Likes, blogues, etc.

Pois, a Internet é tramada.

O Blogometro do ano de 2013

É possível visualizar as estatísticas do Blogometro em versão anual. Os blogues portugueses ordenados de acordo com o número de visitantes em 2013 estão aqui.

Claro que nos referimos apenas aos que quiseram comparar as suas audiências utilizando o Sitemeter, claro que o Sitemeter falhou várias vezes ao longo do ano, e mais a uns utilizadores que a outros, mas é o que se pode arranjar, utilizando o Sitemeter e o código aberto do Blogometro na sua versão actual. Eventualmente podem encontrar uma ou outra página comercial que não é um blogue na definição minimal que utilizamos (ter maioritariamente conteúdos próprios) mas a subjectividade é assim, e o filtro humano também.

Uma distribuição dos blogues por categorias daria outra visão. É complicado, nesta casa sabemos bem como essa é muito mais objectiva, ainda procuramos uma fórmula para dar esse salto sem sobressaltos e também sem muito trabalho. [Read more…]

Cambalhotas, Conspurcações, Branqueamentos

Portugal volta a estar em perigo por causa da reincidência interventiva de Sócrates na vida pública, tal como a usurpa Soares, outro perturbador pedante, outro arrogante inveterado. O Nojo, afinal, não suportou o período de nojo natural que lhe incumbiria enquanto ex-Primeiro-Ministro. Não nos deu tempo, afinal, para nos livrarmos da pátina de toxicidade petulante da sua desgovernação, dos efeitos de uma gestão com os pés da Coisa e Endividamento Públicos 2005-2011.

Temos, pois, que o que há de mais odioso em Sócrates reincide. Sou dos que escrevem e insistem no perigo que a sua majestática deriva narcísica coloca ao País, desde sempre. Se antes foi pela retórica obscena, hostilizadora, pela acção ou inacção dolosas e manhosas, hoje é basicamente pela palavra-atrito com que alveja a um tempo o rival que o apeou do Partido, Seguro, e o rival que o apeou do Governo e que o sucedeu no País, Passos Coelho. Mas também todos os inimigos que fez zelosamente. O odioso em Sócrates não pode ser ignorado, embora nem ele nem o seu entorno imaginem o cansaço, o esgotamento da paciência de milhões de portugueses só com a contemplação fortuita da sua fronha ou a audição casual da sua voz.

Muito me surpreende que alguns venham lançar um borrifo de água benta sobre tal reformado da vida pública e pouco mais falte para santificar, sacralizar e inocentar esse narrador e a sua narrativa de saltimbaco político. «A coisa» não deixou de ser a coisa: o vazio ideológico e programático continuam lá disfarçados de abrangência naquela volatilidade à espreita de antena no oportunismo injusto de envenenar e perseguir, segundo o mesmo espírito oco e baixo com que se atafulha de testosterona e ambição mediática uma Casa dos Segredos. O odioso em Sócrates fez-se do cabotinismo ideológico no poder e da desideologização ainda mais perfeita lá. Se hoje se comporta com extremo indecoro e procura armadilhar e perturbar Passos Coelho, um Primeiro-Ministro em exercício, isso compagina-se com a velha malícia, velho estupor e degenerescência dos filhos espirituais e netos de Soares, a quem tudo se tolera e nada, nenhuma intervenção gagá, lhe é negado. Pelo que se vê, se há quem patrocine o regresso de Sócrates à retórica abrasiva e à mentira compulsiva na vida pública é Soares, o que, enquanto alto patrocínio, lhe deve sair caro. [Read more…]

Inquérito eleitoral, Autárquicas 2013

No decorrer da campanha eleitoral, o Aventar, aproveitando recursos do concurso de blogues que realizamos há dois anos, vai promover um inquérito, que tecnicamente não é uma sondagem sobre as eleições autárquicas.

Pretendemos que seja não do Aventar mas de todos os blogues portugueses interessados em participar, colocando a votação no seu espaço, sendo o resultado sempre e automaticamente a soma obtida. Desta forma cremos que a representatividade dos inquiridos será a maior possível, chegando a leitores de todos os quadrantes políticos e municípios (embora por razões práticas seja impossível incluir no inquérito todos os concelhos, tentaremos abarcar os que têm mais de 25 000 habitantes)
Assim, lançamos aqui o convite a todos os blogues interessados: contactem-nos, nós responderemos.

Da violência

O José Maria Barcia, que conheço destas andanças da internet e por quem tenho apreço, inflamou-se com o Miguel Tiago por algo que escreveu no facebook. Ora, sendo certo que o meu camarada não precisa de advogado de defesa, uma vez que já deu mostras da sua capacidade de enfrentar seja quem for, apetece-me deixar aqui duas ou três postas de pescada.

mt [Read more…]

Ao cuidado de Paulo Padrão, director de comunicação do Banco Espírito Santo

Apanha-se mais depressa um banqueiro Espírito Santo que um apenas mentiroso. Ontem soltou-se o João de Deus que há em mim. Abra-se de par em par a porta sagrada. A fantochada acabou-se. Se deus nos der vida e saúde, vais ter trabalho, muito trabalho: [Read more…]

Mum’s the boss, o blogue que censura comentários

Mum’s the boss é um blogue escrito por uma tal de Magda que fala sobre parentalidades, questões relacionadas com educação e por aí fora.
Devido a uma atitude da autora que considerei pouco elegante, dirigi-me ao referido blogue e disse o que tinha a dizer na respectiva caixa de comentários. Fi-lo de forma educada, civilizada e mantendo todo o respeito pela autora. Para meu espanto, o comentário foi censurado. E um segundo comentário, em que pedia para publicar o primeiro, foi de novo censurado.
Continua a espantar-me o facto de ainda existir gente desta no mundo da blogosfera, um mundo de liberdade por excelência. Mais espantado fico quando estamos perante alguém que discorre diariamente sobre educação, parentalidades e pedagogia.
Perante esta sua faceta de censora, que só admite comentários se forem positivos e louvarem a qualidade dos seus posts, estamos entendidos. Que rico exemplo para quem tem a missão de educar! Que rico exemplo vindo de quem vem!

P. S. 1 – Orgulho-me de nunca ter censurado qualquer comentário até hoje, nem mesmo quando me chamaram filho da puta e coisas piores. Orgulho-me pelo facto de o Aventar não ter comentários sujeitos a moderação. Não tenho nada a esconder. Não me importo nada que discordem de mim. Que não gostem do que escrevo.

P. S. 2 – Houve uma troca de mails privados na sequência deste episódio de censura. Como fui muito bem criado por gente que nada sabia de parentalidades mas sabia do que realmente interessava, recuso-me a torná-los públicos. Sou uma pessoa bem formada.

Mulheres no Aventar

Corro o risco de ser politicamente incorrecto, mas vou procurar escrever sobre algo que, admito, poderá não ser motivo para um texto – as mulheres no Aventar.

Não há qualquer tipo de novidade na presença feminina na web, mas parece-me que há ainda uma relação muito desigual entre os dois géneros, ou não?

Nas últimas semanas temos tido a felicidade de ver entrar na nossa equipa alguns novos aventadores, todos eles a escrever no feminino. Não creio ter havido por cá uma negociação em torno da paridade que até se encontra legislada  – esta Lei  de Agosto de 2006 vem estabelecer

“que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais são compostas de modo a assegurar a representação mínima de 33% de cada um dos sexos.”

E a nova realidade do Aventar levou-me a pensar de que modo está ou não mais igual a participação das Mulheres na nossa sociedade, no  seu sentido mais amplo. Será que hoje a Mulher saiu realmente do espaço doméstico para o espaço público? Será que faz algum sentido discutir esta temática?

Há quem ache que sim: Sofia Silva apresenta na sua Tese de Mestrado um estudo nesta área e procura pensar a relação entre as vidas pessoais e profissionais sob o ponto de vista feminino.

Em diferentes espaços sociais tenho percebido que é menos fácil a participação das mulheres – nas associações de pais, nos clubes e associações, nos sindicatos, nos partidos…

Que factores concorrem para essa realidade?

Lá está, o costume! Escrevi, escrevi e não disse nada… Confesso que tinha uma ideia na cabeça quando comecei, mas com o percurso dos dedos no teclado fui-me afastando e já não consigo regressar…

Sejam bem-vindas.

«A elite portuguesa adora conversa da treta»

Paulo Baldaia, que dá a sua opinião regularmente no DN, ontem veio com uma treta que eu não gostei:  “Nos blogues, nas redes sociais e até no Congresso das Alternativas o desespero da senhora foi goleado pelos trocadilhos à volta da bandeira. A elite portuguesa adora conversas da treta.”

Ora é natural que, uma vez que escrevo num blogue, me sinta pelo menos indirectamente atingida  pelo comentário. Primeiro: porque quando escrevi sobre o grito de Luisa Trindade não quis, de maneira nenhuma, fazer conversa da treta. Este episódio triste das cerimónias tristes e vergonhosas do 5 de Outubro impressionou-me, mexeu comigo, «experimentei» os sapatos de Luísa Trindade… Segundo: não quero nem pensar ser da «elite» portuguesa». Quem sou eu? [Read more…]

Os blogues e os media

Vai e vem

Baralhar e dar de novo ou simplesmente fazer macete

Professores.

Este, como quase todos os meus escritos, é sobre professores e é uma espécie de ponto de ordem à mesa, na discussão que cresce na blogosfera educativa, sendo que, há algo irrefutável: ninguém foi de férias.

O Público trazia há dias um texto onde se fazia a dicotomia entre as redes sociais e a rua e onde defendi que em algum momento teremos de voltar à rua, porque, considerem ou não moderno e chique, é também na rua que se ganha o futuro.   A minha experiência como sindicalista (SPN, FENPROF), com muitos anos de trabalho em torno dos professores contratados e das questões da precariedade levam-me também a concluir que nada consegue substituir o contacto pessoal, a troca de ideias e de argumentos, olhos nos olhos – isto não vai lá só com facebook e blogues. Não vai! Como diria o outro, de bons likes está o inferno cheio.

E na rua, as vitórias são proporcionais à sua força, a mobilização de que fala o Miguel, e para isso o papel da FENPROF é fundamental. A luta dos professores na rua só acontece com a FENPROF – façam as leituras históricas que quiserem fazer, mas ou há FENPROF e temos os professores na rua ou não há FENPROF e não teremos os professores na rua. Até prova em contrário, esta é uma verdade sem contraditório.

Mesmo não o assumindo é isso que escrevem, sem escreverem, o Nuno e o Ricardo. Equacionam a necessidade de uma maior ligação entre os professores e os sindicatos, que naturalmente subscrevo. O Nuno acredita que “É possível imprimir uma nova dinâmica aos sindicatos fazendo-os sair da zona de conforto”, enquanto o Ricardo vê cada  vez com “maior dificuldade a tão necessária reaproximação dos professores aos sindicatos“, mas defende que “primeira fase de uma qualquer estratégia, passa exatamente por discutir.” [Read more…]

O Freud anda por Fafe?

 

A ADSE é capaz de ajudar a resolver alguns problemas!

 

O Aventar feito pelos seus leitores

O Aventar continua a aceitar a colaboração dos seus leitores, através de textos não publicados na net.

Para o efeito, utilizem o nosso contacto.

Textos publicados noutros blogues poderão merecer referência num artigo dos nossos autores, mas naturalmente não podem ser republicados na íntegra.

Em modo de advérbio

Advérbios da verdade e advérbios não orçamentados.

Um novo blogometro

Na net nada se perde, tudo se pode recriar e algo se transforma. O velho Blogometro morreu (reencaminha agora para o portal AEIOU, o que não deixa de manifestar alguma lata), há um novo Blogometro em versão ainda muito beta, mas já operacional.

Desde já alguns avisos:

- Nesta fase de desenvolvimento utilizou-se a listagem do blogometro defunto, expurgada de alguns não-blogues portugueses que por ali andavam.  Não aparecem os resultados dos blogues que têm o sitemeter oculto (não conseguimos ter acesso a esses dados; aceitamos dicas sobre como o fazer).

- Quem quiser retirar da listagem o seu blogue pode solicitá-lo para já através do nosso formulário de contacto, colocando um email válido.

- Em breve anunciaremos uma forma de adicionar o seu blog.

- Apenas está a funcionar neste momento a estatística da média de visitas.

- A apresentação e as funcionalidades vão evoluir,  neste momento testamos o código propriamente dito.

Sugestões são bem vindas nesta caixa de comentários, a divulgação deste novo Blogometro dos blogues portugueses também.


Actualização 26/06/2012: acrescentada uma página Acerca, cujo conteúdo aqui fica:

Este site está ainda em fase alfa, na realidade foi iniciado, de raiz, no dia 22 de Junho passado. Assim podemos com alguma segurança antecipar a existência de problemas que tentaremos resolver à medida das nossas possibilidades de tempo.

Desde já temos em mente desenvolver algumas características que, na nossa opinião, estavam a faltar no Blogómetro antigo:

  • Categorias de blogs. Com estas poderemos comparar as performances dos vários blogs com os seus pares mais directos. Além disto, para áreas mais específicas daremos destaque a blogs que de outra forma ficariam escondidos;
  • Vai ser possível consultar a classificação dos blogs em dias passados; FEITO
  • Vai ser possível obtermos médias por mês, ano ou no período que quisermos;
  • O proprietário de cada blog terá acesso a uma área privada onde poderá configurar as suas opções;

Em termos práticos, se olharmos para além da discreta elegância da interface actual (isto é sarcasmo, para os distraídos), já podemos encontrar muitas coisas diferentes quando comparadas com o Blogómetro antigo:

  • A nossa plataforma é aberta. Pode consultar o código e participar no processo de desenvolvimento no projecto que criámos no Google Code;
  • Se encontrar bugs no sistema ou se quiser propor melhorias ou novas funcionalidades, agradecemos que utilize este formulário;

Como este é um projecto do Aventar, as últimas notícias sobre o Blogómetro podem, sempre, ser encontradas na tag Blogómetro do Aventar.

Esperem mudanças nas próximas semanas!

Blogometro, adeus dia 22?

Pela indicação que tenho de quem hoje é AEIOU, o Blogometro encerra com tudo o que era weblog.com.pt (por falar outra vez nisso, perdi o raio de uma password ligada a um mail por sua vez perdido, e não, não vou reclamar com o criador que não tarda tem a Deco à perna).

É aborrecido. Por um lado dá um jeitão como única listagem razoável de blogues portugueses, por outro o povo gosta de comparar documentos (esta casa até fica bem na fotografia final, podendo parafrasear Groucho Marx: degrau a degrau subimos a escadaria até alcançar a miséria).

Isto, é claro, não nascendo entretanto um Blogometro II, por exemplo limpo de muita tralha que por vezes ali anda e que de blogue não tem nada. Precisamente um assunto a pensar e meditar.

O fim anunciado de muitos blogues

O serviço weblog.com.pt vai fechar no dia 22. É mau. Mesmo com a possibilidade de se exportar para outra plataforma perdem-se muitos conteúdos e todas as ligações, vulgo links.

No meu caso a perda será neste caso mínima, mas anda por ali muito conteúdo que nos fará falta a todos. Como sucedeu com o encerramento do Terràvista (que tinha só a esmagadora maioria dos conteúdos portugueses do século passado) escolher uma plataforma de publicação tem que ser bem pensado, sempre garantindo a possibilidade de exportação fácil, e confiando pouco em plataformas nacionais.

Enorme blasfémia

profunda insurgência. Martirológio lusitano.

Eu que sou das intrigas…

Samuel de Paiva Pires acusa Rodrigo Moita de Deus de ser um “Abrantes”. Rodrigo e mais uns senhores, incluindo o Jacinto Bettencourt, dizem que não são “Abrantes” e por alguma razão acusam Samuel Pires de ser pouco patriota. (Ui, o medinho, A acusação mais usada nos nossos dias: não ser patriota logo em vésperas da Selecção jogar. Já disse que sou pela Holanda? Senhores, eles falam do Felipe no hino! Do Felipe!)

Eu não sei bem quem tem razão até porque como diz e bem o Rodrigo eu não sou de intrigas. Mas sei que alguém me devia explicar qual a diferença entre isto e isto.

PS: Miguel Relvas deve demitir-se. E já. Isso sim seria zelar pelos interesses da “pátria” na medida em que se começava a instituir regras e a tentar imbuir os nossos governantes de princípios. Sabem, aquilo do exemplo. Só que em Portugal o exemplo devia vir de baixo. Isso sim era de valor.

Dívida Existencial

Como é que esta hábil mocinha consegue isto? O que é que ela tem que eu não tenha?! Sou infinitamente mais bonito que ela, diz-mo o meu espelho e o meu Facebook, e eles não mentem. Ok, visto a mesma roupa quase uma semana inteira e só mudo de calças [de ganga, sempre de ganga!] quando já começam a cheirar a uma multidão de romenos na gare da Trindade, mas é precisamente para disfarçar essa minha drástica medida anti-crise, em consonância com o grande depenar nacional do Governo Passos-coelhoniano, que serve um bom perfume e eu não me poupo em borrifos. Lavo-me. E muito, tá?! Tudo bem que raramente mude de casaco, se ele me evita o frio e disfarça um bom ventre quarentão feliz. Passam meses sem comprar roupa.

Sim, também não tenho nem uso pulseiras, colares, nem relógios ou maquilhagem. Não percebo nada de malas, brincos, cintos, vernizes. Impressionante o sucesso reprodutivo de uma Pipoca, aliás cada vez mais chique e cada vez mais rica, dinheiro faz dinheiro e a publicidade, ali, é um tubo de gás natural acoplado ao furico da referida moça, cuja boca só pode regurgitar petróleo para a marmita.

[Read more…]

Garimpeiro de blogues

O Pedro Correia percorre o rio dos blogues e decifra as pepitas nas areias. Não gostarei de todos, mas preguiço-me no seu labor paciente.

Blogopédia – Wikidicionário dos Blogues Portugueses

Em Novembro de 2010 lançámos em formato wiki um espaço onde todos podiam registar os seus blogues e autores. Mais tarde, por termos abandonado o alojamento próprio e optado pelo WordPress, ficou sem espaço e guardada num disco.

O concurso de blogues 2011 fez-nos ver que esta ferramenta faz falta: é uma forma de divulgação e sistematização, que muito nos teria ajudado a esclarecer categorias, por exemplo.

Por isso volta hoje a ficar online, com os dados de Março de 2011.

Pedimos a todos os que escrevem e/ou têm blogues, em particular os que não participaram no concurso por não terem sabido dele atempadamente, ou mesmo aos seus leitores, que utilizem esta blogopédia. Podem começar por ler estas instruções. Qualquer dúvida, sugestão ou dificuldade, comentem aqui.

Os Jornais

Quando sabemos que os jornais estão a morrer?

Quando os blogues (esses imprevisíveis) anunciam e (explicam, parte das vezes) as coisas importantes duas semanas antes. 

 

 

 

Blogues, uma década depois, continuam vivos e recomendam-se

Uma década depois do boom, que é feito dos blogues?, pergunta o Público, para acrescentar a seguir

Uma década depois do boom, o blogue não morreu, mas perdeu mediatismo

Não é esse o caso do Aventar, nem de outros blogues portugueses. No nosso caso, e desde o início do blogue, o número de leitores e de visitas tem vindo sempre a aumentar e ainda não estabilizou. As notícias sobre a nossa morte, enfermidade, letargia ou o que seja são, uma vez mais, claramente exageradas. Mas nem sequer é verdade o que afirma o artigo sobre um certo adormecimento da blogosfera. Se, em vez de fazerem perguntas a “históricos dinossauricos”, tivessem consultado a lista do concurso Blogues do Ano 2011, chegariam à conclusão que os blogues continuam vivos. E estão melhores hoje do que no início.

Ligações

Actualizada a página de ligações do Aventar, o que não era feito há muito tempo.

Como achamos justo retribuir a todos os blogues que nos fazem o favor de ter na sua listagem similar, também chamada de blogroll, e como se torna impossível assegurar que tal permuta é feita com justiça, agradecíamos que nesta caixa de comentários os injustiçados se manifestem. Obrigado.

O mundo, os meios de comunicação, o meu sono, está tudo a mudar

Quando o je, moi mesmo, descobre que teve um incêndio na sua rua através de um blogue, numa cidade com dois jornais diários que até “existem” online, sendo a rua aquela que deu origem à cidade (por via romana) e apesar de tudo ainda significativa na malha urbana, mais metro menos milímetro, concluí que a idade pesa no profundidade do sono, e o mundo mudou mesmo na forma de comunicarmos. Esta vale por mil algodões, e não engana.

No Inferno


Eu sinceramente há coisas que me irritam na blogosfera. Uma delas tem a ver com o Processo Casa Pia. Diverte-me os estrategemas que muitos bloggers utilizam para não falar do desfecho do Processo. Por isso, arranjam desculpas. “Ah porque a comunicação social é isto…”, “Ah porque o povo estava a ver o circo a arder..”, “Ah porque isto foi julgado na praça pública…” “Ah porque a Catalina (que aparentemente andou metida no PCP ou coisa que o valha) é isto e aquilo…” “Ah porque viram a reacção do Namora…”. ou ainda “ah, porque o Carlos Cruz é tão bonzinho…”. Meus amigos, hoje posso dizer-vos: Vão para a puta que vos pariu, pode ser? Uma pessoa decente percebe duas coisas: que sim o Processo foi um circo mediático mas que isso não invalida o facto de que aquelas 6 pessoas são culpadas dos crimes de que foram acusados e que e são pedófilos. Eu quero lá saber se eles tinham sido julgados antes na praça pública, pensam que isso acontece só aqui? Eu antes não sabia, não me pronunciava. Agora, foi provado, depois de um julgamento, depois de ouvidas as testemunhas, depois de examinadas as provas, um colectivo de juízes deu aqueles seis homens como culpados, conferiu o estatuto de vítima ás antigas alegadas vítimas e chamou os pedófilos de pedófilos.

O Processo Casa Pia não chegou ao fim. Ainda há os recursos e mais essas patocoadas que irão ser arrastadas na Justiça Portuguesa até que o caso prescreva. Mas para as vítimas não me parece que seja a condenação que interesse. Sofrer já eles sofrem. O que interessa é que acabou e que os crimes foram, de facto, provados. Isto é o que interessa. Não se percam com coisas secundárias (tanto que mete nojo) que no fundo não interessam para o cerne da questão: houve um grupo de menores de uma Instituição Portuguesa que foram repetidamente abusados sexualmente. Anos depois, houve denúncias desses crimes. Hoje, esses crimes foram provados. Ponto final.

Come around children, it´s a shameful post

Fernanda Câncio é a nova agente da PIDE. Na realidade, é um bocadinho pior. Este texto faz-me lembrar um episódio do “Arquipélago gulag” do Soljenítsin. Há uma cena em que Estaline faz um discurso e depois todos na sala aplaudem. Durante vários minutos. Muitos minutos. Passado esses minutos, há um senhor que se cansa. E pára. Parou de aplaudir e exausto, sentou-se. No fim foi preso. Foi preso e foi deportado pois rapidamente se arranjou uma desculpa para o mandar para a Sibéria. O agente que o interrogou disse-lhe depois: “Nunca mais seja o primeiro a deixar de aplaudir”.
Fernanda Câncio e o seu exercício decadente de ver quem foi à manifestação ou não, é algo que não tem explicação. Ou melhor tem. Se lermos o Arquipélago Gulag. Até parece que quem não foi à Manifestação, os milhões de portugueses que não estiveram presentes são todos a favor da lapidação daquela pobre mulher. Os únicos que têm uma consciência são as pessoas que foram porque os outros são tão maus como o Presidente Iraniano e aquele sistema judicial.
Isto é absurdo. Mas, de facto os membros do KGB ficariam orgulhosos. Quando Fernanda Câncio se cansar do seu trabalho como jornalista sempre se pode oferecer para um posto como bufa numa qualquer ditadura…de esquerda claro.

Semanário Grande Porto

Hoje o tema é o blogue Corporações.

Concurso:

Toca a descobrir quais os blogues presentes numa destas fotografias: AQUI.

%d bloggers like this: