Sou contra a *co-adoção de crianças por casais do mesmo sexo

Estava sossegado a tomar o meu café, depois de umas páginas sobre o Cícero e o Timeu de Platão, quando, sei lá bem porquê, comecei a ler as notícias do dia e me deparei com um título fundador (já S. Tomás de Aquino lembrava, no De Ente et Essentia e bem acompanhado pelo Estagirita, que “[q]uia parvus error in principio magnus est in fine”). Decidi, muito rapidamente, trazer de novo ao Aventar aquela que é, aparentemente, uma das mais enigmáticas bases do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90): a XVI.

Segundo o Público, «[d]epois de Áustria, Finlândia, Alemanha e Israel, Portugal é o quinto país onde a co-adopção de crianças por casais homossexuais foi aprovada». Acrescentaria que, sendo o quinto país em que a co-adopção de crianças por casais homossexuais foi aprovada, Portugal será muito provavelmente o primeiro a não saber escrevê-la. Salvo honrosas e excelentes excepções, como o Público.

Efectivamente, segundo a base XVI do AO90, «[n]as formações com prefixos (como, por exemplo […]  (co- []), só se emprega o hífen nos seguintes casos: a) Nas formações em que o segundo elemento começa por h: […], co-herdeiro […]; b) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina na mesma vogal com que se inicia o segundo elemento […]; Não se emprega, pois, o hífen […] Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por vogal diferente […] coeducação».

Ora, sabendo nós que não existe nem *hadopção (não havendo razão para *co-hadoção), nem *odopção (não havendo motivo para *co-odoção), nada no AO90 autoriza que se interponha um hífen entre o prefixo ‘co-’ e o segundo elemento, ficando, mais uma vez, patente o falhanço das propaladas acções de formação e a completa dependência do Portal da Língua Portuguesa e do conversor Lince. Como, para muitas almas, o AO90 se limita à base IV, achando, imagine-se, que «[a]gora “facto” é igual a fato (de roupa)» e que o debate ficou «lá atrás», é natural que tenhamos chegado a este ponto.

Outro problema, além da deficiente compreensão do texto do AO90, prende-se com a inexistência de coadoção (sic e para quem não souber) no Vocabulário Ortográfico do Português (VOP).

coadoção VOP

Não havendo coadoção (sic), também não há outras hipóteses, como:

  • a excelente co-adopção (que respeita o texto de 1945: “[e]mprega-se o hífen em (…) compostos formados com o prefixo co, quando este tem o sentido de «a par» e o segundo elemento tem vida autónoma: co-autor, co-dialecto, co-herdeiro, co-proprietário);
  • essa abstrusíssima *co-adoção, adoptada, em primeiro lugar, pela Lusa e, depois, pelo Diário de Notícias, pelo Expresso, pelo jornal I (não adopta e muito bem o AO90, mas não traduz para ortografia portuguesa europeia os despachos da Lusa), pelo Jornal de Notícias, pelo Record, pela RTP, pela SIC, pela TSF, pela Visão (com um hilariante “[e]sta notícia foi escrita nos termos do Acordo Ortográfico”), enfim, já chega – não, não chega, temos também o Partido Socialista, claro, o autor do diploma;
  • uma improvável *coadopção (mistura perfeita de 45 e de 90: adopte-se num vocabulário da mistela perfeita; mistela perfeita, pois, a TVI24 conseguiu).

Quanto ao Vocabulário de Mudança (VdM), co-adopção é palavra que não se vislumbra e que deveria estar algures entre o co-administrar e o co-aluno.

co-adoção VdM

Contudo, apesar de a palavra não constar nem do VOP, nem do VdM, o Lince transforma a co-adopção em coadoção (sic), ignorando (muito bem e como se esperava) *coadopção.

co-adoção coadoção Lince

Para quem se limita a fazer contas sobre o número de palavras alteradas com o AO90, este pode ser um excelente indicador de que o caminho não é o número de palavras existentes seja onde for: o elemento a ter em conta é qualitativo. Sim, porque há vida, além da correcta co-adopção, da coadoção (sic) do AO90 e da mistela *co-adoção.

O meu fim-de-semana tem, como se vê, hífenes. Espero que o vosso também. Desejo-vos um óptimo fim-de-semana.

Comments

  1. Luis Canau says:

    De anotar que o termo “co-adoção” está no título do “Projeto” de Lei do PS. Não que isso seja atenuante, mas imagino que alguns média se pudessem desculpar com o facto de estarem a ‘adutar’ a terminologia “oficial” do diploma.

  2. portugal says:

    eu já nem sequer participo mais em debates sobre coisas que se tornarão, detro de pouco tempo, evidências.
    é verdade que ainda há quem conteste o direito ao divórcio, às mães solteiras…
    E até quem ache que as mulheres não deveriam ter direito de voto e os negros direitos cívicos.

    A diante.
    Mas uma pergunta, mesmo assim
    As inúmeras crianças, muitas hoje adultos, criadas por casais de mesmo sexo, pensaram nelas?

    Nada pior que os racistas com “boas intenções”
    Nada mais hipócrita que as pessoas que “não têm nada contra pretos, homossexuais, mulheres ao volante”, etc. mas que acham que “mesmo assim…”

    Olhem, tomem uma aspirina ou um valium e vão para a cama dormir.

  3. celesteramos.36@gmail.com, says:

    Pois essa de explicar o AO através da co-adopção deu uma grande confusão – como o que acontece com co-decisões governamentais para baralhar os co-governados – Pois até por estas e por outras que até vejo futebol pois que vendo bem vendo bem ainda é o que resta mesmo com expulsão de Mourinho e de Ronaldo – em espanha tinha que ser é claro e muito tempo se aguentou Ronaldo que é mais manso do que Mourinho – gostava de os ver a receber o valor que tenham e não esta humilhação desses “grandes de espanha” – hão-se sempre viver na obscuridade manhosa esses filhos de Isabel – nunca o invejoso medrou nem quem ao pé dele morou – pois tem razão quem falou nas incongruências de decisores de não tratam bem como soía, os pretos e homo + outras coisas – quando não há pão parece que os portugueses não ajoelham que isso até pode ser bonito, mas CAEM com o tordos atordoados e inseguros (e não só) – em que caótica vida vive o meu querido país quem em 2012 teve até a bandeira de pernas para o ar – quem teria feito tal que ninguém viu” ?’ não creio – tantos e não viram ?’ Isto anda tudo de pernas para o ar

  4. celesteramos.36@gmail.com, says:

    Vou mas é ouvir a TVI 24H e aquela menina que sabe de futebol como qualquer homem e ela não tem complexos e interessantemente, nem os homens – bom programa MAISFUTEBOL

  5. Ausente Irreverente says:

    Ja somos dois contra.

  6. Ricardo Ferreira Pinto says:

    Ó Francisco, já disseste que és contra a co-adoção. E contra a co-adopção?

  7. Irrelevante says:

    Algem me sabe dizer a diferença entrea co-adoção e a adoção?

  8. Irrelevante says:

    alguém*

Trackbacks


  1. […] poucos dias, fiquei a saber que ‘co-adopção’ (à qual já dediquei umas linhas aqui e ali) conseguiu uns miseráveis 2% numa iniciativa da Porto Editora — confesso que acabei […]


  2. […] ‘fato relevante’, isto é, a Lei nº 6.404/76, decidi alimentar o Lince (sim, o Lince) com o articulado e obtive os seguintes […]


  3. […] da coluna de Isabel Moreira, no Expresso — muito naturalmente, regressei ao episódio da *co-adoção e creio que estaremos todos efectivamente em condições de detectar um padrão estável: há quem […]


  4. […] é, quase dois anos depois da anómala ‘co-adoção’ – e apesar da coadoção –, o Bloco de Esquerda consegue matar dois coelhos de uma cajadada: […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.