Joaquina Moreira

A senhora deputada do Livre, pela coragem demonstrada, conquistou o direito de proferir o discurso do 10 de Junho, Dia de Portugal.

Comments

  1. Julio Rolo Santos says:

    Aqui ninguém poe em causa a competência da parlamentar do livre, o que se lamenta, é que a Senhora Joacine não consiga fazer passar a sua mensagem que seja perceptível, em primeiro lugar, para a câmara parlamentar e, depois, para os seus apoiantes. Nada mais do que isto.

    • Lara Liz says:

      Eu lamento muito mais e muito mais grave que isso : Lamento que ela não respeite o povo português, nem Portugal, nem os seus símbolos. Lamento que ela queira dar lições de liberdade e de igualdade a quem já tinha esses valores quando ela nasceu. Lamento a arrogância dela relativamente a um país que não a discriminou (como ela parece queixar-se), mas lhe deu a nacionalidade, os estudos e até a possibilidade de chegar a um cargo político.

      • Paulo Marques says:

        O discurso não é mau por ser incorrecto, mas por ser paternalista.
        A ideia de que o país é igualitário, num país onde se não fosse por decreto mal havia deputadas (entre outros fenómenos), só se for para rir.

        • Lara Liz says:

          Eu falei de igualdade e liberdade como valores, não como factos. Estes dependem dos políticos, e a sua falta já foi lembrada inúmeras vezes por outros portugueses (políticos alguns, outros não). Não é uma nova personagem que vem agora dizer algo de novo, com ares de quem tira “um coelho da cartola”.
          E falei também de outros aspectos, que fazem parte de um todo, referidos à senhora em questão.

          • Paulo Marques says:

            Um país não tem valores, os seus cidadãos é que têm. E cá é mais “vai para a tua terra”, “vai para a cozinha” e sapos em todo o lado.
            A personagem tem tanto direito como outro cidadão qualquer, que é um valor da constituição. Admita-se, pouco respeitado no país do respeitinho e das multas do ECJ.
            Os outros aspectos não faço ideia onde os foi buscar.

      • Miguel Martel says:

        Lara diz bem, tinha liberdade e igualdade, pois há mais de 30 anos que não temos liberdade devido á violência e subtis mordaças. Não temos igualdade porque ela não existe, muito menos num país onde umaminoria goza de total impunidade judicial, como o confirmam o pedófilo vermelho que removeu uma marca que tinha nas costas, ou os terroristas das FP25Abril que tiveram um indulto presidencial, apesar de crimes de sangue.

        • Lara Liz says:

          Você sabe ler? Será que eu falei em “ter” liberdade e igualdade, ou em ter esses VALORES? Será a mesma coisa? Os valores já os temos há várias décadas, os factos políticos são outra coisa. E nem sequer é por falta de eles serem lembrados por outros partidos que eles faltam na realidade.
          Será que precisamos de alguém que vem falar no assunto como se trouxesse uma grande novidade, como se fosse a primeira a “descobrir a pólvora”?
          Além disso, eu não falei só nesse aspecto, se é que leu bem o meu comentário!

    • Anonimus says:

      Qual coragem?
      Não cumprimentar o Ventura ou chamar nomes ao Camarada Daniel?


  2. E se for em Coimbra símbolo máximo da cultura tuga será a cereja em cima do bolo!

  3. Fernando Manuel Rodrigues says:

    LOOOOL. Seria um discurso para a História. LOOOOL. E que tal basear o seu discrurso numa dissertação sobre o que representa o quadro da chegada de Vasco da Gama a Calecute? 😉

  4. JgMenos says:

    Era só o que faltava para mandar o dos afectos para o manicómio.

  5. Fernando says:

    Qual é mesmo a mensagem do “Livre”?

    Ok, defendem as minorias… mas não é isso o que o Bloco de Esquerda já fazia?

    Quais são as soluções que o “Livre” defende para os problemas muito graves que os sucessivos governos austeritários (sim, também os do PS) criaram com a ajuda da Troika internacional?

    Não me digam, a solução do “Livre” é “mais Europa”….

    Até aqui o “Livre” plagia, o PS anda a defender “mais Europa” há muito tempo e olhem o estado a que isto chegou!

    O “Livre” é isto:

    Europeísmo (mais do mesmo) + questões identitárias – questões de classe.

    O “Livre” só não copia as questões de classe porque acha que classe é coisa do passado.
    Por alguma razão Rui Tavares tem lugar garantido no jornal da Sonae, ao contrário de outros que foram saneados desse mesmo jornal há algum tempo.
    Desta “esquerda” gostam os que têm o carcanhol.

    • Paulo Marques says:

      Basicamente, sim, como se fosse possível resolver a desigualdade com tanta escassez artificial. Não, camaradas, assim ganha quem já tem o poder.

    • JgMenos says:

      Ai, a austeridade!
      Deem-me dívida para outros a pagarem!

  6. Eu mesmo says:

    Curiosamente eu acho que não faz sentido comemorar um dia de “Portugal” pois Portugal já não existe, morreu,

  7. Lelo says:

    O pessoal de Livre não respeita o provo portugues.
    As mãos são a ferramenta do carpinteiro, a voz é do deputado.

  8. pvnam says:

    —»»» O DISCURSO DO ÓDIO NÃO ESTÁ NOS AUTÓCTONES QUE PROCURAM SOBREVIVER PACATAMENTE NO PLANETA… MAS SIM… NAQUELES QUE (EM CONLUIO COM INTERESSES ECONÓMICOS) PROCURAM IMPEDIR QUE POVOS AUTÓCTONES DISPONHAM DE TEMPO PARA PROSPERAR AO SEU RITMO!!!
    .
    .
    1. O NACIONALISTA EUROPEU
    -» O nacionalista europeu está numa encruzilhada: ele já trabalhou como mercenário anti-Identidade… embora hoje em dia seja usado como bode expiatório…
    [nota: o seu trabalho nas Américas, na Austrália, (povos autóctones foram, inclusive, alvo de holocaustos massivos), não foi um trabalho nacionalista… mas sim… um trabalho mercenário anti-Identidade ao serviço de interesses económicos]
    .
    .
    2. O AFRICANO DO ANTI-RACISMO E ANTI-XENOFOBIA
    -» São mais do mesmo: mercenários anti-Identidade!
    Ora, de facto: pessoal (leia-se, esclavagistas) que gosta de fazer negociatas com mão-de-obra servil ao desbarato… usou no passado africanos como escravos… no entanto, todavia… hoje em dia os grandes aliados de (muitos) africanos são precisamente os neo-esclavagistas!!!
    Com efeito, ambos (muitos africanos e neo-esclavagistas):
    i) não estão interessados em devolver territórios aos povos autóctones que foram alvo de sabotagens sociológicas [nota: alguns (nas Américas, na Austrália), foram, inclusive, alvo de holocaustos massivos] e impedidos de poderem prosperar ao seu ritmo.
    {uma obs: os africanos não foram apenas usados como escravos… foram também… usados como instrumento de substituição populacional de povos autóctones}
    ii) não estão interessados que a ajuda aos mais pobres seja feita por meio da introdução da Taxa-Tobin… para eles… tal deve ser feito por meio da degradação das condições de trabalho da mão-de-obra servil de outros povos.
    iii) consideram que os povos autóctones (que procuram sobreviver pacatamente no planeta) devem ser classificados de racistas/xenófobos… logo… devem ser alvo de represálias/sanções.
    .
    .
    3. OS BOYS E GIRLS DA MODERNA SOCIEDADE MERCENÁRIA EUROPEIA
    -» não gostam de trabalhar para a sustentabilidade demográfica: procuram nacionalizar salvadores da demografia.
    -» não gostam de trabalhar para a sustentabilidade financeira: procuram vender tudo aquilo que puderem a estrangeiros endinheirados
    -» consideram que a mão-de-obra servil é «carne para canhão»: com efeito, tal como (muitos) africanos e tal como os neo-esclavagistas, estes boys e girls procuram implementar a doutrina: a ajuda aos mais pobres não deve ser feita por meio da introdução da Taxa-Tobin… mas sim… por meio da degradação das condições de trabalho da mão-de-obra servil de outros povos.
    .
    .
    .
    .
    A luta pela liberdade no planeta passa pela mobilização de Identitários para o SEPARATISMO!
    (manifesto em divulgação, ajuda a divulgar)
    .
    .
    IDENTITÁRIOS SEPARATISTAS:
    1- todas as Identidades Autóctones devem possuir o Direito de ter o seu espaço no planeta -» inclusive as de rendimento demográfico mais baixo, inclusive as economicamente menos rentáveis.
    2- os ‘globalization-lovers’, UE-lovers, etc, que fiquem na sua… desde que respeitem os Direitos dos outros… e vice-versa: SEPARATISMO-50-50.
    —» blog http://separatismo–50–50.blogspot.com/

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.