O Jogo das Contas de Vidro

 

Este livro resultou na atribuição do Prémio Nobel da Literatura a Herman Hesse, em 1946. Abre com uma citação de Albertus Secundus, presumivelmente uma personagem criada pelo próprio Herman Hesse. E diz assim:

“…pois de certo modo é mais fácil e irresponsável à gente frívola descrever por meio de palavras as coisas não existentes do que as existentes, mas para o historiador piedoso e consciencioso é completamente diferente: nada se furta tanto à descrição por meio de palavras e nada é tão necessário pôr à frente dos olhos dos homens do que certas coisas cuja existência nem se pode provar nem demonstrar, mas que, justamente porque os homens piedosos e conscienciosos as tratam como existentes, dão mais um passo para o ser e a possibilidade de nascer.”

O livro de Herman Hesse, O Jogo das Contas de Vidro, editado em Portugal pela Dom Quixote, parece não ser fácil de encontrar. A citação feita acima foi retirada da 7ª edição, que já é de Outubro de 2008 e repousava num armazém.

Mas a leitura vale a pena.

Comments


  1. A cultura é uma coisa muito bonita e marca a diferença entre a “boçalidade” animal e o viver humanamente entre seres que o sabem SER , marcando a diferença entre aqueles que só cultivam o TER , e por isso mostram a sua verdadeira face nesta vida !!! O exemplo do candidato americano Donald Trump é o melhor exemplo que se pode mostrar de como este mundo está a ser governado e se pode tornar um grande pesadelo para toda a humanidade , se ele ganhar as eleições , pelo poder que os EUA têm , e representam neste mundo ; e pelo aspecto do estado civilazicional em que nos encontramos , não está livre de poder vir a acontecer !!!

Deixar uma resposta