Marcas lapidares (2)

Artigo do jornal  La Tribune
15 de Abril de 2019, 9h12
Tradução*

 

Grande Debate: esta noite [15 de Abril de 2019], Macron joga com os franceses o II Acto do seu mandato

Depois de passar 100 horas a debater com os franceses sem nunca revelar nenhuma de suas intenções, o Chefe de Estado finalmente decide, nesta segunda-feira [15 de Abril de 2019] às 20H00, apresentar os seus “projectos de acção prioritários e as primeiras medidas concretas” para responder à crise dos “Coletes Amarelos”. Há rumores que sugerem que “mudanças profundas serão lançadas”. O presidente da República joga forte. O presidente do Senado, Gérard Larcher, alertou que o presidente “não teria uma segunda oportunidade”. A pressão é, portanto, máxima para esse discurso, que deve revisitar um mandato em perda de velocidade.

 

Macron II Acto: Depois de aumentar as expectativas, Emmanuel Macron revela segunda-feira à noite aos franceses as suas respostas ao grande debate e à crise dos “Coletes Amarelos”, com a obrigação de convencer e não comprometer a continuação da sua presidência.

Sobretudo porque o Chefe de Estado joga forte também no plano internacional, enfrentando desafios como o Brexit, as eleições europeias em Maio e ainda a abertura das negociações comerciais entre a União Europeia e os Estados Unidos.

Macron anunciará às 8 da noite, na televisão, “os projetos de acção prioritários e as primeiras medidas concretas”, fez saber o Eliseu na noite de Domingo.

Mas isso não é tudo. Na quarta-feira [18 de Abril de 2019], ele “fará novos anúncios”, “explicará e detalhará” os seus principais projectos numa conferência de imprensa no Eliseu. A primeira em França desde o início do seu mandato de cinco anos em Maio de 2017.

Como este amante do teatro gosta de fazer, tem mantido o suspense ao longo de várias semanas sobre esta intervenção, no que tem sido ajudado pela sua “entourage”.

Ao longo de suas cem horas de debate com a França, Emmanuel Macron também não revelou nada sobre as supostas “medidas e projectos”. Sem dúvida por nada ter para revelar. Até á última Terça-feira [9 de Abril de 2019], nada ainda estava decidido, revelou uma fonte próxima. “É um presidente instintivo que frequentemente decide no último momento”, segundo outra fonte.

 

Pela primeira vez, Macron informou seu governo antecipadamente

O único indício revelado no passado Domingo, foi que “serão implementadas mudanças profundas” para marcar “um novo acto”. Alguns até prometem “surpresas” para segunda-feira. Mas “os anúncios serão feitos gradualmente(?) Não espere tudo” no discurso de segunda-feira, avisaram.

Emmanuel Macron usou o mesmo tipo de suspense a 10 de Dezembro, informando apenas no último momento um pequeno grupo de colaboradores próximos do seu plano de 10 mil milhões de euros para acalmar a ira social. Os seus ministros souberam pela televisão.

Desta vez, a 24 horas do seu discurso, “os anúncios estão prontos”, assegura a sua “entourage”. E pela primeira vez, ele informou o seu governo com antecedência: recebeu primeiro o seu primeiro-ministro, Édouard Philippe, às 19 horas de Domingo, e depois os seus principais ministros, às 20 horas.

O líder dos deputados da LREM da Assembleia, Gilles le Gendre, o chefe do partido Stanislaw Guerin e Marielle de Sarnez também estavam presentes, mas não foi o caso de François Bayrou e do Presidente da Assembleia Nacional Richard Ferrand, consultados durante o fim de semana, segundo uma fonte próxima do governo.

 

“Não há segunda oportunidade”, segundo Gérard Larcher

O gosto do Presidente pelo mistério aumentou as expectativas, e o risco de decepção. O fim do Grande Debate “durará muito tempo” e “não será feito em três anúncios”, alertou Macron no final de Março.

Foi também avisando que seria impossível satisfazer todas as expectativas dos franceses, que por vezes eram até contraditórias. “Juntar 66 milhões de vozes individuais não faz um projeto comum”, disse Macron em Saint-Brieuc.

Há sondagens que mostraram que os “Coletes Amarelos” – que já marcaram uma mobilização para o 23º Sábado em Paris – tal como a maioria dos franceses, não esperam que o Grande Debate possa resolver a crise.

De acordo com uma sondagem do Ifop publicada no Domingo, 85% dos franceses acham que Emmanuel Macron deve modificar o modo como atende às preocupações do povo.

 

O renascimento do mandato em jogo

Em qualquer caso, Emmanuel Macron “não terá uma segunda oportunidade”, alertou o presidente do Senado, Gerard Larcher (LR).

A pressão é, portanto, máxima para esse discurso [15 de Abril à noite], que deve rever um mandato em declínio.

Depois do Verão passado, o caso Benalla, a demissão de alguns dos ministros mais influentes do seu governo e a revolta dos “Coletes Amarelos” descredibilizaram a política de “transformação” do país em nome da qual qual ele foi eleito.

 

ISF, pensões, baixa de impostos, justiça fiscal, ecologia, saúde …

Entre os muitos temas mencionados durante o debate geral, o que assumiu ele, afinal? Macron apenas excluiu alguns à partida, como o regresso do ISF [Imposto sobre as fortunas] cuja abolição o fez ser apelidado de “presidente dos ricos”.

Nesta altura, cada um avança os seus peões no tabuleiro. Para Édouard Philippe e Laurent Wauquiez (LR), os franceses exigem cortes de impostos. Para Laurent Berger (CFDT) e a esquerda, a prioridade é uma melhor justiça fiscal e ecológica. Marine Le Pen defende uma dissolução e um sistema proporcional.

Segundo a sondagem Ifop, 88% dos franceses querem voltar a indexar as pequenas pensões à inflação, 87% exigem que se obriguem os médicos estabelecer-se nos “desertos médicos” [zonas do país mal servidas pelos Serviços de Saúde], 82% exigem uma redução geral no imposto sobre os rendimentos e 80% a supressão da taxa de televisão. 

Fim

 

Macron não fez a sua tão aguardada declaração ao país na data prevista, anunciando as tais “medidas e projectos” que responderiam às preocupações dos franceses e às exigências dos Coletes Amarelos. Momentos antes da hora marcada para essa declaração, Notre Dame começou a arder.

 

Ligação para o artigo original:
https://www.latribune.fr/economie/france/grand-debat-ce-soir-avec-les-francais-macron-joue-l-acte-ii-de-son-quinquennat-814232.html

*caseira

Comments

  1. não te esqueças dos comprimidos says:

    Mas que granda panca.
    (não te esqueças dos comprimidos, pá)


  2. …Atenção, …..eles andam por aí !


  3. Bruno Santos, já tarde para pensar em vir ?

    Na próxima 5º. feira, dia 18.04.2019, pelas 18 horas, realiza-se na Casa da Cultura de Coimbra uma conferência sobre o tema JOSÉ FALCÃO: Matemático, Republicano e Místico (?), proferida pelo Prof. Doutor José Vitória.

    Esta sessão é promovida pelo Ateneu de Coimbra e está inserida nas comemorações do 45º aniversário do 25 de Abril.