Joana Amaral Dias no «Gato Fedorento»

Joana Amaral Dias chegou e cumprimentou Ricardo Araújo Pereira formalmente. Mas depois, tratou-o por tu ao longo da entrevista e, no final, tudo terminou com um beijinho. Uma evolução que foi a da própria Joana Amaral Dias: nervosa de início, terminou muito mais à vontade.
Quanto ao que foi dito, há uma frase que marca toda a entrevista. Acerca do convite recusado para fazer parte das listas do PS, a jovem professora universitária disse sem rodeios que José Sócrates não está habituado a ouvir um «não» e que tem dificuldades em lidar com o contraditório. Com todas as letras, assume o voto no Bloco da mesma forma que assumiu, há dois anos, o voto em Mário Soares.
A propósito das relações entre Sócrates e Cavaco, terminou com uma curiosa comparação: estão bem um para o outro. Se um é a fechadura, o outro é a chave. Pelo que pareceu, Sócrates é a chave que quer penetrar Cavaco, a fechadura.
Engraçado! Pelo que se tem visto no caso das escutas, pensei que era Cavaco que queria penetrar Sócrates!

Comments


  1. (ja de volta do belo jantar em casa da belina) OH R’ COM AS CERVEJOLAS QUE BEBES EM V D CONDE TU FICAS É DEMASIADO ENVOLVIDO É COM AS PENETRAÇÕES..NA FECHADuRA!


  2. […] Hoje, no programa, esteve completamente à vontade – muito mais do que, por exemplo, Joana Amaral Dias. Seja pela idade, seja pela experiência, seja pelas características pessoais. Apesar de estar num […]

  3. Belina Moura says:

    Se tu continuas a elogiar os meus cozinhados, Dalby, os do blogue vão todos querer vir cá jantar também! E não sou nada boa cozinheira, não sou, não!