Paradigmas jurisprudenciais

Quanto ao Estado de Direito, Portugal parece agora inspirar-se no paradigma angolano – com alguns traços doutrinários da Serra Leoa -, embora se tenha consensualizado na jurisprudência um uso ainda moderado da catana, que não da lobotomia.

Comments

  1. JgMenos says:

    Não precisa ir tão longe.
    Basta a propaganda de sempre haver vítimas do capitalismo, da sociedade, da família, da escola, do bairro, da raça, da etnia, da *que os pariu, para uma magistratura recrutada, formada e fiscalizada sem exigência e critério, aplicando leis revistas, acrescidas, anotadas, e mal escritas, para que um cidadão se entregue à justiça como quem vai a uma largada de toiros – tudo pode acontecer!

    • Paulo Marques says:

      Esqueceu-se das vítimas da existência do estado de direito e da falta de rendas asseguradas pelo mesmo.

  2. POIS! says:

    Pois tá bem!

    Aqui está um bom exemplo do que se pode chamar “paleio de asterisco”!

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.