Posição soberana

Serão vários os motivos pelos quais o governo português decidiu, e muito bem, não acompanhar a expulsão colectiva de diplomatas russos, levada a cabo por vários países, num movimento concertado sob a liderança do Reino Unido, país que se encontra de saída da União Europeia.

A decisão anunciada por Augusto Santos Silva – o melhor e mais sólido ministro deste governo – foi certamente tomada com o conhecimento e o acordo do Presidente da República, e espelha os princípios de uma política diplomática responsável e equilibrada, que foi sempre apanágio das relações externas portuguesas e que faz de Portugal uma das maiores potências diplomáticas do mundo.

Ao contrário do que a oposição ao governo do PS tenta agora fazer crer, numa atitude irresponsável e profundamente demagógica, procurando colocar em causa a política externa do país e a solidez das suas decisões, Portugal não está sozinho nesta tomada de posição, sendo acompanhado por vários e importantes países da União Europeia que também decidiram não subscrever a estratégia colectiva de expulsões encabeçada pelo país do Brexit. Tanto quanto foi possível apurar, a Áustria, a Bulgária, o Chipre, a Eslováquia, a Eslovénia, a Grécia e Malta, são países que também optaram por não seguir os ditames do Reino Unido.

Outro facto é de relevar. Portugal assume, neste contexto – até ao momento -, uma posição soberana diferente da que a Espanha, seu parceiro ibérico, assumiu, facto que, do ponto de vista das relações internacionais, é muito significativo e só contribui para a solidez e a credibilidade da política externa portuguesa.

Comments

  1. Carlos Almeida says:

    Boas Sr B Santos

    Concordo consigo desta vez. a 100%

    Parabéns pelo comentário.

    Quanto ao Partido Recauchutado, era de calcular que criticassem. É claro que se o Gov PT fosse com a carneirada e expulsasse o Embaixador Russo, iriam criticar na mesma.
    Essa gente está a chegar a um ponto de não retorno, o que é mau, porque se o Costa lhe cheira não ter oposição valida à direita, mesmo que agora diga que não, pode ser tentado a governar sozinho se tiver a maioria.
    Do partido do Taxi nem falo
    Quanto ao PS, mesmo que eu ache que este PS é muito melhor do que era no tempo do M Soares, nunca me esqueço que é pessoal que quer fazer amoletes sem partir os ovos

  2. Paulo Marques says:

    Que giro, alguém acha que este canalha tem princípios, quando nem espinha tem. Decidiu assim porque é o que mais lhe convém para a carreira, certo ou errado não entra em quem não tem consciência.
    Isto independentemente da diplomacia internacional ser uma questão de escolher entre filhos da puta, porque é com falsas dicotomias que se controla a plebe.

  3. Vitor Manuel Marques says:

    Sobre o assunto do dia, a expulsão de diplomatas russos, ou não, da parte do governo português.
    Tenho a dizer-vos o seguinte: – Que provas factuais, documentais e clínicas tem Portugal, ou melhor, foram enviadas ao governo português, de que foi a Rússia a mando de Putin que envenenou esse senhor ex-membro das secretas russas e refugiado no RU? Só porque a 1ª ministra do RU assim o entende dizer?
    Creio que a nossa diplomacia esteve bem, muito serena, responsável e pragmática!
    Alguém do RU partilhou dossiers secretos ao mais alto nível, verdadeiros, (não cópias ou adulterações deles), com Portugal?
    O Ser Humano quando está no Poder não será useiro, vezeiro e cego nesses assuntos? lembro que a guerra do golfo foi baseada numa mentira feita verdade, para uso interno assim como para uso externo também, só para alter ego colocado em cima da cadeira do Poder.
    Que tem de perigosidade a mais a Rússia que não tenha os EUA?
    Theresa May; cara 1ª ministra do RU, será o desespero do Brexit a falar? Já que nem Donald Trump quer nada com consigo? Diga-nos (por uma questão de SOLIDARIEDADE) quando vai ser a visita de Estado do Presidente dos EUA ao Reino Unido?
    Disse.


    • TUDO o que eventualmente foi enviado ao governo tuga são “documentos classificados” e como tal a MANADA de boçais tugas não os pode ler!

      Já sabem… Têm de confiar nos salafrários políticos e naquilo que eles dizem!

      Afinal de contas se VOTAM neles para tomarem decisões por vocês, não venham agora reclamar!

      Se o documento fornecido foi uma apresentação que anda por aí… então aquilo só prova que os terroristas ingleses não têm PROVA NENHUMA!

      • Carlos Almeida says:

        A voz a -30 dB, alias a Dona Brites, padeira de Aljubarrota, noutro blog, podia arranjar outra cassete, para alem dos cansativos e contínuos Boçais etc.

        Experimente qualquer coisa nova, para variar

        O que é de mais é moléstia


  4. Pouco tenho acompanhado deste assunto. Mas às vezes parece que estou a ouvir o Bush e o Toni Blair a dizer que o Saddam tem um arsenal de armas de destruição químicas e que têm provas inequívocas e que tem que se invadir o país para decapitar aquele regime. Anos mais tarde provou-se que ElBaradei tinha razão. Não havia armas químicas no Iraque. Infelizmente Bush, Blair, Aznar e Barroso não foram presos por crimes de guerra.

    Diz a sensatez que primeiro é preciso ter certezas e ter provas inequívocas do que estamos a falar. Sem provas é só uma questão de difamação.

Deixar uma resposta