A evidência científica

Dez longos meses de “evidência científica”.

Comments

  1. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Foram estes exemplos de boa “liberdade” que me fizeram perceber – era ainda um adolescente nos anos sessenta do século passado – que, do outro lado do Atlântico, a doutrina do “vale tudo” desde que seja para realizar mais valias, iria mudar o mundo, fazendo-o mergulhar na ambiência do “mal menor”, a que se associa a lei de matar com “legitimidade e liberdade”…
    E hoje, nada mudou, excepto que as aplicações passaram do cigarro ao míssil.
    Também é cilíndrico e também mata. Portanto, coerentes, eles são…
    São muitos anos de “evidência científica”, associados a muitos mais anos de experiência no ofício de carrasco (este sem aspas)

  2. Quem muito zurra pouco acerta says:
  3. Nome Obrigatório says:

  4. Não vejo nada de cientifico ai. Apenas uma forma de falácia da autoridade. Não publicaram esses testes nem a sua metodologia em lado nenhum. Limitaram-se a dizer “ai e tal. Nós até fizemos testes científicos”.
    Se tivessem anunciado que Einstein prefere Chesterfield, o valor cientifico e argumentativo da coisa seria igualzinho.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.