Rhynchophorus ferrugineus

«Portugal tinha um ano para se candidatar a fundos comunitários para o seu combate, que é caro, mas não chegou a fazê-lo».

O calote, o AO90 e a Feira do Livro do Porto

Vale Formoso

Rua do Vale Formoso, 1976 (http://on.fb.me/19cVSkJ)

O Porto é a minha cidade. Foi lá que nasci e cresci. É, sem sombra de dúvida, a melhor cidade do mundo.

O calote é um problema que afecta – há muito, há muito – a nossa sociedade. Quando me lembro do problema do calote, lá vem o Leitmotiv, lá vêm o Fasolt e o Fafner. Claro, o Wagner não podia faltar.

O problema do calote, segundo leio nos jornais de referência, é um dos Leitmotive desta carta. Contudo, ao ler abril, ação, afeta, afetação, Arquitetura (duas vezes!), ativamente, atividade (idem!), atratividade, atuação (três vezes!!), Diretor (quatro vezes!!!), Diretora, indireto, maio, projeto (três vezes!!), projetos, setor, setores e trajetória, grafias que violam as mais elementares regras da ortografia portuguesa europeia, aquilo que a carta pretende denunciar passa-me completamente ao lado. Em lingoagem: se não fossem os jornais de referência, não perceberia patavina daquilo que se pretende com a missiva. Há, pelo menos, cinquenta cúmplices desta deriva. Sim, porque, das duas, uma: ou não leram o que subscreveram, ou leram e não se importaram.

O problema da indiferença é ainda mais grave do que o do calote. O vergonhoso cancelamento da edição de 2013 da Feira do Livro do Porto já foi denunciado, aqui no Aventar, pelo António Fernando Nabais. Até o presidente do F.C. Porto quis ajudar. Nada. Uma vergonha. Como escreveu Pedro Guilherme-Moreira [Read more…]

Doloroso e intolerável

Anteontem, só me ocorria a palavra vergonha. Hoje, José Manuel Mendes acrescenta “doloroso e intolerável”. Exactamente.

Vergonha

Neste momento, só me ocorre a palavra vergonha. Pode ser que, durante os próximos dias, outras palavras me ocorram.

Apontamentos do Porto (11)

(Vistas da Ponte D. Luís, Cidade do Porto)

Apontamentos do Porto (10)

(Inauguração do Metro na Ponte D. Luís, Cidade do Porto)

Apontamentos do Porto (9)

(Escada dos Guindais, Cidade do Porto)

Apontamentos do Porto (8)

(Pérgula da Foz, Cidade do Porto)

Apontamentos do Porto (7)

(Foz do Douro, Cidade do Porto)

Apontamentos do Porto (6)

(Ribeira, Cidade do Porto)

Apontamentos do Porto (5)

(Ribeira, Cidade do Porto)

Apontamentos do Porto (4)

(Rio Douro, Barcos Rabelos, Cidade do Porto)

Apontamentos do Porto (2)

(Ponte da Arrábida, Cidade do Porto)

Apontamentos do Porto (1)

(Rio Douro, Cidade do Porto)

JOSÉ MARIA PEDROTO, ou "O MESTRE"

Ao cair do pano, uma referência que se impunha, pelo menos para mim enquanto portista. Os demais com outras sensibilidades que me desculpem, mas não podia deixar de o fazer.
Não tive oportunidade de conhecer o Mestre Pedroto pessoalmente. Era amigo do meu avô materno, mas a ocasião nunca surgiu, nunca se concretizou. E faz hoje 25 anos que essa oportunidade se esgotou.
Lembro-me bem do estilo, e estou grato pelo que fez não só pelo FCP como também pela cidade do Porto e pela região do Norte.
Foi ele, através do futebol, que iniciou um árduo trabalho de equilibrar os pratos da balança, e de devolver à cidade o seu orgulho tantas vezes ferido, numa época em que a homens assim se apelidava de “bairristas”.
Obrigado, Mestre.