Troika presa

num elevador em Atenas.
[Fonte: InfoGrécia]

Por quem os sinos dobram

A maratona negocial de Bruxelas, que teve a Grécia por motivo, trouxe-nos ensinamentos dolorosos e perguntas que magoam. E saldou-se por um acordo punitivo,  odioso, vingativo, a que se chegou por meio de chantagem: ou os gregos aceitavam o garrote da penúria ou seriam  mandados morrer de fome fora do euro.  E que servisse de exemplo a quem ousasse contrariar  as imposições da Alemanha, os interesses da Alemanha, a mente quadrada da Alemanha.  Deitou-se mão de tudo para espezinhar e humilhar os gregos, na pessoa de um Alexis Tsipras que, por amor ao seu povo sofrido,  se vergou sem estar convencido e já sem ilusões acerca das injúrias que iria ouvir dos que, se estivessem no lugar dele, teriam feito o mesmo.  Um homem jovem que, tendo sido obrigado pela manobra hitleriana da actual União Europeia  a aceitar o contrário do que havia prometido e até sublinhado pelo referendo, teve a hombridade de o declarar ao seu país e ao mundo, em discurso claro e sem rodeios.  Não foi nenhum farsante que prometesse a lua aos eleitores e depois, de rabo entre as pernas, fosse além  das troikas e baldrocas com que os  não eleitos de Bruxelas andam  a tirar dos pobres para dar aos bancos dos países ricos.  A Grécia teve a postura  dum país milenar, hoje servido por uma geração de jovens políticos  inteligentes e academicamente bem preparados, perante a arrogância ignorante dum país recente que mais não é do que o agregado de territórios feudais, qual deles o mais abusivo, que veio a desaguar numa comunidade que, no espaço de um século, tentou destruir a Europa e levou a guerra ao mundo todo.  Quando começaram as queixas contra Varoufakis, o ex-ministro das finanças grego, que só com o olhar perfurante tresmalhava aquele formigueiro malsão,  o primeiro ministro Tsipras teve a elegância de substituir o seu companheiro de governo.   No entanto, quem tudo manda em Bruxelas teve o topete de reconduzir o presidente do Eurogrupo,  o detestável Dijssolbloem  que, com a sua expressão  desvairada de gato castrado, humilhou e maltratou quanto quis a delegação grega. [Read more…]

Milícias de extrema-esquerda tomam BCE e FMI de assalto

extrema

As sedes do BCE e do FMI foram hoje tomadas de assalto por milícias de extrema-esquerda que reclamam a adopção de medidas de reacção ao caminho único da austeridade. Lideradas pela famosa rebelde Christine Lagarde, a quem se juntou o anarco-sindicalista Mário Draghi, os insurgentes pretendem forçar uma reestruturação da dívida grega, que poderá inclusive passar por um perdão parcial, à revelia da linha dominante numa Europa de pensamento de influência passista-rajoyzista. Os bravos jornalistas que se infiltraram neste autêntico cenário pós-apocalíptico que se vive nas instalações das duas instituições conseguiram captar declarações de Draghi:

“É necessário um alívio da dívida grega. Nunca ninguém disputou essa questão, a dúvida é saber qual é a melhor forma de fazê-lo, tendo em conta o nosso enquadramento legal”

A violência das palavras de Draghi, outrora um respeitável neoliberal, estão a chocar a Europa civilizada, que se questiona sobre quando esta loucura terá fim. Mas esse fim não parece próximo. Contrariando a resistência alemã, a líder da insurreição foi mais longe e afirmou mesmo que a organização que lidera não tem dúvidas de que a dívida grega é insustentável e sublinha que a Grécia necessita de um alívio da dívida “muito além” dos planos da União Europeia:

“A dramática deterioração da sustentabilidade da dívida aponta para a necessidade de um alívio da mesma numa escala muito maior do que aquela que esteve sob consideração até ao momento – e que foi proposta pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade”

O fim está perto. Tenham medo, tenham muito medo…

 

Resistir ao totalitarismo económico [o discurso da Presidente do Parlamento grego]

cjz2pscuyaadamf

«A dívida grega não é um fenómeno meteorológico, antes foi criada pelos governos precedentes, mediante contratos manchados pela corrupção, por comissões, luvas, cláusulas leoninas e juros astronómicos, de que bancos e empresas estrangeiras beneficiaram, fazendo de uma dívida privada uma dívida pública, e assim salvando bancos franceses e alemães, bem como bancos privados gregos, e condenando o povo grego a viver nas actuais condições de crise humanitária, enquanto mobilizando e gratificando os órgãos da corrupção mediática encarregues de aterrorizar e de enganar os cidadãos. Esta dívida, que nem o povo nem o Governo actual criaram ou fizeram aumentar, é desde há cinco anos usada como instrumento de subjugação do povo por forças que agem a partir do interior da Europa, no quadro de um totalitarismo económico.

A Alemanha comporta-se como se a História e o povo grego tivessem contraído dívidas junto dela, como se pretendesse um ajustamento de contas, realizando a sua vingança histórica pelas suas próprias atrocidades, aplicando e impondo uma política que constitui um crime não apenas relativamente ao povo grego mas também contra a própria Humanidade – no sentido penal do termo, pois trata-se aqui de uma agressão sistemática e de grande escala contra uma população, com o objectivo premeditado de produzir a sua destruição parcial ou total.» | Zoe Constantopoulou, ontem [13 de Julho de 2015] no Parlamento grego

x-default

«Minhas senhoras e senhores, caros colegas,

Nos momentos como este, devemos agir e falar com sinceridade institucional e coragem política. Devemos assumir, cada um, a responsabilidade que nos cabe.
Protegendo, como a nossa consciência nos obriga, as causas justas e os direitos sagrados, invioláveis e não negociáveis do nosso povo e da nossa sociedade.
Salvaguardando a herança legada por aqueles que deram a sua vida e a sua liberdade para que hoje possamos ser livres.
Preservando a herança das novas gerações e das vindouras, bem como a civilização humana, o mesmo acontecendo com os valores inalienáveis que caracterizam e dão sentido à nossa existência individual e colectiva.
O modo como cada um opta por decidir e agir pode variar, mas ninguém tem o direito de zombar, degradar, denegrir ou usar com uma finalidade política as decisões emanadas de um processo e de uma decisão difícil e consciente, intimamente ligados ao cerne da nossa existência. [Read more…]

Os esquecidos

No meio de todos os debates cá e lá, das tempestades noticiosas, dos ruído dos predadores tentando dilacerar as presas, não se ouvem novas desta singela e nobilíssima realidade: na hecatombe trágica dos salvos e mortos do Mediterrâneo, muitos deles vítimas das “primaveras” patrocinadas pela gula imperial, quase todos os náufragos são recebidos pela Grécia e pelo Sul de Itália, áreas de que sabemos bem as carências e o desespero, mas também uma capacidade de solidariedade que é uma lição para as fortalezas do Norte, cujos navios chegam a recolher refugiados que, em vez de serem conduzidos para o país “salvador”, são imediatamente entregues a estes dois países e esquecidos, melhor, recalcados. Assim, Grécia e o Sul de Itália vão acumulando um número gigantesco de refugiados, enquanto a Europa finória vai garantindo que pensará no assunto. Quando tiver tempo e uns trocos nos bolsos.

Ou meios para construir muros, que é sempre um recurso dos imbecis. Enquanto sangram a vitalidade dos acolhedores em operações da mais vil chantagem.

Dos nobres valores alardeados pela Europa, vai sobrando só o da moeda que – ironia do destino – foi inventada pelos gregos ancestrais. Entretanto “os tiranos fazem planos para mil anos”, como dizia o poeta. Sem ver que o fim pode estar para muito mais cedo. Se deixarmos.

Eles comem tudo e não deixam nada

Le monde

Para além do domínio absoluto que vai cimentando sobre esta cada vez mais frágil União Europeia em eminente risco de desintegração, com direito a uns quantos gatinhos que se vão roçando freneticamente nas suas pernas, ronronando para si o conseguimento de soluções para o problema grego, os senhores do Reich querem sempre mais. Como se a destruição que os seus antecessores causaram no continente, os calotes que deixaram por pagar e o lucro que o seu país está a ter com esta crise não fosse já suficiente, existe quem, no seio do governo de Angela Merkel, esteja a procurar facturar de formas tão hábeis quanto descaradas. O Jorge já falou sobre o assunto mas não resisti e pegar-lhe de novo porque isto é daquelas coisas que deve ser esmiuçada até à exaustão.

Então não é que o fanático moralista do Schäuble e o seu comparsa governamental tentaram literalmente pôr a mão em 50 mil milhões de euros em activos da Grécia com o alto patrocínio de umas quantas marionetas do Eurogrupo? É verdade. Schäuble e Sigmar Gabriel são respectivamente chairman e vice-chairman do banco alemão KfW, que por sua vez controla o Instituto do Luxemburgo para o Crescimento, onde o Eurogrupo exigiu que fossem colocados 50 mil milhões de euros em activos detidos pelos contribuintes gregos para iniciar conversações para o terceiro resgate.

Felizmente, a coisa parece ter sido revertida. Seria o cúmulo da pirataria, depois de tudo o que se tem passado ao longo destes meses, se estes Barbas Negras tivessem efectivamente açambarcado mais dinheiro dos contribuintes europeus para o gerirem a partir da Tortuga das maroscas fiscais. Já chegou o que nos roubaram.

Foto@Le Monde

O acordo é meu! Não, é meu!

patoConfesso: não gosto de humor inteligente. O humor inteligente obriga as pessoas a esperar demasiado tempo para se poderem rir, porque é preciso ouvir a piada, pensar sobre a piada, debater a piada com os amigos em tertúlias demoradas e, dois dias depois, rir da piada, já sem muita vontade, porque quem muito pensa ri pouco.

Por isso, uma das minhas anedotas preferidas é uma daquelas que qualquer cidadão de qualquer país pode usar para fingir que é superior ao de uma nação vizinha. Reza assim: um  espanhol e um português andavam à caça e dispararam, simultaneamente, contra o mesmo pato. Discussão, caído o bicho, o pato é meu, el pato es mío, e é meu, es mío, e torna e deixa. O português propõe: “Sodomizemo-nos um ao outro. Quem gemer perde o pato!” (Não tem piada nenhuma contar anedotas por escrito, especialmente em blogues respeitáveis, com crianças ainda acordadas. Como devem calcular, nunca ouvi nem utilizei o verbo “sodomizar” em anedota nenhuma.) O espanhol aceita e, com valentia, suporta sem um ai. Quando se preparava para exercer o contraditório, o português afastou-se, dizendo: “Ó pá, eu nem gosto de pato!” [Read more…]

Jar Jar Binks, o estadista que teve uma ideia

jar-jar-binks

“Quer dizer que até tivemos, por acaso, uma intervenção que ajudou a desbloquear o problema”, disse Passos Coelho. Todos os que já fizeram noitadas de trabalho sabem que há a hora siga!, aquela onde interessa mais despachar o assunto do que nele propriamente pensar. Não sei se terá sido o caso, mas não vejo onde esteja o motivo de orgulho quando é aceite uma sugestão de enterrar na banca metade dos 50 mil milhões de euros de um fundo.

Depois do bloqueador activo, eis o suposto desbloqueador.

Assim de repente lembra-me a personagem Jar Jar Binks no filme “O Ataque dos Clones”, quando, ao procurar as luzes da ribalta no Senado Galáctico, toma como sua uma conversa que ouvira, dela fazendo o discurso que daria ao Chanceler Palpatine vastos poderes de emergência, os quais ultimariam o domínio deste sobre o Império Galáctico.

Com que então era uma questão de confiança

“Eurogrupo quer transferir activos gregos para banco de Schäuble e Gabriel”, lê-se no ionline. Soma-se a ganância à sede de poder que imaginei.

O Fardo de ser Europeu

MINOLTA DIGITAL CAMERA

“Die macht mir mein Europa kaputt.” – Helmut Kohl

Há um livro chamado a Ideia da Europa de George Steiner. Steiner, nascido em Paris, filho de judeus de Viena, é provavelmente a pessoa que melhor entende a Europa, que melhor entende o que é ser Europeu. Para Steiner a Europa não é uma entidade homogénea em que todas as culturas são iguais. Pelo contrário, ser Europeu é encontrar os pontos comuns na diversidade de culturas. Daí os cafés, daí um Continente que foi durante gerações e gerações “percorrido a pé”. A ideia de Europa existe. Existe desde o século XVIII. Não é uma Europa tão inclusiva como é a nossa hoje em dia mas ela lá está. Para Steiner a Europa é a junção de duas coisas: a cidade de Sócrates e a cidade de Isaías. Os gregos e os judeus – e mais tarde São Paulo que forma o Cristianismo. Todos nós somos isto, fazemos parte disto, quer queiramos quer não.

[Read more…]

O que é que quer a Alemanha?

Grécia cadente

Há um novo ponto de bloqueio para que se encontre uma solução para a Grécia. Depois do quase acordo antes do referendo, Tsipras apresentou basicamente a mesma proposta na passada sexta-feira. O optimismo instalou-se e, seguramente, muitos europeus deram um suspiro. No entanto, ontem voltou-se à estaca zero depois de a Alemanha, pela voz de Schäuble, ter tornado público que o acordo não servia. Porquê? Porque as pesadas medidas pré-oxi estavam ausentes? Não, a capitulação grega foi clara. Porque os gregos se preparam para um volte-face depois da Europa dizer que sim ao acordo? Não, o acordo tem o aval do parlamento grego e de quase todos os partidos gregos.

[Read more…]

Estou confuso, pronto!

Os jornais não se calam com a famosa proposta elaborada pelo ministro das finanças alemã, o viperino Shäuble, embora omitida, por agora, nas discussões das instituições europeias. Segundo tal documento, o inteligente Wolfgang propõe, para resolver o problema grego, que a Grécia saia do euro por, pelo menos, 5 anos, durante os quais recuperaria a saúde da sua economia e, uma vez superadas as suas dificuldades, poderia regressar. E é aqui que se me agita o espanto. Então sair o euro permite recuperar a saúde da economia e prosperar?! E se isto é verdade, porque raio havia um país querer regressar depois? A Europa é governada por loucos?
Os Antigos diziam que a economia tinha, como alicerce fundamental, a ética e a moral. Pois.

Paulo, Paulo, porque os persegues?

No Parlamento Europeu e dirigindo-se a Tsipras, Paulo Rangel, qual cachorro abrigado entre os pés do dono, voltou a vociferar, naquela postura que ele julga ser a de um grande tribuno, as propostas que ele pensa devem ser seguidas pelo governo grego. Entre elas – e mais uma vez! – uma das descobertas argumentativas que fez há tempos: a Igreja Ortodoxa tem de pagar impostos na Grécia! Por mim, tudo bem; mas fico à espera que o fogoso deputado proponha o mesmo para a Igreja Católica em Portugal. Ou tem medo de ficar com a alma chamuscada?

Grécia: a Europa a brincar aos festivais da canção

Horas e horas de reunião. As divisões no seio dos ministros das Finanças da Zona Euro sobressaem depois da longa reunião do Eurogrupo. A Alemanha e a França apresentam-se em posições divergentes, com Paris a apoiar Atenas e a rejeitar de forma veemente um eventual Grexit. Itália e Finlândia sobressaem também: Roma deu um murro na mesa para que se chegue a acordo, enquanto que Helsínquia promete inviabilizar um terceiro resgate e está já mandatada para negociar a saída da Grécia do euro. A reunião é retomada este domingo. [RTP]

France, dix points.
Deutschland, null Punkte.
Portugal, zero pontos.

Eis a europa que já foi Europa.

Guy Verhofstadt, o conflito de interesses e as críticas a Tsipras no PE

Os alinhados da troika em Portugal deram grande destaque a um discurso de Verhofstadt na sessão do Parlamento Europeu onde Tsipras participou. Escreveu-se que empolgou, encostou Tsipras, e foi memorável. Uau, jornalismo de primeira linha, sem dúvida, só pecando no pequeno detalhe de não referir quem é este Verhofstadt. Ora, como se pode ler mais abaixo, este belga tem ligação ao consórcio que concorreu à privatização da água na Grécia, a qual deu um passo atrás com o OXI grego.

Quem é que falou no PE ao longo de oito minutos, o deputado europeu ou o membro da administração do fundo belga bilionário Sofina? Foram os mais de 10 mil euros por mês que ganha na Sofina (ver declaração de interesses no PE) ou foi o seu salário de eurodeputado que ali o levaram?

Foram questões que não importaram a Edgar Caetano, o jornalista do Observador mais rápido a adjectivar do que a sombra.

Verhofstadt

[Read more…]

Ao cuidado de Pedro Correia, João Ferreira do Amaral e de mais uns quantos

Talvez não tenham notado, mas esses pobres jornalistas agora tão injustamente perseguidos parece que manipularam imagens de forma barata. É isso mesmo, velhos tiques.

Da falta de dignidade

Os portugueses são um povo estranho. Somos facilmente atraídos por um sentido de superioridade, porque, na verdade, até agora fomos superiores poucas vezes e portanto aproveitamos qualquer oportunidade para alimentar a aparência que somos melhores do que os outros. É um fenómeno psicológico interessante espelhado nas notícias de “Portuguesa limpa o chão da Casa Branca e uma vez foi cumprimentada por Obama”, porque como se sabe qualquer noção de superioridade deriva essencialmente de um complexo de insegurança e inferioridade gigantescos. No caso dos portugueses, pelo menos, assim é.

[Read more…]

Isto é um merdas e nada mais: Schäuble oferece Grécia em troca do Porto Rico

schaeuble

17h00 – “Ofereci ao meu amigo Jack Lew, por estes dias, uma troca: trazíamos Porto Rico para a zona euro e, se os Estados Unidos quiserem, levam a Grécia para a união do dólar”, disse o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, num evento em Frankfurt. Lew, o secretário norte-americano do Tesouro, “pensou que era uma piada”, ainda acrescentou Schäuble. Porto Rico, que faz parte da ‘commonwealth’ norte-americana, está actualmente com 72 mil milhões de dólares de dívida, que o governador diz que a ilha não consegue pagar. [Econónico]

European prison

Louisa Gouliamaki© Louisa Gouliamaki

Quem quer poder mostra a fila

luismontenegro0113627bce_400x225Há homens que ficarão para a História, por feitos que os libertarão da lei da morte; outros transformar-se-ão em anedotas, a História dos mais pequeninos. Se os primeiros alcançarem algum tipo de poder, a humanidade ganhará com isso; tenham poder os segundos e será fácil perceber a política portuguesa.

Apesar de a introdução poder indicar que iria escrever sobre Duarte Marques, a verdade é que, infelizmente, há muitos que lhe disputam a palma da mediocridade e do disparate. Luís Montenegro, chefe de bancada do PSD, é um desses cómicos involuntários cujas palavras surgem no espaço público com a sensatez de uma manada de búfalos em fuga e com a delicadeza de um elefante em plena época de cio, perdoe-se-me o exagero das metáforas.

Em Fevereiro do ano passado, Luís Montenegro foi o autor involuntário de uma concepção de país que não inclui necessariamente os seus habitantes. Por isso, faz sentido ter afirmado que a vida das pessoas não estava melhor mas que o país estava muito melhor. Para folgazões como Montenegro, mais do que haver pessoas a mais, as pessoas estão sempre a mais. Se fosse guia turístico, o líder parlamentar do PSD diria aos turistas: “À vossa direita, as pessoas, que, na verdade, estão com muito mau aspecto; mas, do lado esquerdo, vejam o país, que lindo que está!” [Read more…]

Discuto a Grécia por Portugal

André Serpa Soares

Nas redes sociais há temas que desgastam os “artistas” que ousam debatê-los abertamente. Por exemplo, o futebol. Existem rivalidades óbvias, motivadas por “clubites” mais ou menos exacerbadas e tantas vezes credoras de racionalidade.
Apesar de uma ou outra recaída, como discutir futebol no facebook era algo que acabava por me desgastar – sobretudo, creio, porque não sou adepto do clube da “maioria ruidosa” – deixei-me disso por aqui.

No caso da Grécia, parece que estamos no mesmo pé. Discute-se profusamente a Grécia. Há posições firmes de um lado e do outro. Tenho ideia que os meus amigos de direita são contra qualquer nova ajuda ou perdão à Grécia e os de esquerda são favoráveis às posições do Syriza e do auxílio ao povo grego.
As posições, de argumento em argumento, vão-se extremando. De tal forma que acaba por parecer que estamos de novo a discutir o Sporting e o Benfica.

Não há meio termo. Não há flexibilidade na discussão. Tudo é branco ou preto. [Read more…]

A resistência grega

“A política na Europa tem de ser sempre de direita para manter a zona euro intacta” – José Gomes Ferreira (ligação para Facebook)

Era uma vez um consenso, entre a casta que domina a Europa dita democrática, e que mantendo a designação de socialista ou democrata-cristã bebe toda da mesma fonte, o neoliberalismo. Por esse consenso a escolha eleitoral dos povos estava restringida a eles próprios, excluindo obviamente a esquerda, esses perigosos comunas. Não Há Alternativa, declarou um dia um verme que proclamava não existir essa coisa da sociedade. E estava tudo a correr tão bem, os países mais ricos enriqueciam, os mais pobres enriqueciam alguns dos seus por conta de privatizações e do desvio dos fundos comunitários para negócios improdutivos. A Sul a corrupção alastrava, em toda a parte a alta finança especulava em liberdade. Estava tudo a correr tão bem, as desigualdades em crescendo, a liberdade de expressão presa na imprensa dominada pelos mesmos donos, a mesma casta, tudo assegurava a tranquilidade, a paz, um futuro brilhante.

Era uma vez uma fábula que um dia tropeça num país pobre, de ilhas e pedras. Onde um povo que sabe ter de seu o que conquistou disse que já chegava. Correu com os bandidos mais próximos, os dois ou três partidos que sempre a governaram, e escolheu um governo de esquerda. [Read more…]

Já sabemos que Portugal não é a Grécia

mas os dois lideram, em conjunto, o ranking dos países da OCDE onde a despesa das famílias com saúde mais aumentou. Coincidências claro, que o nosso SNS está que é um espectáculo. Que o digam as urgências dos hospitais públicos.

Helena Matos contra a indústria petrolífera

Putin Durão

Num grito de revolta contra o desfecho do referendo grego, Helena Matos do Observlasfémias mostrou-se indignada com a suposta proximidade entre o Atenas e Moscovo:

Por que hão-de países cujos cidadãos vivem pior que os gregos, pagam mais impostos que os gregos e se reformam mais tarde que os gregos ser “solidários” com os gregos que votam num governo que para cúmulo namora descaradamente com uma Rússia que é uma ameaça directa para segurança de alguns desses países?

Estarei errado, mas depreendo das palavras da senhora que a sua indignação é extensível, por exemplo, à poderosa indústria petrolífera ocidental, que apesar das sanções continuava, até há poucas semanas, a explorar petróleo no Mar de Kara com a estatal russa Rosneft, uma empresa controlada por oligarcas próximos de Vladimir Putin. É que o clima de tensão entre a Rússia e o Ocidente não começou no mês passado. Em Outubro já se interceptavam jactos russos por cá e a Crimeia foi invadida em Março. Quando começaram os namoros entre o Ocidente e a Rússia a ser descarados?

*****

P.S. Eu também vivo pior que a Helena Matos, pago os mesmos impostos, corro o risco de me reformar mais tarde e ainda assim tive que pagar, através dos meus impostos, os “serviços de pesquisa” que a senhora fez para séries na televisão pública que, estou certo, só trouxeram despesa para o erário público. Porquê?

Da Grécia para a Europa

11665528_10154005634178662_6054803620863663979_n

Ontem escrevi no facebook:

Os gregos (não confundir com Tsipras) decidiram. Decidiram o seu futuro. Se bom ou mau, ninguém sabe (nem eles…). E decidiram de forma clara e esmagadora. Uma nota: conseguiram ter um referendo sobre o seu presente e futuro na Europa. Poucos países se podem gabar do mesmo. A começar por nós.

Foram os Gregos que decidiram. Foi-lhes permitido decidir. Agora está na mão dos políticos desta Europa saber interpretar os sinais. Sem esquecer que temos outros países a caminho de referendar questões europeias (assim de repente temos a Dinamarca e a Inglaterra).

A União Europeia é uma das mais fabulosas construções da humanidade. A livre circulação de pessoas foi uma conquista extraordinária que ajudou a mudar a Europa. Sem pretender ser exaustivo, recordo o abolir das fronteiras, o termos uma moeda comum, programas como o Erasmus e tantas outras coisas com as quais nos habituamos. Claro que existiram falhas, erros e asneiras. Como em todas as obras colectivas. Só espero, sinceramente, que todos os políticos europeus saibam estar à altura das circunstâncias. Que a arrogância tenha apanhado um valente susto. Que se lembrem que somos todos diferentes mas somos todos europeus.

Estou nos antípodas do Syriza em termos ideológicos. Porém, ser democrata é saber reconhecer e respeitar as escolhas dos povos e os gregos, nas últimas eleições, assim escolheram. Da mesma forma que, neste referendo, escolheram o “Não”. Perante a sua escolha só existem dois caminhos: compreender e procurar enquadrar a sua escolha dentro dos superiores interesses de uma Europa unida ou, o que alguns andam a salivar, retaliar. Escolhendo a segunda vamos matar o projecto europeu, esse extraordinário legado dos nossos pais. Quem quer fazer o papel de coveiro?

Grécia, asneiras, mentiras e realidades

Maria Manuela

Incomensuravelmente cansada de ouvir asneiras e mentiras deliberadas sobre a Grécia, aqui ficam algumas realidades:
1- Os estados da zona euro “emprestaram” muito dinheiro à Grécia?!
Ao J P Morgan e ao Goldman Sachs querem dizer.
É que oitenta por cento dos “resgates” à Grécia, foram isso mesmo: resgates aos Centros de Controle Financeiro (já não lhes chamo bancos) que detêm e controlam o FMI e os demais bancos credores, para salvaguarda de um sistema financeiro asfixiante e criminoso.
2- Quem levou a Grécia à falência?
As mesmas famílias políticas que arrastaram Portugal para o buraco em que estávamos e estamos. Precisamente a mesma cambada de corruptos incompetentes que beneficiaram e fizeram proliferar corruptos e incompetentes. Precisamente o mesmo tipo de criminosos que desenhou, criou e expandiu uma economia sem nenhum suporte real. Apenas assente num crescimento insustentável de funcionários públicos e empresas públicas e público-privadas deficitárias, aviários e ninhos de políticos em criação ou reformados. Precisamente a mesma estirpe viral mortífera que fez incidir receita pública nos mais frágeis e, não só ilibou como incentivou à fuga aos impostos de um sistema oligárquico de suporte financeiro e eleitoral. A mesma coisa- política inominável, que foi fechando os olhos ao estabelecimento de uma economia paralela e reforçando as regalias do funcionalismo público, criando um verdadeiro estado-de-sitio apenas compatível com a sociedade pirata da ilha Tortuga.
Precisamente o mesmo bando de ladrões que levou a Grécia a recorrer a um programa de assistência financeira da troika em Maio de 2010 – solicitado na altura pelos socialistas do PASOK, que ganharam as eleições de Outubro de 2009 para revelarem no final desse ano que, afinal, o défice orçamental grego desse ano não ficaria nos cerca de 6,7% projectados pela Comissão Europeia com base em dados do anterior governo, mas seria de 12,7% (foi de MAIS de 15% do PIB).

3- Quais as consequências das medidas da Troika? [Read more…]

Olhos gregos, lembrando

A Europa jaz, posta nos cotovelos:

De Oriente a Ocidente jaz, fitando,

E toldam-lhe românticos cabelos

Olhos gregos, lembrando.

O cotovelo esquerdo é recuado;

O direito é em ângulo disposto.

Aquele diz Itália onde é pousado;

Este diz Inglaterra onde, afastado,

A mão sustenta, em que se apoia o rosto.

Fita, com olhar esfíngico e fatal,

O Ocidente, futuro do passado.

O rosto que fita é Portugal.

Mensagem, Fernando Pessoa

Mal sabia Fernando Pessoa que a História viria a dar outros significados ao poema “Os Castelos”, porque o tempo traz consigo novas leituras. [Read more…]

O altruísmo de Martin Schulz

Schulz

Parece que o desfecho do referendo grego nos presenteou com algo ainda mais surpreendente do que a vitória esmagadora do “não”, pelo menos para aqueles que alimentavam a especulação das sondagens fantasma que davam a vitória ao “sim”. Martin Schulz, o tal que para muitos representa a esquerda europeia – a esquerda do lado direito do espectro – foi subitamente tomado pelas preocupações sociais que durante vários anos estiveram ausentes da agenda europeia para a Grécia, que impôs uma austeridade cega que cortou a direito doesse a quem doesse:

Devemos amanhã, ou o mais tardar na terça, na discussão do encontro da zona euro, encontrar um programa de ajuda humanitária para a Grécia. O cidadão comum, os pensionistas, pessoas doentes ou as crianças nos infantários não podem pagar o preço pela situação dramática para a qual o governo grego levou o país.

Chegou tarde mas chegou. O “socialista” acordou agora para o drama do cidadão comum, dos pensionistas, dos doentes e mesmo das crianças nos infantários. As crianças nos infantários. Estou comovido. Só se lamenta a distorção da realidade presente no final da declaração. É que, é sabido, não foi este governo que atirou a Grécia para uma situação dramática. Foram os seus pares do defunto PASOK e da Nova Democracia. Mas vá, um passo de cada vez. Lá chegaremos.

 

Dúvida existencial

alguém me explica como se expulsa um país do euro? Que tratado europeu prevê esta possibilidade? Obrigado!

O chico-espertismo tuga

Nas últimas horas tenho visto no facebook, twitter e demais redes sociais vários exemplos de chico-espertismo alarve no que diz respeito à Grécia. Passo a citar alguns porque creio que o caro leitor deve precaver-se contra este tipo de coisa:

1- Ahahah estão a ver o SYRIZA a festejar com os da Aurora Dourada – diz a pessoa que é a primeira a postar discursos do Nigel Farage no Parlamento Europeu porque ele está carregadinho de razão apesar de ser racista, xenófobo e homofóbico. Como se o eurocepticismo fosse apanágio da extrema direita e não de um número cada vez maior de pessoas de esquerda, direita, centro, frente e atrás.

2- Os Gregos não queriam que Portugal entrasse na CEE e porque é a “gente” agora tem de os ajudar e ser solidários? – Tem tudo a ver claro, uma coisa é igual à outra e as pessoas até são as mesmas e tudo.

3 – As pessoas que por um lado dizem “ah mas perdoou-se a dívida à Alemanha” e que no post a seguir dizem “e eles têm que pagar o dinheiro das reparações que devem à Grécia” – Então por um lado queremos o perdão de dívidas mas por outro a Alemanha deve coisas e tem de as pagar?

4- Pessoas que acham (como o nosso Presidente) que a Grécia vai ser a única prejudicada no caso de sair do euro. Estas pessoas são especialmente hilariantes pela fé que têm na economia Europeia no geral e na Portuguesa em particular.

5- Esta é especial do Paulo Rangel (mas temo que se vá espalhar rapidamente): “os outros países podem querer referendar a ajudar à Grécia” – isto é uma versão menos trolha do “ah mas eles nos anos 80 queriam lixar-nos a vida”. Epá pois é Paulo, sabes, é  mesmo tudo igual. Votar para se acabar com a austeridade porque não se aguenta mais ou votar para dar dinheiro a um país é exactamente a mesma coisa. Aliás, Portugal chegou à situação onde chegou porque os portugueses são obrigados a dar dinheiro à Grécia. Não tem nada a ver a sucessão de governos do PS e do PSD que aumentaram a despesa pública, não tem nada a ver com a corrupção. Não, não, a razão pela qual os Portugueses não têm dinheiro é porque cada contribuinte tem de dar um x à Grécia. (Claro que outros países Europeus também nos deram um “x” portanto vê lá se a ajuda for referendada também não é referendada para este canto específico). Pessoalmente, juro do fundo da minha alminha, prefiro dar os 257 euros à Grécia do que votar no PSD. São escolhas.