Dualidade de critérios

A Dra. Manuela Ferreira Leite acha que o Primeiro-Ministro não pode criticar o Banco de Portugal e “deve estar calado”. Já o Tribunal Constitucional, órgão de soberania, pode ser chantageado durante 4 anos que não vem mal ao mundo.

Comments

  1. Helder P. says:

    E Pedro Passos Coelho ainda o ano passado veio a público atacar a Caixa Geral de Depósitos, banco que é uma empresa pública e que em teoria o Primeiro-Ministro de Portugal tem o dever de zelar pela boa condução das empresas públicas e não contribuir para o seu enxovalhamento na praça pública.

    Seria esse o mesmo Pedro Passos Coelho, agora social-democrata e primeiro-ministro “no exílio forçado” por uma maioria parlamentar? Ou já terá substituído o disco rígido, o sistema operativo naquela cabeça?

    • Rui Silva says:

      Caro Helder P.

      São coisas diferentes. O BdP não é um banco , enquanto a CGD é.
      E já agora a CGD devia ser mais criticada. Ou acha que só quando formos chamados para a salvar é que as criticas deverão ser feitas ?

      cumps

      Rui Silva

  2. Maria Resende says:

    Sem dúvida. Melhor seria nesse aspeto ficar calada!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.