Banksy, o mestre, mete o dedo no nariz dos galeristas

Banksy não é só um mestre, é também um senhor. Quem viu Exit Through the Gift Shop, um tratado sobre o estado actual da arte e seu comércio em forma de vídeo-documentário, percebe isso. Sendo que a arte sempre foi mercadoria é cada vez mais uma mercadoria que flutua em mercados vigarizados, que vogam ao sabor de uma crítica profissionalmente indigente e dos empreendedores do marketing rápido. Uma mercadoria que é sinal do tempo da vigarice financeira que atravessamos.

Na sua presente estadia em Nova Iorque deu agora um golpe de mestre: durante horas obras suas estiveram à venda, na rua, em Central Park. A 60 dólares quando o valor comercial de cada uma anda pelos 160 000 euros. Parece que ninguém comprou, não era uma galeria, quem ira acreditar na autenticidade das peças?

Gosto muito do P3 e do Público online (onde é por exemplo possível neste momento assistir ao primeiro webdocumentário português). Mas o facto de o Público remeter para o P3 aquele que é o grande acontecimento da arte mundial de 2013, precisamente a residência de Banksy em Nova Iorque, sem uma linha na secção de Cultura do seu online, diz tudo sobre a decadência de um jornal que já foi culto. Acordaram. Haja esperança.

Hoje há bandarilhas – Canadá

11 de Setembro de 1973

Estava em Munique pela segunda vez para voltar a ver a fabulosa pinacoteca. Por um lado, a paixão pela pintura. Por outro, o assombro magoado com que olho para as pedras vivas do nazismo, de todas as brutalidades e crimes hediondos, sejam de direita ou de esquerda. E foi ali, numa taberna de Munique, que Hitler fez as primeiras reuniõs do que viria a ser a legião dos exterminadores. Para alem do genocídio, a grande roubalheira. As paredes do museu bem o demonstram. Ao saír, deparo com um desfile de homens e mulheres morenos, sombrios, alguns chorando, que empunhavam cartazes em alemão, língua que não entendo. Aproximo-me. Oiço que falam espanhol entre si. Pergunto: que pasa? Responde-me um rapaz: mataran a Allende, estan matando como locos, es un golpe fascista de Pinochet.

11 de Setembro de 2001

Tomava o pequeno almoço, em Toronto, olhando pela tv as notícias da manhã. Subitamente, o noticiário é interrompido para, por palavras e imagens, darem a saber que um ataque terrorista estava a atingir as Torres Gémeas em New York. Horrorizada, pensei: estão lá a Susy e o Manny (jovem casal meu amigo). New York aqui tão perto, de repente tão longe. Seguiu-se um dia inteiro de sofrimento e mágoa. Os estados maiores do Estados Unidos da América e do poder islâmico não são flor que se cheire mas, meu Deus, porque têm sempre de ser os mais pequenos e desmunidos a pagar? [Read more...]

Hoje dá na net: Robin Williams live on Broadway

Excessivo, verboso, imparável, profundamente americano e anti-americano como só um americano pode ser. Robin Williams, em Nova Iorque, em 2001. Com legendas em Português do Brasil.

Vai ao fundo!


Era de esperar. Após a especial promoção do nome de Portugal em terras do Tio Sam, há quem queira criar um “fundo especial” para a defesa de uma causa que a ser classificável, é no mínimo, “exótica”.

O próximo passo poderá ser a convocação de uma marcha de rastos, a realizar-se entre o Rossio de Cantanhede e a porta da embaixada norte-americana em Lisboa. Pouco falta. Entretanto, a nossa imprensa vai fazendo passar a ideia de que a justiça americana, é parecida com aquela supina referência mundial, ou seja, a portuguesa que tão bem se conhece. Os deuses devem estar loucos!

O país da avestruz, ou o caso Carlos Castro versus Renato Seabra


Vejamos:

1. Um garoto minúsculo de seu nome Renato Seabra e com 1,90m de altura, decide defender-se de Carlos Castro, um ancião musculadíssimo e bastamente capaz de aparar todos os golpes, do alto do seu metro e meio. Durante uma hora, o miúdo consegue usar o dito oponente, como se um saco de boxe fosse. Após porfiado esforço, matou-o.
2. Como uma clara reminiscência do passado das lutas entre índios e cow-boys, o boy decide-se a rematar a sua vitória. Não retirou o escalpe ao “cara-pálida da morte”, mas cortou-lhe o órgão sexual, para isso se servindo do saca-rolhas, que por sinal, já usara para espetar no olho do vencido. Uma espécie de troféu espanta-espíritos.
3. O infantil vencedor da refrega, declarou à policia que se ligara o velhote, para dele se aproveitar monetariamente. Tudo bem e “nos conformes”, rege-se pela muito louvada lei da oferta e da procura. É uma profissão como outra qualquer.
4. A mãe do menino desloca-se a Nova Iorque e a sua obsessiva preocupação, é declarar que o rebento não é homossexual. Corroborando a certeza, a médica-irmã fala às televisões, tentando justificar o ocorrido, como qualquer coisa de “força maior” e que sobretudo, o rapaz não é, não é, não é de forma alguma, gay.
5. Apareceu de rompante, uma até agora desconhecida namorada.

Conclusão apressada e sem grande fundamento policial: aparentemente, os parentes e amigos, estão-se nas tintas para que o dito cujo seja acusado de assassínio ou de ser um modelo de rent-boy. O que os preocupa, é a questão das alegadas práticas sexuais do “miúdo” e convivas.

Tempos estranhos, estes… A coisa assim cozinhada, nem sequer servirá para um CSI New York.

O projecto de Siza para o Guggenheim


É este o projecto de Siza. São mais de 200 os concorrentes ao desafio proposto pelo Guggenheim de Nova Iorque. Ver mais aqui, aqui e aqui.

Nova Iorque de borla

Para quem quer sobrevoar Nova Iorque, em segurança e de borla, basta clicar aqui.
Boa viagem!

Crónica de Nova Iorque


Nova York é inacreditável…
É inacreditável porque não pára, porque acontece tudo primeiro aqui…também é inacreditavelmente cara e dispendiosa… portanto há que arranjar mil esquemas para conseguir poupar todos os tostões… como por exemplo escrever 5 mails diferentes em 5 minutos, sem olhar uma única vez para o monitor… e ir tirando números de telefone e moradas de casas para alugar com a mão esquerda… tudo porque nuns míseros 20 minutos de internet já deixaste 2 dólares… É assim Nova York no seu pior…
Mas quanto ao melhor, não bastariam 5 minutos, nem mesmo 20 para poder contar tudo… portanto vão mesmo ter que esperar que eu tenha uma casa, com internet e computador para tranquilamente vos dizer tudo o que por aqui se passa…

Para já, só mesmo desejar-vos alto Natal…
Beijos e abraços directamente da Big Apple, Brooklyn side.

Até já.

Ras Gustavo (Gustavo Carvalho)