Algo não bate certo


No país que bate recordes no défice, cujo ministro das finanças é um Cristiano Ronaldo, que cai novamente do goto das agências de rating, que vê a taxa de desemprego “descer” para níveis nunca vistos, cujo PIB dispara como um míssil, que substitui o Banco público por carrinhas, há dezasseis pessoas que morrem na estrada, dentro do carro, atingidas por um incêndio, sem que autoridade alguma o tivesse prevenido.

Onde fica Pedrógão Grande? Será que, neste caso, a Protecção Civil também estava a operar a partir de Almada?

Comments

  1. Ferpin says:

    Texto inadequado. É muito cedo pata vir gozar.
    É preciso é ver explicado como foi isto possível.
    Não é preciso meter o PIB e o défice nisto.

  2. manuel says:

    É muito triste aproveitarem-se da desgraça alheia para fazerem politica.Quem escreveu isto so pode mesmo ser ignorante….Enfim,,,,,Tristeza de gente

  3. otto solano says:

    O negócio dos fogos, ou a „Indústria dos Incȇndios“ ,que como toda e qualquer empresa capitalista tem como única finalidade o lucro, não respeita nem tem qualquer interesse pela vida humana, nem pelos prejuízos ecológicos que as suas actividades possam causar.

  4. JgMenos says:

    Pôr os senhorios a fazer assistência social está na normalidade abrilesca.
    Mas pôr as matas abandonadas no domínio público, limpar matas e garantir meios de combate eficazes não dá votos nem é caso de demonstração de ‘sensibilidade social’.
    Veremos que enterrados e histriónicamente carpidos os mortos, teremos mais uma dose de proclamações seguidas de mais orçamento para as clientelas deixando o país para arder.

    • José Peralta says:

      Ó “menos”

      Como sempre a tua insensibilidade social de matacão que só vê “cifrões para clientelas”, faz-te bolsar tão doutorais e definitivas sentenças numa situação de tamanha tragédia ! Depois de uma trovoada seca (populares no local já se referiram a “um trovão seguido de um raio”) que provocou uma ignição súbita numa árvore (estou a ver na TV, no momento em que escrevo, um perito a dizer que isso já está provado) e com temperaturas superiores a 40º, o que tu “querias” era que, no preciso momento da ignição, estivesse um bombeiro com um extintor lá ao pè da àrvore.

    • Tony Blair says:

      És um verdadeiro energúmeno.
      Por acaso estás a falar de autarquias do PSD, tais como Castanheira de Pera, Ferreira do Zêzere, Figueiró dos Vinhos, Alvaiazere, entre outras, cujas câmaras têm ao nível do escalão mais próximo, a responsabilidade pela proteção civil dessas populações, e transmitir às entidades competentes, o primeiro cenário.
      Mas como não és só um bocado burro, és mesmo és mesmo um escroque completo, por acaso, os contratos de manutenção das estradas e autoestradas não foram assinados quase todos na anterior legislatura, por vários anos, com os famosos “cortes nas rendas” das concessionárias, que na prática limitaram-se a cortar na segurança e manutenção das vias e áreas circundantes, de que o teu ex primeiro ministro ainda há dias se gabava.
      Até parecia a Teresa May a falar de segurança, depois de ter cortado no orçamento britânico, o número de efectivos nas polícias inglesas.
      Aliás, o silêncio ensurdecedor do PSD nesta matéria, sempre pronto a entrar na blogosfera com os seus JgMenos de serviço, demonstra bem como têm o rabo preso.
      A desgraça, é sempre boa para tirares as luvas de boxe do armário e te pores a teclar no computador.
      Mas deixa lá. O mundo está cheio de gajos como tu, e o problema é que a esses nem o fogo lhes chega.

  5. Fernando Manuel Rodrigues says:

    Parece-me muito cedo para apontar o dedo seja a quem for. Há tragédias que acontecem, e pouco ou nada se consegue fazer para o evitar. Deixo aqui reproduzido um comentário de alguém que aparentemente estará mais bem informado:

    “Não falem do que não sabem, nem compreendem. Hoje estive a cerca de 20 km do incêndio, de onde via a densa coluna de fumo, e o avanço muito rápido do fogo. Vi começar 3 ou 4 focos de incêndio, à distância, provocados por raios, as chamadas “trovoadas secas”, vi e senti ventos muito fortes, e quentes, vi chover trovoadas muito fortes e ao mesmo tempo a temperatura manter-se acima dos 40 graus… Fui bombeiro voluntário durante 20 anos, conheço muito bem toda aquela zona, e sei bem as dificuldades que é combater um fogo ali…”

    Vamos aguardar até que se saiba EXACTAMENTE o que aconteceu e porquê.

  6. omaudafita says:

    A PJ, em perfeita articulação com a GNR, conseguiu determinar a origem do incêndio e tudo aponta muito claramente para que sejam causas naturais. Inclusivamente encontrámos a árvore que foi atingida por um raio”, disse Almeida Rodrigues.

  7. omaudafita says:

    Numa resposta imediata a um pedido de assistência das autoridades portuguesas, o Mecanismo de Proteção Civil da UE foi ativado para providenciar aviões de combate a incêndios”, disse o comissário, num comunicado.

  8. omaudafita says:

    O Presidente da República destacou a coragem e a “mobilização notável” a que assistiu este sábado em Pedrógão Grande no combate ao fogo que provocou 19 vítimas mortais e 20 feridos, 12 deles em estado grave.

  9. omaudafita says:

    Marcelo Rebelo de Sousa realçou o trabalho de “bombeiros, proteção civil, GNR, exército, segurança social e até os pequenos grandes feitos dos jovens escuteiros”.

  10. omaudafita says:

    Nesta declaração de apoio para uma “missão que vai continuar”, o Presidente salientou as dificuldades que os bombeiros enfrentaram devido à “temperatura, ao vento e à humidade nula. Um conjunto de fatores que tornaram a tarefa muito difícil”.

    Segundo frisou, e referindo as explicações que lhe foram prestadas sobre o trabalho desenvolvido desde o final da tarde, altura em que o incêndio ganhou maiores proporções, esta foi “uma situação ímpar, que não é habitual”. E deixou uma certeza: “Não era possível fazer mais.”

    “Há situações que são situações imprevisíveis e quando ocorrem não há capacidade de prevenção que possa ocorrer, a capacidade de resposta tem sido indómita”, considerou.

  11. omaudafita says:

    Curiosidade” e “inconsciência” explica algumas das mortes

    O secretário de Estado Jorge Gomes explicou esta manhã que, entre os mortos, “uns tiveram o azar de serem apanhados pelo fogo, outros morreram por inalação de fumo quando observavam o fogo“. Foram encontrados 30 mortos dentro de viaturas, 17 pessoas fora de viaturas ou nas margens da estrada nacional 236 (que liga ao IC8) e, ainda, 10 pessoas em zonas rurais, explicou Jorge Gomes.

    Esta descrição já tinha sido feita esta madrugada por Jaime Marta Soares, presidente da Liga dos Bombeiros, que falou na “curiosidade” e nalguma “inconsciência” como um dos fatores a explicar as mortes. “O fogo progrediu a uma velocidade diabólica, nunca vista, inimaginável”, afirmou o responsável já esta manhã, ouvido pela RTP, elogiando a “grande capacidade das forças no terreno, que rapidamente chegaram ao local e se organizaram, sentiram-se no limite das suas capacidades. Tudo fizeram, numa luta desigual contra a natureza zangada”.

  12. omaudafita says:

    Faz sentido falar em falta de meios? “A velocidade das chamas, não há velocidade possível de deslocação de meios comparável à velocidade das chamas. Para isso era preciso estarem 1000 ou 1500 homens a postos, no terreno, com 300 ou 400 viaturas, lá instalados. A organização foi rápida e foi a possível. O que podia ter sido feito, foi feito, não tenho a mínima dúvida”, afirmou Jaime Marta Soares.

  13. omaudafita says:

    Não quero que te falte informação nenhuma!

  14. omaudafita says:

    Mas sempre podemos contratar-te para apagar os fogos, visto que és muito rápido em tudo!

  15. Infelizmente esta é uma atitude muito típicamente portuguesa: Quando acontece alguma desgraça, critica-se o país, e as autoridades. “A culpa é do governo. A culpa é dos bombeiros. É o país que temos”…

    Gostaria de perguntar ao autor deste texto “revoltado” como é que as autoridades poderiam ter “prevenido” as consequências de um incêndio que alastrou tão rapidamente, devido a condições meteorológicas invulgares, numa zona de serra. Nem na Alemanha!! O que se passa consigo, homem?! Se é tão óbvio que você não tem jeito para formular opiniões com fundamento e profundidade, porque não deixa de escrever estas coisas? Senão qualquer dia ainda vão dizer “a culpa é dos bloggers, que são incompetentes e não abrem os olhos a ninguém”.

  16. Fernando Manuel Rodrigues says:

    Acontece que a maioria das pessoas que morreram na estrada, aparentemente, morreram porque as vias ficaram cortadas repentinamente pelo incêndio e pela queda de árvores que cortaram o caminho. Talvez se tivessem ficado, ao invés de terem tentado fugir, tivessem sobrevivido, Ou talvez não.

    No prédio que ardeu em Londres, as instruções de segurança diziam para as pessoas permenecerem dentro das habitações em caso de incêndio. Depois foi o que se viu.

    Aqui, ao que parece, houve uma alteração repentina das condições meteorológicas ao final da tarde de ontem. e depois tudo se precipitou. Poder-se-ia ter feito mais? Talvez, mas para já houve uma voz discordante apenas, de alguém que está a mais de 300 Km e não sabe exactamente o que se passou. Das pessoas que estiveram no terreno, para já só se ouviu dizer que tudo aponta para causas naturais e para uma conjugação de eventos que deu origem à tragédia.

    O homem é muito pequenino perante a força destruidora da Natureza, e não vale a pena apregoar falhas eventuais e pensar que tudo podemos. Quanto a Natureza ataca em força, pouco ou nada podemos fazer, e não há “Protecção Civil” (ou de qualquer outra ordem) que valha. Como disse o Marquês de Pombal: Há que enterrar os mortos e cuidar dos vivos.

  17. Lorear a pebide says:

    Pois naturalmente, tal como todo o resto é estrangeiro

  18. anti pafioso. says:

    Tanto comentário Pafioso ressabiado .invejoso ,a tentar limpar a quadrilha de malfeitores que tanta desgraça criou aos portugueses incluindo os que sofreram esta desgraça . Limpem a boca ,e tirem as palas .

  19. JgMenos says:

    O ajuntamento de cretinos à volta de uma desgraça que ninguém cuidou de prevenir é espantoso!!!!

    A pergunta é: qual o plano de contingência para uma área em que se admite não haver meios para acautelar todas as circunstância naturais?
    – A existir foi cumprido?
    – A não existir, quem é o filho da puta que tinha a responsabilidade e o fazer formular, de verificar que tinha sido feito, que tinha sido testado?

  20. JgMenos says:

    Para além dos cretinos, temos os lambe-cu-esquerdalho que só falta dizerem que o PaF é quem mandou vir a trovoada.

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s