invocando razões pessoais, e soube-se agora, pelos elogios fúnebres, que desejava ter-se demitido já em 2008, não o tendo feito por imperativo de consciência: estava tão preocupado com a situação internacional que entendeu ser seu dever manter-se no posto e dar tudo por tudo para que o Canadá não sofresse de recessão nem com a crise que abalou tantos países. Conseguiu o que desejava. E assim, o político deixou o governo, em paz com a sua consciência, para se dedicar à família por inteiro. Mas Deus entendeu dar-lhe o eterno descanso. [Ler mais ...]

Do Androids Dream of Electric Sheep?

A nova versão do robot da Honda, ASIMO, a executar tarefas complexamente triviais, como abrir um termo e verter o conteúdo num copo de plástico.

* Do Androids Dream of Electric Sheep?

E agora já sabemos quem comeu os ovos todos!

A Alemanha optou pela quantidade. Reuters / Fabrizio Bensch (@ http://qz.com/200297/happy-easter-eggs-eastern-europe/) A Alemanha optou pela quantidade. Reuters / Fabrizio Bensch .

Confirma-se: era apenas para ir ao bolso

hipocrita

A preocupação com a saúde dos portugueses era, como já sabíamos, mera hipocrisia. Porque se fosse sincera, começaria por se proibir o uso de silicone em produtos alimentares (!!!) e baniria os hidrogenados da comida industrial de uma vez por todas .

Sem vergonha na cara, agora afirmam que vão a outro lado buscar os 300 milhões de euros em falta. Em política não vale tudo, lembram-se, ó tristes?

Arquivo da British Pathé disponível no Youtube

Mais de 85 mil filmes históricos (canais disponíveis).

TVI24, a comemorante

nogueira pintoJaime Nogueira Pinto é salazarista. É e sempre foi. Não o escondia dantes, não o esconde hoje. Mas a TVI, com aquela pulsão tão ao estilo Correio da Manhã, gosta de temperar as suas iniciativas com um toque de escândalo que, no pequeno cérebro dos seus editores, dá um je ne sais quoi de estimulante nojo às suas produções. Assim, para “debater” o 25 de Abril, nada como convidar jurados inimigos da revolução. Não questiono o direito de JNP acalentar os seus devaneios coloniais, mas já ter de aturar as suas tiradas de “saudade do império colonial” que o Jaime promove a sua “utopia pessoal” e cuja perda reputa como a sua mais relevante recordação do 25 de Abril, é demasiado indigesto. Isto perante a perplexidade do pobre Eduardo Lourenço, que bem faria em escolher melhor as companhias para estas andanças. E a procissão ainda vai no adro. Não falta quem queira transformar esta festa numa vingança. O próprio banqueiro vigarista Jardim Gonçalves já decretou, há dias, que o 25 de Abril está arrumado. Por esta semana, é a segunda vez que suporto as catilinárias do Nogueira Pinto. Não tardarão a aparecer outros democratas de (28) Maio. As comemorações televisivas vão de vento em popa. No que mostram e, sobretudo, no que escondem.

“Nós”

merkel
O gangster que chefia os amanuenses da banca internacional da habitualmente designada por “delegação da troika”, botou discurso. E se o conteúdo nos provoca uma agressiva náusea, a forma não lhe fica atrás. É que o homem falou usando, constantemente, a 1ª pessoa do plural quando se referia ao que “tínhamos” de fazer. “Temos” de cortar mais pensões; “temos” de cortar salários; “temos” de fazer mais sacrifícios. O tipo dá as instruções com a prosápia do capataz protegido pelos donos. Os eunucos que nos governam fazem vénias. O Portas reforça na AR dando explicações com aquela retórica pegajosa e oca que tanto impressiona os iletrados. E nós temos que aturar isto. Temos? “Temos”?

Publicidade

farturas

Boa Páscoa

coelho ladrão

O Judas é imortal

Em plena época Pascal, fui parar a um reino onde se faz justiça pelas próprias mãos. Descobri que Judas, o fulano, talvez gay e seguramente traidor (um dos cartazes que não fotografei dizia que ele traiu Cristo e gostou) é um ser muito mau carácter que comete crimes hediondos: tira a sopa aos habitantes do reino, é corrupto e deixa o seu país de luto, provocando graves danos no bolso de todos, não pede factura (ficando, assim, impedido de ganhar um Audi que o magnânimo primeiro-ministro do reino tanto quer oferecer aos habitantes, para além de contribuir para a economia paralela), usa luvas brancas, certamente para executar os seus roubos sem deixar impressões digitais, e isto apenas para citar alguns dos seus crimes. A juntar a isto, parece que Judas não prima pela beleza física, pois é detentor de umas enormes orelhas de coelho e imagino-o um gordo visto que nem cabe no Portas, ai, perdão, não cabe nas portas. Juntando a tudo isto, Judas é um inculto que nem sequer é capaz de escrever poesia, imagine-se!

Piorando a situação, este energúmeno não contribui para a economia local passando férias no Inatel. Deve ser demasiado importante. Tão importante que nem precisa de emigrar, que isso de emigrar é para o povo e para os reles mortais.

Mas algo de bom este Judas teria que ter. É que enfiado num espeto, ele dá um bom amuleto. Felizmente, como comecei por dizer, foi feita justiça e este ser execrável foi queimado esta noite. Felizmente que na vida real nada disto existe.

Sacrificados

sacri

Diz quem acredita que Cristo foi dado em sacrifício ao seu pai, com a anuência deste, para nos salvar a nós, ímpios, de todo o pecado.

Se assim foi, por que motivo continuam tantos e tantos seres a ser sacrificados diariamente?  Como se explica que haja famílias destroçadas tão frequentemente? Não bastou aquela morte?

Como é que um padre que já enterrou 92 pescadores consegue continuar a acreditar em Deus e consegue continuar a exercer a sua profissão? Respeito a fé deste homem e de todas as pessoas que acreditam, mas é algo que me ultrapassa.

Desde Outubro do ano passado voltei a estar em contacto com a população de Vila do Conde e Póvoa de Varzim. Muitos dos meus formandos são caxineiros. Sempre que algo acontece no mar, noto-lhes as preocupações no rosto, ouço-os mais calados, sinto-os apreensivos. Por vezes, nem sei que se deu mais uma tragédia, mas, mal entro na sala de formação, percebo logo pelo ambiente que algo aconteceu. [Ler mais ...]

Haja alguém que proteja a economia dos malefícios da saúde pública

Pires

“[…]poderão ser equacionados contributos adicionais do lado da receita, designadamente na indústria farmacêutica, ou de tributação sobre produtos que têm efeitos nocivos para a saúde” (Maria Luís Albuquerque – 15.04.14)

Não há taxa. É uma ficção, um fantasma que nunca foi discutido em Conselho de Ministros e cuja especulação só prejudica o funcionamento da economia” (Pires de Lima – 18.04.14)

No seio de um governo desorientando e incompetente, este tipo de contradição é cada vez mais frequente. Aconteceu recentemente com José Leite Martins, repreendido sucessivamente por vários membros do governo, aconteceu com Passos Coelho quando Portas lhe tirou o tapete da TSU ou quando se demitiu em protesto contra a nomeação de Maria Luís Albuquerque, hoje sua comparsa de tantas conferências de imprensa. [Ler mais ...]

Vandalismo e Show Off

vandalismoO Facebook parece servir para tudo: para encontrar pessoas, reencontrar outras pessoas e exibir aos olhos do mundo um objecto que em tudo parece um validador de bilhetes urbanos da CP e Andante, fotografado no que aparenta ser a cobertura de um apeadeiro ferroviário. A julgar pela legenda encontrada numa página aberta, será em Mazagão (Braga). Parabéns por “mais uma xb é noizz” – @Miguel Castro, “com João MiguelJoão LopesRenato Macedo,Tiago Gomes e André Almeida em mazagão.”
[via maquinistas]

Lamento de uma morte anunciada

ggm
Sabíamos que estava para acontecer, mas resistimos à ideia. Não queremos acreditar que a obra está completa, porque a sentimos infinita. Gabriel Garcia Marquez – o jornalista, o escritor, o cidadão integro e corajoso – é uma daquelas presenças que, para muitos de nós, mede a dimensão dos homens bons. E dos grandes artistas. Quem sentiu o arrebatamento da leitura de Cem Anos de Solidão sabe bem o caminho pelo qual se descobrem estas simples evidências. “Ninguém merece as tuas lágrimas, e quem as merecer não te fará chorar”, dizia. Não choremos, pois. Sobre a morte, pensava o escritor que a melhor é a morte por amor. Não sei. Mas sei que se é verdade que a medida de um homem é, não o quanto ele ama, mas o quanto é amado, Gabriel é gigantesco.

Ladrões profiláticos

assalto
Manuel e Maria iam pela rua fora, de braço dado. Iam felizes. Tinham-se oferecido a oportunidade – rara, por estes tempos – de jantar fora e antecipavam momentos agradáveis.

Eis, porém, que das sombras da noite surge um vulto ameaçador empunhando o que parecia uma arma. “Alto! – disse – isto é um assalto”.

Perante o evidente medo do casal, o assaltante explicou-se: “Iam jantar ali, de certeza” – disse, apontando o letreiro do restaurante que já se vislumbrava. “S-s-sim”, assentiu o Manuel.

“Foi o que pensei” – tornou-lhe o ladrão. “Pois fiquem sabendo que o que ali se come é bom, mas faz mal. Os salgados levam sal, os doces levam açúcar, a carne está cheia de proteínas e gordura, os fritos são…enfim, são fritos. Por isso, fico com o vosso dinheiro para vosso bem e na defesa da vossa saúde. Não comem, mas também não aumentam o colesterol nem incorrem em riscos alimentares”.

O casal lá entregou as notas que trazia para o seu serão gastronómico e regressou, entre a tristeza e a raiva, a casa. Sentaram-se desanimados e, já sem apetite, ligaram a televisão procurando evasão para a sua inquietude. Estava a dar o telejornal. Lá ouviram a notícia de que o governo se aprestava a lançar pesados impostos sobre alimentos que, segundo os especialistas, fazem mal à saúde. Sal, açúcar, gorduras, vários alimentos preparados e outras coisas mais. Tudo a bem da saúde dos portugueses com a qual, como sabemos, se preocupam. Concordante, o Manuel saudava as medidas:

“Vês, Maria, nesta tristeza em que estamos sempre é bom saber que o governo se preocupa connosco. É o que vale. Já agora, bem podiam tomar medidas para melhorar a segurança nas ruas. Já não se pode sair sem nos arriscarmos a ser roubados…”

Convidei o Pedrocas para cá almoçar amanhã…

phallic potato!!!!

… mas é que até as batatas, meus deuses?!?

De nenhum cigarro diremos que é o último

É certo que já poucos são enterrados, é uma questão prática, de higiene, resolve problemas de espaço, só prejudica as floristas. Cremados os restos mortais, despejadas as cinzas no jardim mais próximo, não há encargos com coveiros, lápides, flores frescas ou de plástico, círios ardentes.

Mas ainda há – e talvez sejam necessárias uma ou duas gerações mais para que o hábito se perca – os que teimam em enterrar os seus e peregrinar depois à campa, pelo menos durante os cinco anos que vão do funeral à primeira tentativa de desenterramento.

A família do Sebastião enterrou-o não por vontade expressa do falecido antes de sê-lo, mas por hábito, tradição, horror ao fogo (reminiscências dos sermões admoestativos do padre, talvez) e partir de então passou a haver “a campa do Sebastião”, lugar de romagem nas primeiras semanas após o óbito inesperado, depois tarefa distribuída pelas mulheres da família, e logo incómodo despachado de uma para outra, recebido com um invariável “outra vez? Ainda há pouco fui eu!” [Ler mais ...]

O melhor momento é nunca

mais tarde

As iniciativas “não surgem no melhor momento, nem servem de pretexto para discutir e reformar o sistema político.”

Era o que faltava não se poder trabalhar de manhã nos escritórios de advogados que fazem consultoria às leis que se aprovam à tarde. Exclusividade é coisa dos zecos das escolas e dos dôtores dos centros de saúde. E de todos os que têm que fazer o seu horário de trabalho e mais as horas que só não são extra porque não têm remuneração.

Ninguém está contra se trabalhar a tempo inteiro no  trabalho para o qual se recebe salário e ajudas de tempo inteiro. Não, vamos é embrulhar isto num pacote de profunda revisão, que inclua círculos uninominais, redução do número de deputados, financiamento partidário e que até agora nunca surgiu no melhor momento.

Gabriel García Márquez

ggm

Gabriel García Márquez, con un ejemplar de la primera edición de ‘Cien años de soledad’ sobre la cabeza. ©Colita (via El País)

R.I.P.

GGM1

A vaca verde

cow

Liderada por Jorge Vasconcelos, ex-presidente da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), a comissão foi nomeada em finais de Janeiro e tem até 15 de Setembro para apresentar uma proposta para aumentar os impostos relacionados com o ambiente, de modo a reduzir a fiscalidade sobre o trabalho.
(…)
O documento agora divulgado faz uma longa análise dos impostos e taxas que têm relevância ambiental. No ano passado, representaram 13,9% de todas as receitas fiscais do país – aproximadamente um em cada sete euros.

Sucedem-se as notícias do não aumento de impostos. Uma vaca que origine um sétimo dos impostos é alvo apetecível para mais um pouco de ordenha. “Ah e tal, estes não me saem do bolso!” É mesmo assim?

Deixa-se de fumar por causa dos impostos?

O objectivo desta nova taxa alimentar é a taxa em si mesma. O resto é hipocrisia política e duplo discurso, consoante se é oposição ou governo.

%d bloggers like this: