A promiscuidade e as ligações perigosas de Francisco José Viegas


O Governo anunciou recentemente a criação de um novo organismo, a Direcção-Geral do Património Cultural. O Aventar sabe de fonte segura que Francisco José Viegas se prepara para nomear Elísio Summavielle como director-geral desse organismo. Elísio Summavielle, relembre-se, foi Secretário de Estado da Cultura no segundo Governo de José Sócrates.
Dando mostras de um súbito sentido democrático, invulgar na política portuguesa, Francisco José Viegas reconduziu também dois elementos que tinham sido nomeados por Elísio Summavielle, Manuel Correia Baptista e Henrique Parente.
Dando mostras de um súbito sentido democrático. Ou se calhar não.
Em 18 de Maio de 2010, o então Secretário de Estado da Cultura, Elísio Summavielle, entregou por Ajuste Directo o projecto «O Douro nos Caminhos da Literatura», constituído por 7 DVD’s sobre escritores durienses, no valor de 138.600 euros. Pagaram o projecto, entre outros, a Estrutura de Missão do Douro e a Fundação EDP. Tudo gente boa, como se sabe…
E quem foi o feliz contemplado por esse Ajuste Directo e o responsável pela concepção e apresentação dos DVD’s? Acertaram, o actual Secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas.
Há coisas fantásticas,não há?

Comments

  1. Observador says:

    É o chamado investimento “boomerang”

    E, note-se: tudo dentro da lei!…

  2. adão cruz says:

    Claro que há coisas fantásticas, caro Ricardo, tão no reino do fantástico que a gente pensa que nem podem ser reais, tal a falta de dignidade e vergonha que é preciso ter.


  3. Ei, esperem, não era o PPC que dizia que ia extinguir instituições públicas e reduzir o peso do estado? Se calhar mentiu, provavelmente enganou-se.

    Portugueses, nada temais, está tudo entregue em boas mãos.

  4. antonio oliveira says:

    Amor com amor se paga!

  5. Maria da Manta says:

    Este precisava é que lhe pigmentassem a tromba, de sangue.


  6. Afinal, a prostituição não se pratica só nas ruas!

  7. maria celeste d'oliveira ramos says:

    Já nem se escondem nem os maçon nem non – tudo às claras
    vamos ver até quando se aguenta que estes portuguses da RAIVA não estão parados – ai Deolinda – vamos lá “cantar” na rua para se ser ouvido até se ser ouvido

  8. sao sao says:

    Afinal, qual é o espanto?…Não é sempre assim??????


  9. É tudo na defesa da região.

  10. fernando camolas says:

    quando nos vamos começar a indignar a sério, mesmo não gostando gostaria que fossemos como os americanos ,quando querem que alguem se demita fazem as suas task foces muitas vezes com poucas pessoas mas quase sempre resulta.

  11. José Gonçalves says:

    Meus caros, uma das pessoas que se encontra neste momento com o cargo Chefe do Gabinete O Sr Rui Mateus Pereira,pertenceu à comissão dos descobrimentos e fez muitos favores a FJViegas. Porque razão acham que ocupa o cargo actual??
    Trabalhei para esta comissão e vi muita coisa, e actualmente vejo muitos dos meninos sentados em cargos por terem ajudado X pessoa

  12. Preferia não dizer says:

    Tudo muito certo, e mais:
    – O Chefe de Gabinete do SEC, Rui M. Pereira, era Director Municipal de Cultura da Câmara Municipal de Lisboa quando Francisco José Viegas foi nomeado Director da Casa Fernando Pessoa, gerida pela Câmara Municipal de Lisboa. José Amaral Lopes, que era o Vereador da Cultura, está ainda ausente no estrangeiro, mas será com certeza nomeado para algum lugar importante em breve, como por exemplo Presidente do Agrupamento Complementar de Empresas que agregará os 3 Teatros Nacionais, a Companhia Nacional de Bailado e a Cinemateca Portuguesa. Querem apostar?
    – O novo Administrador do Teatro Nacional de Dona Maria II, Carlos Vargas, teve de pagar €23.000 ao Tribunal de Contas para não ir a tribunal pela sua gestão enquanto subdirector da Companhia Nacional de Bailado, que durante o seu mandato acumulou um défice de 2,1 milhões de euros.
    – O aventado novo administrador da Companhia Nacional de Bailado, João Carlos Andrade, cuja competência toda a gente questiona, e para além de ter tido processos disciplinares das duas entidades para as quais trabalha(va?) a tempo inteiro (haja capacidade de gestão de tempo!), a CNB (via OPART) e a Escola de Dança do Conservatório Nacional, é afilhado de Ana Pereira Caldas, que foi Directora da CNB durante o tempo em que os tais 2,1 milhões foram gastos sem cobertura orçamental.


  13. É um fartar vilanagem…

  14. alinegallaschhall says:

    Pois….. é mesmo triste………….. Tinha tantas esperanças que fosse diferente…. já estou como os Deolinda, Que parva que sou!

  15. mário vicente cornélio says:

    quando a matilha não se protege entre si, quem é que a vai proteger? Palavras para quê? É o Panorama Português!!!!!!!

  16. Zé Mané says:

    não é de estranhar. esse senhor, apesar da sua escrita desinteressante, é bem relacionado e possui uma rede bem extensa de colaboradores. Cultura???? Quem quer saber disso? Quem quer se ocupar disso? Estão todos surdos ou que parte do “não temos dinheiro” não foi entendido?

  17. Joaquim Joshua says:

    Não falem mal do Francisco. Sei de fonte segura que ele foi muito pressionado a aceitar o cargo de secretário de estado. Óbvio que ele foi nomear pessoas da sua confiança, que conhece bem. Não sejam más línguas. Vá lá.


  18. Sim, acontece a todos sermos um dia obrigados a aceitar algo contra o qual puséramos contra longa prosa preto no branco.
    Acontece a todo o intelectual negar toda a sua anterior palavra. A palavra escrita, houvesse coisa mais sagrada a um homem de letras, ainda que com Acordo Ortográfico.
    É triste quando um homem das letras nega todas as letras. É a Bem da Nação.
    Falo, claro, do Vale do Tua…

  19. Sandra Marnoto says:

    É feio afirmar coisas das quais não há provas reais. Depois deixa pontas para refutar as suas ideias!


  20. O Viegas e o Sumaville são de que loja?

  21. ZÉ DA PÓVOA says:

    Não há uma lei qualquer que condena o tráfico de influências?

  22. replica says:

    È tudo farinha do mesmo saco, tenho pena!!!!!!!

  23. Pica Miolos says:

    Comentários para quê’ As ações destes gajos dizem tudo. Há muito tempo que deixei de acreditar em pulhíticos.

  24. Ana Paula Fitas says:

    Fiz link, Ricardo :))
    Obrigado… e Bom Ano :))
    Abraço.

  25. Maria Sousa says:

    Comem todos no mesmo tacho!os portugueses que abrem os alhos…reage!!!!

  26. Ricardo Santos Pinto says:

    Bom ano para ti, Ana Paula.
    Em relação a este post, há uma incorrecção a nível da participação do Summavielle no Ajuste Directo- que já assumi – mas, ao invés, os indícios da sua futura nomeação revelam algo de ainda mais preocupante ao nível da promiscuidade e das ligações perigosas entre esta gente toda.

  27. miguel says:

    Volta Zé!

  28. Nobre Santos says:

    Trabalhava eu ainda no IPPC/IPPAR quando por lá apareceu um rapazinho,pago a recibos verdes, de apelido Summaville, que num ápice se tornou notado. Tal não me pareceu dever-se ao seu perfil, às suas ideias ou a bons dotes de trabalho. Os apadrinhamentos e os hábitos de camaleão na política julgo ser a resposta para a corporação dos políticos, de que este e o deslavado comentador cultural, desinteressante escritor e actual secretário de estado também fazem parte. Os “finórios” têm invadido esta corporação, desfigurando-a e dando-lhe um cariz antipático e por vezes desprezível para quem economicamente a suporta, por vezes apenas com prejuízos.
    Eles são demais e “comem tudo e não deixam nada”.
    E já agora e citando, uma ministra do governo cessante, “há que regressar ás origens”:
    Mandem-se para o desemprego três presidentes de instituto com a vasta prol de vice-presidentes e assessores que os coadjuvam e regressemos ao Instituto Português do Património Cultural com os seus diversos DEPARTAMENTOS, que cumpriam os objectivos culturais com eficácia idêntica à desta PESADÍSSIMA e ESBANJADORA máquina administrativa.

  29. luis machado luciano says:

    Nada de anormal nas nomeações desde que quem nomeia seja verdadeiramente responsável e responsabilizado pelo que faz. Todo o projecto e sua execução é fruto duma equipe coesa e experiente

Trackbacks


  1. […] Francisco José Viegas Posted on 05/01/2012 por Carlos Garcez Osório Porque reconheço em Francisco José Viegas uma enorme integridade, não posso deixar de reagir a alguns posts que aqui no Aventar têm sido publicados, nomeadamente, este escrito pelo Ricardo Santos Pinto. […]


  2. […] Pinto Foi hoje introduzido no V. blogue, um texto assinado por Ricardo Santos Pinto -”A promiscuidade e as ligações perigosas de Francisco José Viegas“, cujo conteúdo, em que sou particularmente atingido, e ferido na minha honra, está pejado […]


  3. […] Pinto O meu prezado colega Carlos Garcez Osório aponta uma série de erros ao meu post A promiscuidade e as ligações perigosas de Francisco José Viegas. Elídio Sumavielle, por seu lado, veio ao Aventar dizer de mim o que Maomé não disse do […]


  4. […] mesma liberdade que me faz discordar, profundamente, do Ricardo. Não conheço Elídio Summavielle de lado nenhum. Li o seu esclarecimento, li o que o Carlos […]


  5. […] meio pedir desculpa a Francisco José Viegas por ter posto em causa a sua integridade no post «A promiscuidade e as ligações perigosas de Francisco José Viegas». Este pedido de desculpa tornar-se-á efectivo no momento em que Francisco José Viegas, […]


  6. […] alcancem os melhores lugares. A longo prazo, e não há prazo maior do que a "tradição", este lastro leva os países ao fundo, como levou Portugal. A verdade é que, e […]


  7. […] que os melhores alcancem os melhores lugares. A longo prazo, e não há prazo maior do que a “tradição“, este lastro leva os países ao fundo, como levou Portugal. A verdade é que, e ainda […]


  8. […] Governo Sócrates, será o novo Director-Geral do Património. Uma notícia que, «por acaso», o Aventar já deu em primeira mão no dia 5 de Janeiro, ou seja, há cerca de mês e meio. É por isso que esta nomeação não me […]

Responder a Sandra Marnoto Cancelar resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.