A luxúria do menino Adolfo

Diz o menino Adolfo que o Estado é que depende da iniciativa privada para existir e não, como sugere toda a evidência epistemológica desde Tales de Mileto ou, até, sem transigir, a clareza dialéctica dos comentários de Confúcio ao I Ching, sem relevar, ainda, por parcimónia maiêutica, os milhares de milhões de euros roubados aos cidadãos portugueses, ou seja, ao Estado, por insignes instituições bancárias privadas operando “no mercado” de predilecção do menino Adolfo sob siglas esotéricas tais como BPN, BES, BANIF, BPP. Entre outros.

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    Em todos os regimes há sempre uma Nomenklatura que mama à fartazana, por via do domínio do aparelho do Estado. Sejam eles de direita ou de esquerda. Por outro lado, hoje, a ideia de que o chamado liberalismo económico sobrevive sem ajudas de Estado é uma valente treta. Liberalismo económico, houve sim, no início da revolução industrial, e mesmo esse só numa fase muito primária. Na atual conjuntura mundial, ninguém sobrevive economicamente, empresas e instituições, sem ajudas do Estado, nas suas diversas formas, ou as Nações, sem ajuda de uma comunidade de , na qual esteja inserida. Não foi por acaso que apareceu a seguir à Segunda Guerra Mundial, o Benelux, a CECA, e mais tarde a CEE. O mesmo se passa noutros continentes, com outras Organizações.
    Será que Adolfo Mesquita Nunes “é dos que acreditam”, sonso, que alguém põe hoje dinheiro do seu própro bolso, num investimento de risco, sendo que a maioria dos investimentos face à concorrência gerada pela globalização, no presente, são todos muito mais vulneráveis do que no passado? Duvido. Por isso existe uma coisa chamada bancos. E por isso grande parte deles estão falidos.

  2. Paulo Marques says:

    Independentemente de ser boa ou má ideia, dizer que há iniciativa privada sem estado é uma patetice, uma vez que este último é apenas a extensão da comunidade que deu origem a transações e é, ainda e sempre, quem define as regras e o que é o dinheiro.

  3. Maria João Caeiro says:

    O menino Adolfo nunca deve ter ouvido falar de fundos comunitários, auxilios de estado, benefícios fiscais and so on… coitadinho do menino Adolfo…


  4. O menino Adolfo quer competir com a D. Cristas. Só lhe falta o avental.

  5. Mr José Oliveira Oliveira says:

    O menino Adolfo sabe perfeitamente que está a proferir uma alarvidade bem ao seu nível, mas insiste nela porque sabe precisar de fazer passar a ideia de que os privados é que são os bons e o estado o mau da fita. É uma falsidade que quanto mais martelada for, tanto mais falsa se torna.
    Não esbanjámos………..Não pagamos!!!!!!!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: