25 de Abril

Todo o Ser Vivo vem a este mundo com um desígnio primeiro, que é o de cumprir-se. Cumprir-se é esgotar todos os seus possíveis, todo o potencial que transporta como a semente de algo que ele é e que simultaneamente o transcende e que o aguarda num tempo e num espaço ainda para si desconhecidos. Caminhará sempre por um Mar de obstáculos que colocarão à prova não tanto a sua inteligência como a sua Liberdade. A Liberdade de perante cada um desses acidentes do caminho optar, fazer escolhas, decidir. Assumir com absoluta integridade essa missão de estar vivo, de materializar, trazer ao lugar da Manifestação, os mundos infinitos que habitam em potência a tal semente. Lugar e não-lugar onde é ele próprio em transcendência, em rigorosa e absoluta Obediência ao desígnio de ser livre.

Comments

  1. Nuno M. P. Abreu says:

    O mundo é essencialmente vazio. O raio de um átomo é cerca de 10.000 vezes maior que o do núcleo. Se quisermos fazer um desenho proporcional, de um átomo de carbono, o átomo essencial à vida, ao desenhar o núcleo com um centímetro de raio teríamos de desenhar o raio da última órbita dos eletrões com cem metros.
    Entre o núcleo e os electrões existe apenas o vazio.
    Este texto pretensamente tão profundo é essencialmente oco. Sem núcleo e sem electrões. Expremido não tem uma ideia objectiva. Pelo menos Julian Assange que diz querer mudar o mundo é um positivista. Estudou mecânica quântica e isso levou-o a ter a esperança de tornar o conhecimento universal. Estudou o princípio da incerteza que afinal rege a matéria, leu aprofundadamente “Physik und Philosophie”, de Werner Heisenberg e com isso sabe que o ser vivo não vem a este mundo com qualquer desígnio. “Não se cumpre esgotando-se em todos os seus possíveis”. Essas palavras representam o vazio, o espaço que existe entre a massa de um núcleo e a massa de um eletrão, mil oitocentas e trinta vezes menor.
    O autor deste artigo , contrariamente, só tem certezas
    Parece desconhecer que o hominídeo que parece ter advindo de uma amiba, não tinha um destino primeiro. Era apenas o resultado de uma evolução que ocasionalmente a natureza produziu. Cumpriu o seu desígnio primeiro? Liberdade? Inteligência? Tudo isso são conceitos que têm um tempo
    A única coisa em que nos devemos empenhar é na procura, através da convivência consciente, de um denominador comum que ontem foi um, hoje é outro e amanhã não se saberá o que será, mas que permita construir uma sociedade honesta, solidária e feliz.

  2. Bruno Santos says:

    Contudo, não podemos esquecer que a constante divulgação das informações não pode mais dissociar-se dos métodos utilizados na avaliação de resultados práticos. O cuidado em identificar pontos críticos na complexidade dos diferentes estudos efetuados em contexto laboratorial apresenta tendências no sentido de aprovar a manutenção das direções preferenciais do progresso, tal como Condorcet alegadamente o definiu numa noite em que se encontrava mal disposto, depois de ter comido três pratos de couves com feijões. As experiências acumuladas demonstram que a competitividade nas transações quânticas – sempre irreconhecíveis – estimula a padronização dos paradigmas ultramundanos. Todavia, a valorização de factores subjectivos facilita a criação do sistema de participação geral. É importante não esquecer isso. Podemos, porém, vislumbrar o modo pelo qual a adopção de perspectivas descentralizadoras é uma das consequências do impacto na agilidade decisória dos instrumentos de medição e observação.
    Acima de tudo, é fundamental ressaltar que o desenvolvimento contínuo de distintas formas de actuação e interdependência assume importantes posições no estabelecimento do retorno esperado a longo prazo, mesmo no Infinito que Nicolau de Cusa se negou a reconhecer ante a maravilha de um parafuso. Pensando nesse quadro, um novo modelo estrutural aqui e ali preconizado causa impacto indirecto na reavaliação do levantamento das variáveis envolvidas, é bom de ver. No mundo actual, a hegemonia do ambiente positivista obstaculiza a apreciação da importância do fluxo de informações, tornando-as redundantes, amarelas e até hirsutas.
    Assim mesmo, a consolidação das estruturas promove a alavancagem das diversas correntes de pensamento, tal como Damásio provou no caso Gage vs. Barra de Ferro, no qual os marcadores somáticos relevam de modo decisivo na definição do princípio da Homeostase . Do mesmo modo, a percepção das dificuldades representa uma abertura para a melhoria das condições inegavelmente apropriadas – veja-se Lynch vs. Pato Donald. Não obstante, o entendimento das metas propostas obriga-nos à análise do remanejamento dos quadros funcionais transdisciplinares, sub-orbitais, extra-curriculares e meta-linguísticos num contexto estrito da estequiometria, tal como a definiu Sherazade na 423ª noite, antes de recolher o protector de mosquitos e fechar a janela. Nessa noite, quase encontrou a morte.
    Por conseguinte, o acompanhamento das preferências de verificação mutacional afecta positivamente a correcta previsão das condições de propagação, ou seja, as qualidades electromagnéticas exigidas à telecinese e à cinoterapia como de modo tão eloquente demonstrou Zé Cabra no magnífico panegírico medieval Refutatum Heresiarqui et Altri Simie. O empenho em analisar o comprometimento entre os pares infra-quânticos aponta para a melhoria do sistema de formação de campos que corresponde às necessidades do princípio da Sincronicidade em Richard Wilhelm e da Teoria dos Jogos – ver pág. 635 de “Maradona dos Cárpatos, o Virgem Negra”, Gallimard, Paris, 1973. A certificação de metodologias pós-newtonianas, operada pela primeira vez em Princeton por um contínuo indiano e, posteriormente, na Lusófona por um ministro, auxiliam a enquadrar o surgimento da anti-matéria multi-campo e cumpre um papel essencial na formulação dos níveis de excitação paranormal do electrão que salta de órbita e parte uma perna, tal como observou Korzybski quando tentou traduzir Chuang Tzu para Esperanto: “Não me estou a sentir bem”. É aqui que, historicamente, aparece o conceito de “combinação hadrónica” percorrendo um determinado canal como mera probabilidade e, acima de tudo, dependente da energia disponível, embora F. Capra defenda paralelos subsumíveis nos conceitos de “Tonal” e “Nagual” característicos das civilizações pré-colombianas que, contudo, a Antropologia actual nega, tal como nega a utilidade dos Cactos no estabelecimento de uma Teoria Geral do Universo.
    O incentivo ao avanço quântico oferecido à História da Ciência por Plastikman e Jake LaMotta, assim como a mobilidade das teorias internacionais nascidas no Monte Palomar e no Elefante Branco, estende o alcance e a importância do processo de comunicação telepática aos diferentes actores energéticos da molécula de Carbono 60 – prevista por Dürer – como um todo, contexto do qual surge a famosa frase de Euclides, o Velho, “Passa a Bola!”, erroneamente traduzida por Eusébio de Cesareia, antes de ser assassinado, para “Chuta!”. Desta maneira, a expansão do “campo” prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes da massa adepta multidimensional da qual fazemos parte no contexto holístico proposto pelos Vedas, publicados pela primeira vez em língua Vattan numa cidade entretanto desaparecida do Casaquistão, onde vivia uma senhora com bigode que vendia Carapau fumado e onde se julga ter tido origem verdadeira a Paramiloidose, posteriormente exportada para o Japão por um português do Entroncamento. A nível organizacional, a crescente influência do Espaço 1999 – principalmente do Capitão Spock – oferece uma interessante oportunidade para verificação de todos os recursos funcionais envolvidos.
    Em suma, caro leitor, o início da actividade geral de formação do Cosmos acarreta um processo de reformulação e modernização das matrizes de desenvolvimento geométrico para o futuro, o que quer que ele seja. É importante questionar o quanto a determinação clara de objectivos agrega valor ao estabelecimento das posturas alternadas dos fotões em relação às suas atribuições primeiras, mesmo tendo em conta o Bujão de Higgs.
    Viva o 25 de Abril!
    Viva!

    • Nuno M. P. Abreu says:

      “NÃO HÁ LIMITE PARA DISCURSOS VAZIOS?”
      (Jb 16,3)

      • Nuno M. P. Abreu says:

        Estratégias em um Novo Paradigma Globalizado

        " É importante questionar o quanto a estrutura atual da organização acarreta um processo de reformulação e modernização do sistema de participação geral. Por outro lado, a complexidade dos estudos efetuados cumpre um papel essencial na formulação das diretrizes de desenvolvimento para o futuro. Caros amigos, o comprometimento entre as equipes talvez venha a ressaltar a relatividade dos paradigmas corporativos.

        No entanto, não podemos esquecer que a execução dos pontos do programa oferece uma interessante oportunidade para verificação das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições. Do mesmo modo, a competitividade nas transações comerciais representa uma abertura para a melhoria das regras de conduta normativas. A prática cotidiana prova que o surgimento do comércio virtual assume importantes posições no estabelecimento das direções preferenciais no sentido do progresso. Desta maneira, a consulta aos diversos militantes facilita a criação de alternativas às soluções ortodoxas.

        É claro que o desenvolvimento contínuo de distintas formas de atuação nos obriga à análise do retorno esperado a longo prazo. No mundo atual, a hegemonia do ambiente político auxilia a preparação e a composição dos índices pretendidos. Todas estas questões, devidamente ponderadas, levantam dúvidas sobre se o início da atividade geral de formação de atitudes agrega valor ao estabelecimento do sistema de formação de quadros que corresponde às necessidades.

        Podemos já vislumbrar o modo pelo qual a expansão dos mercados mundiais promove a alavancagem de todos os recursos funcionais envolvidos. Evidentemente, a mobilidade dos capitais internacionais apresenta tendências no sentido de aprovar a manutenção do investimento em reciclagem técnica. Pensando mais a longo prazo, o fenômeno da Internet obstaculiza a apreciação da importância das diversas correntes de pensamento. O empenho em analisar a consolidação das estruturas maximiza as possibilidades por conta dos métodos utilizados na avaliação de resultados.

        Todavia, a percepção das dificuldades prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes do processo de comunicação como um todo. Gostaria de enfatizar que o aumento do diálogo entre os diferentes setores produtivos estende o alcance e a importância do impacto na agilidade decisória. Por conseguinte, a crescente influência da mídia causa impacto indireto na reavaliação do fluxo de informações. O incentivo ao avanço tecnológico, assim como a necessidade de renovação processual exige a precisão e a definição das formas de ação. O que temos que ter sempre em mente é que o novo modelo estrutural aqui preconizado não pode mais se dissociar dos modos de operação convencionais.

        Percebemos, cada vez mais, que a revolução dos costumes desafia a capacidade de equalização do remanejamento dos quadros funcionais. Não obstante, a contínua expansão de nossa atividade pode nos levar a considerar a reestruturação dos conhecimentos estratégicos para atingir a excelência. A nível organizacional, o acompanhamento das preferências de consumo possibilita uma melhor visão global da gestão inovadora da qual fazemos parte. Neste sentido, o desafiador cenário globalizado estimula a padronização das novas proposições.

        Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que a determinação clara de objetivos é uma das consequências das condições financeiras e administrativas exigidas. Acima de tudo, é fundamental ressaltar que a adoção de políticas descentralizadoras faz parte de um processo de gerenciamento dos níveis de motivação departamental. As experiências acumuladas demonstram que a valorização de fatores subjetivos ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança do levantamento das variáveis envolvidas. Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como o consenso sobre a necessidade de qualificação garante a contribuição de um grupo importante na determinação dos procedimentos normalmente adotados.

        A certificação de metodologias que nos auxiliam a lidar com o entendimento das metas propostas aponta para a melhoria das condições inegavelmente apropriadas. O cuidado em identificar pontos críticos na constante divulgação das informações deve passar por modificações independentemente dos relacionamentos verticais entre as hierarquias. Assim mesmo, o julgamento imparcial das eventualidades afeta positivamente a correta previsão do orçamento setorial".


  3. ….”análise do remanejamento dos quadros funcionais transdisciplinares, sub-orbitais, extra-curriculares e meta-linguísticos num contexto estrito da estequiometria, tal como a definiu Sherazade na 423ª noite, antes de recolher o protector de mosquitos e fechar a janela…..” ( Bruno Santos)

    …” adoção de políticas descentralizadoras faz parte de um processo de gerenciamento dos níveis de motivação departamental. As experiências acumuladas demonstram que a valorização de fatores subjetivos ainda não demonstrou convincentemente que vai participar na mudança do levantamento das variáveis envolvidas. Ainda assim, existem dúvidas a respeito de como o consenso sobre a necessidade de qualificação garante a contribuição de um grupo importante na determinação dos procedimentos normalmente adotados. …”
    ( Nuno Abreu )

    ???
    …..toda esta complexidade lexical e discursiva supostamente filosófica, ideológica sem ideias definidas nenhumas, vazia fica e desnecessária na simplicidade desta simples frase, com tudo o que pressupõe, de Jose Ortega y Gasset :

    ” O Homem é o homem e a sua circunstância ” !

    E os 25 de Abril possíveis também !!

    ….não “compiliquem” o assuntar : ))

    • Nuno M. P. Abreu says:

      Cara Isabela. Hoje tive um tempo de folga e vim ao Aventar festejar o 25 de Abril. Fico sinceramente contente por aparecer.
      Os textos que cita são intencionalmente vazios porque como citei no seu livro , Job um pobre rico em sabedoria, escreve “NÃO HÁ LIMITE PARA DISCURSOS VAZIOS”
      Afinal não foi isso que se viu hoje na Assembleia da Republica? Não é isso que aqui se vê?
      Tenha uma boa noite.

      • Carlos Almeida says:

        Por acaso também gostava muito das “conversas em família” do Marcelo Caetano na RTP em 1968 e 69.
        Eram discursos nada vazios e até muito cheios.
        Que riqueza e que profundidade de pensamento.!
        Lembra-se ou é muito novo para isso.
        De que é que eram cheios aqueles discursos do Marcelo Caetano, sabemos nós todos muito bem, agora
        Mas quem andava acordado, já sabia disso nesse tempo. Foram precisos mais 6 anos para a maioria começar a perceber melhor.

        • Nuno M. P. Abreu says:

          Caro Carlos Almeida:
          Sinceramente não entendi muito bem o seu comentário. Por caso TAMBÉM gostava muito?
          Quem era o outro, ou os outros, que o acompanhavam nos seus legítimos gostos?
          “Lembra-se disso ou é muito novo”. É uma afirmação ou uma pergunta?
          Bem, na dúvida vou responder.
          Não, não me lembro. Não porque fosse muito novo para isso. Mas simplesmente porque de 1967 a 1974, estive fora do país. Regressei após o 25 de Abril, voltei a sair pouco depois, para regressar em 1978.
          Já agora e porque o saber não ocupa lugar, se quiser dar-se ao trabalho, explique lá de que conteúdo eram cheios os discursos de Marcelo Caetano, conteúdo esse que só os acordados entendiam e para os quais foram precisos seis anos para a maioria começar a perceber melhor. Eram assim tão ideologicamente densos ou a maioria dos portugueses era muito estúpida?

          • Carlos Almeida says:

            !970 na RTP

            Conversas em família do Marcelo Caetano.
            Assunto; A recepção pelo Papa no Vaticano aos 3 representantes dos movimentos anti colonialistas de Angola, Moçambique e Guine

            https://arquivos.rtp.pt/conteudos/conversa-em-familia-8/

          • Nuno M. P. Abreu says:

            Tive o cuidado de ouvir. Oito minutos e cinquenta e sete segundos. Nada de novo. Uma tentativa patética de desvalorizar a recepção de Paulo VI a Agostinho Neto, Amílcar Cabral, e Marcelino dos Santos. Lembro-me da discussão que isso levantou na altura e de se pensar que havia chegado a hora. Só não entendi a conexão !


  4. Olá, Nuno Abreu.
    Sim, discursos vazios ! : (

    … ! e tanto mar e cheirinho de alecrim ! que pena.

    E acontece que eu hoje dei preferência de escutar o Presidente Macron com agrado e interesse num canal Tv francês na íntegra, até às perguntas finais e respectivas respostas ! Política à parte, não há dúvida que dá para comparar estes discursos vazios ( e comportamentos ) do Presidente português et alii com um Presidente da República jovem e senhor de uma estrutura e nível e competência política e humanismo que pressupõem cultura e gabarito para gerir um grande país como a França !
    Vale a pena aceder e escutar ! fiquei a apreciar melhor com uma pontinha de esperança este jovem seguro e determinado Emanuel Macron !

    Bonne nuit ….au bout du chagrin li y aura toujours une fenêtre ouverte ?

  5. Nuno M. P. Abreu says:

    Ainda bem, para mim claro, que simpatiza com Macron. Numa análise superficial sempre a vi mais inclinada para Mèlenchon. A vitória sobre Le Pen foi para mim e sobretudo para a Europa um grande alívio. A ultrapassagem que as sondagens agora indicaram para as europeias de Macron a Le Pen são também uma esperança. Estou cansado de extremismos. Boa noite. …
    .il y a toujours une fenêtre à ouvrir…


  6. ” Ainda bem, para mim claro, que simpatiza com Macron. Numa análise superficial sempre a vi (?) mais inclinada para Mèlenchon….”

    Olhe que não, Nuno Abreu, olhe que não !

    !! não esteja(m) sempre a conotar opiniões pessoais e pontuais com ideologias políticas e politiqueiras de quem simplesmente comenta porque está atenta ao mundo, e curiosa e orientada por valores de ordem pessoal sem condicionamentos ou critérios ou estereótipos de ordem política ou politicamente enviesados, posso ser diferente? repito !

    :(( ! que raio de mania de rotular politicamente as pessoas !!!!!!

    • Nuno M. P. Abreu says:

      Já neste espaço referi que, segundo Yuval Noah Harari, em “Sapiens, o homem sapiens sapiens só chegou até aqui graças à coscuvilhice e a bandeiras. A capacidade de um chimpanzé se ligar a outra indivíduos da sua espécie e neles confiar é limitada e por isso não constituem grupos de mais de cento e cinquenta individuos.
      Mas o homem, graças a tagarelice e a bandeiras consegue agregar-se em grupos muito maiores e atingir e interligação que hoje é quase global. Se encontro alguém que não conheço mas é do meu clube logo a empatia aumenta e a capacidade de agregação é maior.
      Não temos ainda capacidade de análise efectiva do carácter das pessoas com que lidamos e por isso necessitamos de estereótipos que nos façam uma seleção prévia para que o nosso campo de análise seja mais limitado.
      Se sei que concorda com as ideias de alguém e conheço essas ideias mas fácil é o dialogo porque desde logo várias questões estão definidas.
      Agora indo ao ponto da questão.
      Respeito muito quem lutou pela liberdade “tout court”. Não respeito quem lutou contra uma ditadura para impor outra ditadura.
      Cunhal não regressou a Portugal para ajudar a instaurar a liberdade. Ele próprio confessou ao afirmar que estava enganado quem pensava que em Portugal iria ser instaurada uma democracia do tipo ocidental.
      Álvaro Cunhal era apologista da censura, do partido único da falta de liberdade de expressão. Declarou-o abertamente em Janeiro de 1968, com a chegada ao poder de Alexander Dubcek no governo checoslovaco que deu início a uma série de reformas cujo objetivo era “desestalinizar” o país diminuindo as restrições à liberdade de expressão e de imprensa.
      Como Carlos Brito declarou na passagem dos 50 anos daquele acontecimento até o partido apoiava tal remodelação, mas Alvaro Cunhal impos-se e apoiou o esmagamento da Liberdade à força de tanques soviéticos, matando 72 pessoas e ferindo mais de setecentas acabando assim com o que então se designava por comunismo com rosto humano
      Não conheço quem são as pessoas que constam do memorial para que me enviou. Se são genuínos lutadores pela liberdade presto-lhes a minha mais honrosa homenagem. Se são fanáticos inconsequentes que pretendiam derrubar uma ditadura para impor outra ditadura ainda mais agressiva só posso piedosamente desejar-lhes que descansem em paz.
      Mas IDEOLOGICAMENTE merecem-me tanto respeito como estes bombistas suicidas que eu nome de uma causa se sacrificam, sacrificando inocentes.


      • …”
        IDEOLOGICAMENTE merecem-me tanto respeito como estes bombistas suicidas que eu nome de uma causa se sacrificam, sacrificando inocentes. ” !!!

        Nuno Abreu, não querendo aceitar este seu comentário que lamento e repudio ter sido escrito aqui por si, solicito a sua atenção ainda com esperança de consideração pessoal para o site Memorial para o qual remeti sugestão como sendo referência ao Museu inaugurado recentemente no Forte de Peniche :

        http://www.museunacionalresistencialiberdade-peniche.gov.pt/

        que poderá (deveria…) visitar presencialmente, no entanto nestes sites referidos aqui pode ficar a conhecer algumas dessas pessoas que constam do memorial que sugeri e das quais o Nuno Abreu supõe serem algumas delas :

        …” fanáticos inconsequentes que pretendiam derrubar uma ditadura para impor outra ditadura ainda mais agressiva ” !

        Tem aqui 2 ou 3 exemplos , mas se estiver interessado, e já agora deveria estar, pois está lá gente valorosa a quem devemos muito e que não podem ser esquecidos !
        Voilá :

        https://www.memorial2019.org/site/presos/georgete-de-oliveira-ferreira

        https://www.memorial2019.org/site/presos/herminio-da-palma-inacio

        ….etc, etc, etc.…….

        • Nuno M. P. Abreu says:

          Cara Isabela:
          Parece-me haver uma tentativa persecutória contra o que escrevo apenas porque não respeito com a mesma veneração os pregadores oficiais deste espaço.
          Repito que não respeito ninguém que lute pela imposição de uma ideologia que não garanta a liberdade e antes declare querer impor uma ditadura.
          Respeito e venero quem se sacrificou lutando pela liberdade e consequentemente aqueles que foram presos e torturados nessa luta.
          Condeno veementemente todos os regimes que prendem por delito de opinião
          Não respeito nem venero quem sofreu na luta para impor uma ditadura, tenha ela o sinal que tiver
          Respeito-a a si porque me parece ter ideias algo diferentes das minhas mas que luta por elas com nobreza e galhardia e até, com bastante humor.
          Aceito argumento “à contrario” mas não mudarei enquanto não estiver convencido que mudaria para melhor.

          Bonne nuit et fais de beaux rêves


          • Olá, Nuno Abreu.
            Claro que é na diferença que nos encontramos connosco mesmos, mas quantas vezes sentindo na diferença a solidão !
            Não estamos aqui para forçar a que concordem connosco, nem a tencionar mudar a opinião ou ideologia de ninguém muito menos para insinuar insultos, não estamos no Aventar como se num campo de batalha, mas em tertúlia desde que cívica e solidariamente convivamos com a tolerância e camaradagem desejável, prazerosa e até proveitosa em termos de cidadania e cultura.
            E com humor também, quanto preciso dele como arejo e contra-ponto, desde que ao nível do nonsense de qualidade, com a inteligência a divertir-se !
            …” au claire de la lune, mon ami Pierrot, prête moi ta plume pour écrire un mot . ” c´est ça !
            : )


  7. ….sugestão :

    bamo nessa ? ! : )

    https://www.memorial2019.org/site/pelo-caminho


  8. …corrigindo link anterior :

    https://www.memorial2019.org/site/


  9. ! et car il y a toujours une autre fenêtre à ouvrir :

    • Nuno M. P. Abreu says:

      Alguém da minha geração que tal como eu foi educada numa estrutura familiar severa e que um dia se libertou.Infelizmente ela acabou cedo e mal . Mas ouça o que diz sobre a Liberdade. Boa música.


  10. ……..repito, gente valorosa e digna a quem devemos muito e que não podem ser esquecidos !

  11. Bruno Santos says:

    Abreu, concentre-se no Fotão.


  12. ……” Museu inaugurado recentemente no Forte de Peniche ”

    ! CORRIGINDO :

    Museu em estudo e projecto, e .inauguração do Memorial em homenagem aos presos políticos do Forte de Peniche .

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.