Música da semana – II

-Já com alguns anos de carreira, a londrina Lily Allen é a minha escolha da semana.

Música da semana

Impressionante a quantidade de boa música com origem em Seattle. Para quem não conhece, recomendo Mike Hadreas,conhecido na indústria musical como Perfume Genius…

Expulsar ciganos com música

O autarca de Landen (Bélgica), Gino Debroux, queria expulsar um grupo de ciganos que acampou na cidade. A conversa com o líder da comunidade não correu bem e o autarca lembrou-se de contratar um DJ para pôr música a tocar a 95 decibéis junto do acampamento.

Acontece que o DJ escolheu começar com o “Sultans of Swing” e o resultado foi pôr a criançada toda do acampamento aos pulos. [Read more...]

Sons do Aventar – The National – Primavera Sound Porto

10441259_10202327606453118_2365415794152009152_n

 

Escrever sobre o concerto dos The National na noite de ontem no NOS Primavera Sound do Porto não é fácil. Acreditem. Nada fácil. Por isso este vai ser longo…

O Parque da Cidade (Porto) é especial e quem “descobriu” o seu potencial para um festival como este merece receber as “Chaves da Cidade” numa próxima cerimónia da CMP ou mesmo uma Comenda pelas mãos do PR. O local é irreal de tão bom. A fauna não fica a dever muito ao espaço. São poucos os festivais que se organizam por cá onde se consegue assistir a concertos sem ter de aturar hordas de bêbados ou teenegers histéricos/as a tudo o que acontece e ao que ainda está para acontecer. Isso e malta de costas para o palco na conversa, literalmente a marimbar-se para a música e a incomodar quem está ali pela música, como acontece em demasia no SW. Aqui, tirando uma ou outra excepção, estamos todos pela música aproveitando o espaço e o ambiente. É por isso que, juntamente com Paredes de Coura, este é o “meu” festival. A escolha das bandas é de excelência e o público idem.

[Read more...]

Sons do Aventar – Arcade Fire no RiR

Arcade-Fire-006

O António de Almeida, aqui no Aventar, escreveu que nunca foi ao Rock in Rio por não apreciar o conceito. Compreendo-o. Ontem, por causa dos Arcade Fire, fui pela primeira vez ao RiR. Andei anos a resistir. Até gosto do conceito “festivais” (Paredes de Coura e o Primavera são muito bons) e apenas não conhecia o RiR. Aquilo é uma espécie de “Disneyland Paris”.

Francamente, o RiR é totalmente diferente. Ontem fiquei na dúvida: ou o RiR não é para os Arcade Fire ou será que os Arcade Fire não são para o RiR? Independentemente da velha “guerra de números” destas coisas (a organização diz que eram mais de 47 mil almas a assistir, valor que só se for com IVA e já na taxa esperada para os próximos tempos pós TC, 25%), a verdade é que foram bem menos que nos outros dias, a acreditar nos tais números. Sinceramente, os Arcade Fire são uma banda para um “Primavera Sounds” ou “Paredes de Coura” e não para um festival como este. São públicos muito distintos e tirando os “ferrinhos” da banda, o resto da malta não é apreciadora do estilo nem tão pouco da forma.

O concerto foi bom. Não tanto, na minha opinião, como afirma Vítor Belanciano. Foi bom, ponto. Não foi excepcional. E o som não estava grande espingarda, sobretudo mais atrás (o vento não ajudou). Depois de umas horas passadas sobre o espectáculo, sou levado a concluir que os Arcade Fire não são para o RiR. No fundo, pelo que me apercebi, uma parte importante também não vai ao RiR pela música e não o escrevo como uma crítica negativa. Faz parte da filosofia da coisa. Não é por eu gostar mais do “Parque Warner” que vou afirmar que o “Disneyland Paris” é mau. São diferentes.

Por isso, contas feitas, soube a pouco para quem gosta destes fantásticos canadianos.

Para quem não assistiu

Nunca fui ao Rock in Rio. Não aprecio o conceito. Mas se estivesse em Lisboa hoje, muito provavelmente teria aberto uma excepção, para assistir a uma das minhas bandas preferidas, Arcade Fire. Fica aqui um vídeo com uma pequena amostra das capacidades desta fabulosa banda canadiana.

Sons do Aventar – Ólafur Arnalds e Rodrigo Leão

10308321_10202260902945572_3982419831655216238_n

Ontem regressei à Casa da Música. O motivo: Ólafur Arnalds era o convidado de Rodrigo Leão.

Já tive a felicidade de assistir a vários concertos de Rodrigo Leão, um dos nossos maiores génios musicais, este seria mais um. Não, não era. A verdadeira razão da minha ida era outra. Ólafur Arnalds é uma espécie de Rodrigo Leão da Islândia (perdoem-me a comparação mas facilita a explicação). Com apenas 28 anos, este magnífico compositor, produtor musical e multi-instrumentista é senhor de algumas das mais fascinantes musicas dos últimos anos. Ver e ouvir, e logo na Casa da Música, estes dois génios era simplesmente imperdível.

E foi uma noite de magia. Ólafur misturou simplicidade com tranquilidade. Os primeiros minutos do concerto na Casa da Música explicam-se em poucas palavras: um absoluto e incrível silêncio da plateia. Um silêncio de respeito e admiração de muitos dos presentes e desconfio que uma parte significativa da audiência nem conhecia este islandês que começou a sua carreira como baterista “metaleiro”. Claro que sou suspeito: existe em Ólafur um misto de Sigur Rós (igualmente islandeses) com Yann Tiersen e Rodrigo Leão, tudo autores que sigo religiosamente. Mais tarde entrou Rodrigo Leão (na sala notou-se perfeitamente que a maioria vinha para o ouvir) e as primeiras músicas de Rodrigo Leão mostraram que continua absolutamente genial percebendo-se perfeitamente o porquê do seu êxito dentro e fora de portas. Ólafur regressou para um final conjunto que me deixou a querer mais. Por mim bem que podíamos ter ficado noite fora e só acabar com o nascer do sol que é das coisas mais bonitas de ver na cidade do Porto.

Agora é aguardar pelo seu regresso a Portugal. Se possível, novamente na Casa da Música.

Crassh

Crassh é uma combinação única de percussão, movimento e comédia visual. Nasceu no ano lectivo 2004/05 simultaneamente na Escola de Artes da Bairrada – Oliveira do Bairro e no Conservatório de Música da Branca- Alb; em Abril de 2007 corta o seu cordão umbilical e passa a ser um projecto independente residente na Escola de Artes da Bairrada. Crassh é o resultado do trabalho de 13 Jovens percussionistas (dos 11 aos 19 anos) sob a criação e orientação de Bruno Estima. (daqui)

Vi e ouvi estes moços, e tenho-vos a dizer que são do melhorio: um espectáculo divertido, com um ritmo musical fantástico, uma boa coreografia e uma excelente representação mímica. Dúvidas? vejam mais estes vídeos: [Read more...]

Tiago Bettencourt: Aquilo que eu não fiz

Esta canção é muito simples. Não tem grandes metáforas, nem segundos sentidos. Escrevi-a para mim, porque um dia acordei e percebi que já há uns tempos que me sentia a sofrer as consequências de uma jogatana qualquer com a qual eu não tive nada a ver. Lembrei-me de quando estava na primária, quando um coleguinha qualquer lá na turma fazia uma tolice às escondidas e a professora dizia: se ninguém se acusa ficam todos de castigo! O coleguinha nunca se acusava… e ficávamos todos de castigo.

Esta canção não fala só de um coleguinha. Fala de muitos coleguinhas que ao longo de muitos anos fizeram muitas tolices. Coleguinhas por Portugal inteiro, em todas as áreas da sociedade, não só na política mas quase sempre debaixo da sua alçada. Esta música fala de desonestidade, de falta de respeito e amor pelo nosso país, o que quer dizer, pelo próximo. Mais nada.

Tiago Bettencourt

Concerto “Al Mutamid, Rei Poeta do Al Andalus”

Nos próximos dias 15 de Fevereiro no Teatro São Luiz em Lisboa e 16 de Fevereiro no Teatro Pax Julia em Beja, estreia o concerto “Al Mutamid, Rei Poeta do Al Andalus”, baseado na vida e obra poética de Al Mutamid Ibn Abbad, no seu percurso dramático entre Beja, onde nasceu, Silves, onde se afirmou como o grande expoente da poesia da sua época, Sevilha, onde foi Rei da Taifa Abádida do Al Andalus, e Aghmat, nos arredores de Marraquexe, onde morreu no cativeiro. Um concerto com a direcção artística do arquitecto, realizador e produtor Carlos Gomes, com a direcção musical de Filipe Raposo, compositor e pianista, e que reúne outros músicos de Portugal, Espanha e Marrocos, como Janita Salomé, Eduardo Paniagua, Cezar Carazo, El Arabí Serghini, Jamal Ben Allal e Quiné Teles.

O projecto conta com o apoio da Direcção Geral das Artes e, para além do concerto, existe a intenção de gravar um CD e realizar um filme documentário durante o ano de 2014.

Link da página facebook https://www.facebook.com/almutamidreipoetadoalandalus

Link da iniciativa de crowdfunding do projecto http://ppl.com.pt/pt/prj/almutamidreipoetadoalandalus [Read more...]

Guitarras da Ucrânia

Sons do Aventar

Em maio, na Casa da Música e na companhia de Rodrigo Leão.

Concerto de Aranjuez – 2º Andamento

Arranjo original do 2º andamento “Adagio” do Concerto de Aranjuez para guitarra e orquestra de Joaquin Rodrigo, interpretado pelo solista Eudoro Grade e Orquestra de Bandolins da Madeira sob a direcção do maestro Eurico Martins no Teatro das Figuras em Faro, Algarve. (Outra versão, com metais, aqui).

Os ‘Réveillons’ da minha juventude

A qualidade dos ‘Réveillons’ que gozei na minha adolescência variava de local, música e género de miúdas, em função do material sonante que o meu grupo juntava nos bolsos – eramos solidários sólidos, desde o pagamento do café (‘bica’ aqui, ‘cimbalino’ aí) à comparticipação no custo das entradas para o baile.

E, então, no baile de fim-de-ano, estávamos em sintonia com a massa monetária disponível. Se os meios abundassem, escolhíamos lugar mais refinado: ‘Espelho de Água’ em Belém ou em ‘Belas Artes’ onde dancei ao som do ‘1111’ do José Cid, Mike Sergeant e outros – o baterista seria o Daniel Proença de Carvalho? Sinceramente não estou certo.

Nos anos de ‘tesura’, do mesmo tipo dos tempos actuais, seria obrigatório contentar-nos com os bailes de colectividade. O mais famoso dos conjuntos musicais dos bailaricos designava-se ‘Os 6 Latinos’. Onde eles tocavam, além das miúdas do bairro sob controlo materno, lá estavam os dançarinos de estilo profissional, elas e eles, mulheres e homens da noite lisboeta.

À distância, reflectindo sobre as alternativas decretadas por mais ou menos moeda no bolso, sinto saudades mais apertadas dos ‘Réveillons’ populares, do COL (O ‘Oriental’ do futebol) ou do Ginásio do Alto-Pina que ainda lá está, na Rua Barão de Sabrosa, a organizar anualmente a marcha do ‘Alto Pina’ e muito provavelmente as tradicionais sessões de dança. [Read more...]

In The Mood

Ricoré, a Gaiola Dourada e Pedro Abrunhosa

gaiola

Numa daquelas coincidências felizes, vi o filme “Gaiola Dourada” ao mesmo tempo que no iTunes ficava disponível o novo álbum de Pedro Abrunhosa.

Ao ouvir a fantástica “Para os Braços da Minha Mãe” (dueto entre Abrunhosa e Camané) e ao ver a “Gaiola Dourada” dei por mim a pensar nos milhões de portugueses que vivem e trabalham fora de Portugal.

[Read more...]

Música, vídeo e cultura

Imaginem uma vacaria ser palco de um concerto acústico de uma banda de hip-hop, os “sessentaeum”. Ou uma banda de música experimental, The Model, a tocar numa serralharia…

É um projecto novo que está a ser desenvolvido no concelho da Trofa (numa primeira fase) e que pretende a curto/médio prazo alargar a toda a região Norte e à Galiza. Chama-se “SpinSuave by Correio da Trofa“.

Um projecto que junta bandas, um jornal local e uma empresa. Onde todos ganham e se promovem. Promovendo, igualmente, a cultura e o respectivo concelho. Para já está a acontecer na Trofa. Em breve noutras paragens. Serviço público.

Aqui fica o último vídeo, lançado hoje:

Hoje há música nas ruas do Porto (e é tudo de borla!!!)

A baixa (e não só) do Porto volta a encher-se de gente e música em mais uma D’Bandada! Hoje não há argumentos “financeiros” para ficar em casa!

Sons Aventar

Enquanto se aguarda o lançamento, a 30 de setembro, do novo trabalho de Basia Bulat (Tall Tall Shadow), nada como recordar:

Este vale a pena chorar

Há 25 anos, morria Carlos Paião. O doutor e a Bailarina, pois claro.

Sons de aventador #1

Apetece.

Boa noite.

Martim & Gonçalves, a nova música portugesa

Apadrinhada pelo saudoso Relvas eis a nova boy band portuguesa, Martim & Gonçalves, uma dupla nacional empreendendo-lhe os ouvidos numa renovada mocidade portuguesa perto de si.

Uma lágrima furtiva

De alegria ou de tristeza, quem sabe. Tristezas não pagam dívidas, seja então de alegria, que até é o caso desta remasterização com um registo de 1904 (voz) e outro de 2002 (orquestra). Se bem que continuo a gostar mais do piano e voz, em vez  da exuberância sinfónica.

Bandex & Cavaco Silva: O Meu Chá

The Doors – ao vivo no Hollywood Bowl, 1968

Em memória de Ray Manzarek. Concerto completo.

Como se faz um canalha

Excelente actualização da não menos excelente cantiga de José Afonso.

Pensão Flor, onde há noite todas as noites

Os mistérios da música em Coimbra não sendo insondáveis, perturbam. A cidade que nos anos 60 soltou um Adriano e formou um Zeca foi perdendo comboios. Será simbólico que no ano do Chico Fininho o seu grupo de baile com mais original e potencial para gravar (a Banda do Arco da Velha) tivesse acabado de se dissolver, que o punk nos tenha chegado retardado, e por aí fora; os nossos dois músicos mais conhecidos, JP Simões e Paulo Furtado emigrados para o capitalismo, tinha de ser.

Mas uma cidade que parece adormecida não tem de dormir. Discretamente vai cerzindo as suas cumplicidades musicais, guardando os seus segredos baixinho, entre voltas da nossa guitarra e da mundial viola, muitos cantos numa diligência eternamente na malaposta, ataques frontais à música tradicional portuguesa sob, por exemplo, a forma de gaita de foles, até que um dia alguém diz: acordámos, estamos de volta.

A volta agora chama-se Pensão Flor (um local que é um sonho) e já se nos apresentou. Vão ouvi-los, ai se vão, juntaram-se a família Brigada Victor Jara com a dos Belle Chase Hotel, a nossa guitarra, a do Carlos Paredes, regressa pelas unhas do filho Portugal (tinha de ser Manuel), tudo isto com um moço que desconhecia (e como é bom ter surpresas na nossa aldeia) de seu nome Tiago Almeida. Vai uma aposta?

 

Boa noite.