A impotência

Fonte: EDP

O senhor ministro da Transição Energética terá apelado aos cidadãos para que reduzam a potência contratada de electricidade em suas casas, de modo a poderem beneficiar da redução do IVA na energia. É a TSF que dá conta da originalidade, não é o site Bombeiros 24 – a partir de agora não há links, guardarei os printscreen para os cépticos ou litigantes.

O senhor ministro considera que uma casa onde habite uma família de quatro pessoas pode funcionar perfeitamente tendo ligados simultaneamente apenas quatro electrodomésticos, para o que se exige uma potência instalada de modestos 3,45 kVA. A saber:

1 Frigorífico

1 Máquina de Lavar (roupa ou loiça)

1 Televisão

1 Computador

Diz até, o senhor ministro, que essas pessoas estão habituadas, por conforto – termo do próprio -, a contratar uma potência superior à sua verdadeira necessidade, vício que não está de acordo com os bons exemplos de eficiência energética e de uso.

Esta austeridade não parece estranha. Mas desta vez não são os portugueses acusados de viver acima das suas possibilidades, antes acima das suas necessidades. Trata-se de uma distinta raiz etiológica. Nem tampouco são aconselhados a emigrar, outrossim a, eventualmente, colectar mantas ou fazer fogueiras para mitigar o frio, lavar os trapos num tanque, assar o frango com a velha receita de Sartre – ficar a olhar para ele durante sete horas, dentro do forno desligado. É totalmente distinto e está muito mais de acordo com o perfil de um Estado espartano que já nem cativa o sarcasmo, e não do velho Estado passista, simplesmente austero ou inutilmente cruel.

Aqui chegados, pouco resta a dizer sobre o estado da arte. É excessiva a avalanche de sinais anacrónicos que anunciam um grotesco há muito instalado, ficando as palavras, para todo o sempre, muito aquém da mais singela descrição do real. O povo está só e assim ficará até que, quem sabe, algo de surpreendente aconteça no WhatsApp.

Comments


  1. Tão bem escrito que até fiquei mal disposto.

  2. Luís Lavoura says:

    O senhor ministro tem um bom bocado de razão.
    Um frigorífico, uma televisão, um computador, e algumas lâmpadas, tudo junto não gasta mais de meio quilowatt. É irrelevante.
    Aquilo que verdadeiramente gasta são as máquinas de lavar (só enquanto estão a aquecer a água, na fase inicial), os aquecedores de ar, os termoacumuladores (se os houver), e os fornos ou fogões (se forem elétricos). Se uma pessoa tiver algum cuidado para não ter nunca duas dessas coisas ligadas em simultâneo (não é demasiadamente difícil), pode-se ter uma potência de 3,45 kW.
    Não é preciso ser-se espartano. Basta ser-se cuidadoso.

    • Carlos Almeida says:

      100% de acordo Sr Lavoura

    • Paulo Marques says:

      O que diz é quase verdade (não são necessariamente irrelevantes os pequenos eletrodomésticos), mas a classe média ter que fazer contas aos kVA é terceiro-mundista.

      • Luís Lavoura says:

        a classe média ter que fazer contas aos kVA é terceiro-mundista

        Toda a gente tem que fazer contas àquilo que consome e aos preços dessas coisas. A potência elétrica é um consumo como qualquer outro.

        E aprende-se umas coisas. Aprende-se que aquilo que nos dizem sobre as lâmpadas ecológicas tem um valor muito relativo – a mais eletricidade que gastamos em casa é com os aquecedores elétricos, não com as lâmpadas. Aprende-se que é muito mais ecológico alimentar uma máquina de lavar com água pré-aquecida por painéis solares, do que substituir todas as lâmpadas da casa ou comprar um frigorífico A++.

        • Carlos Almeida says:

          Exactamente, Sr Lavoura:
          “Aprende-se que é muito mais ecológico alimentar uma máquina de lavar com água pré-aquecida por painéis solares, do que substituir todas as lâmpadas da casa ou comprar um frigorífico A++.”

          Eu iria mais, ecológico e económico.
          Não é por acaso que as maquinas de lavar profissionais, são alimentadas nos ciclos de lavagem com agua pré aquecida, para diminuir drasticamente o consumo da energia eléctrica, porque o motor consome apenas cerca de 15 ou 20% da energia do aquecimento da agua, dependendo do programa evidentemente.

  3. Elisa fardilha says:

    Bom dia.
    Ouvi o Sr. Ministro e fiquei incrédula com o final do tema:

    pode-se viver com conforto com a potência 3,45 kW., tal como não se morre de fome alimentando-se a pão e água.
    Queria ter o texto completo para o publicar no Facebook!!!

    E. F.

  4. Elisa fardilha says:

    Andei a procurar a noticia e penso que me enganei, pois foi o deputado do PSD que respondeu dizendo:

    Viver com a potência mínima é como viver a pão e água..

    E.F.


  5. Abro a boca de espanto, mas por razões contrárias à da generalidade dos comentadores:
    É que sempre tive a potência de 3,45 (há 40 anos) e nunca tive nenhum problema com isso.
    A unica limitação, que seguimos, é que não devemos ligar as 2 máquinas (roupa e louça) ao mesmo tempo.
    E, no meu caso, nunca teve nada a ver com razões económicas mas apenas porque não senti a necessidade de a aumentar.

    • Carlos Almeida says:

      E tem muita razão. O que consume são as resistência eléctricas da maquina de lavar roupa, os fogões eléctricos e tudo que precise de grandes intensidades de corrente para funcionar. Se for usada a diversidade temporal, a energia consumida poderá ser a mesma mas a potencia não ultrapassa a contratada porque o uso não é simultâneo.
      Também uso apenas 3,45 KVA há muitos anos. Tinha mais, não precisava e baixei, fazendo exactamente o que alguns acusam o ministro de aconselhar
      O aumento de potência tem uma taxa a pagar ao fornecedor.
      Tudo o que for deixar de pagar aos “Mexias” é boa ideia


  6. Soberbo ! Bruno Santos :

    “…está muito mais de acordo com o perfil de um Estado espartano que já nem cativa o sarcasmo, e não do velho Estado passista, simplesmente austero ou inutilmente cruel.

    Aqui chegados, pouco resta a dizer sobre o estado da arte. É excessiva a avalanche de sinais anacrónicos que anunciam um grotesco há muito instalado, ficando as palavras, para todo o sempre, muito aquém da mais singela descrição do real.

    O povo está só e assim ficará até que, quem sabe, algo de surpreendente aconteça no WhatsApp. ” !!!

  7. Ana A. says:

    Excelente, Bruno Santos!

    Eu tenho uma potência contratada de 4,6kVA e por razões económicas não me posso “esticar” muito nos consumos, nem na porcaria do aquecimento, pois se a minha potência contratada aguentaria (se não tiver muita coisa ligada em simultâneo),
    quem não aguenta é o meu orçamento!

    Voltamos, pois, ao discurso miserabilista de outros tempos/governos!

    Obrigada, senhor ministro, pelas suas recomendações e transparência!

    É que eu nunca votei PS, mas se por acaso, para o ano me sentisse impelida a tal, esta sua posição ajuda muito ao esclarecimento do eleitorado!

    Agora, imaginemos o PS com maioria absoluta…

    Valha-os o deus ! Cada cavadela, sua minhoca!

    • Carlos Almeida says:

      A potencia contratada não tem nada a ver com a energia consumida.
      Se tiver uma potencia contratada de 3.45 KVA, mas se tiver consumos horários 24/24 horas de 3 KW, como é o caso dos emissores das estações de radio, pagará muito mais do que alguém com potencias contratadas de 4,6 KVA ou até maior, mas com consumos com potencias medias de 700W (lâmpadas, TV, PC, frigoríficos, pequenos electrodomésticos sem aquecimento) durante 23 H e um pico de consumo de 4 KVA durante 1 hora.

      Mas quem quiser oferecer dinheiro aos “mexias”, estão à vontade. Eu para esse peditório já dei.

  8. Torquato says:

    É que eu nunca votei PS,…

    E tens feito lá tanta falta como um cinzeiro numa motorizada !

    • Ana A. says:

      Senhor Torquato,

      Hoje celebra-se o dia da Filosofia!

      Discutir um argumento sem desqualificar o interlocutor é uma capacidade, de que alguns são manifestamente incapazes!

    • anticarneiros says:

      Sr Torquato

      Não sei o que quer dizer, mas é capaz de ter razão.

      Xiça !

  9. Ana Benavente Reis says:

    Portugal assinou o Acordo de Paris sobre as alterações climáticas.
    O Governo está a criar politicas públicas que ajudem ás boas práticas para conseguirmos baixar a nossa pegada ecológica a bem do planeta.
    Ou vocês pensam que o António Costa é algum Trump que se está a marimbar para o “Hóquei Stick”?
    Fiquei sensibilizada com a Ana A. que tem uma potencia bastante baixa, o que me deixa bastante satisfeita ,pois é bom vermos cidadãos conscientes dos problemas do nosso querido planeta Terra.
    Eu por exemplo em minha casa tenho que ter a potencia máxima pois a rapaziada no inverno gosta de ter sempre os aquecedores no máximo.A minha filha mais velha que é simpatizante do PAN, no ano passado comprou uma daquelas tábuas que os funcionários de escritório usam para aquecer os pés por baixo das secretárias , para a gata. Vejam lá. Mas eu não posso dizer nada pois ela chama-me logo insensível e diz (com razão) que os animais tem os mesmos direitos que nós

    Ana Benavente Reis

    • Paulo Marques says:

      Como me lembrou um post mais recente, tá tão preocupado com as alterações climáticas que se borrifa se grande parte do país tem que gastar 17km de gasolina para ir ao médico ou aos correios. Ou com a falta de transportes públicos que levam ao número absurdo de carros na estrada. Ou que vão estes em estradas sobre-empacotadas porque não há dinheiro para as portagens das alternativas.
      O clima muda já já com a mudança do máximo de potência instantânea.

      • Ana B. Reis says:

        O Estado devia era pagar um curso de medicina a todos e assim já não precisavamos de ir ao médico e nõ gastavamos combustiveis fosseis e o planeta começava a arrefecer e depois tinhamos que aumentar a potencia porque tinhamos que ligar mais aquecedores…

        Ana Benavente Reis

  10. Anonimus says:

    Tem de ser à vez. Lavar a louça, lavar a roupa, passar a ferro. Tudo ao mesmo tempo não dá, mania de viver à grande.

    O Costa vai implementar o paleolifestyle.

  11. José Jota says:

    Acrescento que como fonte (do desenho ilustrativo) a EDP não é de fiar. Claro que preferem contratos com potência mais alta.

  12. Prof. de Matemática says:

    Matemática de quem andou na escola e não da EDP

    Frigorifico: 400w
    Televisão: 100w
    Computador: 100w
    Máquina: 1000w
    Total: 1600W
    3.4kw-1.6kw= 1800w ficam disponíveis

    Obviamente ainda existe equipamentos mais eficientes que os exemplos, mas entre Touradas, e outras coisas com IVA reduzido … talvez a Eletricidade devesse ter IVA mais reduzido globalmente, obviamente devia-se incentivar quem consome menos energia, seja com redução de IVA ou outros.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: