Na mouche

Piropo: elogio ou estupidez?

Comments

  1. Julio Rolo Santos says:

    Piropo: elogio ou estupidez? Em tempos idos, o piropo era entendido como um elogio e a mulher gostava. Os tempos mudaram e hoje um piropo é aproveitado pela mulher para obrigar o autor do piropo a assentar o traseiro no mocho e em tribunal pedir uma indemnização, por ofensa á honra e dignidade da mulher supostamente ofendida. É o que está a dar. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.

    • Paulo Marques says:

      Há piropos e piropos, e há níveis de confiança em que isso acontece. Mas quando se lê as histórias de quem passa por isso várias ver por dia percebe-se que a diferença é que agora têm voz.

Responder a Julio Rolo Santos Cancelar resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.