Sim, Carolina

Na semana passada a Sílvia Caneco trouxe no i esta arrepiante história daquilo em que nos estamos a tornar, enquanto sociedade. Primeiro revoltei-me, depois angustiei-me, e depois fui tentanto digerir aquilo, enquanto olhava para o meu filho, da idade da Carolina. Só um pouco mais  novo que os rapazes que lhe fizeram aquilo. Apanhei-o à porta da escola e olhei para lá. Vi as raparigas todas a saírem para a rua, tão cheias de graça e de vida. Foi nesse dia que recebi uma mensagem Mãe que Capotou, a perguntar o que poderíamos fazer. Foi também quando a Sónia Morais Santos partilhou a ideia que nascera em modo quadripolar. E foi o que me fez voltar ao Aventar, para vos dizer que é preciso devolver a vida à Carolina e aos pais dela. Depois soube que está tudo a encaminhar-se. Indignem-se, por favor, mas reajam. O mínimo que podemos fazer por nós e pelas nossas Carolinas é isso. Não permitir que voltem a pintar-lhe lagartos na saia.Dúvidas e dádivas podem ir bater ao e-mail quadripolaridades@hotmail.com

Ou de como a blogosfera continua a ser uma âncora, no meio desta tempestade.

 

Cinco Anos Sempre a Dar-lhe


Cinco anos volvidos, continuo a desejar a todos muitos e sonoros.
Banda sonora para comemorar: Orgasm – Come, de Prince.

E fazer um link, também será crime?

Se alguém escrever sobre alguém na frontaria da minha casa, estou obrigado a remover essa inscrição para que não seja responsabilizado pelo que lá estiver dito?

Blogger condenado a pagar 5000 euros a Fernando Ruas por textos e comentário difamatórios “O autor do blogue cria a fonte de perigo para direitos subjectivos de outrem como os que estão em causa nestes autos, sendo a única entidade com poder para controlar tal perigo, seja pela via do controlo efectivo dos comentários, seja pela alteração da política do blogue”.

Afinal de contas, a parede é minha e, por ser possível nela escrever, eu criei a fonte de perigo para direitos subjectivos e sou o único que pode controlar tal perigo, nomeadamente, demolindo a parede. Na notícia acima linkada lê-se ainda que alguns textos saíram do limite da crítica política, sendo excessivos e injustificados, dos quais o post intitulado A Camorra do Bigode é apontado como um exemplo. Cada qual que faça o seu próprio juízo de valor quanto ao apego – ou desapego – por parte do juiz do Tribunal Judicial de Viseu ao respeitinho. [Read more...]

Comunicação política Digital (entrevista #2) – a lata

macacos-texto-e1353412692513

Uma coisa muito portuguesa é falar do que não se leu/sabe transformando a ignorância em douta opinião.

Um velho amigo enviou-me um artigo da Fernanda Câncio no DN sobre, entre outras, a minha entrevista à Visão. Depois de ler, avisei alguns companheiros de blogue que já não será preciso colocar no blog em PDF cópia da tese. É pedir à Fernanda (e a outros), estou certo que ela já a leu, dada a certeza das suas conclusões. Vejamos: [Read more...]

Ontem

orcamento2

 

Esta noite haverá lágrimas entre quatro paredes, réstias de sonhos e ilusões caídos ao chão. Esta noite haverá gritos mudos, choros convulsos, dramas e incertezas levadas para o travesseiro, noite dentro, País fora. Esta noite Portugal recuou décadas.

 

Posso até nem subscrever tudo o que o Miguel escreveu neste seu post. Posso até considerar que existe uma outra angústia que aqui não vi plasmada. A angústia de não ver quem corporize uma verdadeira alternativa. E alternativa não é similar a alternadeira. Mesmo que se possam confundir. Posso tudo e mais alguma coisa. Até posso ser um soldado disciplinado e leal, desde que o seja aos princípios, aos valores e, igualmente, à minha consciência.

Só não posso ignorar. Não posso ignorar que quando acabei de ler concordei com quase tudo. Não posso ignorar mesmo à luz do que defendi e defendo. Não posso ignorar que já não acredito. Eu ontem, de forma egoísta, preferi não ver/ouvir as notícias e ignorar, sim ignorar, a palavra mais escrita neste meu comentário, os directos, os comentários, a treta toda pós-adro. Fazer de conta? Não. Apenas e só continuar o meu trabalho. Enquanto posso, enquanto me deixam, enquanto me apetecer.

Já me cansei de gritar que estão a matar o doente com a cura. Já me cansei de pensar no “porquê?”. Já me cansei desta cegueira de quem não é cego. Como diz o Miguel, ou pelo menos como entendi que o disse, nem é pelo “cortar, cortar, cortar”. É, sobretudo, pelo matar do sonho.

 

Mário Nogueira

Insubmisso na blogosfera.

Da desigualdade

Agora e na hora da vossa morte.

It’s The End Of The World As We Know It…

Captura de ecrã 2013-08-6, às 17.21.49

Ao longo dos últimos anos participei em dois projectos na blogosfera em paralelo com o Aventar. No Albergue Espanhol (até às legislativas) e depois destas no seu herdeiro, o Forte Apache. Sem nunca deixar de escrever no Aventar, a minha casa originária.

Hoje terminou um ciclo com o fim do Forte Apache. Foi um prazer, uma honra e um enorme orgulho partilhar ideias com todos os fundadores e participantes destes dois blogues. Permitam-me que saliente alguns em especial: o Pedro Correia, o Luís Naves, o Francisco Almeida Leite, o Carlos Abreu Amorim, o Rodrigo Saraiva, Adelino Maltez, João Villalobos e António Nogueira Leite. Pela relação de amizade que se estabeleceu e por tudo o que com eles aprendi. A eles e a todos os outros que fizeram parte deste projecto fica o meu público agradecimento.

Existia um ponto (no mínimo) em comum: acreditar que Pedro Passos Coelho e, posteriormente, o seu governo, seriam a solução para a mudança necessária que o país precisava. E disso fazer o devido eco na blogosfera. Aos poucos o blogue (Forte Apache) foi-se esvaziando dos seus fundadores. Mais tarde, alguns deixaram de escrever por variados motivos e até mesmo aqueles que ficaram responsáveis pela gestão do Forte começaram, como se diz na minha terra, a “perder a pica”. Foi o meu caso. E as razões são facilmente compreendidas por quem, mais atento, reparou/leu nas minhas opiniões ao longo dos últimos meses.

A vida é feita de ciclos e este (2009-2013) terminou. Pelo meio, grandes alegrias, enormes amizades, algumas tristezas e nos últimos tempos várias desilusões. É assim a vida. É assim a política.

Futebol em gráfico

O que é nacional é bom? Pensando algumas situações por trás dos resultados, parece-me que sim.

Somos todos merda nenhuma

Chateia-me esta coisa de, de cada vez que há uma luta mais mediatizada, temos de ser todos isto ou aquilo. Ontem, a Comissão de Trabalhadores da RTP, que respeito e saúdo, fez publicar um comunicado com o título “Somos todos gregos”. Depois de sermos todos tunisinos, egípcios, ucranianos, bielorrussos e mais alguns, somos agora gregos e turcos, com mais ou menos @, com mais ou menos x. Ora, eu não preciso de ser grego para estar solidário com a luta dos gregos, que é, quer queiramos quer não, igual à nossa. Ou dos turcos, com objectivos ligeiramente diferentes. É a moda das Primaveras e das revoluções coloridas que me chateia. [Read more...]

Mário Soares visto pela direita

A direita decente, que também a há, não vomita mentiras: coloca o homem na História.

Outra crónica de um pequeno delito

o negociante de amêijoas e a esposa com voz de cama.

Retretes

Não consegui comentar este asco. O José Simões conseguiu.

Parabéns ao «Brumas»

Seis anos a blogar.

O PP tem sempre razão

Sou um incondicional do Pacheco Pereira, um homem livre, como há poucos.

Se concordo sempre com ele?

Claro que não, mas gosto da forma livre e inteligente como ele exerce a sua participação no Espaço Público. Não resisto, ainda que isso possa não estar no manual de boas práticas da blogosfera,  a reproduzir integralmente os dois últimos escritos no Abrupto:

O Material tem sempre razão (6)

Vale a pena repetir. Existe democracia quando se verificam duas condições: a soberania popular expressa pelo voto, e o primado da lei. DUAS CONDIÇÕES.

O Material tem sempre razão (5)

Há várias  coisas que nunca se devem esquecer: esta gente é vingativa e não se importa de estragar tudo à sua volta para parecer que tem razão. Já nem sequer é por convicção, é por vaidade e imagem.
Outra coisa, ainda mais complicada, que também não deve ser esquecida: o governo considera bem-vindas as ameaças da troika. São a chantagem que precisam, pedem e combinam. Não são uma voz alheia, nem dos “credores”, nem da troika, nem de ninguém, são o auto falante agressivo que o governo necessita para tornar a sua política inquestionável e servir de ameaça a todas as críticas. E por último, e não é de menos, esta gente é perigosa e, na agonia, muito mais perigosa ainda.

(A propósito do despacho do ministro Vítor Gaspar de 8 de Abril que pára o funcionamento do estado português, atribuindo essa decisão ao Tribunal Constitucional. O governo entrou numa guerra institucional dentro do estado, em colaboração com a troika, para abrir caminho a políticas de duvidosa legalidade e legitimidade baseadas no relatório que fez em conjunto com o FMI. Não conheço nenhum motivo mais forte e justificado para a dissolução da Assembleia da República por parte do Presidente do que este acto revanchista contra os portugueses.)

Desta vez a culpa não é do Relvas

Foi do Luís M. Jorge.

O Inaniloquente

Aquele que é loquaz a proferir insanidades

Abriu hoje. Dizem que também sou loquaz, às vezes, insanidades é sempre.

É isto

Um grande texto do Samuel.

Blogues? que horror, quem lê isso

Os blogues que constam do Blogometro têm no total  500 000 visitas por dia, desde o início do ano. E faltam muitos.

Ficções à hora errada, no comboio errado, no país errado

Imagem

Haverá sempre duas leituras para o mesmo facto. Para o mesmo acontecimento. Para a mesma situação.

Por mais viral que se torne uma conjuntura nas redes sociais, haverá sempre as duas faces da moeda.

Sobre a vaga de indignação que se abateu contra a GNR no caso da cadela sem bilhete, também as opiniões divergem.

A primeira é esta.

De seguida, os jornais dão eco e obrigam as autoridades a responder.

Finalmente, na blogosfera, sob o título “Os meus amigos carneiros que comem tudo”, as concepções destoam.

Ah! Esta dicotomia do nosso (des)contentamento!

Que bom é viver em Portugal, nesta democracia musculada, com esta realidade tão genuína…

Um condenado presumivelmente inocente armado em virgem impoluta

aacA maior vergonha da história da Associação Académica de Coimbra chama-se José Eduardo Simões, presidente do seu Organismo Autónomo de Futebol.

Manchando o nome de uma instituição centenária, que não é um clube de futebol mas aceitou ter no seu seio um clube de futebol profissional, acumulou esse cargo como a direcção autárquica das obras e urbanismo. Junte-se o fogo com a estopa (responsabilidade política de Carlos Encarnação) e temos licenciamentos de obras a troco de dádivas para o clube.

Vem isto a propósito da sua última tirada: uma queixa na ERC contra o blogue O Sexo e a Cidade, onde habitualmente é referido como José Condenado Simões, que se registou como publicação periódica precisamente porque o dito cujo o impedia de aceder às actividades do clube reservadas à imprensa, coisa que nem a Câmara nem os tribunais fazem, baseando-se nesta espantosa argumentação: [Read more...]

Mitomania EDP

mitomania_edpUma mentira mil vezes repetida
Para os mais esquecidos: a empresa chinesa, há meses, não resistiu a um coro de protestos e afastou da rede social facebook.

Dietilamida do ácido lisérgico

240px-LSD_isomers[Vítor Gaspar] Daqui a muitos anos será recordado como a personalidade que mais contribuiu para resolver os problemas do país.

 

O futuro ao saque pertence

Natal é quando um Governo quiser.

Falta de higiene mental

Agora aprenderam a tomar banho.

Há quem não tenha aprendido.

O meu último post

Faz hoje precisamente um ano que o meu livro, Arquitectura, Música e Acústica no Portugal Contemporâneo (edições FAUP), foi apresentado na Fnac do GaiaShopping, no âmbito da Campanha 100 Anos, 100 Livros ( lançamentos de livros da Universidade do Porto nas lojas Fnac).

Uma coincidência. Gosto de coincidências. «Nada é ao acaso». Gosto desta frase de Richard Bach. Uma data que marcou uma etapa, um dia importante. Hoje, quero iniciar uma outra.

Desde essa altura que tenho vindo a escrever muito regularmente neste blogue, a convite do JJC.

Foi uma experiência enriquecedora: aprendi muito com os autores do Aventar e com os leitores, mesmo com aqueles que declaradamente não concordam comigo nalguns temas.

Escrever num blogue torna-se rapidamente num vício. [Read more...]

O melhor clube do Mundo e…

….o blogue dos melhores adeptos do mundo, na revista J.

 

Ressuscitou numa bilha de gás

Crónica dos pequenos delitos.

Fun Zon

Com a ZON, na saúde e na doença (e vai com sorte, se tivesse fidelização só a morte os separava).

Quando…

… o Corporações cita o Aventar fico com a certeza: o mundo está a ficar perigoso :)