Simplesmente dalby…, by Adalberto (I)

TEXTO DE ADALBERTO MAR

 

  Dalby aos 5 anos

 

 

 

Era uma vez um rapazinho chamado dalby…
Rapazinho nascido de sangue 100% minhoto (Vila Verde) e do mais popular sangue nortenho de Avintes/Gaia, este rapaz nasceu um menino bonito de olho azul-verde, branco e de cabelos castanhos encaracolados….Peludinho.
Nasceu abençoado pelo anjo S.Valentim,  dia dos namorados, de madrugada, numa casa onde cresceu, amparado por uma parteira, que o ajudou a dar à luz.
Quando menino, as raparigas e meninas bonitas, e senhoras mais velhas, estragam-no de mimos e «trocavam» um beijinho por um rebuçado, ou outro beijinho por uma bolacha de chocolate, ou mesmo por um bilhete de circo daqueles longínquos anos sessenta, quando ele apreciava aqueles circos que visitavam as aldeias, tipo «circo Quinita apresenta…!!». Via sempre essas meninas, e as senhoras todas elas a fazerem xixi à sua frente..desde muito cedo que o sexo feminino não lhe era nada estranho…Quanto ao sexo masculino: duas tentativas de o molestarem abatidas, uma porque fugiu, outra porque bateu com um pé no trabalhador lá de casa nas trombas dele, e outra, um grupo de terror, no liceu de Gaia, porque gritou, esperneou e virou raiva-viva e largaram-no e ele foi directamente ao director da escola (reitor se chamava não se lembra..) e nunca mais foi molestado, como os outros eram, pelo ‘grupo do terror’ de então (1973).  Mas era sempre das mulheres que vinha sempre o açúcar. Ele sempre amou as mulheres. Hoje ama e odeia as mulheres, ama e odeia o sexo masculino. Por várias razões, mas mantém um ódio-amor bivalente com os dois sexos! 
 

Mas tanto açúcar houve que foi assim que as mulheres estragaram o nosso rapaz!!!!. Rapazinho criado e crescido com um entourage  núcleo duro de  religião católica apostólica, punições, padres, mas também bondade de Cristo, tudo muito beato, estratificado socialmente mas também muito pecado, desde que se mantivesse as aparências….o Dalbin sempre se distanciou dos padres, embora ache que foram sempre correctos com ele… O avô e o  pai eram absolutamente mulherengos, e a mãe, tias, primas, avós etc. mulheres fatais, belas, boas cozinheiras, moralistas mas com um quê de atrevidas…Filho de pai feio derretido com as gajas e com um sorriso cósmico, e de mãe de beleza helénica, como seu nome, mas… qual leoa-loba com pele de cordeira, o nosso rapazinho muito cedo habituou-se a ter de repensar e recompensar a sua doçura e fragilidade com  inteligência e sabedoria natas, que o ajudassem a poder viver num ambiente tão agreste. Simples mas sofisticado mentalmente, sempre se habituou ao luxo e ao lixo…num misto de Portugal profundo rural e raça lusitana como a dos cavalos…
 Escola pública, recusou o colégio dos Claretianos da vizinhança, privado, e hoje em 7º lugar nos rankings..achava, e bem, que «santos da casa não faziam milagres», isto no seu subconsciente, porque disse sempre ao paizinho que não queria colégios..….ou seja padres da terra, já bastava os da missa e das leituras…Na escola pública onde entrou com 6 aniinhos,  era ora amado ora odiado, e chamavam-lhe nomes, Beta-Faneca, e outras coisas que não gostava. Mas cedo ousou saber dar a volta às coisas..enquanto muitos levavam porrada, ele, o nosso dalbysinho comprava os inimigos, levando lanche duplo, um para ele, outro para o inimigo do momento…e cedo acabou por poder estar na escola sossegado, e sem mazela. O mesmo não se podia dizer já com o professor…Batia-lhe com a régua e furava-lhe a cabeça com a ponta da BIC..Contudo o nosso dalbito, na Primavera e Verão, fazia umas composições tão bonitas sobre o sol e as pessoas, que enterneciam o professor severo…ainda me lembro da bata severa dele, da mão peluda masculinissima e bem cheirosa da sua proximidade que me atormentavam..fazia mesmo xixi quando ele me olhava  e com horror via que me ia bater…Porém nunca hesitei em ir para a escola…dalby era um passarinho bonito e por isso gostava de sair e voar… (estuda, aponta Iturra que a tua técnica vai ter de se afinar muito!!) e desenhava um sol tão bonito e uma menina tão bonita e «azul» (não sabia ele ainda que era daltónico, mas usava os crayons todos, mas péssimo, como hoje em caligrafia!!), e por esse motivo sabia a cor dos olhos pelos outros, que ele próprio não via no espelho, nem tão pouco sabia o que valia, sendo as colegas da faculdade que o colocavam na lista do TOP+ de então ( e não só..Madrid, Lisboa,Ribatejo… sabiam dizer o que ele tinha e não…!!)..mas voltando ao professor da primária,  nesta altura levava e não era pouco não!!! Pobre dalbin…e sempre que não levava os deveres para a escola… levava…!!!
Tudo isso avivou-lhe a memória de que vivia numa ditadura, que os pecados eram proibidos, que a sua mente de néon pós-moderna, esse vanguardismo sonhador de« VARIG-VARIG-VARIG! ESTRELA BRASILEIRA DE NORTE A SUL!!!»  era uma lança perigosa, embora sempre adorado e apreciado por seu pai, que nessa altura de loucura e medo ambivalentes de finais de década de 60 eram apanágio de algo que esse mesmo pai admirava no filho..O pai, feio fisicamente, adorava ter assim um brinquedo tão perfeitinho….Esse pai pecador que tanto lutou por ele, e com as mulheres tudo perdeu (aponta Iturra, estuda !!!)…O pobre menino assim cresceu numa espécie de « Heaven, I’m in heaven, heaven that my heart merely can’t speak» misturava-se com muita dor e confusão…
 
O rapaz cresceu e nunca mais se soltou dos estudos, dos sonhos…nem do lugar onde vivia..sonhava com o estrangeiro ainda nem uma  mosca portuguesa sabia que poderia voar para NEW YORK, e o rapazinho da aldeia, simples, mas bem nascido e bem alimentado, com muito doce à volta, com tudo, sem lhe faltar nada..continuava a ler, estudar, sonhar, viver….os seus sentimentos eram sublimados com leituras do Novo e Velho Testamento, que leu religiosamente aos 14 e 15 anos….Aos 15 pediu a seu pai para que este o levasse para férias sozinho para as montanhas..Gerês, Marão, desde que o deixasse só..O Pai estranhou..que iria fazer em 1975 um rapazinho liceal, habituado às saias da mãe..que iria fazer para um lugar, um hotel pediu ele, sozinho, num ermo..Era a fase mística…O pai pegou nele, e no primo dele (a «dama de companhia eterna» do mesmo!!) e levou-os para Entre-Os-Rios, residencial Miradouro…proprietária de um amigo dele, assim o filho poderia ser controlado….
 
E eis que o pequeno dalbito, magrinho, de olhar doce, voz mole e fina, inocente e ingénuo como um nenúfar lá foi com o primo….
 
Era um amor e uma paixão anunciadas essa ligação à Natureza, ao campo que o viu crescer e que ele nem nas suas noites mais duras, cruas e rough de Nova Iorque, Berlim, Paris, Londres, Amesterdão, Madrid ou Marraquexe iria jamais deixar… Aliás que a tríade que rege ainda o nosso pequeno dalby é uma tríade de lugares impossíveis..Madrid, Ribatejo e Torrão do Lameiro, onde ainda hoje ele vai andar de bicicleta, Inverno Verão ou Outono…tentando recrear o menino que gostava de tirar a sandália e correr com os meninos pobres da sua aldeia sendo como um deles sem o ser, sendo…Ali está o nosso dalbito já maduro NÙ ou menos nú no Inverno…entre o Furadouro e essa mesma praia/bosque maravilhoso e selvagem do Torrão do Lameiro, onde a Natureza é um escândalo de preciosa, no seu fato sexy ultra sensual negro de ciclista, que ele afirma ser o mais
p
róximo do «estado nudista contínuo dele, Na Primavera/Verão/Outono» e lá vai ele de MP3 seu fato à Flash Gordon contra o vento, ao sol ou mesmo ao frio descendo o bosque, ouvindo carly Simon ou Sade..e cantando seus males espanta….…..AH mas um dalbito nudista? AHHHH que ironia se recuarmos atrás uns anos, quando ele tinha mesmo vergonha de se despir para fazer ginástica…Então….que aconteceu ao nosso rapaz, que evolução foi aquela de um rapazinho que lia as leituras na missa, adorado pela Igreja, pelas mães, pelo pai, pelos vizinhos, pelas mulheres que o corrompiam com beijos em troca de rebuçados e bolachas..como se transformou esse ser assexuado, morto, religioso e místico, doce e dourado, belo e ingénuo, tardio na sua sensualidade, frágil e indefeso, vítima e resistente….como pode ele tornar-se num ser implacável à medida que ia avançando na vida…e porque amando ele tanto o sonho do estrangeiro, tendo tido oportunidades de ouro, nunca quis abandonar a casa, nem mesmo trocar o «lugar» pela capital, ao menos pela capital do país???!!! Ele fica já agradecido pela eternidade dos passeios pela natural natureza normal ainda da floresta do Torrão, e de vestir-se, qual Batman, nessa sua versão de  ultraBEAR poderoso, agressivo, mas sem deixar a doçura e simpatia de quando era «somente» ingénuo e inocente?! (ITURRA QUEIMA AS PESTANAS!)
 
Para a próxima continuo, em …«Simplesmente, dalby, um filho/bisneto do MINHO profundo»
Vejam então as versões musicais e visuais de dalby o filho pródigo dos 10 mandamentos.

Comments


  1. Pobre Dalbito! Seus pais descansados a pensar que ele queria contactar com a natureza e afinal, nos entrefolhos, o contacto era com o atrevido do primo. No regresso a casa, dizia o pai de Dalbito: «Senta-te, filho, senta-te». «Não, pai, não me apetece».Seja qual for a razão, a verdade é que Dalbito parece-me ser proprietário de uma mente assaz perturbada. Faltou-lhe se calhar um irmão, para que não se sentisse o centro do mundo, ou umas palmadas no rabo no momento certo. Mas se calhar não, não eram umas palmadas que Dalbito queria no rabo.No fim de contas, eu gosto de Dalbito, devo assumi-lo. Parece-me uma boa pessoa, embora por vezes um bocado parvalhão. Espero conhecê-lo em breve.Ricardito

  2. maria monteiro says:

    estou fazendo mudanças… a grandeza do ser humano reside na sua humildade, na compreensão das suas limitações, na capacidade de se “fazer pequeno”… Ao pequeno Dalby, o meu abraçomaria


  3. O Ricardin eu tenho um irmão, assim meio como tu ..que me descascou a tola durante a adolescência..mais velho e todo direitinho e em casadinho, um sobrinho super..eu é que sou o génio..eles não…Olha já é tempo de tirares este e colocares o «decente» o da minha nova paixao saraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa


  4. Maria, és um doce…olha manda um abraço de solidariedade ao outro da Mexicana, eu li há pouco que lhe morreu uma pessoa de família..e aquariano como ele é deve sentir-se desfeito..como estou meio-zangado com ele manda lhe tu um abraço e diz-lhe até para o confortares que hoje , só hoje, por solidariedade com ele, até sou contra o casório gay..Não descanso é enquanto não destruir a avestruz daquele ricardin que anda sempre a tentar desfazer a minha virilidade… bisoux para ti maria ton dalby

  5. maria monteiro says:

    entregue abraço de solidariedade ao Luís1abraçomaria

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.