A Puta da Semântica

Desculpem, Esquerdóides, mas estou cansado dos vossos anúncios do fim do mundo e da vossa boca cheia de mortos: «o Governo está morto»; «o Presidente matou a esperança». Ide matar o caralho! Maldita semântica. De repente, os vossos comentadores descobrem que vão nus. Após a surpresa pelo discurso presidencial do dez de Julho, vêm os cromos Adão e Silva e os insuportáveis Pedro Marques Lopes, sempre os mesmos, sempre a mesma merda, encher de cínico e sonso ou de falsete e risonha histeria os ecrãs das TV, mostrando um desprezo pelas instituições lá, onde o Supremo Corrupto mereceu mesuras e deferência. Contra os ventos e marés da actual popularidade maravilhosa do Partido Socialista, o Presidente da República ousa não convocar eleições?! Toda a socialistice e a esquerdice dão tau-tau ao Presidente. Chamam-lhe Múmia, Estarola, Esfinge. O Presidente tem inimigos. Sócrates é inimigo mortal e mortífero do Presidente. O Presidente tenta sacudir a maledicência dos socratistas com a vingança de um aperto no torno de um dilema: respaldar ou não o caminho sob o Memorando até, pelo menos, Junho de 2014. [Ler mais ...]

Cavaco Silva e o governo de salvação pessoal

maroteira

O presidente do qual se dizia à boca cheia ter perdido espaço de manobra, por se deixar colar ao governo devido a acções como promulgar em apenas um dia um diploma governativo, ao ponto de se contar com o ovo no cu da galinha, decidiu cuidar do que a História de si dirá e mostrar ao mundo que ele é que é o plesidente da junta.

Cavaco Silva escolheu um caminho que dificilmente trará um governo capaz mas, por outro lado, tratou da sua imagem, mostrado que arrisaca tomar decisões fora do seu ecossistema. E o interesse do país?

Zeca e os vampiros

Há cinquenta anos, Zeca Afonso publicava um EP intitulado “Baladas de Coimbra”. Lá estava “Os Vampiros”. Os vampiros lá estavam.

A lembrança do composipoetocantor resiste na limpidez da voz e na frontalidade do homem (e a frontalidade é só uma maneira de ser límpido).

Os vampiros continuam irrevogavelmente agarrados ao nosso pescoço. Austeridade é o nome que dão aos caninos.

Detesto a frase feita: “Isto é tão actual!” Hoje, não tenho outro remédio senão repeti-la, porque continua a haver pouca gente a comer tudo.

O vídeo é o do célebre concerto no Coliseu, em 1983. O Zeca estava muito doente e o país também não se sente muito bem.

A vida artística de Cavaco Silva

cavaco silva durao barroso angela merkel christine lagarde comunicacao pais

do Kaos

O Réptil de Cavaco

Não adianta chorar, bimbos do PS! Não vivemos sob o regime dos PEC. Não é o PEC provisório IV que dita a nossa vida financeira presente. Vivemos, sim, sob o Memorando de Entendimento e os seus ditames. Para o mal e para o bem, temos-lhe obedecido e é a partir dele que qualquer coisa de sólido pode surgir. Não vale a pena falar do magno chumbo, por toda a oposição, não apenas do PEC IV, mas de toda a forma opaca, corrupta e burlona de conduzir os Negócios de Estado pela mão do elenco catastrófico dos sócrates. A lei que provisoriamente nos rege é, pois, a do Memorando de Entendimento, escrito e assinado pelo Governo PS da altura, com os números da altura, mas também pelo PSD e pelo PP. De fora de tal assinatura que compromete e vincula, PCP-PEV e BE. Já se sabia da inevitável e provisória recessão e das previsíveis e provisórias dificuldades da economia. Já se sabia que o grau de obediência e de cumprimento nacionais faria proporcional o grau de ganhos em moralidade negocial, alta, no caso da Irlanda, baixa, quase nula, no caso da Grécia, precisamente pelas razões subjacentes de lealdade ao acordado. Entre uma longa intervenção externa e uma intervenção de médio prazo, intensa e dolorosa, sim, mas curta no tempo, PSD e CDS escolheram abreviar os nossos tormentos, intensificando-os no período mais curto possível. Foi uma escolha. Custosa. Patriótica. [Ler mais ...]

O que se passa com Cavaco?

cavaco silvaCavaco é a expressão humana, na vida política, da maldade nacional – claro que existem outros, de outras bandas.

No activo desde há 25 anos, PM antes e depois PR, o cidadão algarvio, putativo, altivo, perverso e acossado, destaca-se também entre os mais pardos políticos nacionais da democracia.

Também é evidente que as prestações públicas, ao longo do tempo, se degradaram na qualidade do  exercício do alto cargo de que está investido. Contrariando o que tinha garantido poucos antes – o PR confessava-se muito mitigado nos poderes de intervenção na actividade governamental pela CRP –  enveredou pela contradição e comunicou ao país a deliberação própria do político prepotente, baseada claramente em difusa visão, irrigada de miopia:

  • Exigência de ‘Compromisso de Salvação Nacional’, a subscrever pelo PSD, PS e CDS – o BE e o PCP foram proscritos, sinalizando uma vez mais o PR não é, de facto, o “presidente de todos os Portugueses”, como propala;
  • Marcação de eleições antecipadas para depois de Junho de 2014, mais concretamente após o termo do PAEF firmado com a ‘troika’.

[Ler mais ...]

Campanha de troikas

7882985_5zZKfQue me desculpem os Silvas, mas não há nome que, por ser tão vulgar, assente tão bem a um presidente da república que representa o pior do portuguesinho. Cavaco, o silva, é a imagem fiel da pior mediocridade possível: julga-se iluminado e tem poder. Tivesse o engolidor de bolo-rei ficado por Boliqueime e estaria a divertir os amigos, ao tentar pronunciar correctamente a palavra “programa”, numa qualquer tasca algarvia, para animação do estabelecimento e alívio de um país inteiro.

Do alto da sua mediocridade, e na qualidade de empregado de uma das troikas, não tentou sequer disfarçar que está ao serviço de interesses que, sendo classificados como patrióticos, são puramente económicos e financeiros, ao arrepio de qualquer sentimento minimamente humano. Como não tem na cara qualquer vestígio de vergonha e acredita, com razão, que o povo é desmemoriado, é claro que faz de conta que não contribuiu em nada para o estado actual do país, sabendo-se que, ocupando cargos diferentes, está no poder há quase vinte anos. Se nos lembrarmos que o 25 de Abril faz quarenta anos em 2014, é só fazer as contas. [Ler mais ...]

Crise política: todos mal na fotografia

Se se tratasse de um filme de animação, Cavaco Silva puxaria o tapete e todos os líderes que assinaram o memorando com a troika se estatelariam em simultâneo. Não se tratando, todos acabam derrotados, sem apelo nem agravo.

   - Paulo Portas é, irrevogavelmente, o grande derrotado quando, minutos antes da comunicação do PR, se preparava para aparecer como o grande vencedor, capaz de reorganizar o “equilíbrio” de poderes à sua medida. Mas Cavaco puxou-lhe o tapete e o Maquiavel do Caldas desfez-se em cacos: revogou o irrevogável, engoliu a ministra das finanças, ficou com o que restava de credibilidade política evaporada e terá que dar a cara por um governo que acabara de rejeitar (Gaspar e Álvaro Santos Pereira devem estar a rir-se à gargalhada).

De uma penada, reduziu o potencial do CDS, tornou-se irrelevante na solução governativa e terá que enfrentar em breve as hostilidades e críticas no congresso do seu partido.

Sem cara para dar a cara no governo (apesar do seu proverbial jeito para o contorcionismo), prevejo que “adoecerá gravemente” na rentrée pós-estival por forma a ser substituído com pouca honra e menor glória. Se, apesar de tudo, ainda se vê como uma fénix capaz de renascer das cinzas, espera-o uma longa travessia do deserto.

   - Passos Coelho sai quase tão ferido como Portas. [Ler mais ...]

O governo Monti Papademos de Aníbal Cavaco Silva

cavaco-silva-roteiros-7Cavaco Silva mandou fazer um governo Monti Papademos, ainda não sabemos quem será o infeliz contemplado.

Cada país tem o seu pot-au-feu, variam os ingredientes mas o cozinhado é o mesmo: colocam-se numa panela e fervem em água.

A receita grega transformou o anterior partido no governo em quase nada, colocou a esquerda à beira do poder e a Alemanha a interferir descaradamente em eleições internas; a italiana fez de um novo partido populista (muito pior do que pensava) um vencedor inesperado. O cozido será à portuguesa mas dificilmente ficará longe do mesmo resultado: uma razia nos partidos arqueiros, ora intimados a entenderem-se sob a tutela de uma “personalidade”, eufemismo para um cavaquista qualquer.

Teremos portanto um governo mais ou menos medino mas seguramente carreirista, e a aplicação do permanente discurso anti-políticos do mais politiqueiro dos políticos portugueses, Aníbal de seu nome.

Os idiotas que se têm proclamado contra a “classe” política, misturando todos os partidos no mesmo saco, têm agora a sua oportunidade. Tenha a esquerda juízo, e por esquerda entendo também os deputados do PS que ontem não votaram com a troika, e a coisa promete. Guardado está o bocado.

O entalanço

Cavaco acabou de entalar o PS, minando-lhe a estratégia eleitoral. Claro que o PS nunca aceitará.

Quem votou neste Presidente e nesta maioria

não tem nada a dizer? Que silêncio tão barulhento…

Os beatos gostam de dar a outra face

Cavaco e Passos aplaudidos na missa do novo Patriarca de Lisboa

Governo de salvação internacional

Muitos têm sido os que procuraram identificar os culpados locais dos estranhos acontecimentos que têm marcado a actualidade política nos últimos dias em Portugal. Mas o que esta dita “crise política” e o seu desfecho revelam é o domínio dos interesses extra-nacionais e a afirmação, em todo o seu esplendor, de uma realidade que a maioria tem sub-avaliado, naquela negação de quem fecha os olhos para não ver o que contudo será verdadeiramente  irrevogável, e a que apenas factores exteriores, ou uma não-expectável posição radicalíssima de um outro Governo (que não vai existir antes de 2015, creio) poderiam fazer inflectir: a perda de soberania, até agora enunciada como uma espécie de ameaça abstracta, é agora uma realidade horrorosa e corporizou-se no rigoroso momento em que, perante o pasmo da generalidade dos democratas, emerge um Governo de salvação internacional, chefiado por Cavaco Silva. E o próximo alvo que visa é… a reforma do Estado, eufemismo para machadada-final e definitiva nas responsabilidades sociais do Estado.

Paulinho, arrecua filho, arrecua

O anúncio à nação será esta tarde. Diz-se por aí que, a pedido de alguém, Portas recuará até colo da governação a sancionar por Cavaco.  O cargo, dizem, será de vice-primeiro ministro. A tomada de posse merece estreia de fato, camisa e gravata do Rosa & Teixeira.

Segundo resgate – Portugal é a Grécia e a desgraça

Cavaco admite maior probabilidade de segundo resgate de Portugal. Expressou esta opinião na reunião dos economistas a decorrer em Belém, segundo a imprensa; aqui, por exemplo.

O PR atribuiu a causa do aumento da probabilidade à crise política dos últimos dias. Certamente também contribuiu. Todavia, opiniões divergentes ponderam outros factores a influenciar o agravamento das perspectivas para Portugal.

Manuela Ferreira Leite, amiga de Cavaco e adversária severa do Governo de Passos e Portas, segundo o ‘Jornal de Negócios’,  declarou ontem na TVI:

Tenho receio que estejamos numa situação muito pior do que aquela que nos é dada a saber.

Interrogando, a concluir,  se a saída de Vítor Gaspar e o pedido de demissão do ministro Paulo Portas estão relacionados com a hipótese de se pedir um segundo resgate financeiro.

[Ler mais ...]

E o próximo primeiro-ministro vai ser…

rui-rio
Depois de comprovada a falta de condições de Pedro Passos Coelho para continuar a liderar o Governo, nomeadamente devido à falta de uma base de apoio parlamentar maioritária, o Presidente da República resistirá a convocar eleições antecipadas. E tal como em Itália Mario Monti substituiu Berlusconi e na Grécia Lucas Papademos substituiu Georgios Papandreo, Cavaco Silva terá a tentação de escolher uma personalidade da área do PSD que garanta a continuidade da Legislatura até 2015.
Rui Rio é um economista com fama de rigoroso. Tendo estudado no Colégio Alemão durante 14 anos, ele próprio se considera meio alemão na defesa do rigor. Quem melhor do que um economista rigoroso meio alemão para acalmar os mercados e a Troika?
Rui Rio tem uma boa relação com o CDS-PP. Aliás, tem liderado nos últimos 12 anos uma coligação entre os 2 partidos que lhe valeu 3 vitórias eleitorais no Porto. No primeiro mandato, por ser minoritário, chegou mesmo a estabelecer uma aliança com o vereador da CDU, Rui Sá, que durou 4 anos.
Rui Rio é adepto de uma reforma profunda do regime político que envolva os vários Partidos portugueses. Isto soa a música para os ouvidos do Presidente.
Rui Rio tem um estilo e tem qualidades que são do agrado de Cavaco Silva e de alguns dos barões do PSD. De resto, foi um dos nomes falados para concorrer contra José Sócrates em 2009, tendo a escolha recaído na altura em Manuela Ferreira Leite, outra figura muito próxima de Cavaco Silva.
Todos sabemos como é que estas coisas funcionam. O país não aguenta eleições antecipadas nesta altura, os juros da dívida e a instabilidade, os prazos, o Orçamento de Estado e o conhecimento dos dossiers e por aí fora serão argumentos suficientes se não se quiser dar a voz ao povo. A verdade é que Rui Rio anda por Lisboa e nos últimos dias reuniu-se com o Presidente da República e com Paulo Portas. Não seria a primeira vez que o ainda Presidente da Câmara Municipal do Porto estaria no lugar certo à hora certa.

peça de teatro procura autores

papagueno

Notas para uma peça de teatro plagiada a reescrever urgentemente… ajuda, precisa-se!

Palhaço contra palhaço

Arquivada a queixa de Cavaco vs  Tavares. Enquanto faltar pão, o circo continua.

circo gladiadores

Diz que é preciso despedir funcionários públicos (1)

Cavaco Silva entre os chefes de Estado mais gastadores da Europa

Cavaco Silva, um nada em política

Com falta de chá.

(não sei o que se passa com este vídeo, mas podem tentá-lo ver no próprio youtube)

Chico Buarque poderá ser processado

Vai trabalhar, malandro!!

O Povo é quem mais ordena
Aqui (para utilizadores de Facebook) faz-se um novo protesto contra mais uma injustiça.

833

Número aproximado de portugueses que mandaram o “malandro” do Cavaco Silva “ir trabalhar”,  na sua página do Facebook. Ainda não foi.

Solidário com Cavaco

Estando eu em greve, é natural que me sinta ainda mais solidário com todos aqueles que desejem exercer esse mesmo direito. Como todos sabem, Cavaco Silva está em greve no que respeita às suas funções como Presidente da República, desde que o actual governo tomou posse. Não sei se o faz por não concordar com as reduções que a sua parca reforma sofreu, mas não me passa pela cabeça que qualquer outro cidadão, incluindo o Presidente da República, possa ter menos direitos do que eu.

É por isso que me vejo obrigado a concordar com a multa aplicada a um cidadão que mandou Cavaco Silva trabalhar, desrespeitando, assim, o direito à greve do mais alto funcionário público da nação.

Fico, entretanto, à espera que Passos Coelho e Nuno Crato sofram um castigo semelhante, uma vez que, nos últimos tempos, têm dirigido aos professores a mesma mensagem indecorosa. Faça-se justiça!

Cavaco em baixa

Honra do Presidente da República, afinal, vale pouco em tribunal!

Para isso, mais valia estarem quietos. Os juízes!

Pediu o impossível

Um português foi condenado por gritar a Cavaco Silva “Vai trabalhar“. Cavaco Silva não foi.

Cavaco confunde a “Era do Vazio” com a Vera no bacio

cavaco2Estávamos à espera de um discurso do PR e afinal tivemos um discurso de um vogal de uma confederação de agricultores.

Grotesco, penoso, patético! A senilidade tomou conta do mais alto cargo da nação. Temos de remover este funcionário público. Alguma ideia?

“O presidente da República não governa e não é responsável pelos actos do Governo”, afirma, categórico, Cavaco Silva, à Fátima Campos Ferreira, na RTP 1, nos prolegómenos ao Prós & Prós.

E quando o Governo viola de forma sistemática a Constituição que o PR jurou defender? Também não é responsável por permitir essa violação reiterada?

Presidentes da República vítimas de andaço

A Zona Euro parece viver época de inquietante andaço. Uma particularidade: os supremos magistrados de certos Estados-membros são dos mais atingidos por disfunções psíquicas. Os Presidentes da República de Portugal e de França foram as primeiras vítimas. Quem sabe se outros presidentes e a chanceler vão sofrer do contágio – rainhas e réis, gozando muito e em permanente regime de serviços mínimos, parecem a salvo da epidemia.

Cavaco Silva, o presidente dos “cidadões” portugueses, no “dia da raça”, decidiu bater-se pelo desenvolvimento do País centrado no património cultural. É sempre positivo assistir à reconversão de um tecnocrata em homem da cultura.  Porém, não ficou por aqui. A contrariar a realidade do desmantelamento das produções agrícolas durante os tempos em que foi PM (1985-1995), declarou:

Há quem sustente que a adesão de Portugal às Comunidades [em 1986] implicou a destruição do mundo rural e a perda irreversível da nossa capacidade produtiva no sector primário. Este retrato é completamente desfasado da realidade

[Ler mais ...]

O cadáver está louco

Parece cada vez mais evidente que Cavaco não reúne condições mentais para continuar a ser Presidente da República. O discurso de hoje, em Elvas é tão desligado da realidade que só pode ser compreensível se o homem estiver mesmo senil. E, a ser assim, resta-lhe ir embora e levar com ele a podridão que está no Governo.

Um discurso virado para a agricultura e umas referências para o sector piscatório, vindo de quem era Primeiro-Ministro nos anos em que mais e pagou para não produzir e se financiou o abate de embarcações, só pode ser indicativo de uma pessoa que não tem noção de coisa alguma. Porque vergonha já sabemos que não tem. [Ler mais ...]

Demite-os

E aí sim, o pós-troika será quando um Cavaco quiser.