Câmaras querem gerir Centros de Saúde

Imagem retirada da Internet

Segundo dá hoje nota a comunicação social, as autarquias das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto pretendem “gerir” os Centros de Saúde.

Parece que esta, e outras propostas de originalidade equivalente, fazem parte de um “pacote de descentralização” que o presidente da Área Metropolitana do Porto e da Câmara de Gaia irá apresentar ao Primeiro-Ministro.

Vítor Rodrigues diz, por exemplo, que se deve optar, no caso dos Centros de Saúde, por aquilo a que ele chama uma “gestão municipal de valências”, pretendendo “intervir nos horários dos centros de saúde”, mantendo-os abertos até à meia-noite pois, segundo as suas palavras, “quem trabalha não consegue ir fora do horário laboral”. Se o presidente da Câmara de Gaia – e da Área Metropolitana do Porto –  impede os seus funcionários municipais de acederem a cuidados de saúde em horário laboral, esse é mais um problema de Vítor Rodrigues com a Justiça, pois a lei ainda garante a qualquer trabalhador o direito de ir ao médico, seja a que horas for, uma vez que a doença, ou o seu tratamento, não se regulam pelo horário de expediente das Câmaras Municipais nem pelos princípios morais de patrões ou dirigentes que fazem do assédio laboral o seu principal instrumento de persuasão.

Isto sem prejuízo do eventual alargamento do horário dos Centros de Saúde, decisão que cabe ao Ministério da tutela, em defesa dos direitos dos cidadãos e da melhoria do serviço prestado à comunidade. Quanto à “gestão municipal de valências” – entre as quais está precisamente a gestão dos Centros de Saúde -,  que o autarca de Gaia quer propor ao Primeiro-Ministro, com isso pretendendo trazer para a esfera de competências das Câmaras Municipais uma função do Governo da República, só pode merecer o epíteto de piada de mau gosto. Quem conhece a Câmara Municipal de Gaia, por exemplo, sabe da extrema dificuldade que esta manifesta em gerir os jardins ou o estacionamento automóvel – que alegremente entregou a privados -, quanto mais serviços e equipamentos dos quais depende a saúde das pessoas, um direito fundamental consagrado pela Constituição da República e que não pode servir de instrumento de chicana política ou propaganda autárquica.

Acresce que as palavras difusas do presidente da Câmara de Gaia – “aliviar as urgências dos Hospitais” – escondem a sua verdadeira intenção, que é, tão simplesmente, a privatização dos serviços da rede primária e dos Centros de Saúde, tal como aconteceu já com os Hospitais. O historial de Vítor Rodrigues, neste aspecto, é esclarecedor. Veja-se, a título de mero exemplo, o contrato no valor de 71.000 euros que fez com o GAPTEC – ligado ao arquitecto paisagista Sidónio Pardal – para a requalificação do Parque Urbano do Vale de S. Paio, justificando o ajuste directo com a “ausência de recursos próprios” da Câmara Municipal, quando a mesma Câmara Municipal, através dos seus próprios serviços, tinha já criado o Parque Biológico de Gaia, ou o Parque da Cidade, projectos infinitamente mais complexos que o Vale de S. Paio. Se Vítor Rodrigues diz que a Câmara não tem “recursos próprios” para fazer um jardim, como explica que os tenha para gerir Centros de Saúde?

Quanto ao “pacote de descentralização” que o sui generis autarca de Gaia diz querer levar ao Primeiro-Ministro, talvez se devesse designar “envelope”, pois, na verdade, é isso que está em causa – mais dinheiro para distribuir e reinar. Dinheiro que, inevitavelmente, sairá dos bolsos dos contribuintes.

Comments

  1. Isabel Dias says:

    Basta ver o que se está a passar com a municipalização da educação, onde, por exemplo, a um assistente operacional (funcionário) lhe é comunicado que nesse mesmo dia tem que se apresentar, de tarde, noutra escola. A direção da escola para além de ficar sem o funcionário, ninguém lho comunicou. Aliás, os funcionários colocados pela Câmara rodam tanto que a comunidade escolar nem os colhece. Não se pode dizer a um aluno para ir à Dona Rosinha, ou outro nome carinhoso.
    Na saúde seria a mesma coisa.

  2. antero seguro says:

    Gato escondido, com o rabo de fora.

  3. Bento Caeiro says:

    E, ainda falta a célebre regionalização. Então é que vai ser um fartar de vilanagem. Se a nível central, pela dimensão, ainda poderá existir algum distanciamento; a nível regional e local, será como todos já estamos a prever: a República dos Compadres; tal como nas situações e assuntos que já lhes estão entregues. Saberão, por acaso, que há municípios que passados 4 anos sobre saída de legislação sobre a reabilitação urbana, ainda não a implementaram por – dizem – ainda não a terem regulamentado. Obviamente, porque a construção nova dá mais IMI. E, surpresa, este vai para as câmaras.
    Centros de Saúde? pois é…!

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.