Problemas na Lavandaria

Eduardo dos Santos voltou a soltar os cães do pasquim de Angola sobre a nossa cúpula política. Não é que a escumalhada não mereça levar umas ferradelas das feras assanhadas de Luanda mas não deixa de ser hilariante ver o jornal oficial de um regime opressor a queixar-se de uma “agressão intolerável” por parte de um país cujo Ministro dos Negócios Estrangeiros violou o segredo de justiça e o princípio de separação de poderes para agradar o ditador e provar a nossa vassalagem aos kwanzas.

A corte de um dos últimos “Reis da Escócia” continua, assim, a chantagear os responsáveis políticos portugueses e a tentar pressionar o Ministério Público para arquivar os processos referentes a serviços de lavandaria prestados por entidades portuguesas a alguns “heróis” angolanos como o General Kopelipa, um senhor que faz uns negócios simpáticos aqui pelo rectângulo. Depois da ameaça do fim da “parceria estratégica” feita pelo Presidente Eduardo dos Santos, ficamos hoje a saber, através da jornal de propaganda do regime, que a própria lusofonia está em perigo e que Portugal é uma carta fora do baralho das obras públicas, do petróleo e da tecnologia angolanas.

Se somos assim tão descartáveis, tão irrelevantes, se, como refere o próprio “Coiso” de Angola, estamos reduzidos à “chantagem e à falta de respeito”, porque raio andam esses gajos a comprar Portugal a retalho? É que não estamos a falar do investimento deste ou daquele “particular”. Estamos a falar de investimentos das maiores figuras deste regime fraudulento que rouba 20 milhões de angolanos favelados para controlar posições de referência na ZON, Galp, BCP, Impresa ou Cofina. Alguém acredita que estes abutres se vão embora? Portugal é perfeito para transformar dinheiro roubado em investimento legítimo, deixem-se de merdas por favor!

A quem querem estes gajos enganar com este bluff primário? Será alguma espécie de vingança pós-colonialista no momento de maior fragilidade do nosso país? Ou apenas uma tentativa de iludir ainda mais uma população manipulada por lixo informativo debitado pela revista cor-de-rosa de Angola para fortalecer o culto do chefe? Só pode ser bluff. A lavandaria cá do sítio ainda vai dando muito jeito, a princesa angolana que o diga…

P.S. o Patético de Angola está alojado no Sapo. Até esses nabos precisam de Portugal e nem sequer é para lavar dinheiro!

Comments


  1. Reblogged this on Azipod.

Trackbacks


  1. […] deixa de ser triste continuar a desempenhar a função de lavandaria do nepotismo de Estado angolano ao mesmo tempo que somos constantemente ameaçados de que a […]


  2. […] da dispendiosa festa de comemoração de 10 anos de casamento, Isabel dos Santos, cliente da lavandaria cá do sítio, fez novamente uso dos kwanzas extorquidos aos seus conterrâneos e levou 600 […]


  3. […] Angola (entre outros membros da elite de Luanda) use dinheiro roubado aos angolanos para comprar a lavandaria Portugal a preço de saldo. Mas não deixa de ser curioso que gente dita moderada dos partidos do centro, […]

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.