Angola não é nossa

Em que circunstâncias deve um órgão de soberania da República Portuguesa pronunciar-se sobre decisões de órgãos de soberania de outros Estados?

Comments

  1. jose says:

    Chama-se liberdade.
    A AR representa o povo.


    • A AR representa o POVO PORTUGUÊS (embora raramente!).
      Estes protesto devem ser exercidos em instâncias internacionais, ONG existentes para o efeito e cidadãos independentes ou organizados em partidos politicos!

  2. A. Coelho says:

    Como seria se os povos estrangeiros não se tivessem pronunciado quando, em Portugal, se prendiam as pessoas por delito de opinião no tempo da outra senhora alegando que não se queriam imiscuir na “justiça” de um Estado Soberano?


  3. Em que circunstâncias? Direitos Humanos. Liberdade.

    Ou, vendo a coisa ao contrário, o facto de um órgão de soberania português não se pronunciar numa circunstância como a prisão de 17 jovens acusados de tentativa de golpe de Estado por se reunirem, sem armas (mas com um livro!), para falarem sobre o regime – mostra, isso sim, algo mais gravoso. Já tivemos, de resto, um MNE que pediu desculpa ao Governo Angolano pela nossa Justiça estar a investigar altos nomes da diplomacia angolana. É cómico mas a realidade fala por si, e de modo descarado.

    É que, de facto, Angola não é nossa; o nosso país é que se tornou um quintal da família Dos Santos.


  4. Nos órgãos presentes em sede das Nações Unidas.