O que mais ainda virá que não estava no PEV IV?

Estava previsto o PEC IV acabar com as PPP, TGV e aeroporto? É que ontem o engenheiro disse, textualmente, que «as medidas previstas são essencialmente as do PEC IV».

 

Adenda
Se procura a tradução do  ‘Memorando do acordo estabelecido com o FMI-BCE-CE’, siga este link.

Uma coisa que não percebo…

Ora se os tipos que nos vão dar dinheiro* dizem que para o próximo triénio não haverá massa para PPP, TGV e aeroporto, será que os 51 magníficos que defenderam as obras públicas durante a campanha eleitoral das legislativas 2009 estavam errados?

poceirão

E já agora, para que vai servir esse pedaço de caminho de ferro entre a fronteira e o Poceirão?

* sim, parece que nos vão dar dinheiro, avaliando o que ontem foi dito só se pode concluir isto

 

Adenda
Se procura a tradução do  ‘Memorando do acordo estabelecido com o FMI-BCE-CE’, siga este link.

Obras Públicas : veio cá um senhor da UE!

Fatal como o destino, o que tem que ser tem muita força, o bom senso prevalece, dinheiro só no “totta”, o Presidente do BCE esteve cá ontem a deixar uns recados ao “animal feroz” e tudo lhe cai pelas pernas abaixo.

Não há megaprojectos, quem não tem dinheiro não tem vícios, felizmente que não haver dinheiro tem esta grande vantagem, não se estraga, não se gasta mal gasto. Para não perder a face adjudicou hoje um troço que, sem a ponte e os demais troços já congelados não serve para nada, vai ter que ficar à espera para estar operacional, mas enfim o pobre do “estadista” tambem não precisa de ser humilhado.

Um pesadelo a chegar ao fim ! Que dirão disto os “defensores do interesse nacional” que tão desinteressadamente se bateram pelas grandes obras públicas?

Obras públicas – aliança Sócrates / PCP

A guerra dentro do governo já é mais que evidente. Sócrates responde a Cavaco Silva e põe o ministro das obras públicas a responder a Teixeira dos Santos. A causa são, evidentemente, as obras públicas ! Sócrates acha que recuar, ou pelo menos adiar as obras públicas para melhores tempos, dá uma imagem de fraqueza. Pelo contrário, na presente situação, esta obsessão pelas obras públicas (TGV, Aeroporto e Ponte) levanta sérias e legitimas suspeitas. O que aproveita Sócrates, contra todas as opiniões e evidências, levar estes projectos ao ponto de não retorno?

Claro que Teixeira dos Santos, que faz as contas e que ouve as entidades financeiras da UE, sabe que esta obsessão não tem pernas para andar, ninguem vai emprestar dinheiro para obras faraónicas, a não ser a taxas de juro elevadíssimas que o país não tem como pagar. Quem vai continuar a engolir “sapos”?

João Cravinho, lá de Londres já veio apoiar Teixeira dos Santos e, Passos Coelho, espera que mais vozes se juntem no apoio ao ministro das Finanças, É que as contas ,para ajudar Portugal, apontam para 13 mil milhões de Euros o que corresponde a 8.1% do PIB e a cerca de 11% da dívida pública. Se lhe acrescentarmos, em contas redondas, mais 3.3 mil milhões para o Aeroporto, 1.8 mil milhões para a Ponte e o TGV até ao Poceirão e uns 7 mil milhões para o resto do TGV e, já agora, a autoestrada consignada há dias à Motta-Engil de 1,42 mil milhões, fica a dúvida legítima.

O que fará mover Sócrates para deixar o país numa situação miserável desde que  as obras públicas atinjam o ponto de não retorno? Porque o que faz correr o PCP,  apoiar as grandes obras públicas, é a existência de um Estado que tudo constrói, tudo controla, tudo pode.

Mas esses, os comunistas, não enganam ninguem! Sabe-se ao que vêm!

Obras Públicas – suspeitas legítimas

Hoje no Público, Campos e Cunha aborda a questão do PEC, dos “especuladores” do acordo Sócrates/Passos Coelho e da miserável situação em que nos encontramos.

Como se verificou, imediatamente a seguir ao acordo com Passos Coelho, vieram os ministros das Finanças e das Obras Públicas fazerem apressada declaração. O aeroporto e o TGV  continuam apesar de estarmos neste aperto e deste acordo! .

O que levará Sócrates a ter esta obsessão, a ponto de colocar o país à beira da bancarrota? Contra todo o bom senso e toda a lógica, prefere congelar salários e pensões a adiar as grandes obras públicas que, essas sim, teriam efeitos pronunciados na despesa.

Não podemos esquecer que é o mesmo Sócrates que, com um governo já em gestão, não se coibiu de autorizar o Freeport de todas as vergonhas. Não aprendeu nada. Mas esta obsessão levanta suspeitas legítimas. O que levará Sócrates a querer levar os grandes projectos até ao ponto de não retorno quando já se percebeu que não será ele a construi-los, e num ambiente de grande perturbação economico-financeira?

O serviço tem que ficar feito a ponto de não se poder voltar atrás? Quem beneficia ? Há compromissos com entidades que não o Estado ?

O que esconde o novo aeroporto ?

Vemos as grandes empresas de transporte aéreo juntarem-se e constituirem megaempresas, como é o caso da fusão da Ibéria com a British airwais, uma e outra muito maiores e fortes do que a TAP, seguindo, aliás, o caminho da Swissair com a Lufthansa. No entanto, e apesar dos prejuízos contínuos a TAP não se casa com ninguem.

Sabe-se, tambem, que na Europa vão sobrar 5/6 grandes empresas de transporte aéreo e que essa questão da “empresa de bandeira” é canção para adormecer menino. E que o transporte aéreo não se vai tornar mais fácil e barato, pelo contrário, vai-se tornar mais dificil e mais caro.

O negócio do transporte aéreo anda à volta do conceito de “code share”, quer dizer, vende-se lugares entre as companhias por forma a que os aviões andem cheios, e uma das consequências são estes “aglomerados” de companhias aéreas como a ” Star airwais” em que as empresas mantêm a sua individualidade. Por outro lado, quem viaja sabe que o actual aeroporto de Lisboa não envergonha ninguem, bem pelo contrário, é um bom aeroporto. A que se deve esta obsessão de um novo aeroporto? A que se deve a situação de celibato da TAP?

A dimensão da TAP, em caso de casamento, fará que o famoso “HUB” de Lisboa seja uma miragem. Se o casamento for com a Ibéria, por exemplo, o “hub” será Madrid e assim por diante, e lá se vai o grande argumento para a construção de um novo aeroporto. Trava-se tudo e adia-se tudo para que o aeroporto chegue a uma fase de não retorno. Ora , sozinha ,a TAP nem sequer sobrevive quanto mais manter um “hub” em Lisboa.

Resta, então, o quê ? Mais dez anos de obras públicas, um novo aeroporto, uma nova ponte, um TGV pela margem sul do Tejo…

Entrevista a Sócrates – a cassete era do Cunhal?

O nosso país, pela mão dos socialistas nos últimos 12 anos, ocupa o lugar desastroso, de ser o mais pobre e o mais desigual. Sócrates compara com os países mais ricos e mais capazes, como se perder competitividade na Alemanha seja o mesmo que perder competitividade em Portugal, em termos de nível de vida das pessoas, de capacidade das empresas lutarem nos mercados…

A Face Oculta é uma prova que o Estado de Direito não funciona e quando aparece alguem a referir-se a “chefe” não é ele é outro que nem ele sabe quem é, isto apesar de os “escutados” serem todos seus amigos pessoais e seus compinchas no PS!

O aeroporto da Portela, que segundo doutos estudos iria crescer acima dos 6% em número de passageiros, desceu – 2.5 % o que quer dizer que está ao nível de 2007, nunca se percebendo porque iria tanta gente sempre procurar Lisboa, cada vez mais em turismo e negócios. Alguém vai ter que fechar aeroportos face ao “desvio” de tanta gente para Lisboa…

O TGV não é por ser rentável é para ficarmos ligados à Europa…e os boys não são boys são pessoas propostas pelos accionistas das empresas do estado e nomeados pelo governo que, por acaso, nomeia os boys do PS!

Nunca, mas nunca aprenderá nada!

Viva o luxo! Novo e desnecessário aeroporto

MUDAR – investimentos estratégicos

Continuando com o livro de Pedro Passos Coelho:

Quanto ao plano das grandes obras públicas é preciso distinguir entre o que é estratégico e as que não têm esse alcance, reescalonar os estratégicos no tempo em razão do seu enorme custo de oportunidade, e encontrar soluções mais baratas para os não estratégicos.

Estratégicos são:

- os que diminuam a nossa dependência externa no plano energético, que facilitem as exportações e que promovam a acessibilidade da procura turística.

aqui teríamos as barragens hidroeléctricas e o aumento de potência de algumas das existentes. O próprio desenvolvimento do cluster eólico obriga a aumentar o armazenamento em barragens porque a energia verde não é regular; conservar a energia produzida e não consumida, bombeando-se a água das albufeiras para as barragens e utilizando-a novamente; investimentos  em eficiência energética, tanto no sector residencial e nos serviços, como nos transportes e na indústria.

Baixar a factura energética ao exterior é fundamental, anda à volta dos 50% do nosso déficite externo corrente. Estes investimentos têm que avançar desde já.

Segundo lote estratégico, aposta pública no transporte ferroviário de mercadorias, em íntima ligação com as plataformas logísticas, a malha produtiva nacional e as infra-estruturas marítimo-portuárias, com ligações a partir de Sines e Aveiro. Porém, não faz qualquer sentido que tais ligações se façam na base da alta velocidade, o objectivo é baixar o custo de transacção e o TGV tem o efeito oposto.

Por fim, o NAL (novo aeroporto de Lisboa) em Alcochete. Trata-se de uma infra-estrutura essencial, ditada quer pelo congestionamento do actual aeroporto quer para melhorar a acessibilidade turística. O desenvolvimento deste projecto deve fazer-se a par com a privatização da ANA.

Este projecto como é modular não tem grande impacto financeiro.

Amanhã avançaremos com os investimentos não estratégicos.

(Adenda: para ajudar à leitura, alguns links de notícias económicas que podem servir de suporte a esta análise: Orçamento 2010, Economistas, Desemprego, Empresas e que devem servir de análise para quem defende grandes investimentos públicos)

O TGV não é para 2010, não é prioritário!

Com a apresentação do Orçamento muita coisa muda, as prioridades já não são chegar depressa a Madrid, nem o aeroporto é para já. Como o bom senso e até o patriotismo aconselham e que só quem julga que “pode, quer e manda” não reconhece, o estado do país obriga a investimentos de proximidade, com influência imediata no emprego e no crescimento da economia.

A prioridade agora, vai toda para os hospitais, escolas, lares, creches, como não pode deixar de ser e como muitos de nós sempre defendemos.

Felizmente, que as eleições tiraram a arrogância a um homem que tomou a maioria absoluta como se o país fosse coisa sua, sem dar explicações, embalado por ambições incompreensíveis e perigosas. Nunca apresentou, ele e os seus prosélitos, uma só explicação plausível para a pressa, no quadro de uma economia que definha desde Guterres.

É uma vergonha o que se passou com o aeroporto na OTA (situação que apresentava enormes e perigosos obstáculos a uma aviação segura) e que só o desassombro de um homem, ex-comandante da TAP, desarmou, quando chamou a atenção para a gravidade da decisão que se ia tomar. Os pilotos, que iriam levantar e aterrar na OTA, nunca tinham sido chamados a pronunciarem-se!

Quanto à via férrea, a prioridade vai agora para o transporte de mercadorias, ramais para e de Sines e Leixões, melhoramentos nas actuais linhas de passageiros que já são de velocidade elevada e que só precisam de actualizações. Parece que o TGV se irá ficar, daqui a uns anos (oxalá, é porque as contas públicas melhoraram) pela ligação a Espanha via Badajoz e a explicação é, que há anos que governo após governo, andam a prometer isso aos vizinhos, esses sim, muito interessados no TGV.

Cumprir com o vizinho ainda se aceita como desculpa, agora dar banho aos Madrilenos…

Orçamento de Estado 2010:

Eu sei que só agora cheguei de um jantar em família e, confesso, até bebi uma cervejita mas será que eu ouvi bem? 9,3%??? O deficit foi de 9,3% como estavam agora mesmo a dizer na SICN??? É que tanto no i como na TVI24 eu estou a ler 8,3%. Mesmo assim, uma enormidade. Mas 9,3???

Alô Grécia, alô Irlanda, aqui vamos nós. Mas será que a cerveja que bebi estava estragada? É que além dos 9,3% estou para aqui a ler que o TGV, a 3ª ponte e o Aeroporto vão avançar. É este o OE para 2010? Mas está tudo doido? Estão bêbados? Afinal, quem andou a beber álcool esta noite? E o PSD e o CDS alinham nisto?

Lá vamos nós, cantando e rindo, com Futebol, Fátima e Fado