Ensino vocacional: pôr portaria na ventoinha

O ministério da Educação criou o projecto-piloto do agora chamado ensino vocacional. Como poderão ler no portal do governo ou na portaria, se tiverem paciência, o projecto é dirigido, segundo parece, a alunos que “queiram optar por uma vertente de ensino mais prática.” Para isso, os referidos alunos – que já queriam optar pela referida vertente de ensino – serão sujeitos a “um processo de avaliação vocacional que demonstre ser nesse momento a via mais adequada às necessidades de formação dos alunos.” Faz-me um bocado de confusão que os alunos queiram optar por uma via e que, para poderem optar por essa via, tenham de ser sujeitos a um processo que poderá permitir-lhes enveredar pela via que… tinham escolhido.

Logo a seguir, ficamos a saber que o “ensino vocacional será particularmente recomendado aos estudantes que manifestem constrangimentos com os estudos do ensino regular e procurem uma alternativa a este tipo de ensino. Para ingressarem nesta via, os alunos devem ter a idade mínima de 13 anos. Será particularmente recomendado aos alunos com duas retenções no mesmo ciclo ou três retenções em ciclos diferentes.”

Apesar de não ter tempo, gostaria muito de desenvolver esse conceito de “constrangimento com os estudos do ensino regular”. Já imagino um aluno mais esperto a explicar por que motivo não estuda:

– Ó “stor”, estou um bocado constrangido com os estudos.

Do segundo excerto, ficamos, afinal, a saber que o ensino vocacional é “particularmente recomendado aos alunos com duas retenções no mesmo ciclo ou três retenções em ciclos diferentes.” É certo que o texto que tenho estado a comentar é o que consta do portal, mas fica-se com a impressão de que um aluno pode escolher o ensino vocacional se quiser “optar por uma vertente de ensino mais prática”, não sendo, portanto, obrigatório, que se verifiquem os tais “constrangimentos”.

Após uma leitura na diagonal, julgo que a portaria não contempla a hipótese de que alunos sem “constrangimentos” possam escolher o ensino vocacional.

Temos, então, o ensino vocacional como uma proposta que visa combater o insucesso escolar, levando os alunos a enveredar por um percurso profissionalizante. Não sei se estão a perceber, mas acredito que não seja fácil.

Imagine o leitor: um aluno, por variadíssimas razões possíveis, revela dificuldades de compreensão na língua portuguesa, não consegue realizar algumas operações matemáticas e tem dificuldade em perceber os mecanismos da História, entre outras insuficiências. A esse aluno o ministério da Educação dirá:

– Como tens esses problemas, vais, agora, praticar um bocado de marcenaria ou desmontar uns computadores ou fazer respiração boca-a-boca a um boneco e, de repente, vais ficar a saber Português, Inglês, História, seja o que for.

Quando se impunha que a escola tivesse turmas pequenas, professores em quantidade suficiente para que houvesse apoios, técnicos especializados ou verdadeiro acompanhamento das famílias, Nuno Crato cria uma coisa parecida com os Cursos de Educação e Formação, que ainda existem, e faz de conta que está a resolver problemas. Impunha-se, ainda, que o ensino profissional deixasse de ser visto como um paliativo ou como um disfarce.

Querem apostar em como o balanço do projecto-piloto do ensino vocacional vai ser positivo e que haverá pressões para que tudo corra bem? Nada de novo: Maria de Lurdes Rodrigues tem barba e usa óculos.

Comments

  1. Rui Santos says:

    Porra! tanto trabalho, tanto cuidado do Crato, tanta sabedoria. O homem até é Doutor. E desdenhar-se assim de um acto deste calibre. É obra! Que más línguas.

    Eu acho que está aqui a explicação do porquê de Portugal não passar de cepa torta.

Trackbacks


  1. […] O empobrecimento atinge, desde logo, o currículo, reduzindo o contacto dos alunos com áreas do conhecimento que vão da Filosofia às Artes. O aumento do número de alunos por turma e a criação de mega-agrupamentos constituem outra face desse mesmo empobrecimento, tornando mais desumana a escola e, portanto, mais ineficaz o ensino. A austeridade exerce-se sobre os vários apoios a que os alunos deveriam ter direito e afasta da escola professores, técnicos e funcionários. Como qualquer travesti que se preze, Nuno Crato abusa da cosmética. […]


  2. […] interesse que os responsáveis governativos mostram pelo ensino profissional releva de uma visão distorcida da Educação. Antes de mais, o ensino profissional é visto como uma alternativa para os alunos que revelam […]


  3. […] o ensino profissional é uma opção virtuosa e útil. mas tem de ser vista como opcional e não como uma imposição e castigo a crianças de 12-13 anos, como Crato quer determinar. “o ensino vocacional será particularmente recomendado aos estudantes que manifestem constrangimentos…“. […]


  4. […] ou psicológicos tantas vezes interligados, o que resolverá o ensino profissionalizante? A integração num ensino profissionalizante resolve os problemas de aproveitamento? Não estaremos diante de mais um sinal de que vivemos numa sociedade que desiste de educar a maior […]


  5. […] de milhares de professores necessários às escolas dá origem a uma compaixão rápida; Crato irá empurrar os alunos das classes mais desfavorecidas para uma profissionalização precoce e os professores ficam a uma enorme distância da indignação. Às agressões de Sócrates e de […]


  6. […] Poderia ter transformado o ensino profissional numa verdadeira escolha, mas manteve a atitude das suas antecessoras, transformando-o numa mera solução de recurso para os alunos com dificuldades. […]


  7. […] que Martim, profundo conhecedor do sistema educativo, desconheça que já está no terreno uma vergonha chamada ensino vocacional. Para além disso, Martim parece não estar informado sobre o modo como o ensino profissionalizante […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.