ADSE: “chantagem”, afinal, foi fogo amigo

© PÚBLICO

O problema surgido entre os hospitais privados e a ADSE – dirigida pelo histórico socialista João Proença -, sobre a qual aqueles estariam alegadamente a exercer uma inaceitável chantagem foi, como se previa, um mal-entendido. Muito desagradável.

Óscar Gaspar, que é presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, vulgo, negócio da saúde, e que deu início a todo este processo de alegada chantagem sobre o Estado, afinal é amigo e, evidentemente, jamais faria tal desfeita ao governo do Partido Socialista, de cujo Grupo Parlamentar, aliás, foi assessor entre 1997 e 1999. E além disso foi ainda Chefe de Gabinete do Secretário de Estado do Orçamento do governo de António Guterres e assessor económico de José Sócrates, de cujo executivo viria também a ser Secretário de Estado da Saúde. E, last but not least, foi, durante 4 anos, assessor do ex-Secretário-Geral do Partido Socialista, António José Seguro.

Ainda bem que está tudo esclarecido e que, depois de ser confrontado com um facto consumado, materializado na resolução unilateral de compromissos nos quais estão em causa vidas humanas, o Estado português manifesta “disponibilidade para o diálogo”. Maduro, ao menos, quando lhe fizeram um ultimato, esteve à altura da dignidade que exige a soberania.

 

Comments

  1. Rui Naldinho says:

    A especialidade dos grandes grupos económicos, incluindo os da saúde, todos eles dominados pela direita, o que não será de estranhar dado serem eles os Donos Disto Tudo, é colocar meia dúzia de “socialistas”, aqui e acolá, devidamente espalhados, para não haver “contaminação”, a catar as migalhas que eles próprios estão dispostos a distribuir a esta pseudo esquerda vendida por um prato de lentilhas.
    É neste sentido metafórico, que eu considero o PS o partido mais “burro” do sistema. Das duas uma. Ou se mama à grande e à francesa, estilo PSD/CDS, assumindo ao que vêm, ou, para fazer aquela figurinha de otários, vendendo a alma ao diabo, o tal de que Passos Coelho falava, mais vale serem coerentes com aquilo que dizem defender, e não ceder a tentações. Ao Serviço Público o que é público, do contribuinte, vulgo Estado, aos privados o que é a escolha pessoal de cada um de nós, com o nosso rendimento disponível.
    Até porque a CS de reverência, ao serviço dos DDT, a seguir explora esse facto até ao tutano, como se os socialistas fossem todos eles uns mafiosos, (isto segundo a versão do João M. Tavares), esquecendo-se das centenas de lambões do outro lado.
    Foi assim que Sócrates, “o guloso”, e o séquito que o acompanhava, se estatelaram no chão, deixando o PS à beira da “pasokização”.
    Não aprendem, nunca!

  2. Mário Reis says:

    Alem do filho de peixe sabe nadar, praticou em ambiente propício a jeitos, empurrões, palmadinhas e jacuzzi audaciosos em que se especializou durante décadas o PS.

  3. Ernesto Martins Vaz Ribeiro says:

    Eu só conheço um corrupto preso pelo crime de “tráfico de influências”.
    Mas os corruptos que traficam influências em Portugal, são mais que as mães e mais, são sempre os mesmos.
    Eu penso que o Armando Vara é uma vítima, coitado.
    Espero que o Presidente lhe telefone e lhe manifeste a sua solidariedade…

  4. Julio Rolo Santos says:

    Em tantos governos passados desde a ditadura salazarista haverá algum governo que se distinga de todos os outros por prestar meritório serviço ao país acabando com a corrupçao? .Então o problema não está nos governos mas sim nos políticos. Saneiem-se os políticos.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.