Acesso ao Ensino Superior e Ensino Recorrente

Maria Eduarda Neves

O ingresso ao Ensino Superior deve ser conquistado por mérito. Não podemos permitir que haja duas formas de avaliação no concurso para as MESMAS vagas. Mais um ano veremos alunos que, já tendo concluído o secundário, aproveitam-se do Ensino Recorrente – criado para aqueles que não conseguiram terminar o Ensino Secundário Regular – para aumentar exponencialmente as suas classificações internas, que não são afectadas pelos Exames Nacionais.

Esta situação afecta todo o Ensino Superior português porque os alunos não colocados em suas primeiras opções, como Medicina, vão para outros cursos, aumentando as suas médias mínimas de ingresso, passando por Medicina Dentária, Ciências Farmacêuticas, Fisioterapia, Enfermagem e assim sucessivamente. Reacção que também acontece em todas as áreas do Ensino Superior, tendo em consideração cursos como Engenharia Aeroespacial e Arquitectura.

É uma recção em cadeia.

O Ministério da Educação tentou impedir que isso acontecesse, mas cerca de 300 estudantes ganharam um processo no Tribunal e, assim, foram autorizados a utilizar médias internas próximas ou iguais a 200 nas suas candidaturas.
Alegamos, então, que este grupo de alunos do ensino recorrente está agir de má fé, pois sabendo que estão a usar este meio de ensino de forma indevida e após a denúncia deste caso o ano passado como já foi referido, mesmo assim, matricularam-se nas escolas onde esta via de ensino é leccionada, estando mais que conscientes que não só estão a perverter a finalidade deste meio de ensino como a favorecer iniquidades no acesso ao Ensino Superior. Com que moral estes alunos alegam em tribunal que as suas expectativas foram frustradas pelas alterações introduzidas a meio do ano lectivo pelo Ministério da Educação?

Se está indignado com esta situação como nós, participe connosco no manifesto contra o uso indevido do Ensino Recorrente.
Compareça nodia 30 de Agosto, a partir das 16h em frente à Secretaria de Estado da Educação e Inovação, na Avenida 5 de Outubro, próximo ao metro do Campo Pequeno.

Petição Pública: http://www.peticaopublica.com/?pi=P2012N20094
Contacto: apoio.ensinoregular@hotmail.com

Contamos com a vossa ajuda para a divulgação desta manifestação, porque este caso tem sido abafado e é preciso que as pessoas vejam! Por favor, divulguem a nossa causa e, se concordarem connosco, dê-nos apoio!

Comments


  1. Meu total apoio a esta causa mais do que justa…

  2. Bone says:

    Mas se sempre houve esse tipo de “iniquidades”! Antes do ensino recorrente, se bem me recordo dos meus tempos de estudante, havia, por exemplo, as vagas destinadas aos alunos dos PALOP e até os alunos que entravam com médias muito inflaccionadas pelas generosas classificações oferecidas pelos professores na província. Depois, “lá dentro”, viam-se em dificuldades. Parece é que agora já nem isso.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.