Governar

Se governar bem um país fosse uma questão técnica, de mera competência funcional, não só as eleições, e por maioria de razão a própria democracia, seriam inúteis e perniciosas, como seria legítimo exigir que os governantes fossem recrutados no estrangeiro, em boas universidades, ou mesmo comprados a outros Estados e governos, como se faz, por exemplo, com os jogadores de futebol.

Mas governar bem um país não é uma questão técnica, é uma questão ritual. O bom governante conhece e dirige o ritual democrático e republicano, o ritual do Estado de Direito Democrático, e faz dele participar o povo no lugar que cabe ao Soberano, esse lugar simbólico da luz, princípio e fim do que se ritualiza.

A competência técnica é atributo das criadas de servir, dos funcionários trágicos e dos matadores de porcos.  Um governante não deve ignorar os preceitos técnico-científicos relativos aos assuntos que governa, mas tem que, acima de tudo, respeitar o seu povo, a História e a Dignidade do seu país e o fim último da sua presença no mundo.

Comments

  1. Rui Silva says:

    E o que é governar
    “acima de tudo, respeitar o seu povo, a História e a Dignidade do seu país e o fim último da sua presença no mundo.” ?

    É governar com a melhor técnica !

    O propósito do post parece ser demonstrar que governar não é uma questão técnica.
    Deve ser qualquer coisa , assim para o obscuro , ao alcance apenas de uns iluminados que foram “talhados” para nos governar. Nós que nem sequer estamos à altura de perceber tão altos desígnios…
    Enfim.

    cps

    Rui Silva