O 25 de Abril em Barcelos

jornal-de-barcelosO 25 de Abril na capa do Jornal de Barcelos na sua edição de amanhã, inteiramente ilustrada por alunos do Mestrado em Ilustração e Animação do Instituto Politécnico do Cávado e Ave (Barcelos).

A propósito das praxes académicas

Luís Manuel Cunha

enjoy-praxeDe momento, é o que está a dar. Bater nas praxes académicas exigindo a sua extinção tornou-se o objectivo principal do lixo jornalístico chamado Correio da Manhã, da esquerdalhada convertida ex-MRPP (Maria José Morgado, por exemplo), dos resquícios intelectualóides de outros ex-esquerdistas agora refundados no PSD (Pacheco Pereira) ou do snobismo queque da inutilidade autoconvencida do eixo Lisboa-Cascais (Paulo Teixeira Pinto, Constança Cunha e Sá), sem esquecer o moralismo “fracturante” da “esquerda caviar” em que se transformou o BE. Para citar apenas alguns destes “actores” de opereta convertidos em corifeus da “sua” moralidade e dos “seus” bons costumes. Sem deixar de referir os audiovisuais nomeadamente a TVI, que deveria preocupar-se mais em resguardar os telespectadores (se bem que estes, se calhar, até sejam os mais culpados) da exposição pública dessa verdadeira “sala de ordenha” que é a Casa dos Segredos – Desafio Final, um exercício de voyeurismo de um bordel em plena laboração 24 horas sobre 24 horas, um verdadeiro lupanar com “meninas” a “quecar” (releve-se a originalidade do neologismo utilizado por uma dessas “meninas” intervenientes activas na queca visualizada) perante um país inteiro que só não assiste se não quiser! [Read more...]

Da importância político-religiosa do cu

vai-tomar-cu Luís Manuel Cunha

Advertência – o texto que se segue não é propriamente um texto edificante. Menos ainda escrito em português suave, pelo que mereceria talvez uma bolinha vermelha no canto superior direito da página. Depois, não me venham dizer os leitores que não foram avisados. Vamos lá então.

Francisco José Viegas, ex-secretário de Estado da Cultura deste Governo de fedelhos amaricados que governa Portugal, escreveu que, no exacto momento em que um fiscal mais zeloso lhe perguntasse, enquanto consumidor final, pela facturinha do café acabado de tomar, dir-lhe-ia simplesmente: “Vai tomar no cu”. Como era suposto acontecer, logo se insurgiram contra ele as costumeiras almas púdicas. E até o inócuo catedrático da verborreia lusíada, Marcelo Rebelo de Sousa, decretou, com aquele ar manhoso de tudólogo sonso, que Viegas acabaria apenas por tornar-se conhecido mercê desta reacção tornada pública. Esqueceram-se todos, como muito perspicazmente refere Ricardo Araújo Pereira, que o cu em que Viegas manda tomar não passa de um cu simbólico, “uma metonímia de vários outros cus” bastante mais poderosos, numa espécie de “hierarquia de cus” até chegar ao “cu-mor, responsável último pela ideia da fiscalização das facturas.” [Read more...]

Uma crónica do manicómio

Luís Manuel Cunha in Jornal de Barcelos de 13 de Fevereiro de 2013.

“Independentemente do maior ou menor requinte habitacional da capoeira, a nossa galinha é um animal feliz

galinha-felicidade

Era uma vez um cão chamado Zico. De raça perigosa, um pitbull. O cão matou uma criança. O que era sensatamente evidente era que o cão deveria ser exterminado para evitar que viesse a molestar mais alguém. Qual quê? Levantaram-se contra o abate do cão assassino toda uma legião farisaica de fundamentalistas defensores da bicharada: os das baratas, os das moscas varejeiras, os dos ratos, os das galinhas poedeiras e a mais recente associação de defesa da pulga indígena. E a Associação Animal avançou mesmo com uma providência cautelar contra o abate do bicho, coitadinho! Se bem que nenhum dos defensores do dito se tenha disponibilizado para o levar para casa. Diziam estes “ditadores dos animais” que o bicho “merece uma segunda oportunidade” até porque “se atacou, algum motivo teve para o fazer”! Devem ser os mesmos acérrimos defensores da bicharada que empunhavam um cartaz onde um touro, de lágrima escorrendo do canto do olho, garantia que “também tinha sentimentos”! Recordo uma vez mais um poema de Sophia de Mello Breyner: “As pessoas sensíveis não são capazes / de matar galinhas / porém são capazes / de comer galinhas”. Estes fundamentalistas animais não matam galinhas. Mas comem-nas porque têm quem as mate por eles. Não são sensíveis. São apenas ridículos.

Depois do cão, o porco[Read more...]

O Aníbal, a Maria, o Pedro e a Laura

Luís Manuel Cunha

cavaco-maria-pedro-passos-coelho-laura

Há descobertas verdadeiramente surpreendentes. Há dias, li no Público uma reportagem sobre a formação ministrada na Escola Superior de Polícia. Nela se dizia que aos instruendos, futuros oficiais, era obrigatória a leitura de Eça de Queirós (As Farpas) para que, através dele, tivessem uma noção do que é o Portugal de hoje. Fiquei, confesso, estupefacto. Mas compreendo bem a decisão dos responsáveis da Escola. Dizia Eça que o país vivia numa “pobreza geral”. Esta pobreza geral, continua o escritor, produz um aviltamento na dignidade que leva a que todos vivam na dependência. E, desta forma, nunca temos a atitude da nossa consciência, mas sim a atitude do nosso interesse. Ora, o indivíduo assim rebaixado, “tendo perdido a altivez da dignidade e da opinião, habitua-se a dobrar-se (…). Dobra-se sempre. Propõe injustiças e aceita-as” e, por isso, “julga o favor, a protecção, a corrupção, funções naturais e aceitáveis.” Era assim Portugal em 1871. Ontem como hoje. O país cretinizou-se. Tornou-se raquítico, medíocre, inculto, boçal. Basta atentar nas mensagens de Natal de Cavaco Silva e de Passos Coelho. [Read more...]

Pão das Almas 3

Todos os Santos.
Cossourado, Barcelos.

Pão das Almas 2

Todos os Santos.
Cossourado, Barcelos.

Pão das Almas 1

Todos os Santos.
Cossourado, Barcelos.

No Rio Neiva


O Arredas Folk Fest 2012 já acabou… para o ano há mais…

O Arredas Já Começou

Em Tregosa, Barcelos.

O Arredas Começa Hoje

O Folk Fest do vale do Neiva começa hoje! E pode ir de comboio!

Arredas Folk Fest 2012

Falta uma semaninha para o início do Arredas Folk Fest; o Guia Oficial distribui-se com a edição de 22 de Agosto do Jornal de Barcelos.
Ao perímetro deste festival de muito boa música e muito bom gosto pode (e deve) chegar-se de comboio: da estação de Barroselas à margem esquerda do cristalino rio Neiva são 10 a 15 minutos a pé.
A entrada no festival é grátis, a excelente música é grátis, o campismo é grátis (e tem banho de água quente). Vai ser bom se for tão bom como o foi em 2011

Manifesto Anti Relvas

Luís Manuel Cunha
==============

Corta o Relvas! Pum!

Uma geração que consente deixar-se representar por um Relvas é uma geração que nunca o foi. É um coio de indigentes, de eunucos e de ceguetas! É uma resma de aldrabões e de vendidos e só pode parir abaixo de zero!
Um governo com um Relvas é um burro impotente!
O Relvas carregado de livros é doutor!
Mesmo sem ter lido um único livro em toda a vida, o Relvas seria fatalmente um doutor!
O Relvas veste-se mal! O Relvas usa cuecas de perneira com abertura para trás!
O Relvas especula e inocula os concubinos!

O Relvas é o Relvas!
O Relvas chama-se Miguel Fernando Cassola De Miranda Relvas!
O Relvas é um Cassola!
O Relvas é o Miguel Merda deste governo!
O Relvas quer mudar de nome para ser o Fernando Merda deste governo!

O Relvas é a mixomatose nos tomates do Coelho!
O Relvas julga que o ângulo recto ferve a 90 graus!
Não é preciso ir ao circo para ver um palhaço rico. Basta ver o Relvas!
Se a licenciatura do Relvas fosse aos Jogos Olímpicos, era garantida a medalha de ouro nos 100 metros livres em atletismo!
O Relvas é o escárnio da consciência!
O Relvas é a vergonha de Portugal! O Relvas é a meta da decadência mental!
Se o Relvas é português, eu quero ser marroquino!
O Relvas é uma vítima de uma descarga de autoclismo! [Read more...]

A comédia humana

Luís Manuel Cunha

- “Convidamos p’ra você vir ver um jogo, estar presente num dos nossos jogos do Europeu, tá?”, disse Ronaldo dirigindo-se a Cavaco Silva. Ronaldo não passa de um labrego mimalho e cheio de dinheiro. Mas um labrego carregado de dinheiro não deixa de ser um labrego. “Obrigadinho”, respondeu Cavaco, agradecendo o convite. Estão bem um para o outro. Só que um, Ronaldo, tem milhões. Muitos milhões. O outro, Cavaco, vive “miseravelmente” de uma reforma de 10 mil euros que, disse, não lhe chegam para as despesas mensais. “Ditosa pátria que tais filhos tem”, citando Camões. Ironicamente, claro. Para mim, apenas o ranço da raça. Ambos.
- Chama-se Varela. É jogador de futebol. Saiu do banco de suplentes. À primeira, desajeitadamente, não acertou na bola. À segunda, acertou na baliza e fez golo. Portugal venceu a Dinamarca. Escreveu Sílvio Cervan, que até já foi deputado do CDS: “A sorte impensável de um herói (…) É a gesta de um povo”! Pobre povo… cuja pátria se tornou uma equipa de futebol, escreveu Pacheco Pereira. Não posso estar mais de acordo. [Read more...]

O Américo Tomás do século XXI

Luís Manuel Cunha

Costuma dizer-se que a história tem tendência a repetir-se. Primeiro como tragédia, depois como farsa. Estávamos em 1969. Em 22 de Junho de 1969. A Académica preparava-se para disputar a final da Taça de Portugal com o Benfica no Estádio Nacional, no Vale do Jamor. Estava-se em plena crise académica despoletada após a prisão de Alberto Martins, então presidente da Associação Académica e na subsequente greve aos exames. A equipa de futebol, constituída maioritariamente por estudantes universitários, respeitava escrupulosamente o luto académico decretado em Assembleia Magna da Academia. Preparavam-se grandes manifestações dentro dos estádios, de apoio aos jogadores, de informação à população e de divulgação das razões da luta estudantil. O Vale do Jamor e particularmente o Estádio Nacional iriam transformar-se no maior comício alguma vez feito contra o regime salazarista. Que fez então Américo Tomás, a quem competiria entregar ao vencedor a taça conquistada? Simplesmente não apareceu. Cobardemente. [Read more...]

Piegas é a tua tia, pá…

Luís Manuel Cunha

Quando se fala de costumes em Portugal, convencionou-se acrescentar-lhe o adjectivo brandos. Portugal é um país de brandos costumes, diz-se. E, de facto, assim parece ser. Ainda hoje, sexta-feira, dia em que escrevo esta crónica, tive a prova mais que evidente disso mesmo. Uma vez mais. Cavaco Silva cancelou uma visita a uma escola secundária de Lisboa, dando como única explicação ter tido “um impedimento”. Ora, este auto-intitulado “provedor do povo” teve medo do que o esperava, uma manifestação de adolescentes. Foi esse o impedimento. Cagarola até ao inconcebível, Cavaco acobardou-se e deu ordem para o reconduzirem ao sossego e à segurança do palácio presidencial. O Presidente da República fugiu! Simplesmente, fugiu. Borrado de medo. Escusado seria tê-lo feito, facto bem evidente na afirmação de um jovem estudante que, entre gargalhadas, dizia: “Se fosse para lhe bater, chamávamos os gregos.” Ora, nas palavras escarninhas deste adolescente, está a demonstração cabal da brandura dos costumes lusíadas.

[Read more...]

Poltugal, um país do calalho

Isto sim, é um país do calalho! Chama-se Poltugal.”

Imaginemos por um momento o ministro Álvaro. Sentado, a ler. Sobre o regaço, os poemas de Álvaro de Campos. A sua atenção fixa-se, pensativamente, na estrofe final de um deles: “Ah, todo eu anseio / Por este momento sem importância nenhuma / Na minha vida, / Ah, todo eu anseio por esse momento, como por outros análogos / Aqueles momentos em que não tive importância nenhuma, / Aqueles em que compreendi todo o vácuo da existência sem inteligência para o compreender / E havia luar e mar e solidão, ó Álvaro”. O Álvaro na sua solidão. E então… aconteceu. O momento. Aquele momento em que compreendeu “todo o vácuo da existência sem inteligência para o compreender”. Porque se deveu a uma graça divina. Apenas. Aquele Deus que, na sua obra “Diário de um Deus criacionista”, o mesmo Álvaro tanto houvera amargamente questionado pela demora preguiçosa em criar o mundo! E, bruscamente, com o efeito de uma revelação, um golpe de génio. Que haveria de mostrar a Portugal e ao resto do mundo o ministro Álvaro como o grande ministro da Economia! O momento traduzido num verso, para citar Manuel António Pina, um só verso que, no fundo, vale por uma epopeia inteira e que, na sua simplicidade, acabava por sintetizar seis meses extenuantes no domínio da acção governativa. Disse ele então que Portugal “tem falhado” no que se reporta às exportações de produtos nacionais, “tal como as natas”! O famoso “ovo de Colombo” miraculosamente transformado em pastel de nata.
[Read more...]

Esta “piolheira” de nome Portugal

Eça dizia que Portugal era “um sítio”, ligeiramente diferente da Lapónia que nem sítio era. O rei D. Carlos achava Portugal “uma piolheira”, “um país de bananas governado por sacanas”. Alexandre O’Neill referia-se-lhe como “três sílabas de plástico, que era mais barato”, “um país engravatado todo o ano / e a assoar-se na gravata por engano.” Um sítio, uma piolheira, três sílabas de plástico – a síntese perfeita do esplendor da pátria. “No sumapau seboso da terceira / contigo viajei, ó país por lavar / aturei-te o arroto, o pivete, a coceira / a conversa pancrácia e o jeito alvar” (O’Neill). Arroto, pivete, coceira, conversa pancrácia, jeito alvar. Assim continua a ser Portugal. Um país de juízes confessadamente incompetente. Exemplos? O processo dos CTT que envolve o ex-presidente Carlos Horta e Costa – um juiz de Lisboa declarou-se incompetente para o julgar e remeteu-o para Coimbra onde uma juíza se declarou igualmente incompetente! O processo TagusPark, nascido de uma certidão extraída do Face Oculta – um juiz da 8ª Vara Criminal de Lisboa declarou-se incompetente e vai mandar o processo para Aveiro onde, é suposto, se revele publicamente a auto-incompetência de qualquer outro “meritíssimo”, passe a ironia que o adjectivo explicita. Ainda em Lisboa, dois juízes de diferentes varas declararam-se incompetentes para apreciar o processo contra três administradores da empresa gestora dos bairros sociais, a Gebalis! O julgamento do processo-crime do BCP foi adiado sine die, provavelmente à espera de um juiz que, finalmente, se possa considerar competente. [Read more...]

Triste fado este!

Rejubilou recentemente a alma da Pátria. O Fado foi considerado património imaterial da humanidade. Ressuscitou Amália Rodrigues em infindáveis momentos televisivos de fervor patriótico. Voltámos a “dar de beber à dor”! Portugal ressurgiu de novo, patrioteiramente, numa hiperbólica liturgia colectiva, só entendível dentro de uma perspectiva secular e mítica da “maneira de ser português”, que se desejaria definitivamente abolida. Devo repetir uma vez mais o que já, por diversas vezes, tenho dito e escrito – gosto muito de fado, mas não gosto do Fado. Entendamo-nos. Gosto de ouvir fado, sobretudo quando cantado por mulheres. Mas não gosto do Fado enquanto símbolo mítico da Pátria, porque dá voz a um Portugal salazarento, pobre, pequenino, resignado, vencido. Não gosto do Fado enquanto mitificação de uma tristeza congénita, de um luto mental, em viagem permanente num “barco negro” existencial de um povo que, desgraçadamente, continua a viver um momento histórico de resignação, de subserviência, de conformismo fatalista, tradutor de um estado de alma tão passivo quão deprimente. Por isso, a atribuição ao Fado de património da humanidade não me aquece nem me arrefece. Não passa de um fait-divers, de uma patetice como outra qualquer. Mas continuo a gostar de fado. Muito. [Read more...]

Da justiça no reino

“Como pode um cidadão comum compreender que um português acusado por um juiz, num tribunal de um país civilizado e nosso ‘irmão’, de matar uma portuguesa, além de outras práticas que serão crimes fiscais face à nossa lei, possa continuar a sua vida em Portugal, sem ser detido nem extraditado – enquanto o será se puser o pé logo aqui, em Badajoz…?”, interrogava-se José Carlos Vasconcelos num comentário publicado na revista Visão, a propósito de Duarte Lima.

Pode sim senhor, digo eu. Desde que conheça minimamente como funciona a justiça portuguesa. E digo-o por experiência própria, que, reconheço, poderá ser redutora porque se reporta apenas ao tribunal de Barcelos. Que em tempos do ancien regime, como diria o engº. Marinho, conheci bem. Já o afirmei aqui e repito-o agora, orgulhosamente, que cheguei a ter quatro TIR’s (Termo de Identidade e Residência), nos “gloriosos tempos” dos Reis e de Mário Constantino, essa inutilidade autárquica, talentoso supra-sumo da mediocridade política. Vi e ouvi de tudo. Uma juíza absurdamente ignorante que assinou um acórdão reconhecendo explicitamente que os conselheiros Acácio e Pacheco, caricaturas queirosianas que qualquer estudante medíocre do secundário conhece minimamente, eram nada mais nada menos que escritores consagrados ao nível do seu criador! Ouvi uma procuradora adjunta afirmar que eu deveria ser condenado porque manifestava “especial perversidade”, duvidando eu dos conhecimentos semânticos da douta magistrada, a quem antes tivera de, pacientemente, explicar a diferença entre uma notícia e uma crónica jornalística. Li um relambório embrulhado em citações várias num acórdão para disfarçar uma condenação que ainda hoje entendo pré-decidida, como se num prato qualquer, a diversidade dos molhos disfarçasse a má qualidade dos alimentos. Isto eu vi. Eu ouvi. Eu testemunhei. [Read more...]

Tempo de minhocas e de filhos de meretriz

“O dia deu em chuvoso”, escreveu Álvaro de Campos. Num tempo soturno, melancólico, deprimente. “Tempo de solidão e de incerteza / Tempo de medo e tempo de traição / Tempo de injustiça e de vileza / Tempo de negação”, diria Sophia de Mello Breyner. Tempo de minhocas e de filhos da puta, digo eu. Entendendo-se a expressão como uma metáfora grosseira utilizada no sentido de maldizer alguém ou alguma coisa, acepção veiculada pelo Dicionário da Academia e assente na jurisprudência emanada dos meritíssimos juízes desembargadores do Supremo Tribunal da Justiça. Um reino de filhos da puta é assim uma excelente metáfora de um país chamado Portugal. Que remunera vitaliciamente uma “sinistra matilha” de ex-políticos, quando tudo ou quase tudo à nossa volta se desagrega a caminho de uma miséria colectiva irreversível.

[Read more...]

Rostos da Crise

Acontece em Barcelos, como bem pode estar a acontecer em Famalicão, Braga, Guimarães, Trofa ou Vizela; há muitas fábricas fechadas, muitas a fechar, muitas mais a implodir porque já só tiveram dinheiro para entregar o IVA de mercadorias que ainda não lhes foram pagas. Acontece em Barcelos. Estamos cercados.

O embuste miraculoso

Eram tempos em que andava ainda pela igreja, preocupado com a salvação da alma que era preciso manter mais pura que virgem adolescente e, por isso, me acagaçava todo perante um deus punitivo que castigava sem dó e sem piedade qualquer cedência pecaminosa aos inimigos da alma nomeadamente a carne, cujas tentações era preciso conter com ladainhas, jejuns e padre-nossos a toda a hora. Tinha então por companheiro de dúvidas cristãmente metafísicas, o Lenine, já um tanto espigadote, transformado no herói da miudagem menos dada a crendices que o padreco e a cambada de catequistas marianas mais ou menos fogosas, nos enfiavam com uma catrefada de pecados como merecedores de punição eterna nas labaredas infernais. O Lenine desempenhava de vez em quando as funções de sacristão acidental, ora abanando o turíbulo na sacristia, ora levantando os paramentos do abade nos rituais da missa ou do terço ao Santíssimo Sacramento. E quando o padre repenicava mais prolongadamente um sonoro e cantado Amen, o Lenine acrescentava de forma mais ou menos audível: doins. Amen…doins. [Read more...]

O Silva das Vacas

Algumas das reminiscências da minha escola primária têm a ver com vacas. Porque a D.ª Albertina, a professora, uma mulher escalavrada e seca, mais mirrada que uva-passa, tinha um inexplicável fascínio por vacas. Primavera e vacas. De forma que, ora mandava fazer redacções sobre a primavera, ora se fixava na temática da vaca. A vaca era, assim, um assunto predilecto e de desenvolvimento obrigatório, o que, pela sua recorrência, se tornava insuportavelmente repetitivo. Um dia, o Zeca da Maria “gorda”, farto de escrever que a vaca era um mamífero vertebrado, quadrúpede ruminante e muito amigo do homem a quem ajudava no trabalho e a quem fornecia leite e carne, blá, blá, blá, decidiu, num verdadeiro impulso de rebelião criativa, explicar a coisa de outra forma. E, se bem me lembro ainda, escreveu mais ou menos isto:

“A vaca, tal como alguns homens, tem quatro patas, duas à frente, duas atrás, duas à direita e duas à esquerda. [Read more...]

Salpicos de Verão

“Menina prenda o seu melro / Que me vai à minha horta. / Esgaravata-me os tomates / À procura da minhoca”

Confesso que é o título mais foleiro que consegui arranjar. E, para isso, ouvi toda a pimbalhada epocal, da Ana Malhoa ao Álvaro dos Santos Pereira, da Assunção Cristas ao Quim Barreiros. Li e reli o Barcelos Popular. Da prosa miraculosa da Olga Costa (ó menina, 70 mil pessoas na Sra. da Aparecida nem Cristo no seu melhor aquando da multiplicação dos pães!) à literariedade jucunda dos escritos festivaleiros do Pedro Granja. Fui mais longe ainda. Esmiucei a mistela analítica e conselheiral de João Albuquerque e descobri que o engenheiro-cronista conseguiu parir uma “originalidade” doravante consagrada, estou certo, em todos os livros de citações. Assim: “todos os cidadãos devem assumir os seus plenos direitos e deveres.” [Read more...]

Os caminhos do Senhor

O caso ocorreu recen-temente em Valpaços e foi notícia de destaque na imprensa nacional. Um padre católico recusou a comunhão a uma paroquiana, adolescente de 16 anos, argumentando com a “indecência” do decote que, ao que parece, nem era tão ousado quanto vislumbraram os olhos gulosos do abade. Ora, a teologia ensina-nos “que nunca o sacerdote deve arredar um só momento o seu espírito da contemplação de Deus e da meditação da Graça”. Não foi o que aconteceu neste caso. O olhar concupiscente do reverendo ter-se-á, ainda que por momentos, desviado do “corpo de Cristo” para se extasiar, libidinosamente, perante os seios disparados da adolescente. Pecando por pensamentos, o abade cedeu à sedução satanífera e vai daí decidiu logo ali recusar à jovem a recepção da Graça! [Read more...]

Discutindo pintelhos

Nos dez mandamentos da “arte da crónica” não consta nenhum que obrigue o cronista a começar por uma citação queirosiana. No entanto, fica sempre bem, dá-lhe um toque de intelectualidade chique e bem pensante. Por isso, aí vai ela. Diz João da Ega em “Os Maias”: “Neste país, no meio desta prodigiosa imbecilidade nacional, o homem de senso e de gosto deve limitar-se a plantar com cuidado os seus legumes.” Ora, no meio desta prodigiosa imbecilidade nacional em que hoje chafurda a alma da nação, que deve fazer qualquer cronista de senso e de gosto? Plantar legumes? Não. Trata-se de uma impossibilidade real. Então, que fazer? Pois bem. Nada mais nada menos do que “discutir pintelhos”, expressão em boa hora recuperada por Eduardo Catroga para o debate político eleitoral que tem decorrido de forma sensaborona e rasteira e chega agora a uma elevação pública e púbica, digna da dimensão desta “pintelheira” patriótica em que vamos forçando, sem arte nem engenho. [Read more...]

“Porque eu morro…

Se passa um dia só e não te vejo” E a voz delicodoce do “cantor de sonhos” espraia-se numa suavidade lânguida, de um erotismo angelical. E as balzaquianas mamalhudas, matronas vermelhuscas de calores menopáusicos, desfraldam as banhas, reviram os olhos, baloiçam os úberes até ao umbigo e abanam as ancas opulentas num último estertor de excitação. É um alucinante delírio orgásmico colectivo, num clímax que se prolonga como num eco: “Porque eu morro…” Pois é. “Esqueçam tudo o que a musa antiga canta / Que outro valor mais alto se alevanta” – Camões, “Os Lusíadas”. “Tony! Tony! Tony!… Faz-me um filho, Tony.” E o Tony: “Porque eu morro…”. Num refrão angustiadamente repetido. E um patusco, roxo como um fígado, disfuncionalizado da histeria colectiva: “Faz lá um filho à gaja, pá. Antes que morras…” Fizeram o mesmo pedido ao Quim Barreiros, não sei se antes, durante ou após o chupanço “nas tetas da cabritinha”. E a resposta segundo o próprio: “Eu fazer, fazia, o pior é que a gaita já não ajuda muito”. É o Portugal português, o “incrível país da minha tia / trémulo de bondade e de aletria”, no entendimento de Alexandre O’Neill. [Read more...]

Os herdeiros de Abril – que merda de gente!

Já o escrevi aqui há uns anos. O 25 de Abril morreu há muito. Ressuscitá-lo agora seria mais ou menos o mesmo que acreditar, hoje, que Cristo ressuscitou ao terceiro dia. No entanto, há quem queira fazê-lo, ano após ano, seja em editoriais indigentes ou em comemorações pífias, de circunstância. Insistindo num saudosismo estúpido de slogan, convencidos ainda de que “o povo é quem mais ordena”. Aquele povo cantado por Zeca Afonso morreu com esse 25 de Abril mítico que não volta mais. É só ver os seus herdeiros. Que se passeiam por aí, transformando este “sítio” num estendal de transformistas, de eunucos, de saltimbancos políticos, de corruptos, de travestis mentais. Enfim, uma verdadeira comédia humana. Deprimente. [Read more...]

A minha guerra colonial

Setembro de 1972. Escola Prática de Infantaria, em Mafra. EPI – Entrada Para o Inferno. Vivia-se um dos períodos mais intensos da guerra colonial. Uma parte do convento abria- se diante de mim numa voragem de tácticas, de fogo real, de crosses para a Ericeira, de slides na foz do rio Lisandro. Granadas, G3, campo de infiltração, progressão nocturna que, no entendimento do capitão que metralhava de perdigotos os cadetes das redondezas, “às vezes demora dias”! E o alferes instrutor, bronco como um bacamarte, a inverter os pronomes nas respostas às questões dos cadetes instruendos em fase de aprendizagem acelerada nas artes da guerra: “Não foda-me, nosso cadete”. “Fique descansado, meu alferes.” O que eu queria era que não me fodessem a mim.

[Read more...]