Apologia do Voluntariado

O voluntariado, assim como o serviço pro bono, destina-se, geralmente, a prestar ajuda aos necessitados ou a causas frágeis que sem esse auxílio encontrariam inultrapassáveis dificuldades de sobrevivência. É o caso de uma grande parte das “startups” da Web Summit, as quais nascem quase todas de cesariana e com malformações congénitas e desaparecem ao fim de alguns meses em funerais invisíveis.
Por artes misteriosas de metempsicose e transmigração aparecem na Web Summit seguinte com nova “app” andróide revolucionária, daquelas que provam que a água é molhada ou fazem disparar um alarme no smartphone a avisar que é hora de cortar as unhas ou passear o cão.
Acometidas de fatal sucesso, tombam outra vez mortas.
O ciclo, ou melhor dito, o Circo, repete-se em rotina algorítmica. O Estado apõe a sua chancela em camisolas de 800 euros que um “bate-punho” internacional manda urdir no Vietname. Chamam-lhe “futuro”, mas não é.
O futuro pertence ao Deus parido na calçada e salvo do contentor do lixo por um empreendedor de rua que lá tentava matar a fome.

Comments

  1. JgMenos says:

    Sempre que um progressista se mete poeta…sai merda!

    • Pimba! says:

      Já de V. Exa. sai sempre, tente-se armar em poeta ou näo.
      Nunca há perigo de entrar mosca!

    • A educação é muito linda says:

      O Menos

      És mesmo “one ofucking bastard nazi”, para não te chamar nomes em Português.

      Repugnante

  2. Rui Naldinho says:

    Eloquente, Bruno.
    Todo o texto é “brutal”, e o final sublime.

    Não vale a pena dizer mais nada, para não estragar. 👏👏


  3. De novo e aqui o felicito pelo seu ( e nosso) sentir assim, Bruno Santos !


  4. …e a propósito,
    o deslumbramento do presidente de Portugal numa excitação patética para quem reparou….e lamenta o estado a que chegámos !

    Imagem da “nossa” Joana Lopes :

    http://entreasbrumasdamemoria.blogspot.com/2019/11/marcelo-na-web-summit.html

  5. Madalena Serpa says:

    Belo, comovente e sublime, o seu texto. Bem-haja, Bruno Santos!

  6. Julio Rolo Santos says:

    Já parece ser chique ficarmos na retranca do desenvolvimento para não reconhecermos o sucesso do desenvolvimento. O país deve sentir orgulho no seu desenvolvimento e nas tentativas para o aumentar
    e a maioria dos portugueses sabem-no e isto não significa que tenhamos atingido o pleno, muito longe disso mas, se o compararmos com o passado recente, o avanço é notório mas há quem prefira ignora-lo se, para fazer coro com os pessimistas, ou se para se dizerem que são, simplesmente do contra. Um Presidente prisioneiro no palacete, certamente que agradaria a quem se habituou a vê-los enclausurados mas certamente que me agrada mais vê-lo em contacto com o povo ou em iniciativas de carácter social. A iniciativa da Web Summit, fazer-se no nosso país não é por acaso, mas antes, um reconhecimento de um país em desenvolvimento. É preciso que se tire proveito desse evento para benefício de todos e não apenas de uns quantos.

    • Paulo Marques says:

      Faz tanto sentido como dizer que é preciso que se tire proveito do Europeu, dos jogos olímpicos ou do G7 para benefício de todos – nenhum, porque só ficamos com a factura da megalomania da propaganda em grande escala.
      Para isto fomos escolhidos porque escolhemos ser um destino de turismo barato e baixos (neste caso, nenhuns) salários, onde nem o presidente escapou ao habitual provincianismo de quem não se dá valor nenhum e lá fora é que é bom.associado ao auto-colonianismo de oferecer recursos em troca de consumir o que a elite nos manda. Confundir isso com progresso…

      • JgMenos says:

        És muito nabo!
        Se não és um qualquer manga-de-alpac na função pública, seguramente gostarias de o ser!
        A mediocridade geral é o teu mundo e de uns tantos aí acima.
        Tudo que ameace essa igualdadezinhas arrepia esta gentinha!

        • abaixoapadralhada says:

          O JGMenos

          Um post dum nazi assumido sem uma única palavra “treta” ou “treteiro” ?
          Estas a perder qualidades, provável membro da Legião Portuguesa

        • Paulo Marques says:

          Mediocridade é uma forma propagandista de dizer mediania e que, estranhamente, boa parte das pessoas são, como bem sabes como contabilista com formação de estatística. A partir daí, estás a defender o quê, que metade das pessoas não merece ganhar para viver?

        • R Santos says:

          A alusão a “manga-de-alpac na função pública” mostra que a mediocridade pode estar também associada à patetice de ressabiados frustrados.

      • Julio Rolo Santos says:

        Com a entrada de mais de sessenta milhões de euros no país trazidos e deixados aqui pelos participantes estrangeiros no evento, já conhecido por Web Summit é coisa pouca para quem vê nos turistas, que nos visitam, como uns empecilhos e que só nos escolhem porque somos um país de turismo barato e de salários baixos. E ainda nos podemos dar por muito felizes porque o que temos para lhes mostrar são eucaliptos a perder de vista e imensas áreas cobertas de cinzas, paisagens que não existem no país deles. Bem diz o ditado: somos pobres e mal agradecidos.

        • Paulo Marques says:

          Resta contabilizar os custos, desde o desgaste das infra-estruturas às horas de trabalho perdidas nos sobrecarregados transportes. 60 M€ vão-se num instante.

  7. Com tributo says:

  8. : )) e ainda :

    ! empreendedorismo tuga ! startup, JÁ !!! :

    https://covagala.blogspot.com/2014/03/foto-do-dia-vende-se-agua-da-onda.html

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.