Estes também podem entrar nos restaurantes

Mas só pela cozinha.

Comments


  1. Se há coisa que não precisamos é de Seres Humanos…


    • Nada de escrutínio de como tratamos os outros seres vivos que nos servem para nos alambazarmos, é que se pode dar o caso de ficarmos sensíveis ao sofrimento e aos maus tratos aos animais, e vai daí, lá se vai o negócio da carne!


      • Curiosamente os animais que andam por aí preocupados com as tais das “alterações climáticas” causadas pelas emissões de GEE não sabem – e se sabem assobiam para o lado – que o negócio da carne é, segundo os próprios relatórios e dados a organização mundial que debita papos sobre o tema, o principal emissor de GEE.

        Mas é como bem referes… LUCRO e restos de animais mortos satisfaz qualquer animal umano.

        • ZE LOPES says:

          Obrigado Brites! Obrigado Padeira! Pelo menos, lá em Aljubarrota não há pão com chouriço para ninguém! Obrigadão!

          Já agora: lá por ter aplaudido a declaração de Aljubarrota como Zona Livre de Chouriço, espero que tal não seja interpretado como simpatia pela MOSSAD…

          Olha! E não mandes mais emijos de bananas porque te fazem muita falta! Cada vez há menos gente disposta a “ménages” esquisitas, como V. Exa. gosta!

        • Paulo Marques says:

          Claro que satisfazem, há coisa mais saborosa? E sempre faz com que o IBS não reaja.
          Dito isto, o problema mais grave com os centro de concentração para animais são a quantidade de drogas para que cheguem ao prato mais depressa e o seu não desaparecimento quando se transformam em comida. Se for possível mudar a dieta e o tratamento dos animais aos poucos sem que morra tudo à fome e tenha que aprender a ser chef, não era mau.

Deixar uma resposta