Passe Único: Bloco de Esquerda chama presidente da AMP ao Parlamento

A redução do preço e a melhoria do serviço dos Transportes Públicos Colectivos são medidas fundamentais ao desenvolvimento, à coesão territorial e à justiça social. Mas uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. E se há coisa que deveria ser imperdoável em política, essa coisa é a demagogia e a propaganda feitas à custa dos de sempre, dos que não têm voz para reclamar, nem força para fazer valer os seus direitos de cidadania.

Conforme foi aqui devidamente esclarecido,a introdução do Passe Único na Área Metropolitana do Porto está muito longe daquilo que foi anunciado e que vem sendo vendido à população como uma espécie de milagre de Fátima. Daí que apenas se possa aplaudir a iniciativa do Bloco de Esquerda, que decidiu chamar ao Parlamento, para dar explicações, o presidente da Área Metropolitana do Porto. Diz o Bloco de Esquerda, e muito bem, que é inaceitável e incompreensível que a AMP continue sem prever uma data para a entrada em vigor do passe família (todos os elementos de um agregado familiar que vivam na mesma casa tem acesso ao passe único por um preço fixo total de 80 euros para toda a família).

Comments

  1. JgMenos says:

    Ora diga lá:
    – Quem define o agregado familiar de quem não paga IRS.
    – Como fazr prova de que vivem na mesma casa?

    • ZE LOPES says:

      E dos que pagam IRS? Vai lá algum fiscal das finanças a casa, almoçar, jantar e dormir na cama dos que não são casados pela Santa Madre Igreja?

    • Paulo Marques says:

      Isso medido em RETR e PERES é relevante?

  2. Julio Rolo Santos says:

    Os transportes públicos do Porto parecem ainda não terem acertado com os carris, são altamente deficitários, mas a sua estrutura ao nível de gestores e respectivos ordenados parecem estar altamente sobre-valorizados. É sempre assim, quando se tem a faca e o queijo na mão. Toda a estrutura do passe social a implementar no Porto parece ser uma imitação grosseira da de Lisboa mas com muitas dificuldades em a implementarem. Com pressão da sociedade nortenha eles vão lá.

Trackbacks


  1. […] É compreensível – para não dizer que é óbvio – que uma medida da importância e da complexidade do “Passe Único”, que foi apresentada como uma grande revolução nos transportes colectivos da Área Metropolitana do Porto, seja implementada após terem sido realizados os estudos relativos a essa mesma implementação. Como se sabe, por ter sido profusamente publicitado pela AMP através da comunicação social, o Passe Único da Área Metropolitana do Porto entrará em vigor no próximo dia 1 de Abril, mas em condições totalmente diferentes daquelas que foram inicialmente anunciadas. […]

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.