Fundos comunitários, Saldo Orçamental e Dívida Pública

Na sequência do artigo sobre a evolução da dívida direta do Estado em Portugal, fica aqui um gráfico que cruza essa evolução com a informação adicional sobre a execução dos fundos comunitários. Este quadro faz parte do excelente estudo “25 anos de Portugal Europeu”, realizado por Augusto Mateus para a Fundação Francisco Manuel dos Santos.

divida

A tendência de queda da dívida pública, iniciada nos anos 90, foi invertida quando o fluxo de fundos comunitários se tornou muito expressivo: final do QCAII, todo o QCAIII e todo o QREN. O ponto de viragem foi 1999-2000.

Para refletir.

Comments

  1. Nightwish says:

    O ponto de viragem foi a introdução do euro, quer o Norberto dizer.


  2. Tem esstado em Portugal uma unidade de investigação anti fraude da UE, para perceber o que foi feito dos 53 mil milhões de euros gastos na formação e que não deixaram rasto. Ou há mudanças na pratica da comissão ou assunto é grave demais, para a UE mandar -o que não é habito, a sua própria unidade e não confiar nos investigadores nacionais. Para o sr Mateus e a FMS não saberem de nada a coisa deve estar mesmo muito no sefredo. Será porque as verbas foram “dadas” aos sindicatos e entidades patronais? talvez como na divida a corrupção no estado é muito inferior a das autarquias e do privado,

Trackbacks


  1. […] Fundos comunitários, Saldo Orçamental e Dívida Pública […]

Responder a cristof9 Cancelar resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.