Alguém viu passar dez mil milhões?


ar

As transferências de capital para paraísos fiscais, efectuadas entre 2011 e 2014, período em que até os dentes de ouro sairam do país, é coisa que talvez não se possa equiparar à facturação de um cabeleireiro de bairro, de um vendedor de pneus recauchutados ou ao volume total de IRS pago pelos operadores de call center a recibo verde.

Depois das várias versões do sucedido adiantadas pelo anterior Secretário de Estado que, compreensivelmente, tratando-se de operações financeiras de volume identificável a olho nu no PIB nacional, agiu sozinho, não reportando ao Ministro das Finanças, nem este ao Primeiro Ministro, nem este ao Presidente da República, nem este aos titulares das contas offshore, temos, finalmente, o tão esperado erro informático e complexas questões de Software a cujo cabal entendimento não poderá chegar-se sem uma exaustiva e independente auditoria. Em Março.

Será mesmo verdade que, ao longo de quatro infinitos anos, ninguém, no órgão de soberania com funções fiscalizadoras, deu pela falta dos 10 mil milhões?

Comments

  1. Rui Naldinho says:
    • Rui Naldinho says:

      É óbvio que Paulo Núncio assumirá sozinho as culpas da não publicação das estatísticas nos órgãos próprios. E mais culpas que hajam, borá lá, o rapaz albarda tudo nas suas costas.
      É perceptível que a haver irresponsabilidade e dolo para as finanças públicas, ele também acabará por assumir essa culpa, ainda que com desculpas esfarrapadas, hosanas e elogios fúnebres da sua bancada parlamentar.
      Qual a razão?
      É Simples.
      Núncio não volta mais à política. E quer seguir o seu caminho privado, “advogando causas nobres”, ou será que é mais as causas da nobreza atual, como a engenharia fiscal. Núncio regressará ao lugar de onde nunca devia ter saído. Continuar a surripar ao erário público o dinheiro possível que os seus clientes lá possam servobrigadis a deixar. Afinal é para isso que lhe pagam.
      Como Maria Luís Albuquerque e Pedro Passos Coelho ainda necessitam da política para sobreviver, serão poupados.

      • É a vida! says:

        O Coelho, é um analfaburro que não tem onde cair morto.
        Teremos que o aturar mais uns tempos….

  2. Rui Naldinho says:

    …lá possam ser obrigados a deixar…

  3. martinhopm says:

    Afinal tudo não passa(ou) de disfuncionalidade cognitiva temporária de 4 anos do Paulo Núncio. Ditosa Pátria…
    «O eixo MLGTS (Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados)/CDS-PP/Governo
    Há uma panóplia de interligações – no passado e no presente – entre a socieadde de advogados MLGTS e o CDS-PP. Adolfo Mesquita Nunes, António Lobo Xavier, Bernardo Lobo Xavier, Francisco Mendes da Silva e Nuno Peres Alves, tal como referimos ao longo deste capítulo (cap. IV de ‘Os Facilitadores, como a política e os negócios se entrecruzam nas sociedades de advogados’, de Gustavo Sampaio, 1ª. ed., Set 2014), ao que se acrescem outros exemplos, nomeadamente Assunção Cristas e Paulo Núncio.»

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s