Tubal Caim

Nove toneladas de bronze, em forma de Caravela, que foram de Gaia para Timor Leste em celebração dos 500 Anos na nossa chegada àquele Oriente.

Fotografia: Bruno Santos

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Quando li fiquei atónito. reli, “bronze”, fiquei aliviado.
    Pensei por instantes, ainda confuso com a minha memória já pouco selectiva, se este não seria o “cobre” roubado das linhas de alta tensão, postes, cablagem diversa, até os passadiços de Matosinhos e Gaia não resistiram ao ganância do minúsculo fio de cobre que alimentava a luz de presença das passadeiras…
    Afinal é bronze!
    Só não percebi o que queria dizer àquele nome Tubal Caim. Mas vindo do Bruno, cheirou-me logo a maçonaria.
    Fui ver. Pois é. Este rapaz é danado para a brincadeira, e meia volta mete por aqui uma “macumbas” de pedreiros.
    Ora, eu para ler coisas sobre maçonaria tenho de beber primeiro uns copos, e só depois começo a perceber alguma coisita daquilo. Como o médico me pediu umas semanas de “pousio”, estou como o Gelson, do Sporting.
    Só em crioulo!

  2. Antonio Medeiros says:

    Penso ser uma maravilha esta caravela chegar até lá a navegar. Na comemoração dos 500 anos do descobrimento do Brasil, foi construída uma caravela de madeira aqui no Brasil e transportada para Portugal e ao ser colocada nas águas, afundou. Que vergonha! Penso que,como muitas coisas por cá, alguém foi favorecido para a construção e ,às vezes era um grande médico parente de gentes do Governo, mas de caravelas nada entendia. Daí o resultado


  3. Novo riquismo… Bronze é Cobre mais Cstanho, dois metais a subir de preço vertiginosamente, e com aplicações práticas importantes, muito mais que o Ouro por exemplo, um elemento sobre avaliado por lavradores letrados armados em ditadores, com o fetiche de o acumular no banco central.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.