A papelada do Panamá e a Pirataria global

O transporte marítimo é o pilar central do comércio internacional e um dos principais motores da globalização, movimentando cerca de 80% do comércio mundial e mais de 70% do seu valor. Toda esta mercadoria, que vai das bananas aos automóveis de luxo, é transportada e distribuída por mar pelos portos de todo o mundo, alimentando as economias e as “necessidades” de consumo das sociedades ditas desenvolvidas ou em desenvolvimento.

O Panamá é um país da América Central onde foi construído um dos canais marítimos artificiais mais movimentados do planeta, precisamente o Canal do Panamá, que liga o Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico, para facilitar o movimento da Marinha Mercante, evitando o longo desvio pelo Estreito de Magalhães.

Embora com uma área territorial inferior à de Portugal, o Panamá é a maior nação marítima da Terra, circunstância que se deve ao conceito de Estado Bandeira, mais concretamente à Bandeira de Conveniência.

Quem nunca ouviu falar de navios com “Pavilhão do Panamá”, ou seja, registados sob as leis do Estado panamiano, leis essas particularmente benéficas para os proprietários dos navios, quer do ponto de vista fiscal, quer do ponto de vista das normas que regem o Trabalho Marítimo, processo em tudo semelhante ao que acontece com as chamadas “off-shores”, procuradas por empresas e particulares com “planeamento fiscal agressivo” e que agora estão a ser objecto de atenção cirúrgica por parte de grupos “independentes” de jornalistas.

A verdade é que a Pirataria é uma das mais antigas e sofisticadas actividades desenvolvidas pelo Capitalismo, sendo nela que se funda o verdadeiro poder sobre o planeta, bem expresso, aliás, no movimento que pelo menos desde o tempo dos Descobrimentos toma o nome de Globalização e em resultado da qual todos podemos comprar “gadgets” vindos do outro lado do mundo, comer alimentos de nome impronunciável, conduzir viaturas com duas bufadeiras e, enfim, alimentar o modelo de sociedade humana que decidimos impor uns aos outros, baseado no consumo, no dinheiro e na corrupção. Pois a Pirataria é não só o esteio do Capitalismo, mas o pilar central da nossa civilização, tendo desde sempre nela residido o verdadeiro poder sobre as nações da Terra.

Papéis do Panamá? Se fossem higiénicos poderiam ser úteis. Sendo o que são não passam de uma breve escaramuça entre Piratas.

Comments

  1. Rui Silva says:

    A pirataria é uma actividade verdadeiramente condenada pelo Capitalismo. Não respeita um conceito sagrado do Capitalismo que é a propriedade privada.
    O autor confunde, no meu entender a pirataria com o contrabando, que são coisas totalmente diferentes.O corsário sim está de acordo com o capitalismo quando luta contra o pirata.

    cps

    Rui Silva

    • Helder says:

      Permita-me discordar.
      São piratas sim, porque retiram a propriedade privada de muitos, e “escondem” em cavernas “do Panamá” e outras idênticas como as Ilhas Virgens, etc.
      Para o artigo devo dizer que na minha opinião Capitalismo é só um nome que se deu a um sistema que serve de capa, de cobertura, para uns poucos fazerem o que quiserem, assim como se usou o termo Comunismo, de Karl Marx, para mascarar o que se fez na União Soviética, ou o que se faz hoje na China ou na Coreia do Norte. O objectivo é sempre o mesmo, poucos dominarem e explorarem muitos. Seja sob que nome for, incluindo usar religiões para o efeito.
      Só me espanta, como é que os “muitos” não se revoltam e esmagam os poucos.
      Quer dizer, olhando para o país em que vivo até percebo como… infelizmente…

  2. Rui Silva says:

    Caro Helder P.
    Se tiram a propriedade privada porque é que os que ficaram sem a propriedade não recorrem aos tribunais . É para isso que serve a justiça. Realmente não percebo o seu ponto.

    cumps

    Rui Silva

    • lolwordpress says:

      Caro Rui, o seu comentário “dá força” à minha ultima frase.

      E o meu desejo, é que o Rui, esteja bem de saúde, para conseguir ver o que a justiça que refere vai fazer a este caso.
      Depois disso voltaremos a esse assunto se desejar.

      É esse o meu desejo, o meu conselho é que tenha alguns acessórios confortáveis (sofá, cama, cadeiras) porque vai ter que esperar muito, mas muito tempo, tanto, que ambos não estaremos cá para ver o que a justiça que refere fará a este caso(s).


  3. Justiça ? qual justiça ;se tudo o que vemos são sempre os humildes e escravos que são condenados, e os orgulhosos e poderosos sempre ilibados, porque o dinheiro alimenta a corrupção e compra quase tudo !!!