O Benfica é um Estado dentro do Estado


A vergonhosa actuação do árbitro Jorge Sousa e seus colegas no último FC do Porto – Benfica, provavelmente uma das mais vergonhosas da história de 83 anos do Campeonato Nacional de Futebol, foi apenas mais um episódio da palhaçada em que se transformou a modalidade em Portugal.
Não sei se Jorge Sousa é corrupto ou incompetente. Ou melhor, sei que é incompetente – uma miséria de árbitro. Se é corrupto ou apenas manipulável pela forma como o Benfica põe e dispõe da classificação dos árbitros nos últimos anos, isso já não sei.
Numa actuação completamente branqueada pela Comunicação Social, conseguiu roubar 2 grandes penalidades flagrantes ao FC do Porto, daquelas que não oferecem dúvidas, sobretudo depois de vistas na televisão – e anular, também ao FC do Porto, um golo perfeitamente limpo em que todos os jogadores estavam a ser postos em jogo, mas muito, por um jogador do Benfica.
Curiosamente, quem levantou a bandeirola, Álvaro Mesquita, é de Vila Real. Como também é de Vila Real Nuno Cabral, o «menino-querido» do Benfica. Ou Gonçalo Martins, o 4.º árbitro deste jogo e o inenarrável árbitro do Benfica – Portimonense desta época. Ou Tiago Pinto, o dirigente do Benfica que pontapeou a bola no FC do Porto – Benfica para atrasar a reposição do jogo. Coincidências?
Não, não é coincidência. Álvaro Mesquita fez de propósito. Sabia que ia ser golo, sabia que nenhum jogador do FC do Porto estava em fora-de-jogo (só se fosse cego) e que uma revisão da jogada em sede de VAR (vídeo-árbitro) ditaria a sua legalidade, logo, enveredou pela única solução possível: inviabilizar a jogada e impossibilitar o visionamento pelo VAR. Caso contrário, se houvesse dúvidas (que não havia), deixava seguir e a televisão decidiria.
Não teria sido necessário ser tão radical. No VAR, estava Hugo Miguel, ali colocado pelo consciencioso Fontelas Gomes. E todos sabemos como Hugo Miguel decidiria. Decidiria como decidiu nas 2 grandes penalidades flagrantes não marcadas: a favor do Benfica.
Hugo Miguel, relembre-se, é o árbitro que, há pouco tempo, no Facebook, em alusão ao FC do Porto, disse que «gosto tanto de os ver provar do próprio veneno». É o árbitro que viu no recente Rio Ave – Benfica uma grande penalidade que mais ninguém viu quando o Benfica estava a perder, mas que, no mesmo jogo, não conseguiu ver uma selvática agressão do jogador Pizzi com o jogo parado. Uma agressão selvática mesmo à sua frente – ele estava a olhar!
Que a Comunicação Social tendenciosa e vendida queira equiparar isto tudo a um cartão amarelo não mostrado ao jogador Felipe por uma falta dura, enfim, é mais do mesmo.
Ao fim destas 2 semanas, em que o FC do Porto estaria com 8 pontos de avanço sobre o Benfica se não tivesse sido escandalosamente roubado através de 2 arbitragens incríveis, percebemos melhor as declarações de Luís Filipe Vieira na Assembleia-Geral do Benfica. «Não vamos abdicar da conquista do penta. É o que está pré-estabelecido». Ou aquela frase segundo a qual o Sporting este ano não vai ganhar nada – já se percebeu que esses vizinhos da 2.ª Circular serão as próximas vítimas logo que for preciso – e vai ser já em Janeiro.
Realmente, está tudo pré-estabelecido. Há muito. E está tudo pré-estabelecido porque, de uma forma ou de outra, está tudo comprado. De uma forma ou de outra e de uma ponta à outra.
Parabéns ao Benfica. É assim que gostam de ganhar? Que bom. Podem encomendar as faixas.


Governo

Todo o Governo está completamente controlado pelo Benfica. A começar pelo primeiro-ministro. Benfiquista. Um cobarde, que faz da traição o seu modo de vida e ao qual nada mais interessa a não ser o seu futuro político. São muitos votos! A ele, não lhe faz impressão estar sentado ao lado de um condenado por roubo e hoje um dos maiores devedores do país, com quase 500 milhões de euros subtraídos ao BES e que, como sempre, serão pagos pelos contribuintes de todos os clubes. 500 milhões de dívidas também não fazem aflição ao Ministro das Finanças, o mais recente serventuário do Eurogrupo, outro benfiquista, que preferirá roubá-los aos portugueses.
Mas porque eram necessários reforços, anteontem entrou em acção o Ministro da Educação, mais conhecido por se ter apropriado ilegalmente de 18 mil euros enquanto estudante bolseiro em 2001, com burlas e falsificação de presenças metidas no esquema. Que o futebol não pode ser um «reality show» e que é preciso acabar com este clima de ódio, diz ele.
Curioso que Tiago Brandão Rodrigues não se tenha preocupado quando, já durante o seu mandato, um adepto do Benfica assassinou um outro do Sporting passando-lhe por cima várias vezes, num acto premeditado que mais não foi do que uma emboscada cuidadosamente montada por uma das claques do Benfica. E o facto de essas claques andarem a espalhar o terror e a violência pelas cidades portuguesas, semana após semana, nos últimos meses, também não tem sido motivo de grande preocupação para o Ministro.
É possível que tenha andado distraído, preocupado a mentir aos professores e a mentir descaradamente aos portugueses quando tentou manter em funções o assessor Nuno Félix, acusado de falsa licenciatura e de outras manigâncias contra o ex-Secretário de Estado João Wengorovius Meneses.
Curiosamente, antes de ser este o escolhido, Tiago Brandão Rodrigues tinha tentado meter no Governo, como Secretário de Estado, José Fanha Vieira. E quem é este? Foi Vice-Presidente do IPDJ durante 3 anos e ainda há pouco esteve a defender o Benfica contra a interdição do Estádio da Luz, decidida pelo… IPDJ.
Mas o Benfica não ficou a perder com a troca. O actual titular, João Paulo Rebelo, só se preocupou com a violência no futebol quando o Canelas subiu de Divisão. Assassinatos de adeptos, para ele, são peaners, como dizia o outro. É por isso que, até hoje, não condenou uma única vez a violência das claques do Benfica. Porque tem medo. Está, como todos os outros, manietado.
A Assembleia da República faz o mesmo papel do Governo. Dezenas de deputados almoçaram recentemente com um criminoso condenado que deve 500 milhões ao BES. E elogiaram-no. E louvaram-no. Até, pasme-se, a deputada do PCP que não sabe o que foram os Gulag!
E alguns chegaram mesmo ao ponto de tentar, defendendo os interesses do Benfica, um Golpe de Estado constitucional no futebol português, propondo na Assembleia da República a retirada dos poderes que a Liga mantém na organização dos jogos. A proposta foi do deputado do PSD Álvaro Baptista e visava a esvaziar o poder da Liga.
É o caso também do IPDJ, presidido por Augusto Baganha. Apesar de ser um histórico do Sporting, tem medo do Benfica. Foi por isso que, apesar dos 80 autos levantados pela Polícia ao clube no espaço de um ano, nunca fez nada. Numa mise-en-scéne destinada a mascarar esse medo que o tolhe, interditou o Estádio da Luz por 3 dias. Ao fim de 3 dias, após a intervenção do tal José Fanha Vieira, levantou a interdição. Nunca o explicou cabalmente, porque não há explicação possível – basta ver o pouco à-vontade com que falou à televisão sobre este assunto. E é por isso que tem o descaramento de dizer, sem se demitir, que «as claques ilegais do Benfica não têm sido um problema para o IPDJ». São ilegais, reconhece que são ilegais, sabe que a lei exige a sua legalização, sabe que essas claques em concreto têm espalhado a violência, mas nada disso é problema para ele.
E para coadjuvá-lo no IPDJ, o inefável Vítor Pataco, Vice-Presidente do Instituto e antigo administrador da Benfica Multimédia, que andou com movimentações internas dentro do Instituto para meter definitivamente na gaveta as participações policiais contra o Benfica. O mesmo IPDJ que, em 2015, fez um Ajuste Directo ao Benfica para o estágio de 20 jovens vindos de Macau.
Por essa altura, a Câmara de Lisboa, presidida por António Costa, perdoava quase 2 milhões de euros em impostos ao Benfica. Antes, em 2002, Santana Lopes dera 65 milhões em terrenos ao Benfica. No mesmo ano em que Manuela Ferreira Leite, a rígida Ministra das Finanças, aceitara as acções da SAD como garantia das dívidas do clube. O Bloco Central dos interesses benfiquistas em todo o seu esplendor. Antes ainda, a RTP dera 600 mil euros ao Benfica para a compra de Paulo Futre.
Ao FC do Porto, enquanto isso, o Ministro das Finanças, Eduardo Catroga, penhorava a retrete do Estádio das Antas por dívidas e o Presidente da Câmara Municipal, Rui Rio, esse paladino da seriedade, travava uma guerra sem quartel contra o clube.
Dentro do Estado, ser adepto do Benfica é sinónimo de inimputabilidade. A instituição militar, com os seus rígidos códigos de conduta, arroga-se no direito de se vestir com t-shirts do Benfica para uma graçola qualquer. Porque até o Código Penal Militar deve ser subjugado aos interesses propagandísticos do Benfica. As crianças são doutrinadas desde cedo e, num jardim de infância público, terem de cantar diariamente «viva o Benfica» é encarado com naturalidade. Ridículos são os outros.
Em breve teremos, nas paredes das salas de aula, o retrato do «primeiro-ministro» de todos os benfiquistas, o querido líder Luís Filipe Vieira. «Lá vamos, cantando e rindo / Levados, levados, sim / Pela voz de som tremendo / Das tubas, clamor sem fim».

Justiça

Só para relembrar os mais distraídos, um pequeno resumo do caso dos emails.
O que é que está em causa?
Um Delegado da Liga de Clubes, Nuno Cabral, estar a trabalhar para o Benfica, fornecendo-lhe informações privadas, fazendo relatórios secretos sobre determinados árbitros e enviando-os directamente para o Director Jurídico, Paulo Gonçalves, e para o Presidente Luís Filipe Vieira. Dizendo que quer ser o «menino querido do Benfica». Como se um magistrado ou um funcionário judicial passasse informações privadas do processo a um réu.
Um antigo árbitro a trabalhar com um representante do Benfica e a elencar uma série de 8 padres de confiança do clube. «Vamos ter os padres que escolhemos e ordenámos, nas missas que celebramos, temos é de rezar e cantar bem».
Um Observador de Árbitros da Liga de Clubes, Júlio Loureiro, que deu a pior nota da temporada ao árbitro Marco Ferreira num jogo em que o Benfica perdeu e que levou à despromoção do árbitro, ser funcionário judicial e passar informações de um processo ao Benfica através de email ao Director Jurídico do clube («Agradeço discrição, pois isto nem é da minha secção»).
O responsável máximo pela classificação dos árbitros enviar uma factura para pagamento ao Director Jurídico do Benfica através de um email falso, Franck Vargas, cujo pagamento (esse e outros) era posteriormente feito, conforme a revista Sábado, de forma indirecta através de sociedades de advogados e outras empresas (os tais «circuitos do dinheiro» que tramaram José Sócrates).
O Presidente do Benfica dizer de um árbitro que lhe marcou uma grande penalidade, «Temos de dar-lhe cabo da nota», e através do tal Delegado que trabalhava para o Benfica, a nota ter descido efectivamente de 3,5 para 2 – algo que só acontece em caso de erro técnico de um árbitro.
Um árbitro, Marco Ferreira, descer de categoria e ir ao Estádio da Luz perguntar a Luís Filipe Vieira por que razão tinha descido.
Ou o Benfica ter em sua posse todas as SMS privadas do então Presidente da Liga de Clubes Fernando Gomes, hoje Presidente da FPF, dados da vida íntima de árbitros e ex-árbitros e até mesmo as amantes desses árbitros («200 euros o tempo que quiseres, se for a 3 é 400»). Com que objectivo?
Ou o Presidente do Benfica Luís Filipe Vieira pedir directamente ao Presidente da Liga de Clubes um determinado Delegado para um jogo. Ou mostrar-se zangado e o Presidente da Liga pedir-lhe para ter calma e dizer-lhe que sempre esteve do seu lado.
Ou um espião dentro do Sporting fornecer dados das contas do clube a Pedro Guerra, o tal que era e é funcionário do clube e director de conteúdos da BTV.
Ou um tal de César Boaventura, o homem dos maletines, cujo papel nisto tudo ainda é, por enquanto, desconhecido.
Ou um membro da Federação Portuguesa de Futebol enviar relatórios secretos a Pedro Guerra.
Ou o Presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, Luciano Gonçalves, pedir 50 bilhetes ao Benfica para um jogo.
Ou um juiz do Tribunal Arbitral do Desporto pedir bilhetes ao Benfica para um jogo. O mesmo juiz que decidiu a favor do Benfica a queixa do Sporting no caso dos «vouchers». A mesma instituição que tem como vice-presidente Ricardo Costa, que recebeu antecipadamente por email a defesa que o Benfica ia apresentar nesse mesmo caso. O tal, recorde-se, que castigou o jogador Hulk, do FC do Porto, por 6 meses, que decidiu o processo do Apito Dourado na Justiça Desportiva e que foi destruído em toda a linha pelas instâncias superiores.
Apenas um resumo muito breve e com o pouco que se sabe até ao momento. Um polvo inimaginável cuja extensão ainda mal conhecemos. À beira disto, as escutas do Apito Dourado (aquelas que nos deixaram conhecer até hoje e que foram colocadas no youtube por um agente da Justiça) não passaram de uma brincadeira de menin@s.
Mas para a Justiça, nada disto é grave. Para o juiz Jorge Marques Antunes, que boicotou deliberadamente as primeiras buscas ao Estádio da Luz, e quem sabe todo o processo, nada disto é grave. A verdade é que as buscas só avançaram muito mais tarde e dias depois de o Benfica anunciar que «podiam ir». Não será por acaso que, da última Comissão de Honra de Luís Filipe Vieira à Presidência do Benfica, fizeram parte 13 inspectores ou ex-inspectores da Polícia Judiciária. A mesma que tem a cargo esta investigação.
Alguém acredita numa Justiça que, anos atrás, reabriu uma investigação decidida por Maria José Morgado, com base num livro escrito pelo benfiquista Leonor Pinhão? Alguém acredita que a Justiça tem a coragem de se meter com o Benfica?

Federação Portuguesa de Futebol

Há alguns anos, o presidente do Benfica disse que não interessava ter bons jogadores, mas as pessoas certas nos lugares certos. Conseguiu o que queria. Nos últimos anos, Presidente da FPF, Presidente da Liga, Presidente do Conselho de Arbitragem, Presidente do Conselho de Classificadores de Árbitros, Chefe dos Delegados da Liga – todos trabalharam com um único objectivo: devolver ao Benfica a hegemonia perdida no futebol português.
Com maiores ou menores prebendas, com actos de corrupção, com trocas de favores ou com acções de chantagem. Sabemos pelo caso dos emails que o Benfica tem, como já escrevi atrás, todas as SMS pessoais de Fernando Gomes, actual Presidente da FPF, no momento em que ele era Presidente da Liga de Clubes. Sabe todos os pormenores da sua vida privada e, como se diz aqui pelo Porto, tem-no preso pelos tomates. Fez o mesmo relativamente aos hábitos sexuais dos árbitros – a tal edificante mensagem do «a 2, são 200 euros; a 3, são 400 – o tempo que quiseres». E o mesmo relativamente a ex-árbitros, como Jorge Coroado, que denunciara as práticas costumeiras do Benfica de pagar putas a árbitros (pensavam que era só o Porto?)
É por isso que não ouvimos até hoje Fernando Gomes abrir a boca relativamente ao caso dos emails. Nem relativamente ao facto de as suas SMS pessoais terem ido parar ao Benfica. Não é filho de boa gente, não se sentiu, não fez participação criminal, nada. Não se preocupou quando morreram adeptos assassinados, não se preocupou com a violência das claques ilegais, apenas se preocupou que o Benfica tenha sido denunciado por Francisco J. Marques. Aí, sim, criticou o clima que se vivia no futebol.
O esquema é gigantesco – uma teia complexa onde quase todos colaboram e onde todos os que colaboram têm algo a ganhar. Os que não colaboram são afastados. Como o tal árbitro Marco Ferreira, que desceu de categoria depois de apitar 2 jogos em que o Benfica perdeu. Ou o árbitro Rui Costa, que marcou uma grande penalidade contra o Benfica num jogo que já não contava para nada e, só para servir de exemplo, viu a sua nota descer drasticamente de 3,5 para 2 com a ajuda do menino-querido Nuno Cabral.
A partir daí, o irmão de Paulo Costa, membro do Conselho de Arbitragem, começou a colaborar: 6 jogos do Benfica, 6 vitórias, 17 golos marcados e 1 sofrido; 6 jogos do FC do Porto, uma única vitória para o FC do Porto, 4 empates, 1 derrota, 3 grandes penalidades nítidas não marcadas e um golo mal anulado. Com o apogeu a ser atingido na última grande penalidade escandalosa, não assinalada no último minuto do jogo de há 2 semanas contra um Desportivo das Aves treinado por Lito Vidigal.
Um treinador que, curiosamente, chegou às Aves na semana anterior ao jogo com o Benfica; que tem como treinador-adjunto o filho de Vítor Pereira, ex-presidente do Conselho de Arbitragem; que no jogo com o Benfica decidiu colocar quase todos os titulares no banco, embora tenha feito regressar muitos deles no jogo com o FC do Porto; que dava à sua equipa 2% de hipóteses de ganhar pontos ao Benfica mas que, relativamente ao jogo com o FC do Porto, «podemos vencer qualquer jogo».
Um Desportivo das Aves, relembre-se, que é um dos clubes de mão do Benfica no norte. Vários dirigentes benfiquistas fanáticos, 3 jogadores emprestados pelo Benfica, outros tantos com ligações ao clube e um caso que diz tudo, o do jogador Luquinha – emprestado pelo Vilafranquense ao Benfica (!?!?!?), nunca jogou. Mesmo assim, o Benfica comprou-o definitivamente ao Vilafranquense e vendeu-o ao Aves. O Aves emprestou-o ao… Vilafranquense.
O Aves é apenas um. Também há o Braga, cujo presidente nunca abre a boca quando é criticado pelo Benfica, mas ai se for contra outros clubes… É o caso do Belenenses, do Dragão de Ouro Rui Pedro Soares; do Tondela; e de tantos outros.
Um esquema gigantesco, dizia. Já não é um Octopus vulgaris, mas sim um Megaleledone setebos. Gigantesco mas, ao mesmo tempo, extremamente simples. Há recompensas para todos e, desde que elas não falhem, tudo corre na perfeição. A filiação clubística aqui não conta para nada, porque valores mais altos se levantam.
Vítor Pereira dava o mote com a nomeação dos árbitros, sempre favoráveis ao Benfica. Havia os preferidos, os tais 8 padres «celebrados pelo Benfica» e referidos na conversa entre Adão Mendes e Pedro Guerra: Jorge Ferreira (8 jogos, 8 vitórias); Nuno Almeida (19 jogos, 16 vitórias, 2 empates e 1 derrota, com 3 nomeações para o «jogo do título» e com uma última vergonhosa actuação no recente Aves -Benfica), Manuel Mota (11 jogos do Benfica, 11 vitórias), Vasco Santos (15 jogos do Benfica, 12 vitórias, 2 empates e 1 derrota), Rui Silva (3 jogos, 3 vitórias), Bruno Esteves (12 jogos, 12 vitórias), Hugo Pacheco (3 jogos, 3 vitórias) e Paulo Baptista (29 jogos, 21 vitórias, 4 empates e 4 derrotas, mas grande parte destes jogos numa altura em que o polvo ainda estava em formação. A partir daí, 6 vitórias em 7 jogos entre 2012 e 2015).
Depois, vinham os outros, como João Capela (17 jogos do Benfica, 16 vitórias e 1 empate, 46 golos marcados e 1 sofrido), o já referido Rui Costa depois de aprendida a lição, o inenarrável Bruno Paixão de que nem vale a pena falar, Carlos Xistra (o Guimarães – Benfica de há 2 anos foi um «must», com 3 grandes penalidades roubadas ao Guimarães) e, para além de muitos outros, os mais recentes Fábio Veríssimo (5 jogos, 5 vitórias), Luís Godinho (4 jogos, 4 vitórias – é o tal que expulsou Danilo por ele próprio ter ido contra o jogadoraqui, Tiago Martins (5 jogos, 5 vitórias), João Pinheiro (também ele fortemente envolvido no caso dos emails), etc. É a chamada geração dos árbitros proveta, criada artificialmente no tempo de Vítor Pereira. Vários deles transmutados em internacionais sem apitarem sequer na Liga maior do nosso futebol.
Depois da nomeação dos árbitros, entrava em cena Ferreira Nunes, o responsável máximo pela classificação de árbitros e que está hoje na Câmara de Coimbra através de jogos e promiscuidades. E o esquema voltava a ser simples: os árbitros que prejudicassem o Benfica sabiam que teriam uma má classificação naquele jogo, os árbitros que beneficiassem o Benfica e prejudicassem os seus concorrentes directos, FC do Porto e Sporting, teriam uma boa classificação.
As consequências seriam óbvias: mais jogos apitados, mais dinheiro ganho, melhor classificação no final da época. Estava implícito, todos o sabiam, na maior parte das vezes nem seria necessário intervir directamente.
Os próprios classificadores directos em cada jogo entravam no esquema. Eram promovidos ou afastados conforme a classificação atribuída a cada árbitro. Como Júlio Loureiro, o tal observador que deu a Marco Ferreira, por ter marcado uma grande penalidade contra o Benfica, a pior nota da época. Tudo ia rolando da forma «pré-estabelecida».
Assim, eram despromovidos os árbitros que não interessavam e eram promovidos os mais «prometedores». Daí Adão Mendes dizer que «vamos ter os padres que ordenámos».
Os tentáculos do Megaleledone setebos chegavam aos cursos de árbitros. Nuno Cabral, o delegado da Liga, informava o Benfica, via Paulo Gonçalves, dos árbitros que estavam a concorrer e quais deles eram do Benfica. Adão Mendes indicava a Paulo Gonçalves, Pedro Guerra e Luís Filipe Vieira quais eram os árbitros que deviam subir de categoria. «Força nisso e cuidado no teste escrito. Por esta ordem, estes são os melhores e nada pode falhar. Agora apague tudo».
Os árbitros eram e são os ponta-de-lança de toda esta estratégia. Muito condicionados, por saberem que estava e está em jogo a sua carreira, beneficiavam/beneficiam o Benfica e prejudicavam/prejudicam os seus adversários na maior parte dos jogos.
O exemplo mais claro, para além do de Rui Costa, é o de Jorge Sousa. Fez uma carreira normal até ao jogo Nacional – FC do Porto, em 2015, em que não marcou 2 grandes penalidades claras a favor do Nacional. A partir daí, tudo mudou. Pouco depois do jogo, teve de simular uma lesão durante largos meses para evitar a descida de categoria. Nas épocas seguintes, é o que se tem visto: 2 grandes penalidades roubadas ao Sporting no Benfica – Sporting da época passada e este último incrível FC do Porto – Benfica.
Se as coisas estão diferentes no último ano? Bem, estava tentado a dizer que há sinais, embora não muito perceptíveis. Vítor Pereira afastou-se, Nuno Cabral, Ferreira Nunes e Júlio Loureiro foram afastados, o árbitro Jorge Ferreira desceu de categoria, entre outros também ligados ao Benfica, e o árbitro João Capela só não desceu porque simulou uma lesão na época passada. No Benfiquistão puro e duro das épocas passadas, nada disto aconteceria. Afinal, não deixa de ser um sinal encorajador ver o presidente do Benfica a queixar-se do facto de Fábio Veríssimo, Manuel Mota e João Pinheiro não apitarem os jogos do Benfica . Naquilo que é uma coacção clara sobre o Conselho de Arbitragem, a que José Manuel Meirim, como de costume, não tem dado importância.
Mas depois vêm as arbitragens desta época e, afinal, o que parecia estar a mudar não mudou nada. E vêm as estranhas nomeações de Fontelas Gomes: Nuno Almeida no Aves – Benfica, Rui Costa e Bruno Esteves no Aves – FC do Porto, Hugo Miguel no VAR do FC do Porto – Benfica, Fábio Veríssimo 3 vezes como VAR do Benfica em 5 jogos – são só as mais recentes, mas as mais «compreensíveis».
E afinal, percebe-se que Fontelas Gomes tem uma missão não muito diferente daquela que foi executada por Vítor Pereira durante tantos anos.

Comunicação Social

Ao contrário de outros sectores da sociedade, a Comunicação Social não se esforça por esconder ao que vem.
Sou dos tempos do «Donos da Bola», o mais execrável programa de sempre da televisão portuguesa. Alguns continuam a andar por aí a emitir as suas opiniões, tão isentas e tão rigorosas como eram na altura.
O caso da TVI de José Eduardo Moniz, vice-presidente do Benfica, é paradigmático. Não tenta esconder a falta de isenção. E quanto mais, melhor. Ontem, num programa para debater o FC do Porto – Benfica, estavam no painel de comentadores, como «isentos», Diamantino Miranda, ex-jogador do Benfica, cuja parcialidade nem sequer é preciso provar; Rui Pedro Braz, ex-secretário técnico do futsal do Benfica, ex-comentador da BenficaTV, citado nos caso dos emails como um dos cartilheiros («O que eu quero mesmo é que o Benfica ganhe… o meu Benfica»), Luís Aguilar («é preciso um tipo ser muito doente para estar em casa, num fantástico dia de sol, a assistir ao treino do Benfica no relvado de Amsterdão. Mas não consigo largar isto. Estão ali os meus jogadores. Está ali o Benfica»; ou «Ontem à noite cheguei a casa feliz, mas contrariado. Queria ter dormido no Estádio da Luz. Queria ter ali ficado até as luzes se apagarem… com toda aquela gente a gritar pelo mesmo amor… Obrigado, Benfica). A TVI é a SIC dos tempos modernos.
Os outros canais de televisão são mais do mesmo. A SIC nunca conseguirá libertar-se dos «Donos da Bola». David Borges e Paulo Garcia continuam por lá em plano de destaque. A RTP/Desporto está nas mãos de Carlos Daniel, o benfiquista de Paredes, um dos tipos mais parciais da televisão portuguesa. Os sonsos, acreditem, são os piores. Não falarei no «Correio da Manhã» por motivos óbvios. O ponto comum, entre todos, é a forma como são escolhidos os temas e os comentadores dos diferentes painéis. E os «isentos» são sempre tão isentos!
Quanto à imprensa, basta falar no «Record», dirigido por Nuno Farinha (lol!) e em «A Bola», fundada por Ribeiro dos Reis. Um dirigente do Benfica que era em simultâneo, nos anos 30, o responsável pela nomeação dos árbitros para os jogos do Campeonato.
Basta estar atento à primeira página de cada um desses jornais a seguir a um jogo com polémicas. Quando o FC do Porto é beneficiado, é porque é. O Benfica nunca o é. Mas quando é prejudicado, é.
Fora as notícias do dia-a-dia, fora os escândalos e fora os comentadores escolhidos – entre um Miguel Sousa Tavares que passa metade do tempo a atacar o FC do Porto e um Eduardo Barroso que é saneado por criticar o Benfica. Ou como diariamente a memória do grande Cândido de Oliveira é atraiçoada por quem mais devia defendê-la.
A Comunicação Social em geral – fora as breves excepções – não passa de um enorme instrumento ao serviço do Benfica. Mas com uma noção total do que é a parcialidade, a inverdade e a mentira. Por tê-los como seres humanos, ou melhor, por tê-los como seres pensantes, não acredito que acreditem na sua imparcialidade.
Tal como os restantes agentes políticos e desportivos, também a Comunicação Social se rege por um factor: o dinheiro. Neste caso, as audiências. O número de leitores. Os propalados 6 milhões. Embora, no caso da Comunicação Social, o clubismo prevaleça a um nível muito maior do que nos restantes sectores de actividade.

Este post não passa de um conjunto de breves apontamentos, en passant, sobre o que é hoje o futebol em Portugal e sobre o que é o Benfica na sociedade portuguesa. Muito mais haveria para dizer.
No fundo, o Benfica continua a ser hoje um Estado dentro do Estado, como tem sido ao longo dos últimos 82 anos, à excepção da década de 1990 (do FC do Porto) e de uma ou outra migalha que o Sporting foi debicando pelo caminho.
Por ter alegadamente 6 milhões de adeptos, tem na mão o poder político, o poder judicial, o poder mediático. Dispõe do país a seu bel-prazer e o país recompensa-o com um poder ilimitado. Onde nada acontece. Onde o Governo protege. Onde a Justiça ignora. Onde a Comunicação Social defende.
Portugal é a guarda pretoriana do Benfica.
Por isso, os benfiquistas sabem que nada lhes acontece. Que nada lhes vai acontecer. E sabem que, nos finais de Maio, estarão no Marquês a comemorar mais uma vitória. A tal que já está «pré-estabelecida». A sociedade portuguesa terá cumprido o seu papel e tudo estará bem. Num Estado que não é de Direito. Num Estado totalitário. «A Bem do Benfica. Tudo pelo Benfica. Nada contra o Benfica».

Nota: Há momentos em que um adepto quer ser isento e imparcial e simplesmente não consegue. Todas as pessoas têm o seu limite, eu atingi o meu.

Comments

  1. Sociedade protectora dos burros anónimos says:

    Outro, mas pálas

  2. Vítor Luís Albuquerque says:

    vives num mundo àparte, mundinho de narrativas de e para DOENTES como tu.

    chorrilho de asneiras muito selectivas. fanático, ricardinho, és um fanático, deves babar-te todo com as realidades alternativas do mister do café, do artista do dia, do xico marques.

    no porto – benfica, não viste o vermelho perdoado ao filipe logo ao minuto 12. não viste os amarelos perdoados a sérgio oliveira por duas vezes, alex telles por duas vezes, aboubakar, ricardo e de novo filipe.

    não viste como a psp ignorou a invasão de campo no seu relatório.

    não viste como o tribunal de guimarães deu um jeitinho para se absolver pinto da costa no caso fénix sem poder haver recurso.

    não viste como o mesmo tribunal arranjou maneira de se adiar outra vez o julgamento do policia que agrediu gratuita e barbaramente um adepto do benfica ha 2 anos.

    não viste nem ves os casos que sao comuns AOS TRÊS GRANDES que mostram que o futebol no seu todo é que vive àparte do estado de direito. não o Benfica em particular.

    depois dizes – “mas eu sou do sporting, não do porto”. neste momento, a fronteira é muito ténue. e para doentes como tu, o porto pode fazer o que quiser, e o sporting perder sempre desde que o Benfica não ganhe.

    lastimo que o aventar se preste a publicar tão delirante monte de merda.

    • Custa muito ver as verdades chapadas não é? Nojo é o que sinto por toda esta podridão, e pelos intelectualmente porcos como este Vítor. E não sou só eu. Quando houver sangue não sentirei pena.

      • Temospena says:

        Acredito que não sintas pena, devias era sentir vergonha dos posts do líder da tua claque, esse bandido Madureira… vai ver o que ele publicou sobre o árbitro selvaticamente agredido na Argentina.

        • joão lopes says:

          o SLB não joga nada,rigorosamente nada,e isto tanto é verdade que na europa com arbitragens isentas fez zero pontos.Mas em Portugal existe o nacional benfequismo,ou seja…a ditadura.ponto final paragrafo…

  3. Vítor Luís Albuquerque says:

    a quantidade de mentiras então, é fabulosa. passa uma esponja sobre a perseguição do estado novo ao Benfica que durou 36 anos, até ao primeiro título europeu, pelo seu apoio a porto, sporting e belenenses nesse mesmo tempo, sempre dirigidos por altas figuras do regime ao contrário do Benfica.

    que grande carneiro filho da puta e acéfalo me saíste, ricardinho.

    • Malcriado, reles e a falar de uma perseguição de … quando? há 70 anos? É assim que se mostra a dignidade deste antro de corruptos, que gostam é de ganhar de qualquer forma.

  4. Matilde says:

    Subscrevo inteiramente.
    Só acrescentaria que o Benfica mais parece o Estado Novo dentro de uma República.

    É lamentável que, ano após ano, o Benfica continue a ser protegido por todos os meios… E não se olham a meios para atingir os fins…

    Os restantes clubes só têm uma alternativa: ter a coragem de recusar jogar contra o Benfica e deixá-los a jogar sozinhos, como forma de não participar neste ardil…

    Quando é que esta VERGONHA acaba?

    • Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

      Isto atinge um nível demasiadamente baixo.
      Pessoalmente não discuto a arbitragem do Porto Benfica com pessoas que não emitiram nenhuma opinião sobre a vergonha do Porto Portimonense ou do Porto Belenenses.
      Estou farto de “virgens ofendidas” que atacam baixo e rasteiro que não estão preocupados com a verdade desportiva, mas só aparecem quando o seu clube empata ou perde.. A verdade desportiva para esta gentinha é o clube ganhar de qualquer forma.
      NOTA: Tenho coisas escritas sobre o Porto Benfica, como tenho sobre o Porto Portimonense ou do Porto Belenenses. Mas só as discuto com gente intelectualmente honesta, o que não é manifestamente o caso nos comentários que por aqui vou lendo e que dizem bem o actual estado do desporto e mesmo, da condição educacional e intelectual das pessoas.
      Os depoimentos das “virgens ofendidas são vergonhosos” pela forma, pelo conteúdo mas sobretudo pela falta de isenção. Manifestamente só discutem o que lhes dá jeito.

  5. Vítor Luís Albuquerque says:

    matilde, faça mééééé mais alto que o saraiva e o marques assim não a ouvem.

    estado novo? aquele que perseguiu o Benfica durante 36 anos? que deu utilidade publica ao porto assim que chegou ao poder? em que porto e sporting foram sempre dirigidos por altas figuras do regime, ao contrario do benfica?

    leia um pouco.

    • Tiago Castro says:

      És um otário de merda, que vem para aqui insultar os outros. Mas achas que comemos palha, ó burro boifiquista? Ainda achas que foste prejudicado no Porto – merdafica? A maior escandaleira já vista? O estado novo tanto perseguiu q o benfica nessa altura era o campeão crónico, onde o eusébio não podia sair do benfica a mando do salazar. deves andar a tomar alguma coisa da porta 18.

      • Vítor Luís Albuquerque says:

        da porta 18 ou da que vendem a juve leo e os super dragões?

        não disse que fui prejudicado. mas que o felipe era expulso, era. e os outros amarelos eram para mostrar, eram.

        cuidado com esses milhares de litros de azeite.

        vai ler. o estado novo não começou em 1962, mas em 1926. e durante 36 anos perseguiu o Benfica, imbecil.

  6. Vítor Luís Albuquerque says:

    eduardo barroso nao foi saneado por criticar o benfica. foi por tentar agredir pedro guerra.

    falas das capas de a bola? entao fala das capas de o jogo.

    falas dos comentadores benfiquistas? entao o miguel guedes, manuel serrao, bernardinho barros, luis freitas lobo, oliveira e costa, ze guilherme aguiar, rui malheiros, enfim… toda uma lista.

    coacçao sobre o conselho de arbitragem? entao e as ameaças dos superdragoes o ano passado na maia, nao foram coaccao? e as ameaças de morte feitas por madureira neste sabado? e o bruno de carvalho a gabar-se aos jornalistas de ter escolhido o presidente da liga e o presidente do conselho de arbitragem?

    falas de penalties por marcar em classicos? entao fala dos 3 penalties que soares dias (que foi ameaçado pelos superdragoes na maia) deixou por marcar a favor do benfica no sporting-benfica do ano passado, decisivo para um titulo pelo qual o porto lutava taco a taco.

    falas das classificações de arbitros? primeiro limpa isso das distorçoes do marques, que alteram completamente o que esta nos mails e depois fala-me do luis gonçalves que ameaçou o tiago antunes de descida e ele desceu mesmo.

    falas do arbitro joao pinheiro? aquele que o ano passado roubou o Benfica em setubal, poupando uma expulsao ao setubal no inicio da segunda parte ao nuno pinto, e no final deixou por marcar um penalty evidente a favor do benfica?

    falas de estatisticas avulsas acerca de arbitros e % de vitorias do Benfica? curioso como esqueces alguns.

    carlos xistra? 3 penalties roubados ao guimaraes? fabuloso como passas de 2 para 3 – porque te apetece – e esqueces que o primeiro erro grave foi a expulsao perdoada a octavio por agredir jonas e mais tarde outra expulsao perdoada a bruno gaspar por acumulacao de amarelos. conveniente, esta visao parcial da realidade.

    falas do luciano gonçalves? esta é espectacular. pediu bilhetes – coisa normalissima que porto e sporting tambem oferecem. e esqueces e de referir a parte do email em que o jurista do benfica mostra medo do luciano gonçaves e diz que nao confia nele. entao afinal nao manda nele? dá muito jeito retirar frases do contexto e fingir que outras frases não estão lá, não é?

    enfim – é um post típico dos carneiros do marques e saraiva, acéfalos, acríticos, e que vivem num mundo de doentes que não gostam de futebol – preferem ver programas de polemizacao e guerrilha porca como a deste post do ricardinho.

    • Carneiro e acéfalo aqui parece-me seres tu… enfim coitadito. Olha, fala dos mails!

      • Temospena says:

        Cala-te pá, és um triste!!!

      • Urgel Horta Góis Mota says:

        falo. tudo somado… é zero, caro carneiro que acredita nas manipulações do xico marques mesmo quando ele mostra prints dos mails que não são compativeis com as teorias delirantes que ele propaga.

    • Duarte Reis says:

      Vitor, limpa a face do lado direito. Tens um bocado de merda na cara, não se deve cagar para o ar, que a merda cai sempre em cima mais cedo ou mais tarde.

  7. Matilde says:

    Oh Vítor você deve ser um daqueles “chefes de família” tipicamente benfiquistas! E não me vou dar sequer ao trabalho de explicar o que isso significa, “leia um pouco” sobre isso e retire as suas ilações (se for capaz…)…

    Já não há paciência para tanta cegueira!

  8. Vítor Luís Albuquerque says:

    leia você, matilde.

    os chefes de família nessa acepção não têm clube. são de todas as cores.

    a única cegueira é sua, que só vê erros a favor do benfica e contra os outros.

    eu consigo ver o golo mal anulado na sexta e o penalty do luisão. mas você não consegue ver o vermelho perdoado ao felipe antes disso.

    • Se a falta do Felipe é vermelho, a defesa do SLm estava toda suspensa por 20 jogos… só neste mesmo jogo quantas foram? Vá nanar ó aldrabão.

      • Temospena says:

        Ai, que carneiro tão grande!!! Você dava para alimentar o Sudão do Sul durante um ano ou mais!!!

      • baluarte da verdade says:

        octavio, deixe o azeite em casa e nao invente. o luisao? lol. o felipe AGREDIU O JONAS.

        • Ah coitadinho do Jonas. Deve ter ficado com o equilíbrio ainda mais danificado, um dia ainda se magoa a cair. Pois é ó Baluarte, mas olhe, que tem isso a ver? O que está aqui em causa não é conversa de bola e de faltas e de jogadores.
          O que se trata aqui é de corrupção da grossa e eventualmente de crime organizado. Sistema que por acaso se organizou à volta do seu clube. E é por isso que estamos no aventar, e não no Correio da Manhã ou no Record. Lamento.

    • Paulo Marques says:

      Viu dois amarelos perdoados ao Felipe, mas não viu dois perdoados ao Luisão? Engraçado.

      • Urgel Horta Góis Mota says:

        as alucinações do paulinho dourADO. o felipe era vermelho directo. amarelos eram 2 ao oliveira, 2 ao telles, 1 ao ricardo e 1 ao aboubakar.

  9. Urgel Horta Góis Mota says:

    RIP Aventar. Post de merda.

  10. Urgel Horta Góis Mota says:

    RIP Aventar. Post de merda..

  11. Urgel Horta Góis Mota says:

    RIP Aventar. Post de merda…

  12. Urgel Horta Góis Mota says:

    RIP Aventar. Post de merda…….

  13. Urgel Horta Góis Mota says:

    RIP Aventar. Post de merda.n

  14. Urgel Horta Góis Mota says:

    RIP Aventar. Post de merda.´

  15. Urgel Horta Góis Mota says:

    RIP Aventar. Post de merda.«

  16. Ricardo,
    Parabéns pelo excelente resumo (sim, resumo!).
    Eu acrescentaria as disparidades estatísticas nas faltas, cartões, resultados na europa (a que seria bom juntar ospercursos disciplinares e desportivos dos jogadores após saída do clube, mas torna-se difícil ir a todas…) – os números deixam claro o universo paralelo em que vive esta organização.
    Acabará por chegar o momento-Itália (Grécia, Roménia, Bulgária…), em que a UEFA actue e a Liga portuguesa se afunde perante o resto do mundo. Os que cá estão já sabem do que a casa gasta; entretanto, os benfiquistas – que já agora e de passagem, são em bem menor número que o número apregoado, outra invenção repetida até ser verdade – andam contentes.

  17. Matilde says:

    O Vítor é um caso perdido, é daqueles que mesmo perante todas as evidências é incapaz reconhecer o óbvio… A isso chama-se fanatismo clubístico, mas olhe a maior parte dos benfiquistas que conheço sofre do mesmo mal… (Felizmente também há honrosas excepções!).

    Não há nada a fazer, é deixá-los a falar sozinhos, a bem da sanidade mental.
    E, já agora, “méééé” fazem vocês num discurso alienado e enviezado (mas foque-se sobretudo no alienado)…

  18. baluarte da verdade says:

    octávio, eu acrescentaria as disparidades estatísticas… que você anda a inventar. resultados na europa? durante o tetra do Benfica, quais foram os resultados na europa de porto e sporting? foram superiores aos do Benfica? não. em nada, só mesmo este ano. oops, octávio.

    percursos após a saída do clube? fala do bruno alves e sua decadência? di maria, david luiz, ederson, entre tantos outros, nao confirmam esse diagnotisco parcial e desinformado.

    mais estatísticas? vamos a isso. durante o tetra, qual o saldo de penalties (a favor, subtraindo os contra) dos 3 grandes?
    SCP +26, FCP +24, SLB +20. O Benfica teve o saldo menos favorável dos 3 grandes de longe!

    não chega? durante o tetra, qual o saldo de minutos em superioridade numérica dos 3 grandes? (de novo subtraindo inferioridade numérica à superioridade numérica).
    FCP +234 minutos; SCP +233; SLB + 168 minutos! Novamente o Benfica com o saldo mais desfavorável, DE LONGE, dos 3 grandes.

    pois é. as teorias da treta do post do aventar não resistem a um fact check muito simples.

    E vamos a outro – fala do Jorge Sousa, o post. o árbitro com o qual o Benfica perde maior percentagem de pontos em portugal nos ultimos 10 anos. E este ano?

    Em chaves na jornada 2, jorge sousa deixou por assinalar dois penalties a favor do Benfica. Por acaso o benfica ganhou nos descontos, senão eram dois pontos a voar com jorge sousa… e sem o VAR actuar.

    depois, nos barreiros, jorge sousa deixou por assinalar mais dois penalties (rasteira a cervi e mao de um defesa). e foram dois pontos a voar com jorge sousa.

    veja-se como o post é cada vez mais desmascarado na sua falácia.

    octávio e ricardo, os números REAIS mostram o universo paralelo em que vocês e os restantes fanáticos da blogaria e dos programas de comentadeiros vivem.

    • Quais números reais? Os que encontra na Bola? É que eu já vi por aí esses números que diz (minutos, penalties) e que incrivelmente (ou talvez não) são falseados. Aliás, basta ter acompanhados os campeonatos e as arbitragens para saber do que falamos. É aí que a grande máquina de lavagem da verdade actua, e pelo seu post se vê a sua importância.
      É que os casos – o VAR que avaria, os fora de jogo esquisitos ou malucos, os penalties de piscina (aliás, um tipo de jogo que parece desenvolvido em laboratório no SLm), a verdadeira máquina de pancadaria permitida à defesa/meio campo (sem cartões, nem sequer amarelos!) – repetem-se e vão ganhando em descaramento. Esse descaramento que a organização patenteia e gosta até de ostentar, como por exemplo no tema das claques.
      Depois não gostam de ler estas coisas… sejam decentes.

      • baluarte da verdade says:

        lamento, mas nao sao falseados. estes numeros sao os que constam dos boletins de jogo da liga e compilei-os eu ao longo desses quatro anos. seja decente voce. se quiser de-se ao trabalho e verifique voce mesmo!

        quem tem o cerebro lavado e voce, pelo propagandista marques. confirme. va ao site da liga sacar as fichas de jogo. ou entao va ao jornal o jogo se confia mais nele. vera que mais minuto menos minuto o saldo e esse. nao contabilizei descontos de tempo, mas isso nao alterara em quase nada o resultado final.

        depois de fazer isso venha desculpar-se. e conclua que a lavagem afinal e vossa. verde e azul.

    • Paulo Marques says:

      0 pontos é o único número que é preciso recordar. Toda a gente viu na sexta que vocês não sabem o que é uma bola e porque vão ser a única equipa portuguesa com um grande 0 na testa.

      • baluarte da verdade says:

        portanto o que o paulo marques esta a dizer, repetindo acefalamente a parvoice do seu presidente, e que o poto de vitor pereira em 2012 e 2013 e o de adriaanse em 2006 so foram campeoes graças aos arbitros. o argumento é o mesmo, nesses 3 anos o porto teve mas campanhas europeias…

        • Paulo Marques says:

          Más campanhas não são 0 pontos. E nem sabia que o presidente que tanto mete ao bolso da família disse alguma coisa, já não há paciência.

    • Carlos says:

      Essa estatística de penaltis e minutos em superioridade numérica é interessante de analisar em função do momento do campeonato em que aconteceram. Por exemplo, os 2 penaltis favor do Porto (vs. Paços) já com o campeão 16/17 encontrado. Por contraponto em véspera do encontro com a agremiação o Porto é prejudicado frente ao Setúbal (Couceiro admite um penálti no FC Porto-V. Setúbal ) à semelhança do que sucedeu esta época nas Aves em vésperas de defrontar a mesma agremiação. Que importa jogar em superioridade númerica ou beneficiar de grandes penalidades depois do campeonato estar atribuído.

      • baluarte da verdade says:

        lol. a altura do campeonato… a estatistica e um saldo. inclui tudo. nao venha com rebuscadissimas teorias da conspiracao. em alvalade soares dias roubou 3 penaltis ao benfica num jogo decisivo quase no fim da epoca.

        • Carlos says:

          são factos que anulam as estatísticas lampiónicas

          • baluarte da verdade says:

            nao, nao sao factos – sao invencoes suas porque facilmente eu tambem posso construir uma narrativa com o mesmo argumento da altura do ano: o porto quando alcancou em janeiro o benfica tambem deu jeito o luis ferreira validar dois golos ilegais ao boavista na luz e depois em setubal perdoarem a expulsao ao nuno pinto logo no inicio da segunda parte e roubarem um penalty ao benfica, cometido sobre o carrillo nos descontos.

            quanto as estatisticas nao sao lampionicas – sao obtidas no site da liga. se preferir pesquise no jornal o jogo. e muito menos sao anuladas, porque sao verdadeiras.

            e se quiser falar em penalties a favor durante o tetra o sporting teve 42, o porto 34 e o benfica 29…

    • Temospena says:

      Não adianta Baluarte, não se esfalfe a tentar explicar o que quer que seja a este pessoal, esta malta só é burra e carneira, porque quer, porque não conseguem ver um palmo adiante do seu próprio nariz. É de espantar como é que ainda existe gentinha com mentalidade paleolítica em pleno século 21!!!

  19. E pronto ! Este comentario e a prova de que o porto nao consegue ganhar sem penaltis, tem 90 minutos para jogar mas com a grande incompetencia que os jogadores e treinador tem, e imperativo penaltis para o porto avancar no campionato e fica demonstrado a importancia do melhor clube pois nao se fala em futebol sem falar do glorioso

    • Paulo Marques says:

      Olhe, a senhora corra 90 minutos enquanto leva nas pernas. Não chega à meta? Não vale nada!

      • baluarte da verdade says:

        quem levou nas pernas desde o apito inicial foi o benfica. felipe expulso aos 12, amarelo perdoado duas vezes ao sergio e outras duas ao telles, uma vez ao ricardo e uma ao aboubakar. e outro amarelo perdoado ao felipe que ja devia estar na rua. o benfica viu amarelo em todos os lances disso merecedores. va ver os lances.

  20. A força deste texto fica bem evidente perante a ausência de argumentos dos ofendidos, que mais não conseguiram que insultar o Ricardo e “contra-argumentar” com temas que nada têm que ver com o deste texto. Brilhante, Ricardo!

    • Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

      Eu contra argumentei sem insultar e não fica bem misturar couves com cenouras…
      Perguntei apenas onde estavam os justiceiros aquando do Porto Belenenses ou do Porto Portimonense? E já li tudo o que o Aventar publica sobre bola, para ver se os “justiceiros” terão recordado essas arbitragens.
      Não vi nada, porque naturalmente os “Justiceiros” estariam nalgum painel a discutir a “sua” verdade desportiva.
      O texto que refere, não tem força, mas uma fortíssima inclinação.
      É dirigida, mistura tudo como dá jeito e só demonstra um ódio e uma intolerância perfeitamente irracionais.

    • baluarte da verdade says:

      pontos nevrálgicos? distorção, falácia, mentira, extrapolação, truncagem… pena que o joao mendes elogie este comportamento a la observador.

      brilhante chorrilho de merda. os insultos so mostram é o nivel inenarravel do post. sao adequados.

  21. Matilde says:

    Concordo consigo João Mendes: o texto do Ricardo toca em muitos pontos nevrálgicos e isso é que lhes “dói”…

    Houvesse mais “Ricardos” e talvez (só muito talvez) alguma coisa mudaria…

    • Temospena says:

      ora aqui está a santa aliança a exibir-se!
      Quando o campeonato acabar e se porventura algum dos vossos clubes ganhar, vão fazer o quê? Rachar o caneco e pôr metade em cada lado??? LOL

  22. Matilde says:

    Pequena provocação: os resultados (sendo eufemista, fracotes como há muito não se via…) que o Benfica obteve este ano nas competições europeias terão alguma coisa a ver com o facto de a arbitragem estrangeira não ser permeável às pressões dos respectivos dirigentes, amigos e simpatizantes?

    • Temospena says:

      LOL… que patetice de argumento!!! Por favor minha senhora, não diga mais nada. Vá até ao shopping mais próximo, e faça compras, ajuda muito a curar a azia.

  23. António Ferreira says:

    Tudo verdade e só possível num estado retrogrado e sem lei como o que vivemos o benfiquistão, terra de acéfalos!
    Parabéns pela coragem e pela lucidez.

    • Temospena says:

      Ó António, esse comentário é digno de uma alforreca.
      Se tivesse havido intervenção do Estado aqui há uns anos, o Foculporco, tinha descido de divisão.

      • Paulo Marques says:

        Intervenção do estado houve qb a repetir um julgamento sem provas nenhumas. Já quando o 0lb não pagou as contas e devia descer de divisão… foi ao contrário.

  24. …..hoje retiro-me deste tipo de discussões tugas no Aventar.
    FUTEBOL politiqueiro longe de ser desporto saudável é cisma fundamentalista medíocre na maior parte do povão tão bem informado sobre este tema e causos em desfavor de tantos tão mais sérios. que discute clubismos e insultos sem nível, de acordo com o baixo nível da mentalidade cultural da maioria . …porque não vão para tasca da esquina vozear assim uns com os outros e nos deixam espaço para reflectirmos s/ problemas bem sérios que nos afectam e afectarão para sempre ?? desculpem lá, companheiros do Aventar, esta a minha opinião, em que sem querer acabei por “entrar também no jogo”

    • baluarte da verdade says:

      ora aí está.

    • Paulo Marques says:

      Tudo bem, ignore os casos e leia a parte das ligações políticas, do estado de violência e dos custos ao estado.

    • O que a Isabela não está a ver – e é compreensível, porque exige estar mais por dentro do tema – é que o caso encerra em sim muito mais que futebol. A bola é para entreter; mas a forma como um grupo de poder consegue controlar os media, distorcer as realidades, e comprar silêncios é um assunto que toca bem fundo no cronyism nacional.

  25. Eu não vejo televisão mas estão a de um árbitro que, num duelo entre um clube de Lisboa e o outro é do Porto é …..do Porto e foi da claque dos Superdragões? Realmente concordo, é um ultraje. Imagino só o que seria o próximo Portugal – Espanha do mundial com um árbitro espanhol!

    Mas é verdade, foi uma roubalheira, pois aos doze minutos minutos o Filipe Vale-Tudo deveria ter sido expulso e o FC Porto ficaria o resto do jogo a jogar com dez jogadores.

    E falaram aí do Hugo Miguel? É aquele que deu o último campeonato ao Porto em Paços de Ferreira,quando o James se atirou para o chão a dois metros da grande área e o senhor árbitro expulsa o defesa do Paços e marca penalty a favor do FC Porto?

    Mas não vou falar de árbitros. Sempre ouvi o presidente do FC Porto dizer que “quem fala de arbitragem é burro”. E depois agora temos video-árbitro que acabou com todos os erros graves!

  26. Matilde says:

    Sr. Temospena:

    Se é assim que afirma a sua virilidade e o seu argumentário, lamento dizer-lhe mas deve de os ter muito pequeninos… Trate-se, mas depressa, que esses complexos tendem a tolher o pensamento e o raciocínio, se é que ainda os tem…

    O machismo bacoco e a misoginia estão bem patentes nos seus deploráveis comentários. Mas também compreendo que quando não se tem argumentos válidos e objectivos normalmente resta a estupidez e o insulto…

    Diga lá, as suas relações com as mulheres não devem estar a correr nada bem, talvez nenhuma esteja para o aturar… e olhe, acho que fazem muito bem, você deve ser uma pura perda de tempo… Temos pena!

  27. Matilde says:

    As mulheres desprezam-no, não é Temospena? Porque será?…
    Olhe, vire-se para os homens, pode ser que haja por aí algum desesperado…nunca se sabe…

  28. Matilde says:

    E, já agora, vá festejar a pior participação de sempre das equipas portuguesas nas competições europeias e faça um brinde por mim ao seu Benfica!

  29. ……nunca se viu tão grande número de comentários no Aventar como neste post. ! FUTEBOL, claro, tinha que ser !!!! e mediocridades de acordo, que os mais éfes rondam por aí perto.
    Que lástima, tanto assunto e causas sérias que ficam na indiferença, no desinteresse e na ignorância e a que não se vê assim tão empolgada entrega . pobre país tuga !

    • O que o Béló não está a ver – e é compreensível, porque exige estar mais por dentro do tema – é que o caso encerra em sim muito mais que futebol. A bola é para entreter; mas a forma como um grupo de poder consegue controlar os media, distorcer realidades e comprar silêncios é um assunto bem sério e que toca bem fundo no cronyism nacional. Talvez se olhar mais para isto desta maneira perceba o que nos preocupa, que está longe de ser vermelhos contra azuis.

      • ….sim, concordo com o seu ponto de vista, Octávio, mas o que sobressai de toda esta discussão é a pequenina e vil rivalidade insultuosa de ordem pessoal ( até de intelectualoide me apelidaram !! LOL, M—— !! ) e a empolgante defesa de argumentos sobre um tema que, a ter essa abrangência que o Octávio refere e que tb vislumbrei, sim, esse lado importante das questões presente por ex. no post de hoje da Ana Moreno e outros tantos, não tem esta aderência louca e fanática, e é isso que critiquei e lastimamos !!! só isso !!!!

  30. Matilde says:

    Béló:

    A sua sobranceria intelectual é deveras assustadora… Então quem discute futebol é intelectualmente medíocre, ignorante e não tem elevação?

    Confesso a minha falha (ironia…): adoro futebol desde miúda e sou adepta do Sporting. E depois? A minha modéstia não me permite mostrar-lhe o meu Curriculum Vitae, mas posso garantir-lhe que é de fazer inveja a muitos pseudo-intelectuais… 🙂

    Olhe que há por aí muito boa gente a discutir, alegadamente, temas e “causas sérias” (nas suas palavras), mas que de inteligente terá muito pouco…

    Não confunda o entusiasmo com que habitualmente se discute futebol com ignorância ou mediocridade. Ou então confunda, se for preconceituoso(a). É consigo…

  31. Relendo a sequência de comentários, chocante a forma como três ou quatro tipo andam por aqui a espumar raiva, má educação e um estilo reles face ao exposto. É assim que se destrói a comunicação e se turva o ambiente.
    Podem fazer o contravapor que quiserem, mas estamos atentos e queremos simplesmente que a Polícia intervenha onde outras instâncias já não chegam.
    Eu percebo que haja por aqui uns malucos da bola e que para eles as coisas não passem de um mundo a preto e branco. Mas muito grave aqui não é a bola: é a rede de conluios e a teia mafiosa montada nesta nossa sociedade tão latina que ela é.

  32. Dei comigo a pensar. Como é possível um esquerdelho com as imagens retratistas domésticas desde a infância a povoarem-lhe a mente passar incólume.
    Este post, tem mesmo o objectivo de desviar as atenções para a derrota brutal da direita trauliteira que de agora em diante, com o Centeno a presidir ao Eurogrupo deixou de ter números para contestar.
    Haverá alguns que se recordarão que não navego em águas do PS. Apoio a geringonça enquanto for necessário colocar a canalha pafiana no caixote do lixo da história
    Do futebol foi tempo.

    https://www.google.pt/amp/s/www.jn.pt/desporto/interior/amp/calabote-50-anos-depois-1178046.html#ampshare=https://www.jn.pt/i/1178046.html

Trackbacks

  1. […] continuam a dar os resultados pretendidos. Semana após semana. Como dizia outro antigo árbitro, o Benfica vai ter os padres que escolheu e ordenou, nas missas que celebrou. E nem precisa de jogar bem. Só mesmo neste charco putrefacto que se chama Portugal é que um […]

Deixar um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s