Municipalização da Educação: pagar às câmaras para despedir professores

Está em curso o processo de municipalização da Educação. De acordo com os agentes participantes, governo e  autarcas, o objectivo é melhorar a gestão das escolas graças à proximidade geográfica. Já se sabe que de boas intenções está o governo cheio.

É curioso notar que essa proximidade geográfica era uma realidade, antes de José Sócrates ter acelerado o processo de agrupamento de escolas, processo esse que Passos Coelho aprofundou. Até aí, as escolas eram dirigidas numa lógica de proximidade, já que as respectivas direcções eram escolhidas pelos profissionais que nelas trabalhavam: próximo mais próximo não havia.

O Paulo Guinote tem escrito sobre o tema, no blogue e não só. Em resumo, as câmaras que conseguirem empregar menos professores que os considerados necessários receberão metade daquilo que se considera ser o custo de um professor. Para confirmar, basta ler a já célebre cláusula 42ª do contrato que está a ser negociado com algumas câmaras prestimosas.

A história de Portugal é simples: as raposas que têm tomado conta do galinheiro resolveram fingir que a diminuição do número de galinhas não é da responsabilidade de quem as tem comido. Assim, depois de se ter sustentado à custa dos dinheiros públicos, a coligação PS-PSD-CDS não está disposta a prescindir do seu nosso pecúlio. Compreendo: também me sinto sufocado quando me falta o oxigénio.

Passos Coelho e seus ministros amestrados conseguiram despedir, em três anos, milhares de professores, fingindo que não são necessários, recorrendo a estratagemas como o aumento do número de alunos por turma ou a diminuição da carga curricular de várias disciplinas. Como as contas continuam a não bater certo, ainda é preciso despedir mais, recorrendo, agora, ao outsourcing autárquico.

Durmamos, no entanto, e, enquanto dormimos e porque dormimos, as raposas continuam a construir um futuro negro para a Educação, com professores devidamente amedrontados porque fragilizados na sua condição profissional e, portanto, prontinhos para serem explorados até à exaustão. A quem aproveita tudo isto? Aos alunos não, mas isso não é nada que preocupe a opinião pública ou publicada, porque a principal preocupação dos agentes políticos deve ser domar os professores, o que é um objectivo praticamente alcançado.

Comments

  1. Um electrecista meu amigo tambem achava bem que se integrasse a nivel nacional a colocação, para não estarem sugeitos a essa desgraça. Mas alguem lhe deu a resposta :tenham um pouco de decoro.As corporações deviam estar enterradas vai para 40 anos.

    • António Fernando Nabais says:

      É isso mesmo. Isto é como comparar pescadores com funcionários das Finanças: são profissões muito parecidas, especialmente quando os primeiros pescam contribuintes e os segundos apanham peixe miúdo. E tem toda a razão quanto às corporações: o que é que os médicos percebem de hospitais? Sempre que leio um comentário seu, fico ainda mais cristão.

    • António Fernando Nabais says:

      Já agora, ó cristo, tenha um pouco mais de cuidado com a ortografia. O facto de ter um pai influente não é desculpa para escrever como lhe der na gana.

  2. Reblogged this on O Retiro do Sossego.

Trackbacks

  1. […] O concelho de Oeiras também integra o processo de municipalização da Educação. […]

  2. […] municipalização da Educação já integra as Grandes Opções do Plano em […]

  3. […] A Câmara de Águeda já terá manifestado vontade política em avançar para o processo de municipalização da Educação. […]

  4. […] da Câmara mostra-se “impaciente para pôr no terreno a sua “escola municipal”.” A municipalização da Educação é, portanto, desejada no […]

  5. […] Ainda assim, estas pequenas espertezas legais e imorais praticadas autarquicamente serão, com certeza, peixe miúdo num mar cheio de tubarões brancos que nos andam a comer, a nós, que vivemos acima das possibilidades. No próximo ano, com o aumento do IMI, os concertos até terão entrada gratuita. E, já agora, como não ficar ansioso pela municipalização da educação? […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.