Os homens de poder

Quis, certo dia, um homem de poder explicar-me sucintamente a sua visão sobre o mundo, a qual determinava tudo o que ele fazia. Disse-me assim:
– Eu gosto de ver o Porto ganhar aos 95 minutos de jogo, com um penálti inventado.

A confissão não pedia resposta. Era uma espécie de lição gratuita do presumido mestre em “petas e lérias” ao ingénuo aprendiz que se lhe apresentava em inferioridade.

Sou do Porto. Mas não sou do mesmo Porto daquele homem de poder. Sou do Porto que ele ajudou a matar. Do Porto que ganha porque é melhor. Do Porto que perde porque não soube mais.
Aquele homem de poder simboliza a derrota do que é mais valioso na humanidade. Simboliza a traição ao esforço de superação, à determinação inquebrantável dos que acreditam poder criar força das suas fraquezas, dos que enfrentam os obstáculos transmutando o medo em energia vital, dos que não se submetem ao destino que qualquer falso deus lhes quis impôr.

Aquele homem de poder é um símbolo da batota e da fraqueza. Na verdade, ele não é do Porto. Ele é de quem ganha.
Lembrei-me dele por causa desta história dos professores e do golpe palaciano urdido pelo primeiro-ministro.

Comments

  1. Mário Reis says:

    E ele há tantos que são portistas assim… apressam-se a atirar os outros para a sepultura e em pavonear-se ao sol. Uma matilha de que serve quem o verdadeiro poder tem

  2. Nuno M. P. Abreu says:

    Totalmente de Acordo.
    Treinei no Porto sendo júnior do Vitória Sport Clube. Gostava do Porto. Tinha nos juniores um jogador chamado Acácio, um 10 que se dizia ir substituir o grande Hernâni, que era o meu ídolo. Infelizmente perdeu-se pelo caminho e não alcançou o lugar para que estava destinado.
    Também eu vibrei com o primeiro titulo de Pedroto. O homem que como jogador trocou o Belenenses pelo Porto por oitocentos contos um valor astronómico p’ra época.
    Mas depois cedeu à chantagem de Pinto da Costa para assaltar o poder e muda-se de armas e bagagens para Guimarães, com a equipa toda, Artur Jorge e Morais , preparando com Reinaldo Teles a assembleia que acabaria com Américo de Sá. Aliaram-se ao Pimenta e a partir dai a ética perdeu razão de ser.
    Hoje não suporto ouvir Pinto da Costa. Associo-o logo a carne com “bafio”, carne “rançosa” que o tempo vai tornando cada vez mais indigesta. O meu neto é portista. Só o aconselho: enquanto Pinto da Costa for presidente não te faças sócio.

    Nota. Também tem razão a associar isto à politica de hoje. Os bastidores do futebol e da politica tem hoje muito em comum. Aliás é talvez por isso que os comentadores das duas áreas, que vemos nos ecrãs da TV são maioritariamente os mesmos.

    • Ricardo Pinto says:

      Tem toda a razão em tudo o que escreve. Também não suporto ouvir Pinto da Costa.
      Mas já agora, só para testar a sua coerência, suporta ouvir Luís Filipe Vieira?

      • Nuno M. P. Abreu says:

        Procurando ser o mais sincero possível, a conversa de Pinto da Costa cheira-me, naturalmente, mais a ranço porque tem mais do triplo do tempo.
        De qualquer forma, ao falar de bastidores de futebol como local inapropriado e bafiento, fui suficientemente abrangente.

    • Fernando Manuel Rodrigues says:

      Tem razão. O Pinto da Costa é um malandro. No tempo do Américo de Sá é que era bom. Fartámo-nos de ganhar….

      Falar dessa maneira do homem que construiu o FC Porto que temos hoje, que fez dele um clube grande a nível europeu, o clubre português com ais títulos internacionais, e que há poucos anos chegou mesmo a ultrapassar o Benfica em número de títulos (no ano antes do inóicio do “treta”), é simplesmente de uma ingratidão atroz.

      Pinto da Costa está no ocaso, fruto da inexorável lei da vida, e cometeu alguns error nos últimos anos, mas nada pode apagar a História.

      E se fosse dar banho ao cão?

  3. Rui Naldinho says:

    Vi Soares ser idolatrado, “o pai da democracia”, até ao dia em que caiu em desgraça, derrotado por meter o socialismo na gaveta, e quando um ex dirigente do seu partido resolveu publicar as maravilhas desse PS desconhecido.
    Vi Cavaco ser considerado o melhor Primeiro Ministro da democracia portuguesa, até ao dia em que saiu com o rabinho entre as pernas, culpado de ter criado o monstro da Função Pública, e de cultivar o Betão, em vez da Educação.
    Vi Guterres ser considerado o Primeiro Ministro mais humanista de que há memória, apaixonado pela Educação, pela inclusão social e pela Europa, tendo fugido pouco depois, com medo do pântano.
    Vi aquelas aves raras do PSD, Durão Barroso e Santana Lopes, serem corridos por indecência e má figura, um armado em cherne, outro armado em noctívago.
    Até vi Sócrates travestido de estadista, Engenheiro de canudo inacabado, denominado pelos média, como o homem que iria acabar com a direita e com a esquerda, unindo tudo ao centro, sentado na cela de uma cadeia, mesmo que de forma preventiva.
    De Passos Coelho não falo, porque tenho medo do Diabo. E se falarmos no Diabo ele aparece.
    E Costa?
    Quanto a Costa, virá o dia em que será também ele será escorraçado, mas a seu tempo. Não, não vão ser os professores, os enfermeiros, os militares ou os polícias. nem aquilo que se designa pelo sector privado. isso são tudo peões de brega.
    Vai ser ele próprio e a teia de interesses que defende.
    Vendo bem, sempre fomos governados por batoteiros.


    • Aplaudo esta sua análise inteligente, Rui Naldinho !

      Mas ……cadê os outros ?

      E o povo de batoteiros cidadãos xicos espertos deste país de onde saíram afinal estes batoteiros ?

      E nós por cá, só a dar porrada ?

      ! não teremos que contribuir seriamente cada um de per si para tentar melhorar a coisa política, a causa pública, o futuro dos vindouros ?

      • Nuno M. P. Abreu says:

        No alvo, Isabela!
        Isto de dizer que são todos uns cretinos,batoteiros e xicos espertos como se não fizéssemos parte integrante dessa sociedade é sacudir o capote. Afinal esta gente que está no poder não foi eleita por nós? Não são nossos filhos, nossos netos, nossos pais ou avós?
        No meu entender devem-se discutir ideias por mais díspares que sejam, apresentado argumentos e contra-argumentos na procura de uma caminho melhor que só nos podemos construir.
        Generalizar e colocar etiquetas foi o que nos fez chegar até aqui!

      • JgMenos says:

        Essa dos vindouros vai levar-me a observar o que venha a dizer de despesa pública e dívida.

      • Rui Naldinho says:

        Eu até era capaz de admitir que alguma desta gente entrou de boa fé, na governação. Falo no caso dos ex PMinistros mais velhos. Mas trocaram as suas convicções logo na primeira pressão que lhes foi feita por um qualquer lobista de serviço.

    • Fernando Manuel Rodrigues says:

      Jejamos, seguindo a sua lógica “infantil” (para não dizer pior), um clube que ganha uma Taça dos Campeões e uma Liga dos campeões, uma Taça UEFA e uma Liga Europa, uma Supertaça Europeia e duas Supertaças Mundiais, conseguiu tudo isso por ser “batoteiro”.

      Realmente, e como diz o povo, não há pior dor que a dor de cotovelo. Mas eu acrescentaria, à boa maneira “tripeira” a “dor de corno”.

      Pinto da Costa sairá em breve, fruto da inexorável lei da vida, mas não vai sair escorraçado, por muiot que isso doa a todos os anti-portistas. E ficará para sempre com um lugar na História do FC Porto e do futebol português e europeu. É o dirigente mais titulado DE SEMPRE.

      • Rui Naldinho says:

        Meu caro

        Eu nem sequer falei de futebol. Apenas falei de batototeiros, na política, tal como o autor presume existirem no futebol.
        O que é que o F C de Porto ou Jorge Nuno P. da Costa têm a ver com o meu comentário?
        Presumo que nada!

        • Fernando Manuel Rodrigues says:

          Tem razão, e peço desculpa. Li Costa, e como o artigo falava em Pinto da Costa, assumi que era a esse Costa que se referia.

          Percebo agora que provavelmente se referia a António Costa, o PM.

  4. Paulo Marques says:

    Não estão todos com António Costa por ter ganho, estão todos com António Costa por bater no alvo favorito de quem lhes paga o ordenado, ainda por cima o subgrupo do qual já fizeram todos tratar como inútil.


  5. li o texto pelo lado “metafórico” , digamos assim. Nesse sentido, as 9 últimas frases são a tal cereja em cima do assunto. Confesso que a comi com prazer.

  6. Fernando Manuel Rodrigues says:

    Quanto ao “golpe palaciano urdido pelo primeiro-ministro” ele casa bem com o epíteto de “batoteiro” aplicado a Pinto da Costa. Quer dizer:

    PSD e CDS juntam-se à extrema-esquerda irresponsável e trauliteira para “tramar” o PS, e ficam-se quais “putos reguilas” a esfregar as mãos de contentes, a pensar (e a dizer): Já te lixámos.

    Vai daí, o PM, E MUIOT BEM, vem dizer: “Ai querem festa? Pis ficam a dançar sozinhos. Agora ide lá apanhar as canas”.

    Mas os “inteligentes” do Aventar, do alto da sua costumeira e enviezada miopia, vêm dizer que foi um “golpe palaciano”… LOL

    Estavam porventura à espera que ele comesse e calasse? São mesmo pategos.

  7. Nuno M. P. Abreu says:

    Apontei razões porque não gosto do comportamento de um individuo chamado Jorge Nuno Pinto da Costa, quer como dirigente desportivo quer como comportamentos na vida privada que se tornou publica.
    Aponto mais algumas
    Foi eleito numa lista de Alexandre Magalhães de quem era compadre e mais tarde criou rupturas com ele e com o seu próprio filho.
    Foi escolhido por Américo de Sá para a sua lista e logo depois se voltou contra ele.
    Casou-se, abandonou a mulher foi viver com outra. Casou anos mais tarde e logo se seguida abandonou a segunda mulher juntando-se a uma acompanhante da noite. Em ruptura com esta voltou a casar, de novo, com a segunda evitando testemunhos em tribunal.
    Abandona-a mais uma vez e junta-se com outra com quem casa anos mais tarde para a abandonar em seguida para se juntar de novo e de novo abandonar.
    Apoiou um treinador que chamou palhaço ao seleccionador nacional e de seguida pede desculpa por não querer ofender os palhaços porque estes mesmo, quando são negros , pintam a cara de branco. Poderia continuar.
    As vitórias do Porto a nível europeu só engrandeceram Portugal e por isso estou grato ao FC do Porto. Mas isso nada tem a ver com o carácter e comportamento ético das pessoas.
    Bernard Tapie, retirou o Olympique de Marseille da masmorra e tornou-o no clube francês mais medalhado de França a nível europeu. Em Junho de 1997, Bernard Tapie foi condenado uma primeira vez por fraude fiscal a 12 meses de prisão com pena suspensa e seis meses de prisão efectiva. Dois anos antes, tinha sido encarcerado durante oito meses, no âmbito de um caso de corrupção num jogo.

    • Fernando Manuel Rodrigues says:

      Sobre a vida privada de PC não me pronuncio. Subscrevo as suas críticas, mas trata-se da vida privada, e para o que respeita ao FC Porto, isso não me interessa.

      Também não conheço muito das vidas privadas dos nossos governantes, mas tenho conhecido algumas situações pouco abonatórias de alguns, e nunca os julguei por isso (julguei-os, sim, por serem maus governantes).

      Se me questiona sobre a vida privada de PC, acho-a reprovável. Mas ele, embora por vezes lhe chamem papa, não é líder de culto.

      Quanto ao que fez a Américo de Sá, é preciso contextualizar. Américo de Sá, servia-se do clube para se promover politicamente, e era subserviente aos “senhores de Lisboa”. Foi isso que levou ao rompimento de Pinto da Costa (E AINDA BEM).

      A comparação com Tapie é absurda. Tapie foi condenado por crimes cíveis (que nem sequer tinham a ver com o OM). Pinto da Costa nunca foi condenado, embora tivesse sido montado todo um circo, com direito a uma procuradora e restante staff vir de Lisboa, instalar-se no Porto, e reabrir um processo que não tinha dado em nada, para depois o fechar, voltando a não dar em nada, esbanjando recursos públicos, quye muita falta faziam a combater a verdadeira corrupção, como agora se sabe.

      Curiosamewnte, nas famosas “escutas” também ouvimos Luis Filipe Vieira, mas as investigações não passaram para baixo de Leiria. E o que Vieira disse na altura veio a concretizar mais tarde, como agora (também) sabemos.

      • Nuno M. P. Abreu says:

        Senhor Fernando M. Rodrigues:
        Se fizer uma pequena restrospectiva verá que apenas concordei com o autor sobre uma crítica a determinados comportamentos, aparentemente desportivos, importados pela politica.
        Como procuro ser objectivo, objectivei. Isto é, apresentei acontecimentos acontecidos.
        Comecei por enumerar alguns comportamentos para justificar o porquê de não gostar da figura de Pinto da Costa.
        Não enumerei, então, nenhum referente à sua vida privada.
        Retorquiu,referindo os feitos do FC do Porto. O que tem isso a ver com o carácter do seu presidente?
        Foi então que enumerei comportamentos pessoais que possibilitam ter uma opinião sobre um cidadão. Jamais me atreveria a vasculhar a vida privada de Pinto da Costa. Mas ele nunca teve pejo de a expor publicamente e por isso tais comportamentos tornaram-se do domínio publico e, consequentemente, sujeitos a escrutínio.
        Américo de Sá servia-se do clube para se promover? É uma sua opinião que tem o direito de subscrever. De qualquer forma a honestidade intelectual obrigaria-o a factualizar. Não li nenhum facto concreto assinalado. Mas posso dizer que Pinto da Costa, um funcionário de um banco de segunda, mais tarde um vendedor de tintas, viveu à custa do que o Porto lhe pagou. Quanto? Deixo à sua consideração.
        Em relação a Pinto da Costa foi montado um circo? Foram arregimentados factos que indiiciavam comportamentos ilícitos. Há 3 árbitros que foram expulsos da arbitragem por tais comportamentos. Estranhamente os corruptores passivos não foram condenados apenas por razôes processuais. Ou porque não foi provado o nexo causal, ou porque as escutas não foram obtidas com autorizaçao judicial, ou porque um tal Joaquim Pinheiro tinha entregue o dinheiro ao arbitro apenas para ele fazer o favor de o levar para pagar o ordenado de um júnior.
        Isso não impede de qualquer cidadão consciente e consciencioso ter direito a fazer o seu juízo de valor.

        • Ricardo Pinto says:

          É curioso que tenha tanto a dizer sobre Pinto da Costa e nem uma palavra sobre o presidente do Benfica. Tantas estorias sobre Pinto da Costa e nem uma sobre o outro, quando o primeiro à beira do segundo é um menino!

          • Nuno M. P. Abreu says:

            O que terá de curioso conhecer tantas histórias do Pinto da Costa e nada falar sobre o presidente do Benfica?
            No meu entender nada tem de curioso. Apenas se fundamente na lógica das coisas.
            Com um pouco de atenção repararia que falei de assuntos que se passaram no século passado, quando estava na vida activa. Tinha contacto com diversas personagens ligadas ao futebol.
            Por exemplo. O filho do Pedroto, Bernardino Pedroto que foi para o Vitoria levado pelo pai ,casou com uma miúda que andou comigo na escola e por acaso era irmã da mulher do tal vice~presidente do Conselho de Arbitragem escolhido pela Associação de Futebol do Porto de que foi presidente Lourenço Pinto.
            Já agora. Por essas alturas, conheci vagamente Luís Filipe Vieira mas apenas como empresário, proprietário de uma empresa de pneus a dois quilómetros da casa onde morava, em Sintra e onde ia comprar pneus. Como empresário, segundo informações publicitadas é tão credível como Joe Berardo.
            Mas afinal quem tem conhecimento pleno sobre os dois é o Sr. Ricardo. Até sabe que o Sr. Pinto da Costa é um menino à beira de Filipe Vieira .
            Conte lá o que sabe. Se é factual pode ter interesse para este fórum.

  8. Julio Rolo Santos says:

    Os professores continuam a considerar Antônio Costa como seu inimigo número um e os restantes partidos como seus aliados sinceros na luta que os opõem ao governo. Esperem-lhe pela resposta da próxima sessão plenária para a votação final e as surpresas vão surgir.

    • Paulo Marques says:

      É mais ao contrário, o professores são o inimigo número um de socialistas, sociais-democratas e padres.

  9. João Soares says:

    Sr. Fernando Rodrigues !
    A esta hora já deve ter percebido que o que o Abreu quer é conversa fiada.
    Lá na terra ,já ninguèm lhe passa cartão.Gostam tanto do infeliz como da escarlatina !
    Depois de almoço ,já ninguém o consegue aturar.
    Um dia destes conto aqui umas estórias.

    • Nuno M. P. Abreu says:

      “Doze vozes gritavam, cheias de ódio, e eram todas iguais. Não havia dúvida, agora, quanto ao que sucedera à fisionomia dos porcos. As criaturas de fora olhavam de um porco para um homem, de um homem para um porco e de um porco para um homem outra vez; mas já era impossível distinguir quem era homem, quem era porco.“

      https://citacoes.in/autores/george-orwell/

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.