Um abraço

Sábado passado uma mulher tentou suicidar-se na Ponte 25 de Abril. Parou o carro, pôs os 4 piscas, deixou um papel a despedir-se dentro do carro e saiu para ir saltar da ponte abaixo. Depois de muitos, de muitos carros não pararem, alguém parou, e quase depois disso também um segundo carro, com um GNR lá dentro, que conseguiu impedir o salto enquanto uma pessoa do primeiro carro que parou pedia à mulher suicida que lhe desse um abraço.

Mas nas notícias nem pevas, nem desta história nem de todas as outras que têm vindo a acontecer diariamente – gente a perder o amor à vida, naquela que ficará para a memória recente da sociedade portuguesa como um dos períodos mais absurdamente difíceis de sempre. Mas nas notícias nada, jornalismo nenhum que mostre o que está verdadeiramente a acontecer, que diga que há corpos de pessoas que todos os dias dão à costa nas margens do Tejo, que diga que há muitas pessoas que se matam porque não conseguem viver sem trabalho, com dívidas, e sem esperança alguma de que algo mude no tempo útil das suas vidas breves – enquanto Pedro Passos Coelho e Paulo Portas constroem (pela destruição das vidas da maioria esmagadora dos vivos, incluída uma classe média patrimonial tão recente em Portugal) um país para pessoas que ainda não nasceram.

Comments

  1. Marília Costa says:

    E porque nenhuma destas situações é mencionada nos noticiários nacionais???? É preferível e mais confortável informar sobre desafios de futebol……!!!!!!!


  2. o desamor à vida não vende detergentes

  3. Escatota Biribó says:

    este post perturbou-me

    não que eu tenha qualquer conhecimento sobre a matéria, nem nenhum fundamento cientifico ou apenas empírico para fundamentar, mas em tempos constou-me que as noticias sobre suicídios, atraem mais suicídios…ainda não sei se assim é, mas que sinto a desumanização, tenho a certeza que a sinto

    • mdlsds says:

      Sim, parece que é assim. Parece que não é política, que é mesmo para evitar o contágio do desespero que leva ao suicído. Mas até que ponto isto não deve ser denunciado? Até que ponto não são homicídios? Até que ponto não estamos todos equilibrados no mesmo arame? Se eu perdesse o emprego agora, com um filho adolescente e contas para pagar e não tivesse qualquer prespectiva? A mim também me perturbou este post e acredito que será uma imagem que ficará para sempre na vida de quem salvou aquela mulher.

      • José Madeira says:

        A meditacao, funcionam nestes casos e desespero……quand0 du descobro k nao sou sk este corpo, esta vida…..comeco e ter entendimento, perco l medo e nada, mas nada me pode destruir….

        bkwsu.org/portugal

        Omshanti


    • Em Itália e em outros países, no que se refere ao tratamento de notícias sobre suicídios, e fazendo fé na sua comunicação social não há censura. Em Portugal não se noticia essas mortes, pois alegam os políticos, que a sua publicação influencia atitudes e comportamentos, levando as pessoas cometer suicídio em série. Não creio que seja assim e penso que o motivo será outro…

      O que eles pretendem realmente com esta censura é fazer crer que o problema não existe, preservar a imagem e evitar o peso na consciência.

      Um suicídio ao ser noticiado, não faz dos leitores suicidas. Há outras causas, e o que leva as pessoas ao suicídio é a falta de esperança, o desemprego, a doença, a fome, o desespero e o fim da estrada. É o isolamento, o beco sem saída e a parede intransponível. É a escuridão, é o fim…

      São estes e outros os motivos principais de quem comete este acto desesperado. É lamentável que esta informação seja escamoteada aos portugueses e fazerem como a avestruz a meter a cabeça no buraco e fazer de conta que os problemas não existem. São actos de cobardia criminosos, no qual a nossa comunicação social muito domesticada voluntariamente obedece e colabora.

      Querem iludir e a todo custo manter os portugueses longe da verdade nesta paz podre em que vivemos. Querem que acreditemos na tal [falsa] “recuperação económica”, na [falsa] baixa do desemprego e que agora está tudo [falsamente] melhor.
      Se assim é ninguém o sente, pois as condições materiais de vida dos portugueses diminuem dia após dia. Só eles, políticos e banqueiros notam essas melhorias e a realidade é outra.

      Os portugueses sem trabalho ou sem qualquer subsídio ou rendimento são cada vez mais. São muitíssimas as famílias sem dinheiro para alimentar os filhos, há idosos que passam fome sem medicação, são jovens e famílias inteiras a emigrar tal como na década de 60, que fugiam à Ditadura, à guerra do Ultramar e à fome. Hoje temos uma “democracia” travestida, desemprego, emigração em massa, fome, doença, desespero e suicídios por todo o lado.

      Não possuo dados fiáveis sobre esta tragédia invisível e os que tenho são de há quase um ano, que apontava para CINCO suicídios por DIA, cerca de DOIS MIL por ano!

      Volto a afirmar que ter conhecimento destes casos, não faz dos leitores suicidas, mas sim, são as causas que apontei que levam ao suicídio. Se querem realmente que os suicídios diminuam, melhorem as condições básicas da vida dos portugueses.

      Manuel Araújo
      fonte- http://www.luso.be/index.php/opiniao/168-suicidios-em-portugal

  4. Manuel Lopes says:

    Trabalho na área dos transportes públicos e deixem-me dizer-vos: nunca tomei conhecimento de tantos suicídios a afetar principalmente o tráfego ferroviário como neste último ano. Tem sido simplesmente assustador. Chegou a haver duas a três tentativas concretizadas ou não, por dia. Está a fazer falta um estudo mais profundo sobre a temática do suicídio em ambiente de crise profunda como a que estamos a passar agora, incidindo principalmente na população ativa. É urgente esse tipo de estudo porque creio estar aqui uma parte da explicação para esta tão propagandeada diminuição da taxa de desemprego, a par do aumento explosivo da taxa de emigração na população jovem e populaçao ativa. Vivemos num país às portas da morte. Objetivos finais desta governação: diminuição geral da população, diminuição da esperança média de vida, privatização de toda a vida social do País, redução ao mínimo da mobilidade, diminuição acelerada da taxa de literacia da população. Um povo alfabetizado é um povo não manipulável. Resultado final: uma nova vaga de salazarismo, corporizado pela nova vaga de jotas alucinados fabricados nas universidades de verão dos partidos que já conhecemos. Fixem isto: é muito provável que as últimas eleições democráticas a realizar neste país sejam estas europeias de maio. Não se convençam de que as legislativas de 2015 sequer se realizem. Muito provavelmente vamos ter o Sr. Silva a decretar, a bem do interesse nacional, o adiamento sem data prevista dessas eleições. Acho que já esteve mais longe.


  5. Calma! Deixem chegar o mundial de futebol e verão a nova sticada que eles têm para oferecer. É com muita pena minha que digo que este país deixou de nos pertencer. Quem manda está fora dos nossos corações. O jogo do dinheiro não tem ritmo cardíaco e as ajudas são mortais. Mais tarde darão mais uma mãozinha para salvar, mas novamente cheia de manteiga empacotada nos paraísos… Talvez quando o país viver em plena miséria consigamos sair da comunidade europeia e os exploradores fabricantes de dívidas ainda nos chamarão de ingratos.

  6. Fernando Van-Dúnem says:

    A questão não passa de todo pelo futebol ou pelas novelas, repare que acabou de nascer mais um órgão de comunicação (O Observador ) dominado pelas ideias do neoliberalismo. Ao leme Carrapatoso o tal de “Mais sociedade , Menos estado” mas a quem o estado Estado perdoou 700 mil euros de fuga ao fisco e Rui Ramos esse ex libris do Tea Party. Ninguém se admire com a informação que é servida pela comunicação social. Já agora quantos de vocês que se indignam agora, votarma nesta gente. É que eles nunca esconderão ao que vinham.

  7. Maragitado Manu says:

    Não há dia em que não pense isso. Desculpo a minha existência com a paixão pelos meus cães e da necessidade que eles têm de mim. Mas já começam a ficar velhinhas …..

    • Maria José Mendes says:

      Olhe nos olhos dos seus cães e verá a gratidão, o amor que muitos humanos não são capazes de demonstrar, eles amam incondicionalmente!! Mas isso já sabe, com toda a certeza!! Vá buscar um cão mais novo e ame e continue a cuidar desses seres lindos, que tão felizes nos fazem!! Continue a fazer o bem e seja muito feliz!!

      • Matagiyado Manu says:

        Muito grata pelo seu comentário. Mas….. não há mesmo dia nenhum em que não pense ….

        • Maria José Mendes says:

          Não pense….viva um dia de cada vez e dê graças a Deus, pois se olhar para o “lado” vai ver que há sempre alguém pior do que nós….infelizmente!! Ninguém sabe quando é a nossa hora, só Deus, ou o destino, o que lhe quiser chamar…mas levante-se todos os dias e sorria e brinque com os seus cães e pense o quanto eles iriam sofrer se desaparecesse…e muita gente iria sentir a sua falta!! Um dia de cada vez!! Um abraço!!

  8. Sarah Adamopoulos says:

    Agradeço os comentários de todos os que têm aqui deixado as suas ideias sobre o que escrevi. Bem vejo o desejo de morte em todas as ruas de Portugal, basta olhar a realidade com olhos de vê-la. Numa súmula filosófica, e no entanto bem concreta: para que uns poucos «subam na vida», todos os outros descem em humanidade: em dignidade, em saúde, em acesso à educação, à cultura, à justiça, em bem-estar, em alegria, etc. Um abraço a todos.


    • Sarah, tomei a liberdade de partilhar no meu mural.
      Trabalho num ramo muito específico da saúde, em que lido com os resultados do desespero numa base quase diária.
      O que vê nas ruas ainda é apenas a ponta do iceberg.
      Obrigada por ter escrito algo tão simples, e por isso tão belo e comovente.
      Não em meu nome, mas em nome daqueles a quem ninguém conseguiu pedir um abraço a tempo.
      Bendita a alma que o pediu, num tempo em que os valores da humanidade estão cada vez mais fora de moda.

  9. Celestino says:

    Há algum tempo escrevi aqui no facebook que estes politicos deviam ser responsabilizados por homicidio, por negligencia, hoje acredito mais em premeditação porque sabem e encobrem,e a comunicação social colaboracionista,também tem culpas no cartório,em muita coisa mais.( quem sabe se ainda lhes bate à porta? )

  10. Paulo Nuno says:

    bom há uns tempos atrás aconteceu precisamente esta noticia só que era um homem … e saiu na Sicnoticias… agora corpos aparecerem todos os dias é mentira… e isto é o mundo da internet… sim ainda se atiram da ponte abaixo mas não nessa frequencia.. PauloNuno

    • j. manuel cordeiro says:

      Que giro vir para aqui fazer desinformação. Estará por acaso a monitorizar diariamente o Tejo, a partir do seu gabinete no Terreiro do Paço?

      Quando partilhei este post no Facebook, outras pessoas relataram estas realidades, que conhecem do que se passa à sua volta. Só quem não sai das suas torres de marfim é que acha que é ficção.

  11. Pedro says:

    Sarah, desculpe, mas esta vai completamente off topic… você é grega? 🙂 A comunidade grega em Portugal deve ser pequenissima.

  12. josesimoesgomes says:

    A Grande Realidade é que o Ser Humano vive o mais baixo nível da sua Auto Estima.
    Atirarmos a responsabilidade para os outros é adiar a solução dos problemas.
    É urgente : Criar Escola/Educação de Valores – Valorizar a pessoa – Dignificar a Família – Devolver a Cidadania ao Cidadão – Devolver a Ética à Política e à Religião – Desenvolver a Autonomia Pessoal e Comunitária – Marginalizar o Sistema de Poder Político e Religioso vigente.
    É preciso entender O SENTIDO DA VIDA :
    1. O que sou eu?
    2. De onde venho?
    3. Para onde vou?
    4. O que faço aqui?

  13. J.V. says:

    Números sobre o tema confirma o texto da Sarah.
    http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Interior.aspx?content_id=72796


  14. O artigo está ideologicamente envenenado por aqueles – os funcionários públicos insaciáveis por dinheiro – que pensam que o dinheiro cai do céu e sempre estiveram melhor que os da privada. Portugal cresce, o emprego aumenta, a produção agrícola e os turismo batem recordes e os do costume a “mamar e a grunhir” (por mais ainda)!

    • mdlsds says:

      Não escreva disparates. Envenenados foram os que não têm nada para dar de comer aos filhos.

    • j. manuel cordeiro says:

      O seu comentário está ideologicamente envenenado por teses daqueles – os que querem transformar o sector público num negócio privado – que intoxicam a opinião pública com o estereótipo do funcionário público que nada faz.

      Portugal está a encolher, seja no número de habitantes, seja em riqueza, só se registando aumento no número de desempregados, no valor da dívida e no abismo que separa os cada vez mais ricos dos cada vez mais pobres. E com os do costume “mamar e a grunhir” por mais cortes e mais impostos.

    • Sarah Adamopoulos says:

      Quer-me parecer que o seu comentário também está ele «ideologicamente envenenado», porém por uma visão amarga (e vingativa…) da sociedade portuguesa. Talvez a maioria dos que se matam assim (porque os outros, os que não têm carro, nem casa, nem nunca tiveram nada, ou partem ou deixam-se morrer, às mãos de um Estado social em evidente desmantelamento, apesas das necessidades também elas evidentes de uma população grandemente constituída por pobres, e a que pessoas que pensam como o senhor desde sempre negaram a quebra desse ciclo de miséria) sejam ou tenham sido funcionários públicos, mas não será a eles que o povo tem de pedir contas. Lamento o seu comentário maldoso, e o que revela sobre a forma como olha para o País.

    • j. manuel cordeiro says:

      Tendo eu o defeito da curiosidade, esta fica ainda mais aguçada perante adjectivações na linha do “mamar” e “grunhir”.

      Pelo que, seguindo o link no seu nome, concluo que V.exa será o primeiro proprietário de uma Herdade a recusar “mamar” nos subsídios da criação de gado e da posse de terra.

      Assim, sim, justifica-se vir cantar de galo contra os terríveis mamadores.

  15. António Costa says:

    Todos somos fortes até não o sermos mais.Não podemos dizer que nada nos destrói pois um dia destroi mesmo.
    É cada vez mais frequente as depressões causadas por factores externos , coisas que as pessoas não conseguem controlar. Becos sem saída, solidão, perdas. Sou extremamente solidário com pessoas cuja cabeça estoira até este limite pois só quem o faz saberá dizer o grau de falta de esperança e desespero. Hoje há duas horas atrás mais uma mulher jovem, muito bonita, 30 e poucos anos, cabelos aos caracois ,jeep novo, quem olhasse para aquela mulher ninguém diria que estaria a pensar atirar se. Apenas o jeep ali parado na arrabida e uma mulher linda de braços cruzados a olhar para o nada, olhar vazio de quem já morreu por dentro e ninguem a avisou.uma sra da afurada parou, eu e a minha mulher paramos, mais dois carros pararam. a sra da afurada pediu lhe a mao, a jovem chorava mas um choro só de lagrimas calado , um choro que nunca vi as lagrimas eram muitas ,disse que apenas se sentia sufocar e decidiu parar para apanhar ar e olhar a vida.
    viemos embora, a jovem acompanhada por aquela sra entrou no seu jeep e disse que estava bem e ia para casa foi apenas um surto , nao sei o que aconteceu a seguir.mas sei que aquela jovem tinha o olhar mais triste e cortante que alguma vez vi. e ia atirar-se, nao estava a ver a vida mas sim a desejar a morte.
    a minha esposa vinha destroçada pois segundo ela uma mulher assim é daquelas pessoas que pensamos que tem tudo na vida.apenas o jeep e a beleza aquele olhar era de quem nao tinha nada ou tinha perdido tudo. nao esquecerei o olhar dela. sei que hoje nao conseguiu mas vi naquele olhar que era o que ela mais queria…
    amanhã eu e a minha mulher passaremos lá outra vez e pensamos seriamente em denunciar à gnr a nossa suspeita.
    antes que seja noticia de jornal ou seja mais uma que nem a isso tem direito.
    estamos neste momento à procura dela nas redes sociais pois ela disse o nome proprio,mas ate agora ainda sem sucesso só com nome proprio a lista é imensa ..para assim denunciar o caso à gnr antes que se consuma.
    nunca esquecerei o que presenciei. talvez aqui se possa fazer o apelo para quem conhecer uma menina de 30 e poucos anos, jeep cinzento, cabelos muito longos encaracolados, porto…mas seria uma agulha no palheiro

Trackbacks


  1. […] também a ideia de que os suicídios mais recentes em relação com a crise atingiram sobretudo as classes médias, cujo desespero se prende com a impossibilidade de manter os […]


  2. […] com inaudita agressividade e revoltante indiferença por parte dos governantes. Escrevi sobre suicídios, sobre a desolação que passou a ser o cenário de todas as ruas de Portugal, sobre a indignação […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.